Log In

Reviews

Review: ER – The Chicago Way

Pin it

ER - The Chicago WaySérie: ER
Episódio: The Chicago Way
Temporada: 14ª
Número do Episódio: 309 (14×19)
Data de Exibição nos EUA: 15/05/2008
Data de Exibição no Brasil: 05/06/2008
Emissora no Brasil: Warner

Exatamente há um ano, desci o sarrafo – até meio que exageradamente – na review do finale do 13º ano. Levei pro lado pessoal a mutilação de Ray e a forçada de barra que a produção deu para encerrar o episódio com um gancho. Uma temporada depois, os erros se repetem. Mas não sei vou atirar pra tudo que é canto novamente. The Chicago Way foi melhor do que o finale passado e teve boas participações, incluindo alguns retornos, o que mostra certo cuidado da produção em querer manter uma continuidade em suas histórias; e é por isso que não vou pegar pesado na avaliação.

Hipoteticamente, eu também não poderia pegaria pesado no texto, pois esta seria minha última review de ER, coisa que mudou durante a greve. O County continuará de portas abertas pra mais uma temporada, o que prolongará nosso sofrimento por mais alguns episódios: e dá-lhe sofrimento. Sofrimento que prometia já acabar hoje para grande parcela do público de ER: a das fãs de Abby e Luka. David Zabel, homem que um dia já foi um grande roteirista, mas desvirtuou completamente o conceito do seriado quando virou showrunner, mostra que serve pelo menos pra uma coisa: escrever pra Kovac e Lockhart.

Eu não vejo ER por causa dos dois. Aliás, vejo essa série muito antes desses dois chegarem e continuei assistindo mesmo após as saídas de gente melhor que eles. Logo, acredito que apesar da saída dos dois ser uma grande perda, não sentirei muita falta. Maura Tierney é uma excelente atriz e o personagem de Goran Visnjic se completa com o dela, mas já deu o que tinha que dar. O retorno patético de Moretti é prova viva disso. O então centrado Chefe de emergências voltou todo loser ao PS procurando se desculpar com Abby, falando de seus problemas familiares, e fazendo o mesmo com o croata. Sua saga em ER termina depois de levar um soco do marido traído: ainda não acredito que o personagem de Stanley Tucci teve um desfecho desses.

Foi muito maniqueísta: Moretti como o vilão e o casal sendo o bonzinho. Essa maneira rasa de solucionar os problemas foi uma senhora derrapada, pois Kovac estava indo muito bem como marido traído. Se resolveram fazê-lo perdoar Abby, a produção devia usar um maior espaço de tempo. Após se despedir de Walter (Hal Holbrock, que me foi uma grata surpresa na série, é meu candidato ao Emmy desse ano) Luka resolveu levar Abby pro lago e, todo risonho, falar de maneira poética o quanto ele e a esposa devem ficar juntos apesar das diversidades. Isso deve ter agradado em cheio a ala feminina… Luby – nome que venho evitando escrever desde dois parágrafos atrás – mas me soou corrido demais. Só que se Carol resolveu pegar um avião de uma hora pra outra e ficar com Doug, dou um desconto (apesar d’eu preferir bem mais o realismo do casal formado por George Clooney e Juliana Margulies).

Casais a parte, devo concordar imensamente que a relação de Luka e Abby é bem mais agradável de ver que a de Gates com Sam. Uma vez que o caso se tornou público, a coisa esfriou pros dois. Eles não têm mais clima pra transar dentro do hospital e parecem perceber que o que tinham não era nada mais além de sexo. Vá lá, isso não é problema nenhum, ainda mais se sua ficante é a enfermeira Taggart, mas os dois precisam de algo mais do que isso. E com urgência, pois quando se mostrou receoso com o afastamento de Sam, John Stamos fez um bico maior que o do Pato Donald. Olha que eu notei mesmo com a presença de Simon Brenner, personagem que serve de cortina de fumaça pra irrelevância de Gates na trama, afinal, se esse australiano está na série, nenhum outro personagem será pior que ele. Negócio que depois de hoje, a legião de detratores do novato pode aumentar…

Leland Orser teve destaque mesmo num episódio com elenco variado – o que não acontecia há muito tempo. Dubenko resolveu surtar na MM, deu pití e se demitiu ao ver que realmente teria errado por deixar Neela sozinha durante uma cirurgia de alto risco. Isso implica na saída de Orser no show? Isso me preocupa bastante pois gosto do cara, mas acredito que tem muita gente nem aí pra isso, já que nesse núcleo Neela resolveu obedecer Brenner. Se ela está precisando transar, não importa se seu mentor acabou de se demitir ou se o cara na sua frente até pouco tempo lhe causava repulsa: ela arrancou os botões da camisa dele e mandou ver. As fãs de Ray, que ficaram um ano inteiro se lamuriando pela saída do Dr. Barnet, devem ter se sentido ofendidas com a cena, mas… paciência. Quem mandou o loser do Ray não ser um dos três personagens, já incluindo Brenner, com quem Neela já transou na série?

Se sua resposta for “Zabel”, pode estar correta(o). O homem que comanda os roteiristas não parecia ir muito com a cara de Barnett… assim como não parece muito ir com a cara de quem estava dentro daquela ambulância. Ehr… olha: vamos ser realistas. Eu sou um cara que odeia e evita spoilers (odiei a promo desse episódio), mas a solução da charada da premiere do 15ª ano está mais do que confirmada, certo? Sabemos de antemão que é humanamente impossível que quem estivesse naquela ambulância tenha sobrevivido: a máfia turca pareceu ter usado C4 suficiente pra garantir uma temporada inteira de 24 Horas. E claro, usando de um mínimo de inteligência, sabemos quem estava lá dentro, não é? Sam, ou Pratt? Quem teve mais destaque no episódio? Quem estava feliz da vida por ser chefe, contente com a aprovação do irmão e escolhendo anel de noivado? Entreguei demais? Estraguei sua surpresa? Olha, seja honesto: você sabia que Pratt estava lá dentro, não é?

Greg foi o estereótipo do cara que vai ser ferrar no melhor estilo ER. Essa felicidade plena, e boa aceitação do personagem, não estavam com cara boa. Quem assiste essa série há um tempo sabe da psicopatia da produção, que esfaqueia, canceriza (essa palavra existe ou eu inventei?), mutila, esmaga e explode. Isso se nos focarmos apenas entre os protagonistas. A bola da vez foi Pratt, que vinha verdadeiramente se encaixando na série e prometendo algo construtivo com Bettina. Mas as coisas são desse jeito: fazem com que você se empatize com o personagem pra que quando ele saia, você se sinta abalado.

ER - The Chicago WayO competente Steve Buscemi interpretou Arnie Markowitz, homem que mudou sua indentidade graças à máfia turca e ao Programa de Proteção às Tesmunhas. Foi divertido ver Tony Blundeto, primo de Anthony Soprano, novamente com a cabeça a prêmio pela máfia, mesmo que dessa vez seja a turca. E os turcos são cruéis e vingativos, pois tentar matar o cara degolado no PS mesmo com a vigilância do PS foi… Olha, foi exagero do roteiro, vá lá. Se eles tem 200 kg de C4 (eu presumo que seja C4 por causa do kabum da ambulância e pelo fato do diretor ser o psicopata-mor Chistopher Chulack) bem que podiam ter um revólver com silenciador. Simples e indolor. Mas seria exigir demais questionar essa opção do roteiro: sem isso, não haveria possibilidades de Arnie contar sua história e os federais chegarem. Coisa exagerada, mas, de novo, vá lá.

E exagero é com a produção de ER, que parece viciada em ganchos cruéis que envolvem vida e morte. E tirando as conseqüências do impacto da explosão em Abby, a dúvida entre Sam e Pratt foi patética. Você provavelmente deve estar furioso com essa informação “a mais”, mas foi relacionado semanas atrás os atores que assinaram contrato pra temporada final da série, e repassamos isso aqui no Teleseries (leia aqui). Pouco depois, Angela Basset assinou contrato (leia aqui). A lógica é: Mekhi não renovou e Basset entra na série, uma mulher negra num show politicamente correto e que se orgulha de sua diversidade racial. Ou seja: Pratt estava na ambulância e fez kabum. Não deu vontade de rir como no ano passado (Neela sendo pisoteada) porque dessa vez será bastante interessante ver a reação dos colegas a esse acontecimento.

Morris, meu favorito da temporada, que está numa fase dark desde o seqüestro e parece não ter sorte com mulheres – parabéns ao Scott por interpretar com perfeição a reação de Morris ao saber que a paciente era uma acompanhante – reagirá de que maneira ao acontecido com Pratt? E Sam, que foi alguém que insistiu que Arnie tivesse acompanhamento? Vai se sentir culpada pelo o que aconteceu com Greg? Neela sentirá o mesmo ao, provavelmente, ser bipada durante a transa pra atender o colega? E a Abby? Está inteira? Existe alguma chance dela morrer ou ficar com o corpo marcado de queimaduras da explosão? Kovac, que estava perto, de alguma maneira correrá pra ver a esposa ou isso não se passou pela cabeça da produção? E mais importante: sendo Pratt quem está lá dentro, o que aconteceu? Foi rápido e indolor? Terá queimaduras de 3ª grau como aqueles pacientes que tanto vemos em ER e que não resistem?

ER - The Chicago WayEu tinha uma visão pessoal disso tudo e, como nos anos anteriores, havia planejado uma fanfic pra responder tudo isso, mas apesar de tê-la em mente não tive tempo pra escrevê-la. Negócio é ficar com o oficial, no retorno da série em setembro nos EUA e provavelmente em novembro no Brasil. Sabemos que em ER ninguém pede pra sair: pede pra morrer. Acredito que Mekhi tenha pedido isso… e sei por fato que Maura Tierney pediu. Alguma chance de ouvirem o pedido deles? A resposta em alguns meses. Até lá, agradeço e muito a fidelidade de alguns de vocês, assim como os leitores não habituais mas que sempre dão uma passada nos meus textos que… não são muito pequenos (este é meu maior texto desde 11×11 Only Conect). E que as vezes podem não agradar por causa de minhas idéias distorcidas. É por causa desse feedback que desde 2004 escrevo sobre a série. E tudo dando certo, recomeçamos as atividades da 15ª, e última temporada, em alguns meses. So say we all.

Séries citadas:

39 Comments

  1. Kate

    Ótimo review Thiago! Encerrou sua temporada muito bem o que já não digo de ER. O episódio de ontem foi muito abaixo da expectativa. Sei que ninguém há de concordar comigo mas gostei mais de “Honeymoon is over” do que deste. Honeymoon pelo menos teve expectativa, tensão, choque em ver Ray sem as pernas, tristeza de ver Luka indo embora, raiva do novo antagonista Moretti e uma dose de suor frio quando Neela foi esmagada.
    The Chicago Way foi muito morno , diria até frio demais. Parecia um dia pacato , comum demais no hospital , nem o caso daquela testemunha protegida fez com que o clima ficasse tenso. A volta de Moretti foi totalmente sem sentido: ok voltou só pra levar um murro na cara! e daí melhor se não tivesse aparecido.
    Bom indo pro final, como sempre teve o cliffhanger que a mim não causou impacto nenhum, veio e foi. E já sabemos quem morreu é isso que pode acrescentar mais na falta de emoção. Acho que a produção de ER deixa vazar as coisas muito fácil, como em nenhuma outra série, a não ser Lost.
    Enfim , até setembro para a derradeira temporada da série que eu sinceramente acho que não será grande coisa!
    Beijocas Thiago!

  2. Flávia

    Eu nunca comento por aqui, embora sempre leia. Mas como chegou o fim da temporada e a próxima é a última, lá vai: também acompanho ER desde a primeira temporada, na época em que se chamava Plantão Médico e passava na Globo. E também acho que a série hoje é uma sombra do que já foi. Mas, por outro lado, uma sombra de ER ainda é melhor do que a grande maioria das séries que passam por aí – incluindo a novelinha Grey’s Anatomy. Então acho uma pena que a série esteja acabando aquém do que poderia ser. Mas vou aproveitar cada segundo da próxima temporada. E, depois, vou sentir muita falta. Muita.

  3. Paula

    Obrigada a você, Thiago, por ser tão atencioso e fazer reviews tão detalhadas e perfeitas.

  4. Simone Miletic

    Thiago,

    Como me dói ver coisas se repetindo… Como essas mortes trágicas, explosões e tudo o mais.

    Fiquei triste por Pratt. Ele merecia um final digno, quem sabe aceitando aquele outro emprego e saindo feliz com Betina.

    E não sei se vou ver essa ultima temporada. Ou melhor, sei que vou ver, mas sem pique algum. Tô chateada mesmo com os roteiristas. Todas as últimas escolhas deles me deixaram assim…

    Beijos

  5. Tati

    Oi Thiago……detestei esse episodio…..se fosse um epi. normal, blz. mais para final de temporada……deixou muitoooooooooooo a desejar, como todas as series da Warner……(finalzinhos bestas esses).

    Totalmente desnecessário a cena do Luka e Moretti, o que essa besta tinha que ir atrás do croata????????????(achei que ele iria bater no Moretti na hora da conversa com a Abby)Mexer com quem está queito……Abby totalmente apagada no episodio.

    Pulamos a parte da Nella com o médico idiota(outro que irá morrer???????????)

    Dubenko vou sentir falta……Gosto do personagem

    Morris sempre me supreende e gosto demais do personagem

    Agora em relação ao Pratt – que saco, qdo o personagem engrena,toma sentindo na historia e está feliz ele morre(espero sinceramente que ele não tenha morrido)Parece que virou rotina isso em ER – Ninguém pode ser feliz e pronto…..

    Sinceramente terminou como começou apagada e sem graça nenhuma….Vou assistir a 15 e espero que última, pq sou masoquista e gosto de Er…Mais dai-me paciência…..pq. está dificil de acompanhar a serie.

    Thiago, vai ter algum texto paralelo como aqueles que vc faz nos finas de temporada?

    Que venha Novembro e a 15
    :(

  6. Leilane

    Ai Thiago….superHiPeRMEGaMAX brega o “Chicago Way”….
    1 – Uma coisa mais sem propósito aquela explosão…
    2 – Falta de bom senso em trazer Moretti…
    3 – Sam e Gate podem ser considerados um casal? Uma breguice…superficial ao cubo,até o romance de FormiguinhaZ foi mais convincente.

    Vc já sabe quando teremos a 15ª?

  7. Thiago

    Kate (1) Vlw mesmo. Mas eu gostei mais do que o 13×23. Vi Honeymoon com muita raiva por causa do Ray, e esse, apesar de tudo, teve boas participações. E essa de vazar spoilers é realmente ridículo. Tipo, o que revelei aqui não foi nada do que eu já tenha lido, pois fujo de spoilers, mas que eles não se preocupam em manter o segredo é fato. E olha que um dia, Clooney participou do último de Carol sendo que apenas o pessoal que filmou a cena sabia disso. Nem o presidente da NBC ficou por dentro…

    Flávia (2) Aprendi com o tempo que nos meus textos, eu não precisava rebaixar uma série pra falar bem da minha. Mas não posso negar o que você falou: é uma questão de gosto, e que eu concordo.

    Paula (3) Muito grato =)

    Simone (4) Com 14 anos de seriado, você não inventa é nada: apenas repete mais do mesmo e exagera de vez em quando (jump the shark). Agora é torcer pra que essa tenha sido a última colaboração de David Zabel e que John Wells assuma pra valer no ano que vem.

    Cavalca (5) I Know! Dia desses, assisti 5 episódios seguido de BSG, e à noite eu sonhei. Tipo, foi um sonho comum e normal… tanto que não me lembro dele. Apenas do final: eu pedia autorização para o XO. Tô ferrado hauhuahau Viciei na série. Eu tô até doido pra pesquisar a mitologia desse universo mas tô evitando topar com spoilers. Aí, corro vendo tudo

    Tati (6) O final foi bem besta e forçado mesmo, mas eu não sei se detestei. Gostei de acompanhar. E fazer o que fizeram com o personagem de Tucci foi um desperdício. Relembrando a review de 13×23, tinha muita esperança pro Moretti, mas fizeram ele dormir com Abby e o personagem se perdeu… Quanto ao texto (fanfic?) tenho em minha cabeça 50% do 15×01 e 90% do series finale. Vou fazer essas duas e postar no orkut =) Não conta muito, mas… é algo até setembro/novembro. E lembrando que em agosto temos reprises de desde o começo!

  8. Eduardo

    Como um todo a 14ª temporada pode ser definida com uma palavra: inconsistente. Foi quase tão inconsistente quanto a 10ª e 13ª temporadas. Teve ótimos episódios e muitos péssimos também.

    Felizmente, fiquei mais ou menos satisfeito com The Chicago Way. David Zabel e Lisa Zwerling deram uma resolução adequada pra situação atual. Hal Holbrook deu outra ótima performance (ajudada pelo bom diálogo de Zwerling e Zabel).

    Também gostei muito de Steve Buscemi. Ele consegue ser bom em qualquer coisa, até filmes péssimos como Armageddon.

    E no fim das contas, acho que Abby e Luka terminaram de forma saudável, prontos pra seguir além de Chicago e do County General. Não acho que Abby tenha sido vítima da explosao. Provavelmente vai ser ela que vai reconhecer Pratt.

    Não vou reclamar do masoquismo praticado pelos roteiristas quanto a Pratt. Essa é uma manobra clássica tanto na TV quanto no cinema. Quando Joss Whedon reuniu Tara e Willow em Buffy, Tara foi baleada em menos de 40 minutos. Quando Dax e Worf planejaram engravidar em Star Trek, ela foi morta por Dukat. Quando Dolores Landingham foi comprar seu carro, ela foi morta por um bêbado. Não vamos esquecer do casamento de Neela e Gallant. Foi o sinal mais óbvio. É previsível, mas ainda tem seu impacto.

    Pratt evoluiu de forma admirável nesses 6 anos. Sentirei falta dele, mas todo personagem chega a um fim, seja ele feliz ou não. Imagino qual será a reação de Carter ao saber da notícia em seu retorno a série.

    Por sinal não teve música pop nesse episódio. Que milagre foi ter a música excepcional de Martin Davich em seu lugar naqueles últimos minutos. Fez esse final valer mais a pena. Bom saber que Christopher Chulack não esqueceu de Davich por completo.

    Não tenho muito o que dizer sobre Neela e Brenner. Espero que seja o estopim pra sua saída rápida e limpa. E Moretti realmente deu pena.

    Se minha previsão estiver correta, esse foi o roteiro final de David Zabel (também havia previsto a saída de R Scott Gemmill no ano passado). Como nenhum showrunner supera 3 anos em ER, mantenho minha convicção.

    Farewell David Zabel!!!

  9. Mel

    Eu ainda nao consegui assistir…
    Na verdade parei de assistir ER na cena em que Abby ia fazer “vc sabem o que” com “com vc sabe quem”.
    Aquilo me fez tao mal que nao consigo nem falar.
    Depois disso nao consigo assistir. Por acaso semana passada vi uns pedaços da reprise. E só.

    Ando me preparando psicológicamente pra baixar tudo que nao vi.
    Apesar de tudo ER sempre foi uma das minhas preferidas e assim como a Si to muito magoada com os roteiristas.
    Quando eu conseguir superar tudo, eu baixo.

    De qualquer forma, ótimo review. Como sempre,by the way.

    Até a próxima, com menos tortura, eu espero.
    ;-)

  10. Eduardo

    E mais uma coisa: adorei a saída de Dubenko. Gostava dele, mas isso abre diversas possibilidades para a próxima temporada. Uma possível renovação desse núcleo cirúrgico. É esperar pra ver.

  11. Mônica A.

    Thiago, ótimo rewiew. Muito melhor que o episódio. Achei muito besta. Aquela explosão sem sentido (eu gosto do Pratt, sacanagem matarem ele), o reaparecimento do Moretti totalmente fora de propósito, a Neela com o (eeeew) Brenner; nada disso me agradou.

    A única coisa que gostei foi o Luka e a Abby terem se reconciliado, mas mesmo assim poderia ter mais emoção na cena.

    Apesar de tudo vou assistir a 15ª temporada. Afinal, é a última, e eu assisto a série desde o início.

  12. Giselle

    Muito bom o seu texto Thiago. Como a Kate também achei o final da 13a temporada melhor tirando isto
    concordo com tudo o que você escreveu.
    Abby e Luka : Ok. Já deu o que tinha que dar mas vou sentir falta dos dois. Principalmente da Abby acho que com a saída dela Sam e Neela não seguram ER mas acho que a Angela Basset deve suprir a ausência dela até porque é muito mais atriz que a Linda e a Parminder. Voltando ao casal eu sobrevivi quando Doug e Carol sairam este sim o melhor casal de ER então devo sobreviver a esta perda também.
    Morris: Agora sim estou gostando do Morris.De novo a sua participação foi muito boa.
    Dubenko: Não gostei da saída dele mas acho que ele na 15a temporada. Gosto do personagem. E falando no Dubenko . Cadê a Skye?
    Sam e Gates: Pois é agora que a coisa deixou de ser proibida apagou o fogo. Escondido é mais gostoso né? Mas eu acho que tirando aquela besteira de jantar no terraço e cenas bobinhas como aquelas do episódio passado acho que o casal pode engrenar. Vamos aguardar. Ok Thiago concordo o bico do Stamos foi exagerado mesmo mas eu já me acostumei o biquinho é a marca registrada dele tipo o Horatio do CSI Miami com os óculos ehehehe.
    Aqueles biquinhos irritam é verdade mas eu ainda continuo gostando dele.
    Neela e Brenner: Achei meio parecido quando ela agarrou o Gates na sala e o Ray flagrou lembram?
    Foi a mesma coisa teve uma palestra antes,depois os dois discutem e ela tasca um beijo no Gates.
    Com o Brenner foi a mesma coisa. Bem gente a Neela tava necessitada então já viu né? Agarrou o cara.
    Pratt: Já sabia que ele iria morrer como sempre não aguento e leio spoilers e detestei isto.
    Adoro o Pratt desde que ele entrou em ER. E agora que ele tava todo feliz tudo dando certo o cara explode. O Pratt tinha tudo pra ser o protagonista
    na próxima temporada mas fazer o que?
    O Mekhi não quis renovar o contrato então vamos ficar sem o Pratt mas poderiam dar outro final pra ele. Bem é isto agora só nos resta esperar pela 15a temporada e torcer muito pra que ER tenha o final que merece.

  13. Diego Presti

    Tiago, quando comecei a ver o seu review, achei que sentiria culpa por ter gostado. Mas não senti. Acho que com o que ER tem hoje não podemos criar muitas expectativas. A presença do Stanley Tucci, do Steve Buscemi e do Hal Holbrook, que teve praticamente um monólogo com o Luka, foram muito boas.
    Concordo que deveriam dar outro final ao Pratt. Quando o personagem passa por um bom momento(apesar de achar forçada aquela paranóia dele com o paciente) booom! Mas esse tipo de desgraça, infelizmente, já faz parte da série.
    Neela e Brenner dando os amassos… não acharia ruim se eles estivessem na ambulância no momento da explosão. Já que é para ter desgraça, que uma sirva para terminar com a outra. E lá poderiam ficar à vontade, não tem a Weaver para atrapalhá-los.
    Sam e Gates esfriaram, mas continuo gostando do casal.
    As cenas da Maura com o Luka foram boas ,exceto aquela da carona para o hospital. Deu a sensação dela ser mais longa que o episódio todo.
    Esperemos pela 15ª, e que não fiquem devendo personagem para a Angela Basset, como fizeram com o Stanley Tucci. E que o Noah Wyle tenha boas participações como não foi na 11ª.

  14. Mica

    Eu gostei bastante do episódio, mas como um episódio e não como final da temporada.
    Ok, eu era fã de Kovac/Abby e por isso fiquei muito feliz com a reconciliação dos dois, mesmo que tenha sido através da participação patética do Stanley Tucci. Depois disso ela até poderia ter morrido em decorrência da explosão que eu teria ficado feliz do mesmo jeito, pq Luka teria percebido que o amor dos dois é mutável e maior do uma traição num momento de desespero emocional.
    Uma coisa que eu sempre achei interessante no casal, é que embora eu gostasse dos dois desde o dia ‘um’, o Luka sempre foi mais destrutivo para a Abby do que uma boa influência. Foi só depois que ela se resolveu como pessoa que os dois passaram a ser um casal ‘pra frente’. Por isso foi meio natural ele não saber lidar com outro dos momentos destrutivos dela, pois a verdade é que ele nunca soube, mesmo antes de ficarem juntos pela segunda vez. Agora ele amadureceu um pouco mais e talvez consiga ajudá-la num momento de recaída qualquer.
    Mas não foi só de Luby que foi feito o final. Eu gostei muito do Pratt. Na verdade, nesses últimos episódios eu passei a simpatizar bem mais com ele. Não queria que ele morresse. Já disse: preferia que ele fosse para um outro hospital, pq apesar de eu perceber que do povo ali ele é o mais indicado para ser chefe, eu não gosto da idéia. Mas morrer!? Isso é tremenda sacanagem com o coitado!
    Morris é tudo de bom. Dá de 1000 a 0 no Gates. E por falar no Gates, cansei desse namoro com a Sam. Não é que me cause náuseas como o relacionamento dele com a Neela, mas também não vejo nada construtivo nisso.
    Quanto à Neela, o que deu na guria para transar com o idiota do Brenner? Tudo bem que ele não estava TÃO idiota quanto sempre nesse episódio, mas ainda assim o cara é um mala só! E ela o desprezava até segundos atrás. O desespero por sexo é tanto assim?
    Quanto ao Dubenko…bom, ele disse tudo: é absurdo a OR ter apenas um responsável. Ele não é Deus, não é onipresente (ok, ele não disse isso, mas…), não tem como ele ser responsabilizado pela paciente ter morrido, assim como não tem como a Neela ser responsabilizada ou criticada por uma decisão que tinha o direito e a obrigação de fazer na mesa de cirurgia.
    Mas vá lá, vou ler os comentários dos outros agora.

  15. Mica

    Eu me pergunto o que o Noah Wyle vai fazer na 15ª. Ainda tem alguém que ele conhece no hospital!??

    (comentário fútil: não gosto das roupas da Abby. Aquelas camisas que ela usa deixam-na com cara de garçonete..nada contra as garçonetes, mas…).

  16. marília

    depois desse rewie excelente, sobra pouco a dizer.

    é por isso, que nós, os fã fieis, somos tão psicopaticos como os roteirista. dá pra entender perfeitamente pq um fã normal não atura e até ridiculariza as tragédias de E.R.

    mas o fato é que entre as tragédias e /neela e Brenner se esfregando, mil vezes uma explosão. seriously!!!! (pun intended)

    eu ainda tinha esperança que não fosse pratt. (ha! eu me divirto tendo esperanças com e.r) sacanagem. eu nem quero falar disso…

    agora o highlight:

    LUBBY!!!!! ó, chorei, tá? foi muito lindinho!!! não tem pessoa no mundo das séries que eu deseje mais a felicidade do que a abby! gente, como eu gosto dela!!! é uma identificação… sei lá. mesmo sendo ela quem é.

    é sempre ruim qnd alguém que vc gosta sái. lógico que antes de abby e luka, víamos a série com os originais e a perda deles foi irreparável, mas para o contexto atual, saídas de abby, luka e pratt são insuperáveis e tristes.

    por isso, GO MORRIS!!!!

  17. Carlos Tubs

    Repetindo o que eu comentei no último review: não foi um “21 Guns”, mas não foi horrível como “The Honeymoon is over”.

    Para se ter um melhor aproveitamento da fase atual da série, não criem expectativas, você aproveita melhor o episódio. Depois da decepção do episódio 300, eu assisto os episódios sabendo que a emergência não vai estar lotada, que só vai ser um ou dois paciente no episódio, que não existem mais arcos que duram vários episódios com poucas exceções…

    Como eu já imaginava, não teve aquele movimento todo, realmente o finale da 13ª temporada foi um pouco mais movimentado, mas foi só isso que teve de bom naquele episódio! Morris teve uma participação menor, mas boa. Na hora que a filha da paciente falou que trabalhava como fisioterapeuta a noite eu imaginei que não era isso, acho que de tanto assistir os episódios tem coisas que já dá pra prever em ER :p

    Neela e Brenner… acho que vai se resumir a isso, não vai dar em nada não, aquele cara é muito insuportável e espero que saia logo no começo da próxima temporada. Dubenko fora de ER? Não sei não, mas acho que isso não é bom, mas o que ele falou poderia ser um bom pretexto para que o County contratesse mais um cirurgião de trauma (bem que podia ser a minha amada Corday… estou delirando um pouco, hehe).

    O ator que interpretou o velhinho da casa de repouso é praticamente uma unanimidade: merece o Emmy de melhor participação! Foi muito engraçado ele falando pro Luka que ele é muito depressivo.

    O Moretti nem parecia a sombra do final da temporada passada, suas cenas não foram o ponto alto do episódio, pra mim não fez muita diferença.

    Abby não teve muito destaque nas cenas de trauma como no episódio anterior, seu destaque foi ao lado de Luka. A cena dos dois conversando foi o máximo para os fans do casal. Confesso que gosto dos dois juntos também, mas infelizmente não há o que ser feito mais e realmente está na hora de eles seguirem suas vidas. É uma pena que ao invés de vermos a Abby mais focada na medicina tivermos que vê-la sofrendo com bebedeiras e dormindo com o chefe, foi um desperdício, seria bem melhor ver a Abby tratando pacientes, defendendo os residentes do Moretti, como ela fez em um episódio que não me lembro qual foi.

    Depois que o namoro de Gates e Sam tornou-se público a coisa esfriou, acho que não vai ser sério, era mais físico o negócio. Vamos ver na próxima temporada, afinal sabemos que Sam estará vivinha da Silva…

    E o Pratt. Acho que nuca odeiei tanto um personagem em ER como Greg Pratt. Em uma época em que estávamos “orfãos” com a morte de Mark Greene aparece esse metido a sabe tudo que desobedece os superiores e faz uma mala! E o pior: é o 3º nome dos créditos! Não consigo aceitar isso até hoje! Ele estava tendo bons momentos no episódio e tal… ficou mais agradável… Mas não consigo esquecer das m… que ele fez nas temporadas 9, 10, 11 e 12. É engraçado, se fosse nessa época um monte de gente estaria feliz por ele estar morrendo, bem que podia ser ele ao invés do Romano na 10ª temporada…

    Mas, apesar de todo o ódio e a implicância que tenho com o personagem é uma pena que o ator tenha decidido não renovar pra 15ª temporada.

    Como o Eduardo (9) falou foi muito agradável a trilha no fim do episódio, ao invés de músicas pop e confesso que mesmo sabendo o que iria acontecer levei um baita susto na hora que a ambulância explodiu.

    Bem agora ficamos na contagem regressiva para 25 de setembro nos Estados Unidos e algum dia de novembro na Warner… Espero sinceramente que a próxima temporada seja muito boa, que faça a gente relembrar os velhos tempos, com muitas participações das antigas (na frente e atrás das câmeras), histórias emocionantes, episódio de deixar a gente sem fôlego, que a entrada de Angela Basset no elenco sejam muito bem aproveitada e, finalmente, que o Zabel saia da série!!!

  18. Tatiana

    Thiago, vc vai colocar na comunidade?
    Agosto estou ansiosa, e tomara que a warner coloque as reprises as 23:00 se não meu video vai funcinar bastante……rsrsrsrsr
    Vou aguardar seu texto então :)

  19. Patrícia

    Achei esse final razoável, melhor que o da 13a, levei um susto com a explosão! (já tinha visto pela net – ainda bem, pq ia ficar com muita raiva depois de ver a promo da Warner… odeio spoilers)

    Achei que a história de Abby e Luka se resolveu muito rápido, de um jeito sem graça, mas ia ter que resolver nesse episódio, né?

    E como muitos já disseram, é um clássico de ER fazer um personagem ficar feliz pra ele ter um final trágico.

    Espero que a Angela Basset tenha uma boa participação na próxima temporada, mas, como as últimas participações acabaram sendo desperdiçadas, não sei não…

    Gosto do Dubenko também, não queria que ele saísse, aliás, ele merecia ter o nome creditado no elenco principal há um tempo…

    Acho que a Abby não morreu… pelo menos não gostaria que ela tivesse morrido, aí é exagerar demais na desgraça, né?

    Sam e Gates, Neela e Brenner, sem comentários, casais estúpidos…

    E que venha a 15a. temporada (não agüento mais, maldita greve de roteiristas!)

    Ótima review como sempre, Thiago! Espero ler sua fanfic!

  20. Thiago

    Eduardo (9) Pois é. ER é uma gangorra faz anos. Mas que foi melhor que o ano 13, foi sim; porém, ainda acho os anos 10, 11 e 12 melhores (não sei em que ordem). O “bom” do acontecimento de Pratt será a reação dos colegas: eu espero mesmo que isso não seja esquecido e eles passem alguns episódios refletindo sobre isso. Pois é: surpresa! Finale de ER apenas com música original… E não fala mal de Armageddon!

    Mel (10) Tenta acompanhar domingo. Acho que o episódio vale a pena sim. E vlw por ler mesmo sem acompanhar os epis: ruim pra série, bom pra mim =)

    Eduardo (11) Cara, Dubenko não é pra sair…

    Mônica (12) Pois é. Só falta mais uma temporada. Se aturou até agora, pq parar de assistir logo no último? =T

    Giselle (13) Ferrou: você mesma comparaou Stamos ao canastrão supremo Caruzzo. Palavras suas! XD E como Mekhi vai sair… Scott Grimes pra protagonista!

    Diego (14) Nah… Nem se sinta culpado mesmo: o episódio foi bom. Pelas suas participações, mas foi bom. E a preocupação é essa: bom uso tanto de Basset quanto Wyle (que é O cara)

    Mica (15) Pode até ser discutível o amor de Abby e Luka, que por vezes é meio fantasioso. Mas o romantismo agrada ao público feminino e isso é que importa: desisti de bater de frente e mostrar que Carter realmente se importava com ela e que Luka só conversa com ela quando estão brigados. Mas.. vá lá. Pratt foi tudo nesse final de temporada. Atendente do ano. Pena mesmo. Resta Morris que continua dando o tom. E a Neela… deixa, vai. Ela não faz faz tempo hauhauhauha

    Mica (16) Em minha mente, Carter volta da África pra checar sua clínica, talvez voltar a trabalhar no PS (sua participação será nos 4 últimos episódios) e servir de elo de ligação pra possíveis retornos, como os de Abby, Luka, Weaver, Carol, Doug, flashbacks de Mark… sonhar não paga impostos =)

    Marília (17) A mudança de elenco é mais grave do que no 8ª ano (Malucci, Cleo, Benton e Mark) e 11ª (Corday, Chen, Carter e Susan de tabela) porque dessa vez não temos equipe na reserva. Por isso… GO MORRIS!

    Carlos (18) ER era sobre a rotina de um hospital escola. Isso mudou faz tempo e, infelizmente, já me acostumei… Morris apareceu bem, mas pouco, porque o episódio teve muitos personagens. Não teve tempo nem de elaborar mais o Moretti, que foi patético. Mas o Hal Holbrock fez mais do que devia e merece Emmy mesmo. Minha tragetória de detrator do Prat tbm foi longa. Mais que a de Morris, mas hoje, os dois são meus favoritos. Pena isso ter acontecido. E fora Zabel!

    Tatiana (19) Ai, ai… não devia ter prometido XD Agora já foi e não tem pra onde: agora que escrevo mesmo huahauhauha

    Patrícia (21) Infelizmente, não consegui fugir dos spoilers: eles me alcançaram. Queria muito ver sem saber, mas a explosão tava muito cantada. Porém, não foi nenhum 21 Guns, mas como disse Carlos, é melhor que Neela em Honeymoon. E pois é: Luka era pra se reaproximar aos poucos. Não de repente =/ Quanto a Abby na explosão, espero mesmo que ela se fira um pouco. Não precisa ser gravemente pq o epi seria denso demais. Mas ela se ferir traria uma boa dramaticidade. Negócio é aturar mais uma mesmo. Vlw e.. aguarda o texto =)

    ufa…

  21. Leonardo Toma

    Episódio ridículo na minha opinião. Porém, melhor que o 13×23. Aí vão os motivos:

    1 – Explosão de novo. Gancho totalmente desnecessário para a próxima temporada. Po&*a meu, ER não precisa mais de cliffhanger. Ninguém mais vai assitir ER, só os fãs que sempre acompanharam a série, por isso achei muito inútil o uso desse artifício.

    2 – Dubenko fora. O único cirurgião com cara de cirurgião da série vai sair? Assim, do nada? Se o núcleo de Neela já era patético, imagina agora…

    3 – Brenner. Sem comentários.

    4 – Sam e Gates. Casal mais forçado que Crenshaw e Figler.

    5 – Pratt fora. O único protagonista em potencial para a última temporada da série sair é triste. A volta de Carter seria justificada somente pela presença do médico. Agora, Carter nunca se relacionou direito com Sam, Morris, Neela e nem ao menos conhece Gates! A produção devia ter dado um aumento significativo pro ator continuar na série.

  22. Carlos Tubs

    Pra mim, as piores temporadas de ER ficam na seguinte ordem: 13, 11, 14, 12 e 10. Não coloquei a 9ª temporada na lista porque foi teve um excelente começo e fim, apesar do excesso de cenas do Pratt. Eu coloca a 11ª na frente da 14ª, mas é quase um “empate técnico”, mas eu acho que a 14ª foi um pouquinho melhor que a 11ª.

    Espero que quando o Carter voltar alguém dos velhos tempos esteja lá, a mais apropriada seria a Weaver, ou quem sabe a Susan (essa é difícil…), mas se Deus quiser Zabel não vai estar mais na série e o John Wells vai assumir o controle e vai dar tudo certo!

  23. Luciana

    Primeiramente,gostaria de agradecer por ter passado a temporada acompanhando tudo qui nesse site,não de pessoas Luby,ou anti-Luby,apenas de Er.

    Eu gostei muitíssimo do episódio,eu tenho uma queda por epis dirigidos pelo Christopher Chulack e tava óbvio que iria ser o Pratt,mas eu só pensei nisso,na terça-feira,no ponto de ônibus.Principalmente por causa de Status Quo eu achei que Pratt decidiria sair sozinho,mas foi ao maior estilo Er que ”o personagem da sala de emergências saiu para sempre”

    Foi desnecessário aquele começo com a Sam e o Gates,mas não me preocupo com eles,porém,Neela: será que vai começar tudo de novo?Espero que a 15 seja a temporada do Morris,que agora ficou mais sério.Não fiquei muito satisfeita com o Luka dando uma de Ryan com o Dr.Morreti,mas é o que os Lubbys queriam desde Blackout,não é? Porém as cenas dele com o Walter foram à moda antiga,muito boas mesmo e até que não foi forçado a Abby com as ”bodas de papel”.Foi meio exagerada a história do paciente da semana( odeio usar esta expressão,me lembra House)mas atire a primeira pedra aquele que não gosta do ator.Foi corajosa a atitiude do Dr.Dubenko dando uma de Corday na “Inquisição” reclamando das condições dos cirurgiões,mas parece que a ala do Or não importa mais.

    Em suma: The Chicago Way foi bem melhor que o outro final de temporada e,ao contrário do que pensei,estou ansiosíssima para ver a 15 temporada pra ver a reação do pessoal pela tragédia do Pratt,que demorou 5 temporadas pra conquistar e,quando consegue,explode.

  24. Giselle

    Esqueci de comentar que as participações do Steve
    Buscemi e do Hal Holbrock foram ótimas mas a do Stanley Tucci me decepcionou. Só tava no episódio pra levar o soco do Luka. Também acho que o Scott
    Grimes merece ser o protagonista. O Morris melhorou muito. É me ferrei mesmo mas sabe que eu amarro no Horatio ahahahaha.

  25. Denise

    Gente que saudades das temporadas iniciais de ER. Principalmente a 4a. que pra mim foi a mais legal. O romance entre Carol e Doug e principalmente Mark e Cíntia. Ah a Cíntia interpretada pela maravilhosa Mariska Hargitay ( Lei & Ordem – SVU ). A sua participação nesta série alavancou sua carreira e hoje é a atriz mais bem paga da TV, está até no Guinnes Book. Pra mim, estes são os grandes casais de ER. Abby e Luka são muito morninhos mas até que gostava deles!

  26. Diogo Bahia Messias

    Parabéns Thiago!

    O Review estar ótimo!Eu amo todo final de temporada de ER, claro que esse não foi o melhor. Para mim o melhor final de temporada foi 21 Guns.Muito bom!!!!
    Agora é aguardar a repercussão desta grande e cinematográfica explosão!

    Até lá.

  27. Lu Lima

    POW! eu nem sabia! Coitado do Pratt! Esses caras são maus!concordo quando diz que fazem a gente gostar do personagem, pra matar, esfaquear, ou explodí-lo e os fãs ficam tristes!

    Realmente Hal Holbrock e Steve Buscemi arrasaram! Merecem um Emmy!

    “Sabemos que em ER ninguém pede pra sair: pede pra morrer.”

    kkkkk é mesmo, que diga a inesquecível querida Lucy! Coitada dela, tô triste até hoje!

    Tbém nã suportp Abby/Luka, mas gostei do final deles. Mas não acho que a Abby sofra algum dano, deu impressão que ela nem tava tão perto assim para, ser queimada, por exemplo.

    Detesto esse elenco atual. Neela, Gates, Sam, Morris, etc. São um dos motivos para eu só acompanhar a serie por comerciais e reviews.

    X Cruzando os dedos para ter o Carter de volta!!!!!!

  28. Thiago

    Leonardo (22) Até a 5ªtemp, não havia essas ganchos em ER. Tipo… o último de uma temporada só se completar no primeiro da seguinte. É caduquice (e sinal dos tempos, pois hoje quase toda série tem um gancho). Quanto ao Pratt, não entendi muito isso: conseguiram segurar Goran e Maura por tantos ano, e logo agora que ele ia ser o protagonista, sai? Deve ter cansado mesmo.

    Carlos (23) Acho que Susan não volta nem em flashback. A discução entre ela e a produção pareceu ter sido feia. O que é uma merda!

    Luciana (24) Deixei escapar isso. Realmente, foi muito, muito bom falar da série em geral e não tomar partido. Acho que conseguimos ser imparciais aqui, e falar bem ou mal quando algum núcleo merecesse. Chulack é dos meus preferidos, mas ainda fica atrás de Johnathan Kaplan, Mimi Leder, John Wells e Laura Innes em minha opinião. Mas pra explosões, não tem melhor mesmo. E de novo: dá-lhe Morris!

    Giselle (25) Stanley Tucci deve ter assinado pra um número x de episódios, e a produção guardou seu último pro final. Garanto que se não fosse essa obrigação, Tucci não teria voltado porque o personagem foi uma porcaria. Um sombra do que teriam prometido à ele. Tanto que não consigo imaginar um episódio em que ele tenha se destacado pra concorrer ao Emmy. Só seu discurso no finale do ano passado mesmo. Gates=Horatio=Stamos=Caruzo. Caso encerrado hauhauhauha

    Denise (26) Daqui a pouco esses primeiros anos retornam. Em agosto, e tomara que num horário decente.

    Diogo (27) Vlw, cara. E comparar com 21 Guns qualquer finale de ER é meio injusto. Talvez só Lockdown tenha chegado perto: aquele gancho do tiroteio foi perfeito.

    Lu (28) Anos atrás, quem diria que ficaríamos assim com hipotética saída de Pratt? Assim como dizia a letra da música na cena em que Ray é atropelad, o mundo dá voltas… E pedir pra morrer é bom pro personagem: Lucy não seria o que é hoje se ela saísse que nem a Anna del Amico. E imaginem só um episódio com uma morte da Susan: ia ter quase tanta comoção quanto Mark Greene. Claro, se for que nem a de Romano, o tiro sai pela culatra

  29. Nanda

    Thiago, primeiramente, parabéns pelo review. É muito legal depois de um episódio encontrar um texto bacana com comentários idem e de alto nível. (não tenho Orkut…). Não existe um lugar melhor do que esse para discutir a série, somos tão ridicularizados em outros sites…

    Segundo, AMEI a participação de Hal Holbrock, que ator excelente, assim como Buscemi. Em contrapartida odiei a do Stanley Tucci, não por ele em si, mas o que fizeram com o personagem dele. Não se desperdiça um ator desse nível. Acho que foi meio arrogância de Zabel, como se estivessem fazendo um favor para ele, afinal, ER consegue ator de renome num estalar de dedos mesmo… :-P

    Por incrível que pareça a série ainda tem uma certa confiança desse meio. Lembro que não muito tempo atrás, numa entrevista de Al Pacino, perguntado se teria vontade de fazer tv, ele brincou dizendo ‘quem sabe uma participação em ER…’ Pois é.

    Achei muuuito melhor que ‘Honeymoon is over’. Aquela cena patética do Ray com as pernas mutiladas foi o fim (e nem gostava muito dele). Só se compara com a morte do Romano. Felizmente nessa foi só uma explosão (eu disse felizmente? E só?). Mas nunca é tarde, posso queimar a minha língua. Os litros e litros de sangue da Neela que o digam.

    Nem vou comentar essa do Pratt. Fiquei deprimida…

    Aguardando ansiosamente pela volta de Carter. E da Kerry. Ela TEM que voltar, não tem desculpa. Saiu andando, de bem com a produção, ela PRECISA voltar. O Benton também seria bacana, só para lembrar da dinâmica dele com o Carter, quem sabe comentam como se conheceram, seria demais. Adorava o relacionamento dos dois.

  30. Sonylena

    Para começar, não gostei do último episódio.
    Achei fraco, sem emoção e principalmente, com situações forçadas dos personagens, tipo Luka e Abby, o Dr Moretti, o Dubenko, ñão precisava tudo aquilo, e o que era a Neela com o médic novo?? até 2 segundos atrás ela pdiava o cara? e pq todo mundo transa no hospital???? me faz pensar que nos nossos hospitais públicos, quando o atendimento médico demora, será que é ISSO que os médicos estão fazendo????? grandes dúvidas….
    De qualquer maneira, vou sentir falta do casal favorito de todos, e tb do Pratt, eu gostava dele.
    Agora é aguardar a última temporada, e já começar a me sentir orfã…
    Boa semana á todos…

  31. Tatiana

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, e eu vou ter que cobrar…

    Vou tentar olhar na comunidade de vez em qdo, para ver se tem algum texto seu lá.

  32. Vanessa VM

    Ótima review de fechamento do 14º ano, Thiago.
    Como agora tenho o orkut, antes de conseguir assistir ao episódio (só consegui no domingo), li o spoiler sobre a explosão da ambulância e quem estava lá. Confesso que me influenciou muito. Adorei o abraço de Pratt em Chase, parabenizando-no, mas chorei em saber que ele não estará lá para vê-lo. Odiava Pratt no início, mas ele mudou tanto… Não tem como não sentir sua falta.
    Já tinha comentado aqui há algum tempo, que ER adora matar quem quer sair, portanto adorei o que você escreveu: “Sabemos que em ER ninguém pede pra sair: pede pra morrer.” Hilário!
    Adorei as participações especiais. Capricharam desta vez.
    Sinto muito, Thiago, mas foi bom ver Luka dando um soco em Moretti. Adoro o ator (Tucci), mas já que acabaram com o personagem dele, (e ele merecia ter um destaque muito maior do que apenas “o cara que acabou com a relação Lubby”), então mais do que merecido o soco, numa situação dessas. Muita cara de pau de Moretti, por melhores intenções que tivesse.
    Neela e Brenner, nem comento. Não me conformo como conseguem fazer tantas mudanças de comportamento em Neela, e Brenner, bom esse prá mim nem existe. Devia ter morrido na ambulância!
    Será estranho Morris sem Pratt,e temo que ele encontre em Brenner um amigo.
    Gostei da decisão de Luka em ir embora de lá com Abby. Ele recordando o beijo na saída da ambulância foi um flashback que gostei. Já que não é vida real, que eles sejam “felizes para sempre” kkkk
    Agora é só aguardar pela fanfic.
    Ah, Thiago, você podia fazer as reviews de House, já que não vejo nunca por aqui…

  33. Thiago

    Nanda (30) Realmente, deve ser muito legal topar com um site cheio de gente disposta a falar de ER. Até anos atrás, cheguei a pensar que só eu via (nenhum amigo meu assiste). Estou satisfeito tanto no Orkut, quanto no Teleseries. ER é bom de participação especial, mas eu desconhecia essa frase de Al Pacino; legal mesmo! Sobre os retornos, Laura Innes dirigiu um episódios e foi à festa dos 300 depois de Weaver sair, então acredito em seu retorno. Mas não no de Benton. La Salle são tão, ou mais brigado, que Sherry Stringfield =/ O ator é o único a não aparecer nos extras do DVD 1ª ano…

    Sonylena (31) Essa de todo mundo transar é coisa do Zabel. Ele tentou agradar com a fórmula de Grey’s sem perceber que os públicos não são necessariamente iguais. Quanto ao Tucci… desperdício.

    Tatiana (32) Droga de novo! XD Só pra constar, escrevi o ‘previosly’ e metade da 1ª cena. Não é nem 1% do texto mas tô sem tempo e com uma preguiça tremenda =p Mas já tenho no meu bloco de anotações a linha de roteiro: que sai, sai

    Vanessa (33) Vlw =) E não desconfio de que Luka ter dado um soco no Moretti foi de bom agrado para as fãs, mas, apesar de eu ter feito isso também numa fic – http://www.fanfiction.net/u/949415 – não foi a melhor das opções. Ainda mais desse jeito: Moretti foi um tremendo loser! Quanto às reviews de House, Vidoni está fazendo um tremendo trabalho. Foi ele quem me viciou na série e gosta mesmo do seriado; além do mais, só me sinto confortável escrevendo ER mesmo. Acho que é algo que controlo =T

  34. Luciana

    O Christopher Chulack é meu direto preferido em episódios caóticos,a Laura em episódios mais calmos e românticos e o Jonathan em epis mais ”comuns”a,mas são todos ótimos,cada um em seu estilo.Antes eu nem olhava os créditos,sabia?Foi esse site aqui que me fez prestar atenção nos diretores,ser mais exigente com os episódios,prestar atenção em mais personagensa que Abby e Luka,etc

  35. Larissa Costa.

    Olha Thiago, eu não sei quem você, se você é algum grande crítico de séries e cinema, mas acho que quem exagera muito é você.
    SE TÁ ACHANDO TÃO RUIM ASSIM OS EPISÓDIOS DE ER, VÁ LÁ VOCÊ MESMO DIRIGÍ-LOS E MOSTRAR AO SEU ‘PÚBLICO’ COMO DEVE SER FEITO!

  36. Marianna

    Thiagoo
    qto tempo q n apareço na comuna de ER, mas sempre leio seus reviews.

    Achei ridicula a season finale, mas na verdade vim aqui com um pensamento positivo…
    Quem sabe n seja bm que o australiano durma com a Viúva negra, assim quem sabe ele exploda ou perca um braço, ou fique mudo, ou paralítico…
    Afinal de contas, Neela é chave de cadeia…

  37. Mary

    Gente!!! Eu tô muito confusa.
    Eu não assiti a última temporada,e faz tempo que não passo por aqui.
    Então estou chocada.
    Gates com a Sam???
    Abby sem o Luka???
    Isso e demais para mim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account