Log In

TeleRatings

A Semana lá Fora: as premieres de Battlestar Galactica e Kyle XY, a despedida de Grissom de CSI e mais

Pin it
http://www.teleseries.com.br/wp-content/uploads/2009/01/legion.jpg

Cena de Battlestar Galactica

Pelos Deuses de Kobol! 2009 começou em alta voltagem, com muitos seriados bacanas na televisão. Na semana passada, além da volta de 24 Horas (leia a coluna especial clicando aqui), tivemos umas penca de boas séries indo ao ar nos EUA.

Para esta coluna, escolhemos 17 delas para comentar. Tem assunto que não acaba mais! Confira nossos reviews de CSI (o adeus de Gil Grissom), NCIS, Scrubs, Privileged, ER (a volta da doutora Corday), One Tree Hill, The Office, The Big Bang Theory, How I Met Your Mother, Nip/Tuck, The Mentalist, Supernatural, Grey’s Anatomy, Smallville (com a Legião dos Super-Heróis!) e textos sobre as season premieres de Kyle XY, Flashpoint, The Secret Life of the American Teenager e, claro, o aguardado início do fim de Battlestar Galactica.

Battlestar Galactica: Sometimes A Great Notion (4×11)
Exibição: 16/1/2009
MVP: Edward James Olmos, Kandyse McClure e Michael Hogan

Battlestar Galactica começa sua caminhada final e, Meus Deuses, eles resolveram tantas questões pendentes em apenas um episódio, e lançaram outras várias questões.

Como o espaço é curto vamos aos acontecimentos: primeiramente, a 13ª tribo é, na verdade, uma tribo de cylons. Logo a Terra, 2000 anos atrás, era habitada por cylons! Kara Thrace descobre seu viper e possivelmente seu próprio cadáver nos destroços na Terra, sim, é isso mesmo que vocês leram: o próprio cadáver!!!

Anastacia “Dee” Dualla se suicidou, em uma das cenas mais chocantes de toda a série até agora e, assim como Lee, ainda tento entender, confesso que tive que me segurar pra não chorar.

Almirante Adama arrasado com a situação provoca Tigh no limite para que este perca a cabeça e o mate, o que felizmente acaba não acontecendo, vez que o cylon percebe o plano de Adama. E que atuação do Olmos nessa cena!

Finalmente a revelação mais importante de todas: os quatro cylons, ao andar pelos destroços da Terra, começam a ter visões do que ocorrereu no planeta há 2000 anos atrás, e eis que, na última cena do episódio, Coronel Tigh revê a sua própria morte no planeta e descobre que estava com alguém muito conhecido naquele momento, o quinto cylon, o último, o Cylon final: Ellen Tigh!!! (Lucas Leal)

Kyle XY: It Happened One Night (3×01)
Exibição: 12/1/2009
MVP: Jean-Luc Bilodeau

Como sugere o nome do episodio – tudo pode acontecer em uma noite (mesmo a tradução não sendo exatamente esta) – Kyle XY retorna para mais uma temporada ainda focada em todo o mistério por trás dos super-poderes do personagem-título e de Jessi.

Sabemos que ambos foram criados pela Latnok, uma organização poderosa que estava formando um exército de super-soldados. Todos estão interessados na habilidade de Kyle e, por isso, vemos surgir outra organização, que raptou Amanda no último episódio para chegar até Kyle.

Ao contrário do que se pode pensar, esta nova “companhia” quer trabalhar em conjunto com Kyle, a princípio. Mas que tipo de trabalho? Aqui vemos uma corrida contra o tempo para recuperá-la, com boas cenas de ação e um episódio que soube mostrar, de maneira sincronizada, a trama que envolvia Kyle, mas também a noite de formatura para Josh, Decan, Lori e Andy.

Às vezes, até prefiro a trama entre eles do que aquelas que acontecem com Kyle e Jessi. Mas nesta temporada espero que tenhamos mais respostas. Porque agora temos mais uma organização e mal sabemos direito o que exatamente é a Latnok, apesar de conhecermos os seus objetivos. (Vinícius Silva)

Cena de CSI

CSI: One To Go (9×10)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Laurence Fishburne e Bill Irwin

Finalmente temos a resolução do caso do serial killer. A trama foi bem montada, com direito, novamente, a cenas de embrulhar o estômago e deixando no ar a dúvida se realmente o caso teria um final ou se a trama se arrastaria por mais algumas temporadas, como muitas vezes acontece em séries policiais.

Se bem que Haskell gritando que tem muitos seguidores, deixou gancho para um retorno futuro. O que seria bem interessante. Ele foi um assassino como há muito não se via em CSI.

No entanto, o grande chamariz do episódio era a despedida de Grissom e como seria sua última cena. A cena que mais chamou minha atenção foi a conversa dele com Greg, quando ele questiona se Greg não se arrepende de ter ido trabalhar em campo. Digo isso porque sempre achei que essa jogada da série não tinha sido muito feliz. As cenas dos dois no laboratório eram muito boas. E o Hodges é a coisa mais irritante que existe. (Não o ator, que por sinal faz um ótimo trabalho).

Eu gostei bastante do episódio mas o final romântico, quase novelesco, entre Grissom e Sara no meio da selva, confesso que me desagradou. Eu acharia mais interessante terminar com ele saindo do laboratório. (Tati Leite)

The Mentalist: Red Rum (1×12)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Simon Baker e Tim Kang

The Mentalist está cada vez melhor. Depois do episódio envolvendo a trama do assassino Red John, tivemos um capítulo isolado em que Patrick Jane utiliza toda a sua técnica de investigação para desvendar o assassinato de um garoto de 16 anos.

As evidências, no início, parecem apontar para Tamzin Dove, garota que é considerada uma bruxa pelos moradores da cidade. E ela própria se considera uma pessoa ligada à Wicca e a todo esse mundo de feitiços e outras coisas. No entanto, Patrick prova que, na verdade, é ele que detém poderes (metaforicamente falando). Depois de apontar que a Bruxa poderia ser a assassina, o episódio concentra suas forças em Brad, irmão da vítima.

Porém, em seguida, descobrimos que, na realidade, foi o pai dos garotos quem cometeu este terrível crime. O que torna ainda mais difícil imaginar que um pai tenha capacidade de matar o seu próprio filho ou de agredir a sua própria esposa.

O lado cômico do episódio – não poderia faltar – ficou por conta de Cho e a sua crença em bruxarias. Patrick se divertiu com isso. Bruno Heller (criador da série) mostrou que não tem pressa em desvendar o serial killer Red John e tem conseguido desenvolver outras tramas com a mesma capacidade da principal. Na realidade, percebam que todos os episódios possuem a palavra “Red”. O que me leva a crer – apenas teorizando – que eles irão nos conduzir até a identidade de Red John. (Vinícius Silva)

Cena de Smallville

Smallville: Legion (8×11)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Allison Mack e Calum Worthy

A Legião de Super-Heróis vai a Smallville para ajudar o jovem Clark Kent. Não, você não está lendo uma HQ do spin-off de Superman. Essa é, simplesmente, a premissa de Legion, episódio escrito por Geoff Johns e que marca a volta da série depois do hiato.

A espera de quase dois meses valeu, foi um episódio digno de aplausos. Levando em consideração que a Legião estava muito bem caracterizada pelos atores Calum Worthy (Relâmpago), Ryan Kennedy (Cósmico) e Alexz Johnson (Satúrnia), a história foi tão bem desenvolvida que podemos vislumbrar o resto da temporada: Smallville detonando.

As alusões ao mito Superman foram uma alfinetada nas restrições que mantêm Smallville no celeiro: “Kal, cadê a sua capa?” e “Esse não é o Superman que conhecemos” – diz Relâmpago; “Nunca ouvimos uma coisa sobre Chloe Sullivan” – finalizou Rokk.

E, depois de oito anos, alguém está fazendo justiça: tirando a puxada de saco na Lanazilla e a tentativa cômica em enquadrar a super valorizada Chloe no mito do Homem-de-Aço, Legion foi um daqueles episódios que a gente torce para não acabar.

Agora, depois de salvar sua amiga das garras de Bainiac, Clark está cada vez mais perto de abraçar seu destino e proteger o mundo. Esse foi o maior legado da Legião para a série. Com o Doomsday pronto para atacar, imagino que agora o céu é o limite para Smallville, isso se a DC e a WB deixarem. (Clara Lima)

Supernatural: Family Remains (4×11)
Exibição: 15/1/2009
MVP: nenhum

Depois do hiato, finalmente Supernatural está de volta. E, embora eu ame a série, confesso que sempre me pergunto por que eu a assisto. Sou apavorada demais, e geralmente filmes de terror passam longe da minha TV.

E esse episódio me arrancou os cabelos, pelo menos no início. Foi melhor depois que as coisas começaram a ser explicadas, deu-me uma falsa noção de segurança. E, curiosamente, me lembrou de um filme que me contaram uma semana atrás (não me falaram o nome, desculpem) de uma garota/monstro que saía por um armário e visitava uma garotinha. Ou então de Fantasma da Ópera (tem lá suas semelhanças, principalmente com o livro), mas de uma forma bem mais macabra.

Seja como for, os irmãos assassinos quase não eram humanos e Dean, bem lá no fundo, identificou-se com eles. Enquanto os dois matavam por território e, provavelmente devido ao abuso e sofrimento inimagináveis que passaram trancafiados nas paredes daquela casa (pelos próprios pai e avô), Dean torturou aquelas pobres almas no inferno por prazer.

Mas, cá entre nós, embora Dean não enxergue desta maneira, não foi exatamente prazer o que ele sentiu, mas sim alívio do tormento. E se esse alívio só acontecia quando ele era o torturador, quem pode realmente culpá-lo? Só acho que Castiel poderia ter limpado a memória dele ao extraí-lo do inferno, não? Ninguém merece passar a vida acreditando que é pior do que aqueles que caça. (Mica)

Cena de ER

ER: Dream Runner (15×12)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Parminder Nagra e Imani Hakim

Sabe quando você tem um sonho e acorda com a sensação que tudo foi real? É mais ou menos isso que Dream Runner quer dizer.

Nesse episódio temos Neela revivendo em sonho a mesma situação com resultados diferentes relacionados com as atitudes dela diante dos fatos. Eu gosto muito desse tipo de história. Um dos meus filmes prediletos, Donnie Darko, tem uma narrativa parecida.

E, talvez, o responsável pela escolha da música tenha assistido também – porque no segundo encontro de Neela e Brenner o músico de rua está tocando “Mad World”, um dos temas do filme.

Eu achei o episódio muito legal. E a atuação da Parminder foi muito boa e me fez lembrar que um dia eu já gostei da Neela. E é impressionante como o Jerry continua sendo aquele personagem que parece que nunca saiu da série. E preciso confessar: em sonho o Brenner é bem legal.

A participação da Alex Kingston foi bem fraca. Apenas serviu para matar saudades e mais nada. Já Keiko Agena (Lane de Gilmore Girls) estava muito bem. Mais uma vez temos uma das amigas da Rory em ER. Imani Hakim também deu um show como a paciente da Neela. E só quando ela acorda no meio da cirurgia gritando que me dei conta que é irmã do Chris de Everybody Hate Chris. (Tati Leite)

Grey’s Anatomy: Sympathy for the Devil (5×12)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Eric Stoltz e Jessica Capshaw

A visita inesperada da mãe de Derek nem de longe foi tão notável quanto à visita de sua irmã Nancy (Let the Angels Commit), mas foi uma boa participação que serviu para os roteiristas selarem de vez o compromisso de Meredith e Derek e de Sloan e Lexie.

Eu honestamente temi que Mer e McDreamy pudessem ter mais uma de suas separações devido ao seu desentendimento em como lidar com o paciente deles, William, que é um serial killer. William, interpretado por Eric Stoltz, não chamou muito a minha atenção no episódio passado, mas, aqui, ele foi o melhor de tudo, e sua cena final me deixou agarrada a poltrona.

A volta de Grey’s do hiato está indo muito bem, na minha opinião. Até agora tivemos dois episódios que se completaram, com tramas excelentes (melhores aqui do que Wish You Were Here), um ritmo de direção muito acertado e diálogos inspirados. Eu tenho adorado tudo que diz respeito a Sloan e Callie, aprovei totalmente a chegada de Jessica Capshaw como a pediatra Arizona Robbins, achei que a relação entre Owen e Christina está finalmente evoluindo e até a presença de Denny “fantasma” Duquette me irritou menos.

A única coisa que eu desaprovo totalmente é a briga e birra infantil de Christina e Meredith, que, como recurso narrativo, até agora se mostrou inútil. (Thais Afonso)

Nip/Tuck: Gene Shelly (5×16)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Dylan Walsh e Julian McMahon

Nip/Tuck é uma série peculiar, até mesmo bizarra ocasionalmente. Ryan Murphy não tem medo de explorar as esquisitices e o lado negro (porém cômico) de seus personagens. Às vezes eu acho que ele passa da conta – até hoje não consegui ver um episódio inteiro sequer da quarta temporada – e, às vezes, eu o considero simplesmente um gênio. Nessa quinta temporada a série tem me agradado e muito.

Adorei esse episódio e como eles exploraram a questão do câncer de mama de Christian. Ainda estou me decidindo qual foi a melhor cena, mas Liz e ele dormindo juntos certamente merece destaque.

É claro que nada supera Christian manipulando Sean de maneira perfeita para que o melhor amigo assumisse que pode andar e saísse da cadeira de rodas, ainda que eu prefira a idéia do Matt de jogar a cadeira no oceano e ver o quão bem as pernas dele estão.

Julia ainda está meio apagada, mas ficamos sabendo que ela ainda mora com Olivia e não se recorda que a filha da amante tentou matá-la duas vezes. Além disso, o novo médico Raj, o estudante gênio de Sean, tem estado muito bem e tem sido um ótimo alívio cômico. Adhir Kalyan foi uma ótima adição ao elenco. (Thais Afonso)

Cena de The Office

The Office: The Duel (5×11)
Exibição: 15/1/2009
MVP: Ed Helms e Steve Carell

The Office voltou de um longo hiato e o episódio não foi bom o suficiente pra atender às expectativas – pelo menos as minhas.

Passaram-se dezessete dias desde que Phillys tornou pública a traição de Angela e Andy até agora não desconfia de nada. A verdade só cai no seu colo quando Michael, numa decisão incrivelmente covarde, conta sobre o caso dela com Dwight um segundo antes de viajar e, com isso, ficar longe da reação de alguém com problemas de raiva.

Dwight também tem problemas, basta ver seu estoque de armas mortais, e a pedida merecia uma boa situação. Mas, até para os padrões da série, o duelo entre os dois beirou o ridículo. Principalmente pela reação de Angela, que ficará sem nenhum dos dois.

De bom mesmo, como sempre, teve o genial Michael Scott. Só ele não sabe que é um bom chefe e sua cegueira é tão grande que ele não consegue nem explicar os motivos de sua filial ser a única da empresa a gerar lucro no último ano. Pelo menos nós sabemos que, apesar dos defeitos, Michael é um ótimo gerente. E Carell um ator perfeito. (Thiago Sampaio)

Scrubs: My Saving Grace (8×03) e My Happy Place (8×04)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Zach Braff e Ken Jenkis

Courtney Cox saiu. A dra. Maddox não é mais diretora do Sacred Heart e, apesar da estada ter sido curta, meio que já foi o suficiente. Por mais grata que tenha sido sua participação, a ex-Friends fechou bem seu ciclo em Scrubs. Agora bola pra frente: voltemos à rotina com os protagonistas do seriado.

E a “rotina” talvez seja boa para uma série de oito anos, que resiste em não fugir de suas premissas e, inclusive, vem usando piadas que só quem assistiu às primeiras temporadas entenderá. Claro, talvez apenas nas ilusões de JD, pois de resto, há história pra agradar a todos: Carla e suas lições de moral, o Zelador e suas loucuras, Cox como o médico de sempre… Talvez, de novo (eu disse “talvez”), teremos apenas a grata reunião de JD e Elliot. E meio que encaminhada graças à Bob Kelso.

Achei simpática a humanização de Kelso, agora aposentado e sem rumo na vida, principalmente no que seria um início de amizade entre ele e Dr. Cox. Coisas assim só vemos em seriados que estão em sua reta final. E pensando na audiência baixa apesar da ótima qualidade… Não sei. Talvez seja hora de dizer chega. Não fora uma pequena estada, mas Scrubs pode fechar bem seu ciclo. E bola pra frente. (Thiago Sampaio)

Cena de NCIS

NCIS: Broken Bird (6×13)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Mark Harmon e David McCallum

Ducky é um dos personagens mais queridos de NCIS. Conhece Jethro melhor que ninguém, sabe apoiar a todos, não importando as particularidades de cada um, e ainda é um ótimo contador de histórias, mas, eu nunca tinha percebido, pouco pessoais.

Broken Bird (a referência a crença de que se um pássaro entrar em sua casa e morrer significa que alguém morrerá na casa) nos apresentou a dois lados de Ducky: seu passado no Afeganistão, quando ainda na guarda inglesa, e sua vida pessoal hoje.

Pensar o quanto este passado no Afeganistão lhe atormenta, como ele bem disse os atos não são esquecidos (a expressão em inglês serve tanto para perdoar como para esquecer) e constituem o maior peso que nosso amigo carrega consigo.

Fiquei triste de saber que a mãe de Ducky está em um asilo em decorrência do Alzenheimer (talvez tenha sido a solução encontrada para a morte da atriz que a interpretava), mas feliz de saber que ele tem um amor para lhe fazer companhia.

Fiquei grata por Jethro poder retribuir para o amigo o tanto que ele já fez por ele. E torço para que a moça que perdeu seu irmão encontre alguma paz na verdade. (Simone Miletic)

Flashpoint: Eagle Two (2×01)
Exibição: 9/1/2009
MVP: Hugh Dillon

Flashpoint estreou sua segunda temporada nesta semana retrasada, e começou bem, com um bom episódio.

O formato continua o mesmo, pelo menos na montagem: primeiro, parte do desfecho do caso; depois vemos como a história chegou até aquele ponto. Foi interessante porque, dessa vez, não foi um caso premeditado como nos episódios da temporada passada, mas a tentativa de vingança de um grupo de chilenos contra um magnata da mineração.

Também é importante notar que a série exibiu um pouco da vida pessoal de Ed, mostrando sua namorada e o “dia de encontro” que eles possuem para ficar juntos. A série ainda não havia feito algo do tipo em nenhum episódio, colocando a vida pessoal dos personagens em foco.

Normalmente não gosto dos finais meio-românticos da série, mas funcionou para este episódio. Mas ele só deu certo, com a montagem de cenas finais e música romântica tocando ao fundo, porque o episódio se constituiu a partir do amor incondicional do magnata e sua esposa que, mesmo descobrindo as atrocidades que ele fez no Chile, permaneceu firme ao seu lado.

O romance esteve impregnado no episódio e deu até brecha para o “beijo-surpresa” entre Jules e Sam. Eu só não vou gostar se esse espírito romântico começar a tomar conta das tramas, sabemos que a série não se trata disso. (Vinícius Silva)

Cena de How I Met Your Mother

How I Met Your Mother: Benefits (4×12)
Exibição: 12/1/2009
MVP: Neil Patrick Harris

Parafraseando Marshall no final do episódio: as participações especiais foram com pessoas que eu ouço sempre a explicação de porque são famosas, mas eu continuo esquecendo.

Porque eu não acho que o fato de você ser herdeiro de sei lá quem e fazer um reality show é uma explicação viável. E algo me diz que o autor do episódio também concorda. Afinal, a história do Marshall foi só um meio dele descobrir sobre Robin e Ted. E fazer piadinhas bem sarcásticas.

Robin e Ted resolvem ser “amigos com benefícios” porque descobrem que não brigam se estão fazendo sexo um com outro. Desde o início uma idéia estúpida, como todos tentaram mostrar, porque, em algum momento, alguém poderia ser machucado. E isso aconteceu. Só que, ao contrário do que Robin acredita, quem sofreu com isso foi Barney. Parece que as coisas estão caminhando para que seja revelado a todos que Barney ama Robin. Resta saber se isso vai ser bom para a série.

Não foi o melhor episódio de HIMYM. Também não foi um episódio ruim. As cenas de Robin e Barney, no final, foram ótimas. Não há como negar que existe química entre os atores. E talvez, se bem escrito, um romance entre eles não seja má idéia. (Tati Leite)

The Big Bang Theory: The Killer Robot Instability (2×12)
Exibição: 12/1/2009
MVP: M.O.N.T.E. e Jim Parsons

E era para ser o episódio de Wolowitz, que leva uma “sabonetada” de Penny depois de mais um de seus péssimos momentos em relação às mulheres e acaba trancado no quarto curtindo uma fossa até a garota vir se desculpar. Pedido de desculpas que acaba com um soco bem dado por Penny após o judeu tentar beijá-la.

Mas, mais uma vez, foi um episódio de Sheldon. Raj teve direito a duas frases de efeito (1. Fale ALERTA DE SPOILER antes de falar uma coisa dessas; 2. Morra torradeira, morra!!), Leonard teve sua cena com a torradeira, ótima, diga-se de passagem, mas Sheldon e M.O.N.TE. roubaram a noite.

M.O.N.T.E. desperta todo o espiríto competitivo de Sheldon, quando eles são desafiados pelo rapaz com a língua mais presa já vista nos seriados de TV. A hora em que percebem que o robô não tem chances frente ao desafiante e Sheldon o coloca para correr aos gritos de “Run M.O.N.T.E., RUN!!” eu ri como poucas vezes.

E ainda teve Penny ferindo os sentimentos de Sheldon e M.O.N.T.E. todo acabadinho na mesa de centro da sala dos meus nerds preferidos. E nem preciso dizer que dei um sorrisinho de canto de boca quando eles dizem que Penny é a que é esquisita naquele ambiente. (Simone Miletic)

Privileged: All About Tough Love (1×14)
Exibição: 13/1/2009
MVP: Joanna Garcia

Acabei de comentar no twitter que Privileged consegue ser melhor do que Gossip Girl e 90210 juntas, no que se propõe: ser uma série teen. E, antes que me atirem pedras, eu assisto e até gosto de GG, mas a série está longe de ser boa. Não que Privileged seja a oitava maravilha do mundo, mas ao menos tem consistência e, às vezes, até surpreende.

Aqui o que me surpreendeu foi o final do episódio, quando a mãe de Megan aplica o golpe em Will, fica com os 25 mil dólares e, mais uma vez, abandona a família. Primeiro pensei que a série poderia apelar para o melodrama, mas só de imaginar o quanto isso vai afetar o pai de Megan, fiquei com pena dele. E isso é muito mais do que as (boas?) séries que a CW tanto aposta conseguem fazer.

Megan e Will estavam juntos até esse episódio. Ela terminou com ele porque ele, ao tentar ajudá-la, vai contra a decisão dela de não pagar a fiança de sua irmã.

Charlie apareceu pouco, já em clima de despedida. Uma pena, pra mim ele é um dos melhores personagens da série e eu gosto de Michael Cassidy.

Sage e Luiz estão juntos e sua irmã mais nova namora o maior nerd da escola. As melhores frases do episódio ocorrem por causa desses dois relacionamentos e mostram porque a série consegue ser melhor do que suas co-irmãs.

Marco:

Eles não vão durar, um prefere MySpace e o outro Facebook. Nunca mais vão se encontrar.

Rose:

No quesito nerd, você é mais legal do que o Michael Cera.

(Paulo Fiaes)

The Secret Life of the American Teenager

The Secret Life of the American Teenager: The Secret Wedding of the American Teenager (1×12)
Exibição: 5/1/2009
MVP: n/a

American Teenager tem um clima nostálgico que lembra os filmes teens dos anos 80, talvez por isso sinto a série um pouco deslocada para a época. Não acho que os jovens de hoje sejam os rebeldes sem causa de Gossip Girl (hoje estou pegando pesado com a série), mas, ao mesmo tempo, não consigo enxergar um adolescente assumindo a filha com uma menina que mal começou a namorar e, ainda, casar com ela.

Não entendam mal, por mais cínico e cético que eu seja, acredito que quando alguém se apaixona tem de se jogar de cabeça, mas eu sempre me perguntei antes de fazer isso se valeria à pena. Amy não parece amar Ben. Desde que eles começaram a sair sempre pareceu que, enquanto ele se empolgava com a idéia de alguém fora de sua família gostar dele, ela parecia estar com ele porque não tinha mais ninguém com quem ficar.

Veja bem, toda vez que ela pensou em casar com ele era porque tinha um problema. Sua mãe mostrou que será difícil, que precisará encontrar uma forma de viver e cuidar da criança. Qual a solução? Se casar sem o consentimento dos pais.

Fora isso, irrita também personagens que pareciam interessantes terem se tornado caricatos: Grace, Ricky, Adrian. Uma pena. É uma série que assisto porque parece ter potencial, mas, até agora, ficou presa na idéia inicial: vamos aproveitar o sucesso de Juno e fazer uma série sobre uma adolescente grávida. (Paulo Fiaes)

One Tree Hill: A Hand to Take Hold of the Scene (6×13)
Exibição: 12/1/2009
MVP: Sophia Bush

Em toda temporada One Tree Hill temos um episódio que serve para tranqüilizar seus fãs. Geralmente estes episódios ocorrem após o desfecho, quase sempre dramático, de uma história que começou a se desenvolver no início da temporada.

Neste episódio vimos como ficaram Sam e Brooke ao fim de todo o drama que estavam vivendo ao decorrer desta temporada. Sam está bem, contudo preocupada com seu amigo Jack. Brooke se sente culpada e tenta se focar no seu trabalho.

É revelado para todos que Lucas e Peyton serão pais. Mia se envolve com Chase. E Brooke e Julian também começam algo. E Nathan e Haley sem grandes emoções, ainda bem. E Millie e Mouth não conseguem superar seus problemas.

Daqui para frente, acredito que não teremos fortes emoções. Espero que as histórias sejam somente sobre o casamento de Peyton e Lucas e seus preparativos. E que a temporada se encerre com o casamento mais esperado por Tree Hill.

O MVP desta semana se deve somente a cena que Brooke começa a chorar quando sabe que Peyton está grávida. Na verdade ela chora por que tinha acabado de terminar o vestido de noiva com um lindo corsete costurado a mão, feito para uma mulher que não está grávida. Hilário! (Bárbara Reis)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

30 Comments

  1. Kravis

    Geoff Johns, o roteirita desse episódio de Smallviewlópolis é atualmente o Melhor Escritor de Histórias em Quadrinhos do mercado.

  2. alex

    realemente o epi,de sv,foi d++++++,bati palmas no fim do epi,pq foi mto bom,tomara que continue essa qualidade e que venha 9 tempo. nota:10.

  3. Patricia E.

    Estava aguardando ansiosa esse review de BSG!

    Não esperava que revelassem o 5º cylon logo de cara. Deram tanta importância pra esta revelação e quando finalmente isso acontece é um personagem que já morreu… :|

    A julgar pelas lembranças dos outros quatro, os cylons da Terra também ressuscitam, mas essa ressurreição é diferente pelo visto. Está mais pra reencarnação…

    E a Terra, suprema ironia, é uma tribo cylon… Não bastasse encontrar o lugar todo devastado.

    Insana essa descoberta de Starbuck… mas o fato de o sinal que os guiou à Terra ser de um transponder colonial meio que cantou essa bola. Só resta explicar como é que ela reapareceu vivinha da silva num Viper novo em folha. Clonagem, viagem no tempo?

    O suicídio de Dee foi mais pra ilustrar o desespero tomando conta da frota — foi uma cena triste, chocante, mas também foi “telegrafada” ao longo do episódio e embora já imaginasse esse desfecho, no fundo torcia pra que não acontecesse. Dei um pulo na cadeira quando ela puxou a arma e apertou o gatilho.

    Eles não estavam brincando quando disseram que estes episódios finais seriam brutais. Se alguém ainda tinha esperança de um final feliz, esqueça. Isso é BSG.

    A morte de Dualla foi a deixa pra que Adama desmoronasse de vez. Mas, apesar da ótima atuação de Edward J. Olmos, pra mim esta cena não teve o mesmo impacto daquela cena dele com Jamie Bamber na primeira parte da temporada. Outra cena dele que adoro (mas é de partir o coração) é quando ele destrói o modelo em escala do navio depois da “morte” de Starbuck.

    De fato, responderam uma ou outra pergunta, mas deixaram trocentas outras. Só que no meio disso tudo ainda tem o Cavil e os demais, que estão aguardando em algum lugar lá no espaço pela chance de eliminar de vez os humanos e os cylons rebeldes. Com a revelação do 5º cylon e o final da busca pela Terra, só resta mesmo esse embate pra encerrar a série.

  4. Silvia_05

    O Hodges tem um jeito irritante que eu adoro, mas a frase dele é ótima: O que vai ser do Watson sem o seu Sherlock? E eu continuo: O que vai ser de mim sem o Grissom?

    Nem liguei pro final “telenovela” dele com a Sarah porque tava enxugando uma lagrimazinha.
    Porque é que não fizeram essa saída do Grissom no final da temporada??? Damn it!

    Quem é que eu vou “adorar” a partir de agora? Mac Taylor, Gibbs, Patrick Jane,… A última vez que lamentei a saída de um personagem foi com Fox Mulder no Arquivo X. Se In Treatment tiver vida longa, Paul Weston será o meu novo “queridinho”.

  5. Lucas "Gandalf" Leal

    Patricia eu aposto em viagem no tempo!!!e aposto q Kara foi o arauto da morte 2000 atrás…por isso q o hibrido fala q ela é o arauto da morte e q aquilo já aconteceu e ia acontecer novamente!
    bizarra a teoria, mas até q tem coerencia com o q foi mostrado até aqui…

    no mais a série amarrou mtas pontas e deixou outras soltas pra amarrar aos poucos…mas todos os plots estão em andamento…tirando talvez a guerra cylon x cylons/humanos/hibridos q acho q fica pro finalzinho da série…

    honestamente adorei o episódio e ñ tenho palavras pra descrever a angustia q foi…me senti ali com as cinzas da Terra na mão…com o corpo de Dualla caido ao meu lado, com Roslin queimando as profecias de Pitya (outra cena iconica, simbolica mas q não deu pra comentar no espaço) achei fantástica…mas de longe a cena do episódio foi a cena final…se Tigh já sofria por ter matado sua mulher, saber q ela era sua mulher 2000 anos atrás e q ela é a quinta cylon vai arrasar com o Coronel!!!
    não estava TÃO ansioso pelo episódio…mto tempo de espero a vontade se abrandou ao longo do tmepo…vi os webisodes serviram pra dar aquela pontinha…e ai quando vi o episódio minha paixão pela série reacendeu de uma forma absurda…9 episódios pro fim, um dos finais mais tristes com toda certeza!!!

    Kyle voltou bem…adoro a série, mas de longe o forte do episódio foi a trama da virgindade do Josh e Andy…
    de resto me lembrou mto Dark Angel pro meu gosto…adoro a série, mas o forte é a parte familiar e as discussões comportamentais…
    a parte ‘sci-fi’ nunca foi o forte da trama (tirando talvez quando foi composta pelo Foss!)

    Mentalist segue sendo uma série divertida, mas não mais que isso…a audiencia da série é exagerada, não sei se ela merece tanto, é uma diversão de qualidade, mas acho q outras séries agregam diversão de qualidade com algo que enriquece a mente, coisa q Mentalist não tem…
    o forte do episódio pra mim foi a trama do Cho…ri mto com a cena final ele todo feliz com as cinzas hahahaha

    eu gostei de The Office, depois do episódio final q foi GENIAL, realmente esse não tinha como ser superior, mas todo o Duelo Andy x Dwight gerou situações surreais q foram engraçadas…bizarras demais? sim…mas nada q seja mto estranho dentro do universo de The Office (poxa o Michael já se apaixonou por uma modelo de uma revista! o Dwight já achou q o Jim tava virando vampiro!e no ultimo episódio Michael tentou internar Meredith a força…e ainda correu atrás dela pelo estacionamento!!!)
    mas o melhor foi o cara todo constrangido perguntando ‘Michael…o que vc está fazendo pra ter esses resultados?’ e a cara do Michal de surpreso UAUHAUHAUHA

    Simone confesso que quando vi o episódio gostei bem mais do M.O.N.T.E que da parte do Wolowits, mas quando fui lembrar do episódio agora pra ler, só lembrava da parte do Howard mesmo…acho q por mais que Sheldon tenha sido melhor, já tá tão acostumado com ele fazendo as coisas q o Howard marcou mais neste episódio
    enfim mais um bom episódio e a série segue mto bem!

    tb prefiro MIL vezes Privileged a GG e 90210 JUNTAS…
    e tb vou sentir falta do Charlie…ele agregava mto a história com esse amor platonico e a relação complicada deles de amigos…
    já passei mto por isso na vida, em ambos os lados, e sei o quanto a questão é complicada…
    só quero ver como vai ser o beijo deles!!!
    ainda não vi o episódio, mas fiquei feliz de saber q a mãe da Megan vai embora…oh mulher sem caratér e insuportável…

  6. Mica

    Nossa, eu também esperei ansiosa por este review de BSG. Fiquei pasma. Com tudo. Mas acho que o que mais me chocou foi a Starbuck encontrar o seu próprio corpo. Deus, que choque. É como ela perguntou, se aquela ali é ela, então que é ela?
    Viagem do tempo? Não sei. A Starbuck lembra de todas as coisas, então não sei…
    A morte da Dee foi um choque também, e eu, ao contrário da Paty, não vi isso durante o episódio. Mas (infelizmente) eu não gostava dela, então não me importei muito.
    Quanto ao 5º cylon, não sei o dizer. Helen!? Helen!? Justo a chata da Helen!?
    Mas gostei dos flashbacks deles. No final das contas, os cylons acabaram se matando? Ou foram os humanos que os detonaram? E como os cinco foram parar lá nas 12 colônias? E por que apenas os 5?
    Os cylons viviam em ‘paz’ com os humanos antes de se separarem? Aliás, como podem existir há tantos anos se eles foram criados recentemente? Ou foram recriados?
    Quanto ao Cavin e afins…os cylons não vieram todos atrás da frota, certo? Teve alguns que permaneceram nos 12 planetas. Ou foram todos atrás das naves? Eu tive a sensação (no início) de que apenas uma parte seguiu os humanos enquanto o restante permaneceu em Terra, mas como eles não foram mais mencionados (óbvio, a série é sobre a Galactica), estou na dúvida agora.

    ****
    Smallville foi muito, muito bom. E de fato deu uma alfinetada em si mesma: esse cara não é nada parecida com o Superman que nós conhecemos.
    O que eu odiei foi a babação de ovo para a Lana. Ela não estava ruim no episódio, mas será que a Kristin Kreuk tem algo no contrato que diga algo como “Lana Lang terá que ser uma super mulher e de super importância tanto para Clark quanto para a Terra”? Só pode ser isso. Ninguém merece a importância exagerada que dão para uma personagem tão chatinha.
    E eu gostei dos três da Legião. Mas não sei nada da história deles nos quadrinhos. Alguém pode me atualizar? Ficaram parecidos? (quero dizer, tirando as devidas mudanças necessárias para o universo Smallville?) Eles vivem no futuro de Clark ou o Superman ainda está vivo naquela época?
    Quanto à Chloe, eu gostei dela de Brainiac. Uma pena que tenha acabado tão cedo :-( Mas pelo menos ela recuperou a memória. A Chloe sem saber o segredo depois de tudo que viveram juntos, não é a Chloe.

  7. Paulo Antunes

    Mica,
    Adoro quando Supernatural faz episódios com vilões humanos. Acho muito bacana, porque quebra a mitologia da série. Não esqueço um, das primeiras temporadas, que tinham uns canibais. Era o máximo.
    Este foi bom, mas eu fiquei frustrado porque esta temporada está tão eletrizante que todo episódio que não trate diretamente da guerra entre anjos e demônios acaba passando aquela sensação de filler.

  8. Thiago

    Battlestar Galactica
    Pela primeira vez, estarem acompanhando com os EUA os episódios de BSG. Antes, havia baixado temporadas inteiras e via tudo de uma vez só. Vai ser esquisito ter que esperar uma semana pra ver outro.

    A premiere? Não sei. BSG coloca o padrão sempre lá em cima e acho que esperava mais, mas gostei. Starbuck se cremando? Droga, tomara que ela fale sobre isso com alguém, pois até Leoben ficou com medo. Dualla se matou? Pelos Lords de Koboll! Eu não esperava por essa!!! Mas… Ellen é mesma a Cyllon final? Eu achei que Starbuck sendo uma duplicata e D. pegando coisas no chão da 13ª colônia… Não sei.

    Quanto ao Adamão bêbado e com vontade morrer… Gostei muito dele caminhando em meio à tripulação desiludida/deprimida/perdida da Galactica, mas a cena com Tigh… Posso estar falando uma heresia, mas pra mim foi um dos piores momentos de Olmos na série.

    Mas que diabos, ainda é BSG. Só espero que mostrem mais a reação de todos os sobreviventes, e não só da tripulação da Galactica…

    ER
    Foi um episódio “perigoso”. ER, apesar dos acidentes de helicópteros, roubos de tanque de guerra… meio que tem um pé na realidade. Então um epi inteiro centrado no sonho de Neela parece ser uma bela duma roubada.

    Okay, foram 15 anos até a série tentar se aventurar nessa, mas ficou esquisito. Até porque, pode atrapalhar a cronologia da série: Neela dormiu com Brenner? Banfield se demitiu? A paciente de Neela morreu? Corday, numa participação frustrante, está mesmo na Univ. de Duke?

    Foi um episódio interessante, mas completamente fora do propósito da série, que tem um pé no mundo real. Depois desse, já pensou um “e se”? Melhor não.

    Scrubs
    Meio que já falei o que tinha que falar: a série é ótima mas não está dando retorno. Infelizmente, é melhor que este seja mesmo seu último ano.

    The Office
    Atualmente, a série que mais me dá vontade de ver um episódio inédito. Então perdão pelo padrão alto que exijo dela, mas… Vá lá, é sempre demais.

    How I Met Your Mother
    Os “famoso” eu só conheci graças ao Soup da E! Quanto à série, meu, insisto que o primeiro ano continua imbatível: tinha sua estrutura bem delineada, humor natural… Fico contente que a série venha dando retorno, mas não, não está em sua melhor forma.

    E… é isso. Da lista, apenas essa são as que assisto.

  9. Ana

    Ah, Privileged é, sem dúvida, melhor que 90210, mas não posso dizer o mesmo de Gossip. De série teen, fico com Gossip e Greek.
    Agora, quanto ao epi dessa semana… fiquei MUITO feliz ao ver que a mãe da Megan vai embora. Só não posso dizer o mesmo sobre Charlie. Eu gosto muito do Michael Cassidy e, confesso, que torcia para que ele e Megan ficassem juntos.

    Já sobre ER… caramba, o epi foi bom. Não tava acreditando que eu realmente iria gostar, ainda mais tendo a Neela, personagem que eu SEMPRE detestei, em destaque. Foi muito bom ver a Keiko Agena de volta (eu adorava a Lane), mas não posso dizer o mesmo sobre a Alex Kingston. Uma participação desnecessária.

  10. Mica

    Thiago, também não gostei muito do Olmos naquela cena não.

    Antunes, também gosto quando os vilões são humanos. E não tenho essa sensação de filler. Acho que a série precisa dar uma respirada, porque senão acaba chegando o momento que a coisa principal enche o saco. Mas, confesso, estou ansiosa para que a saga continue.

  11. Patricia E.

    Battlestar Galactica

    @Lucas

    O lance de viagem no tempo soa “Star Trek” demais… mas por outro lado a Starbuck (ou o que quer que ela seja) está aí… as teorias correm soltas, mas quero ver explicarem isso.

    Sim, a angústia dos personagens era quase palpável. Foi uma boa sacada mostrar o Adama caminhando por entre a tripulação que se alternava entre a apatia e a raiva. Lembrei do final do 4×10: da alegria ao desespero em instantes — Ronald D. Moore foi cruel (conosco, inclusive, hehe).

    Quanto à idéia de Ellen e Tigh estarem juntos há ‘trocentas vidas… deuses, não é à toa que ele bebe, hahahahahahahaha :D

    @Mica

    Fiquei bolada com essa história da Starbuck. Seria ela um clone ou, pra quem lembra da série antiga, obra dos tais Seres de Luz? Haveria uma força maior por trás de tudo? Seria o tal deus cylon?

    E uma idéia louca e que também é uma das teorias que correm pela rede: será que os cinco finais não seriam descendentes dos verdadeiros humanos e o restante da frota seriam os descendentes dos cylons? E se o que estiver nas escrituras não for uma versão deturpada da história?

    Não sei se os cylons ficaram nas colônias atacadas… talvez respondam esta pergunta no filme que está previsto pra estrear depois do final da série, já que o mesmo é centrado no lado cylon e se passa na época da minissérie.

    @Thiago

    O Leoben com medo da Starbuck me deixou ainda mais bolada. O cara veio com aquele papo de a Kara ter um destino e tal mas, e agora?

    “Quanto ao Adamão bêbado e com vontade morrer… Gostei muito dele caminhando em meio à tripulação desiludida/deprimida/perdida da Galactica, mas a cena com Tigh… Posso estar falando uma heresia, mas pra mim foi um dos piores momentos de Olmos na série.”

    Não, Thiago, não acho uma heresia, até concordo em parte contigo. Não que tenha achado o trabalho do Olmos ruim, mas sim porque esta cena poderia ter um impacto ainda maior se o Adama já não tivesse desmoronado antes. Para mim a idéia de perder toda e qualquer esperança depois de por um instante acreditar que tudo ficaria bem é muito mais devastador do que a revelação de que Tigh era um cylon. Depois daquela cena do Adama chorando e bêbado sendo amparado pelo filho esta cena do Adama com o Tigh me pareceu um repeteco. E, assim como da outra vez, o Adama se recuperou rapidinho. No final já estava até fazendo discursos pra tentar elevar o moral da frota — só não sei se ele vai conseguir convencê-los a encarar sabe-se lá mais quanto tempo no espaço pra procurar um novo lugar pra ficar — sem contar que os cylons “do mal” estão por aí.

    Quanto à morte da Dee, aquilo que foi mostrado no episódio foi só um aperitivo de dias piores que certamente estão por vir.

  12. Ângelo Romão

    Estou me sentindo menos só no mundo ao ver mais pessoas que enxergam o fato de que ‘Privileged’ cumpre melhor seu papel do que a superestimada Gossip Girl e a inacreditável 90210 juntas.

    Dizer que a CW é um lixo e que merece a audiência que tem não é nenhum despeito, e sim fato. Relembrando os tempos de ‘WB X UPN’ e séries como Buffy, Angel, Gilmore Girls e Veronica Mars (todas jovens, bem escritas e bem direcionadas), a programação atual é uma piada de muito mal gosto.

  13. Paulo Fiaes

    sobre battlestar galactica

    discordo de quem fala que a terra era infestada por Cylons, sim, havia cylons, minha teoria é que os humanos criaram os cylons, e os cylons se rebelaram, isso parece familiar? “isso tudo já aconteceu antes e vai acontecer de novo”
    os 5 cylons das duas uma, ou eram cylons e contiuaram sendo e foram atrás dos outros humanos(as 112 tribos) e lá se misturaram, e criaram os hibridos, e assim, as 12 colônias ja teria cylons, humanos e hibridos. poderia ser isso, ou os 12 cylons eram humanos e por alguma forma foram escolhido pra serem os 05 modelos. e claro que a historia foi mudada, por quem é a pergunta.
    e a pergunta de anders faz sentido, como eles esqueceram 2000 anos?
    sobre starbuck, fico com a teoria de Lucas, a viagem dela no tempo pode ter feito essa loucura dela ir pro passado, uma dela continou no presente, e porque nao, uma foi para o futuro. e aí faria sentido ela ser a arauto da morte, porque de alguma forma ela pode ter sido responsável pela destruição da terra 2000 anos atrás

    e por fim, tudo que falei é bobagem, nao tenho a minima ideia pra onde Ronald d Moore está nos levando, e ate por isso digo que BSg é a melhor série dos ultimos tempo

    paz e amor

  14. Carlos Iago

    Peraí…Privileged melhor que Gossip Girl? Desculpa, mas NÃO…

  15. Cesar Adriano

    Acho que por essa ninguem esperava, a 13ª tribo é, na verdade, uma tribo de cylons???!!! isso pra mim foi o pior golpe e mesmo não acompanhando a série, consigo vislumbrar(!) a dor e decepção daquelas pessoas.

    Mica
    “Os cylons viviam em ‘paz’ com os humanos antes de se separarem? Aliás, como podem existir há tantos anos se eles foram criados recentemente? Ou foram recriados?!

    Me lembro que no inicio da mini serie é mencionado algo do tipo que os cylons foram criados para ajudar as 12 colonias, portanto, imagino que desde Kobol eles ja existiam, e pelo relatos de vocês, na separação das tribos, eles foram para a Terra(será que é isso), então, será que os cylons que ficaram com os coloniais não eram aquelas torradeiras, e depois de algum tempo, os cylons da Terra, muito mais evoluidos, chegaram para alterar a história das 12 coloniais? afinal, a Caprica tem algo a ver com os cylons da Terra?

    Alias, sempre achei estranho o fato dos Coloniais nunca terem se enteressado pela exploração do universo, algo meio sem sentido pra mim, pois se existia a lenda da Terra, porque nunca investigaram?

    Talvez estas respostas só serão conhecidas na série Caprica, que promete fortes emoções.

  16. Lucas "Gandalf" Leal

    Mica alguns ficaram nas 12 colonias sim, pelo menos no começo, poxa vc não lembra quando a Starbuck vai lá buscar a flecha e encontra o Anders e os outros humanos, a fazenda de fazer filhos que os cylons tentaram implacar q eles levaram a Kara e etc…?
    então, acredito q eles ainda estejam lá sim!

    e para gente vcs tomaram mto chá de Chamalla (ou Kamala agora não lembro como escreve) ou tomaram uns copinhos de ambrosia!!!!!Falar como a Patricia falou q talvez a cena tenha sido um repeteco…vá lá! era óbvio q o Tigh não ia matar o Adama e etc…(ao contrário do q aconteceu quando Tigh revelou q era cylon…ali achei q podia ser o fim do cel.) mas sério Olmos tá espetacular naquela cena…sendo a cena em si boa ou ruim, a interpretação foi impecável…no limite, podia ter caido no caricato (o q talvez o Thiago tenha achado) mas eu achei demais…a hora q escorre uma lagrima me deu vontade de gritar junto ali…(e eu achei a cena boa sim…)
    juro nunca senti tanta amargura quanto ele ali naquele momento ou a Mcdonell queimando a profecia…sei lá acho q vcs são hereges mesmo!
    =D
    ou sei lá…frak…vcs são fucking toasters vindo aqui pra falar mal do Olmos pra afetar o Adamão :P

    mas enfim é opinião de vcs…e parece q eu sou minoria no caso em questão então me calarei afinal eu sou mto fã…talvez eu não tenha visto os defeitos q vcs viram ;)

  17. Lucas "Gandalf" Leal

    César Terra era uma lenda…tipo várias q a gente tem aqui, Atlantida só pra citar uma…vc não ve o povo saindo louco procurando por Atlantida ve?
    então…
    mas sei lá…aposto q tinha gente q sempre teve interesse em procurar a Terra sim, o problema é q ninguem fazia a fraking ideia de onde ficava hehehe

  18. Celso

    Matei a charada: Os Cylons criaram os humanos.

    Está explicado porque do mundo estar assim! Somos Cylons !!!

  19. Thiago

    Pois é, Patrícia. Adamão bêbado já teve quando Tigh disse ser um Cylon. Negócio que não gostei mesmo dessa cena. Talvez numa versão mais extendida do episódio em DVD (as vezes acontece) faça a cena ter mais sentido, mas acho difícil.

    E Celso, eu acho que é por aí. Acho que nós somos Cylons e criamos os humanos. Ainda não sei dizer, mas de toda a Terra, apenas 12 modelos sobreviveram, enquanto que a criação Cylon, os humanos, se proliferaram aos montes depois de se revoltarem contra os criadores.

    E no carrossel do “isso já aconteceu e vai acontecer de novo”, os humanos criaram os cylons que acabaram se rebelando. Mas tem furo nisso… Pq cylons estariam fazendo experimentos em humanos? Só se… Só se da destruição da Terra/13ª Colônia, tivessem sobrado apenas os Final Five. Os outros 7 seriam criações dos cylon que foram criados pelos humanos… que foram criados pelos cylon.

    Okay, hora de parar com a chamala

  20. Lucas "Gandalf" Leal

    hahaha poh Thiago eu até gostei da teoria…se der uma lapidada seria uma boa…fora q a melhor fase da Roslin foi a base de chá de Chamalla!
    =D

  21. Gustavo

    ehhh, eu imagnei algo parecido com o que o thiago pensou.

    Acho que na verdade nós (tipo a gente que ta comentando) somos cylons para os humanos da série.

    Talvez os “cylons” criaram os humanos, que criaram cylons robos, que criaram cylons “skin jobs” que são iguais os cylons originais…

    Ou talvez aconteceu algo assim : quando as tribos se separaram, a 13a foi pra um planeta distante. Lá ela se modificou, como acontece com espécies que se separam e sofrem isolamento. Aí com o tempo eles ficaram com uma anatomia um pouco diferenciada das tribos originais. Essas ficaram “iguais” pois conviviam juntas, em planetas de condições parecidas.

    Daí os cylons, depois de criados tentaram recriar a forma humana com seus skin jobs, que ficaram iguais os habitantes da terra.

    mas é muita piração, e eu nao sei jeito melhor de explicar o que aconteceu!
    Achei legal a Ellen ser o 5o. cylon (assim parece) e não a Kara. Ia ser mto na … kara!

    Agora, como explicar o que aconteceu com a starbuck? hm, viagem no tmepo eu acho mto piração pra série… eles possuem capacidade de viagem “FTL”, conhecem então esse espaço de viagem no tempo da física. E a série não é sobre explicações físicas, mas geralmente mais humanas. Clonagem da Kara? Talvez… Ela ser.. um 6o. cylon? são 13 tribos, por que 12 modelos? Façam logo 13 modelos!

    Bom, esperar os proximos 9 episódios!

  22. Lucía

    OTH – Realemente esse episódio que passou me lembrou de porque é minha série favorita na atualidade!!! Não se enganem, gosto de coisas desde mentalist passando por greys e indo até kyle xy mas OTH realmente me emociona… Brooke roba todas as cenas nas que aparece e a relação dela com Sam esta sendo o máximo… Vais ser duro se terminar agora que recuperou a qualidade mas por outro lado terminar por cima e ter um final digno provavelmente seja o melhor!!!

    Quanto a Privileged acho que os episódios retornaram com excelente qualidade com certeza se fosse no mesmo dia de OTH seria muito melhos…

    Kyle achei que começou meio fraco mas vou pagar para ver, concordo com que a familia é a melhor parte de tudo!!!

  23. Cesar Adriano

    Lucas só estou especulando, não há muitos lugares pra isso….minha estranheza é como que uma civilização tão avançada tecnologicamente, que criou inteligência artificial e naves com capacidade de salto, nunca se interessou por suas origens, afinal eles achavam que Kobol era o que? a cidade do papai noel? Kobol estava ali, a 2 meses de viagem, e para os coloniais era uma lenda?! É isso que acho absurdo, pois na nossa ótica, já temos uma origem para o universo, e eles tão avançados, estão lá encaixotados naquele sistema, se tivessem um pouquinho de curiosidade já teriam descoberto a Terra há muito tempo, pois inclusive, o outro lado, a Terra, explorou, tem até aquele episodio, que eles encontram uma sonda no espaço e os próprios 5 tem vinculo com o ponto azul.

  24. Babi

    @ Thais Afonso:
    Você comentou o episódio 16 e não encontrei o coentário do 15…

  25. Lucas "Gandalf" Leal

    Gustavo era ÓBVIO q a Kara não era o quinto cylon…falei isso faz tempo oh…
    e depois o RDM ainda soltou sem querer quando saiu a foto do Last Supper (aquela foto de BSG imitando a Santa Ceia) q o espaço vazio (AO LADO DO TIGH!!!!) era o espaço do 5 cylon!
    ou seja ninguem da foto poderia ser o 5 cylon…
    logo Starbuck, Adama, Roslin, Gaius e Lee (além dos outros personagens q já sabemos ser cylons e que ali estão) NÃO poderiam ser o 5 cylon…
    mas nego é teimosão e continuo achando q era a Kara…ou o Gaius…ou o Adama…ou o Lee…ah ñ talvez a Roslin!
    uhahuauhauha
    pqp viu
    eu achava q era a finada Dualla…ou talvez o Gaeta…Ellen Tigh? nem sonhei…nos meus sonhos mais loucos achava q podia ser o finado filho do Adamão…(o irmão de Lee, ex da Kara) mas jamais Ellen Tigh!

    César vou discordar novamente…
    poxa 2000 mil anos atrás a 13 morreu na Terra…eles migraram de Kobol mto tempo antes das outras 12 tribos (as 12 tribos migraram a 2000 anos)…logo imagina de quando data a sua migração de Kobol!é óbvio q virou uma lenda!não existia NADA q provasse q havia realmente existido uma 13 tribo, ou q se ela existisse q ela havia sobrevivido num planeta chamado “Terra”
    a prova da existencia da 13 só foi descoberta durante a série…a primeira prova foi aquela parada q eles pegaram e continha um vírus q matou todos os cylons) ou seja não existia nada da 13 tribo quem dirá da Terra suposto planeta q eles migraram e ninguem nunca voltou pra contar!
    e até onde sei aquele Templo no episódio Eye Of Jupter data de mails de 4000 anos!ou seja eles migraram de Kobol a mais de 4000 anos!
    e sim até onde sei Kobol não era uma lenda, apenas um lugar q nunca foi encontrado…assim como a Terra (mas essa era lenda!) e até onde sei Kobol tinha sofrido uma catastrofe, por isso eles migraram de lá…acho q ninguem se interessou em procura-lo por isso tb…ninguem nem sabia se ele ainda estaria lá e se estivesse como estaria…e o mais importante ONDE ele estaria

    e 2 meses de viagem não, foram INUMEROS saltos, q eles poderiam ter parado em qualquer canto do universo!!!não foram 2 meses seguindo em linha reta hehehe
    como vc vai achar um planeta sem coordenada no meio do universo?
    como disse Atlantida tá ‘ai’ dentro do NOSSO planeta e não vejo ninguem se interessar em acha-la…
    imagina algo de OUTRO planeta no meio da imensidão espacial?
    honestamente acho q eles tinham mais o q fazer…

    e eles tinham uma teoria pra origem do universo, apenas não sairam como loucos desvairados querendo confirma-la…
    até pq tal qual nós, eles demonstram acreditar mto numa explicação religiosa e mítica para sua origem…e isso como nós sabemos é impossivel de se confirmar cientificamente…
    logo não vejo problema algum deles não terem ido atrás da Terra antes…pelo contrário eles tinham feito um exodo de Kobol e tinham mto pra fazer se fixando nos planetas q haviam encontrado…

  26. Ma

    Confesso que após os dois episodios duplo, mesmo tendo sido a tempos fiquei meio frustrada por esse episodio de Supernatural.
    Acho que queria mais, mas ele foi muito assustador com aqueles humanos vivendo como bichos. Quanto a revelação de Dean no final acho que ele não deve se sentir culpado mesmo, como Mica falou afinal de contas qualquer ser humano que tenha sido torturado por tanto tempo iria lavar a alma sendo o torturador, isso não o faz um demonio, um mau sujeito ou sem coração apenas um humano que sofreu muito.

  27. Clara Lima

    Mica, eles ficaram parecidos sim. No futuro, Superman não existe mais. É apenas a inspiração para a Legião e toda a humanidade.

  28. Babi

    @ Obrigada Thais, vou passar lá!!
    Ninguém mais tá comentando a série que eu mais gosto. :)

  29. Fernando dos Santos

    Eu tenho a impressão que os cylons foram criados poucas decadas antes da grande guerra na qual o Almirante Adama lutou quando era jovem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account