Log In

Spoilers

A Semana lá Fora: episódio 100 de CSI:NY, retornos em Smallville, despedida em Friday Night Lights e Jennifer Aniston em 30 Rock

Pin it
http://www.teleseries.com.br/wp-content/uploads/2008/11/smalllbride.jpg

Elenco de CSI:NY

Mais uma semana de november sweeps, repleta de acontecimentos marcantes. Em CSI:NY, uma série de convidados especiais desembarcaram para o 100º episódio da série.

Em Smallville, o episódio Bride marcou a volta de Lana (e não só de Lana) ao seriado. Enquanto uns retornam, outros se despedem – em Friday Night Lights quem está de saída é Jason Street.

E tem mais: Supernatural entrou em hiato com um episódio nota 10. Prison Break e NCIS também tiveram episódios elogiadíssimos. Em Dexter e True Blood, a tensão aumenta conforme vai se aproximando a finale. Pushing Daisies voltou ao ar. How I Met Yor Mother e 90210, ganharam reviews também (e várias críticas negativas). Com atraso, publicamos mais um review da britânica Dupla Identidade (Spooks) e comentamos a participação de Jennifer Aniston em 30 Rock. Tá no ar o resumo da semana!

CSI:NY: My Name is Mac Taylor (5×08)
Exibição: 19/11/2008
MVP: Gary Sinise

Na primeira cena vemos um homem fugindo e a primeira porta que ele tenta abrir tem o número 100, numa alusão ao centésimo episódio de CSI:NY. Episódio com várias participações especiais: Scott Wolf (Everwood), Chris Daughtry (American Idol), Rumer Willis (filha de Demi Moore e Bruce Willis), Nelly (rapper, em sua segunda aparição) e Julia Ormond (refilmagem do filme Sabrina).

A história foi bem amarrada. Existe um assassino a solta matando todas as pessoas com o nome de Mac Taylor. A primeira coisa que vem a cabeça é que seria uma ameaça direta ao Mac, mas o roteiro fugiu do óbvio. O caso era de vingança, mas não contra o ‘nosso’ Mac. O assassino estava em busca do assassino da sua namorada, morta em um atropelamento e, numa atitude descontrolada, saiu matando todos com o mesmo nome que possuíssem um carro. Ao final, descobrimos os dois assassinos: o atropelador e o namorado da vítima do atropelamento que se mata na frente da Stella.

No final do episódio temos Mac convidando Gillian, a mais nova funcionária, para um café. E com direito a frase clichê-fofa:

Ela olhou para trás. Isso é bom.

Ao que parece, Mac ganha um novo interesse amoroso. Cada vez mais acredito que o Adam está desenvolvendo uma paixonite por Stella e ainda não decidi se isso me incomoda. (Tati Leite)

NCIS: Cloak (6×08)
Exibição: 18/11/2008
MVP: Michael Weatherly, Mark Harmon e Pauley Perrette

Quando eu acredito que NCIS vai perder o ritmo, os roteiristas me provam o contrário. A série está cada vez mais dinâmica e, mesmo com meu receio do que poderá acontecer se Tony e Ziva virarem um casal, a forma como a história vem sendo escrita faz com que esse medo pareça cada vez mais infundado.

No episódio anterior descobrimos que Gibbs percebeu que a agente Lee na verdade era a traidora. E agora cabe a ele provar a inocência do agente Langer. Para isso, Jethro esconde a verdade de sua equipe, exceto de Abby. O confronto dele com Dinozzo, quando este descobre que a invasão a ser realizada por ele e Ziva era apenas isca para a agente Lee, foi de tirar o fôlego. Weatherly foi sensacional mostrando a sua raiva gritando com o Duck no lugar de falar diretamente com o Gibbs.

Perrette também deu um show, principalmente na cena com o McGee na sala de interrogatório. Os dois juntos são muito fofos. Aliás, a cumplicidade de toda equipe é apaixonante. Difícil escrever um episódio tão bom em poucas linhas. O máximo que posso dizer: Gibbs é o cara! E Tony e Ziva conseguem transformar qualquer briga em tensão sexual. (risos). (Tati Leite)

Cena de Smallville

Smallville: Bride (8×10)
Exibição: 20/11/2008
MVP: Erica Durance

Acho que fiquei mais ansiosa por Bride do que a própria noiva. Foi um daqueles episódios que promete ser memorável (vide a promo da CW) e que te causa tanta tensão que você não consegue relaxar e, no final, você acaba não gostando tanto.

Depois de assistir esse episódio mais de cinco vezes, comecei a entender a beleza dele. É como assistir ao vídeo do seu próprio casamento, sempre é mais bonito do que a própria cerimônia.

Aqui estamos celebrando o casamento do Jimmy e da Chloe. É incrível como os dois estão felizes e estonteantes. Nunca fui muito fã do casal, mas tirando o fato de que no início da história nós já vemos o que vai acontecer no final, confesso até que torci para que os dois tivessem um casamento tranqüilo. Bom, podemos dizer que no contexto geral, até que foi uma festa tranqüila. Mas havia muito mais coisa acontecendo naquele celeiro do que dois jovens apaixonados poderiam contar. O celeiro do amor estava pegando fogo.

O que mais gostei nesse episódio foi como mostraram o desenvolvimento dos sentimentos que a Lois está desenvolvendo pelo Clark, e vice-versa. A cena da dança é a definição semiótica de que os atos valem mais do que as palavras. Os olhos, o toque na mão, no peito do amigo, um passo para frente, foi o melhor diálogo da série nessa temporada.

Bride foi sim um episódio para não esquecermos. Além do desenvolvimento pessoal dos nossos queridos personagens, as surpresas não param de surgir: Kung Fu Lana e sua misteriosa missão, Chloe/Brianic/Doomsday trio, e aparição surpresa do nosso querido Lex. O casamento do ano foi nota 10, mas a lua-de-mel promete ser bem melhor. (Maria Clara Lima)

Friday Night Lights: New York, New York (3×08)
Exibição: 19/11/2008
MVP: Scott Porter

New York, New York foi mais um episodio excelente de Friday Night Lights, que busca seu caminho de volta. Posso confirmar que os episódios estao tão sensacionais quanto os da primeira temporada.

Anteriormente vimos o caminhar para a despedida de Jason Street. O ex-quarterback enfrentou a situação adversa de ter o amor e o filho distantes, sendo que com isso partiu na busca pelo sonhado dinheiro. Acontece que as coisas na vida não são perfeitas e, só depois de muita luta e dedicação que conseguimos o merecido sucesso. A casa que reformou, juntamente com os amigos, finalmente conseguiu foi finalizada e agora todos buscavam a tardia venda do imóvel. É preciso destacar a volta de Street nessa temporada, apagando alguns momentos não tao louváveis do segundo ano.

Destaquei os acontecimentos anteriores porque esse episódio foi de Jason Street. O personagem despede-se da série de forma excelente, após uma viagem com o amigo Tim, pela busca de sua realização. Apesar de um final convincente, as tramas parecem seguir de uma forma um pouco mais veloz do que deveriam, porém devemos lembrar que a serie só contará com 13 episódios esse ano.

Matt, por outro lado agora troca de posição para permanecer no time. Técnico Taylor se vê numa posição difícil, fazendo com que Saracen vire wide receiver. Veremos como o jogador e os roteiristas se saem nessa empreitada, que na minha opinião deve ser bem o foco daqui em diante. Uma pena não sabermos do futuro de Friday Night Lights, mas podemos mais uma vez termos a certeza de assistirmos um seriado impressionante. (Daniel Defilippo)

90210: That Which We Destroy (1×11)
Exibição: 18/11/2008
MVP: n/a

Está difícil continuar assistindo 90210, mas como meu colega Ale Rocha falou no Twitter: 90210 é uma droga barata que vicia.

Eu assisti essa semana um episódio da segunda temporada de Barrados no Baile, e nele Kelly ficava interessada em um cara que estava na cadeira de rodas, e isso gerou desconforto para os dois. E assistindo essa nova versão, percebi que a versão antiga teve seus méritos para ter entrado para história, enquanto a versão nova até agora só pegou tudo de ruim que aconteceu antes.

O filho de Harry e Tracy deu as caras, quer dizer, com aquele final não duvido nada que ele seja alguém contratado por Tracy pra atormentar a vida de Harry, mas: com qual sentido? Nenhum, as coisas não fazem sentido em 90210. Dixon, que poderia ter duas boas histórias, acabou como sempre, com tudo sendo resolvido muito rápido. Tanto a questão de ele ser adotado e agora tendo que lidar com um filho legítimo de Harry, como a questão dele ser o primeiro negro no time de lacrosse da escola. Mas, o importante foi mostrar que tem uma líder de torcida gostosa a fim dele. E Annie, que nunca pareceu ter problema de adaptação com a cidade e a escola, de repente percebe que mudou muito? (Paulo Fiaes)

Cena de 30 Rock

30 Rock: The One with the Cast of ‘Night Court’ (3×03)
Exibição: 13/11/2008
MVP: Alec Baldwin

Jennifer Aniston esteve em 30 Rock e a audiência caiu. E daí? 30 Rock está fadada a ter o mesmo destino de Arrested Development – ser um programa de elite, para seis milhões de telespectadores com gosto refinado. Não é para as massas, especialmente as massas consumidoras de Friends.

A visita de Aniston pode ter decepcionado alguns fãs, mas eu gostei. Claire, sua personagem, não gerou momentos cômicos tão genuínos como os de Oprah na semana anterior, nem foi tão divertida como a de Megan Mullally na premiere. O papel de Aniston explorava o seu sex-appeal, e que sex-appeal!

Mas o melhor do episódio não foi o romance entre Jack e Claire. Foi a trama paralela: a reunião de elenco da série Night Court, com participações de Markie Post (58 anos e totalmente MILF!), Charles Robinson e Harry Anderson. Teve piada com séries canceladas, jump the shark e muito mais. E é isto que 30 Rock faz de melhor, debochar da NBC e da indústria da TV.

P.S.: No início do episódio, Liz e Jenna falam que uma vez dançaram com Claire em um hidrante aberto. Mas o flashback imitando a abertura de Friends não foi ao ar. Será que entra nos extras do DVD? (Paulo Antunes)

How I Met Your Mother: Wooo (4×08)
Exibição: 17/11/2008
MVP: Neil Patrick Harris

Provavelmente este foi o pior episódio da temporada até agora, e talvez um dos piores da série. Tudo bem, isso não queima essa boa temporada, mas, realmente, ainda não entendi o porquê desse episódio.

Tudo gira em torno das garotas Wooo e de Barney “tentando” tirar Ted da fossa. A verdade é que a historia das garotas Wooo foi sem graça e só serviu pra mostrar algo que venho dizendo sempre: Lily não tem plots interessantes e serve apenas pra ser a garota pela qual Marshall é louco.

Enquanto o que me irritou mesmo foi o que escreveram pra Barney. Em quatro temporadas ele nunca colocaria algo na frente de Ted, ou de algum outro da turma dele. E por isto achei muito ridículo colocarem ele apaixonado por um prédio em forma de tiranossauro rex que cospe fogo, prejudicando seu amigo e, com isso, mostrando que Marshall é o melhor amigo de Ted.

E tudo isso ficou sem sentido, sem continuidade e sem abrir pontas para o futuro, alias, só uma – Ted, Marshall e Barney trabalharam pra mesma empresa. Mas sério, fizeram um episódio só pra isso?? (Paulo Fiaes)

Pushing Daisies: Oh Oh Oh…It’s Magic (2×06)
Exibição: 19/11/2008
MVP: Swoosie Kurtz, Ellen Greene e Kristin Chenoweth

Assistir ao episódio sabendo do cancelamento da série foi de partir o coração. Pushing Daisies é uma série para poucos. Complicada dentro da sua simplicidade. Fala das emoções escondidas e de uma maneira propositalmente não muito clara. Obriga a pensar. Contudo, ao contrário de outras não possui grandes mistérios. Deixa algo em aberto, para interpretações variadas.

O que fazer com as perguntas que gostaríamos de fazer, mas não temos a coragem de perguntar? Chuck gostaria de saber sobre o seu nascimento e o que representa para sua mãe biológica. E Ned guarda perguntas sobre o que levou seu pai a abandoná-lo. A diferença é que um tenta a todo custo conseguir suas respostas, o outro prefere ignorar.

Ao final do episódio Ned, mais uma vez demonstrando seu amor por Chuck, consegue que ela tenha algumas respostas – com a ajuda de Oliver – ao mesmo tempo em que ele mesmo começar a aceitar que precisa enfrentar seus ressentimentos e/ou sentimentos.

O mistério do sumiço do pai do Ned aparentemente tem ligação com a amizade dele com o pai da Chuck. Espero que ao menos saibamos a resolução desse mistério ao final da série. Eu quero saber o que de tão importante tem naquele relógio (Tati Leite)

Cena de Dexter

Dexter: The Damage a Man Can Do (3×08)
Exibição: 16/11/2008
MVP: Jimmy Smits, Michael C. Hall e James Remar

Ótimo episódio dando um passo adiante no relacionamento de Prado e Morgan, com Miguel querendo por a mão na massa, ele propõe matar alguém ele mesmo! Após achar a vítima, ser ensinado por Dexter de como, por exemplo, o que usar para amarrar a vítima (fida adesiva e não corda), ser discreto (e não se vestir como Unabomber), que tipo de arma usar (certamente não usar um revólver) e, a principal delas, não ser reconhecido (o que aconteceu e quase que Dexter cancela tudo).

Porém Miguel conseguiu realizar seu desejo, pegou a faca e tirou a vida de uma pessoa. Gostei muito também das cenas com Harry, sendo o ‘grilo falante’, a consciência de Dexter, tentando alertar Dex dos riscos que ele corria em confiar em Miguel, mas Dexter acabou tendo suas ressalvas com o promotor, dividiu todo seu ritual com ele, menos a parte onde ele esquarteja as vítimas, seria para preservar sua intimidade ou foi apenas para Miguel não descobrir que Dexter é o BHB?

Por fim a cena que está criando muitas teorias: após matar junto com Dexter, Miguel resolve dar um pulo na casa de Ellen Wolf. Será que Miguel matará novamente ou será que eles, na verdade, tem um caso? Eu particularmente voto na segunda opção, Ellen olha pela janela e vê quem é antes de abrir a porta e dá espaço pra Miguel adentrar em sua residência com certeza não é algo normal entre rivais de profissão. (Lucas Leal)

True Blood: To Love is to Bury (1×11)
Exibição: 16/11/2008
MVP: Ryan Kwanten e Stephen Moyer

Penúltimo episódio da temporada e nada aconteceu da forma que eu imaginei que pudesse acontecer. Primeiro, a transformação da garota em vampira. Interessante esse conceito de criador e criatura precisarem dormir juntos sob a terra. E mais interessante ainda é a forma estranha como cada um pode reagir à transformação. A garota (que eu gostava mais quando era humana) virou uma vampira chatinha e descontrolada, um estorvo na vida de Bill, que não soube lidar com a situação.

Depois veio a morte de Amy. Estava na cara que Jason não era o assassino, mas fiquei muito triste de vê-lo todo perdido após a morte da mulher que o endireitou. E o coitado ainda confessou algo que não lembrava ter feito. Mas o melhor mesmo foi a foto do irmão da garota morta (que Sookie viu na mente do assassino no final do episódio anterior e ficou buscando informações neste). Será que o criminoso é mesmo Rene? Eu gostava do cara! Mas faz sentido, afinal Amy só morreu depois de Jason contar a ele que a namorada era viciada em V.

Agora, o que eu mais gostei foi do envolvimento de Sookie com Sam durante o episódio, culminando no beijo e posterior ataque de Bill. E não é que ela revogou o convite do coitado do Bill para sua casa? E quem será a tal mulher que pagou a fiança de Tara? Não acredito que só resta um episódio. (Mica)

Supernatural: Heaven and Hell (4×10)
Exibição: 20/11/2008
MVP: Jensen Ackles e Misha Collins

A fase atual de Supernatural tem me causado certos problemas, pois me incomodo muitíssimo com a forma como eles tratam anjos e Deus, especialmente porque acredito firmemente no livre arbítrio dos anjos, assim como o ser humano tem. Mas deixarei minhas crenças pessoais de lado para tratar do universo que a série mostra. E, em Supernatural, a batalha entre o céu e o inferno anda a todo vapor.

Anna é muito mais do que uma estação de rádio angélica, ela é um anjo caído. Não um demônio, mas um anjo que desejava sentir as emoções humanas e que se desfez de sua graça e se lançou a Terra, nascendo como uma humana. Anjos estão atrás dela para puní-la, enquanto demônios a perseguem por ser uma fonte de informações sem igual. E é claro que os irmãos Winchester ficaram bem no meio desse confronto.

Não gosto do Uriel. Castiel me parece bem mais sensato. Mas ambos têm o mesmo objetivo. E Dean entregou Anna para salvar Sam, enquanto Ruby a entregou para se salvar. E, no final, Anna recuperou a graça e desapareceu com Alastair. E vale mencionar uma das melhores cenas do episódio: Dean contanto a Sam o que passou no inferno. Parece que, após 30 anos de tortura, o rapaz se rendeu a Alastair e passou a ser um torturador de almas. Creio que talvez por isso tenha sido capaz de aceitar Ruby no meio deles enfim. (Mica)

Cena de Prison Break

Prison Break: Quiet Riot (4×11)
Exibição: 17/11/2008
MVP: Robert Knepper

Vamos parar de choro pelo Bellick e seguir com o plano? Ótimo! Após alguns episódios “nós perdoamos porque Prison Break é irado”, a série volta com um episódio “irado pra valer”. Evoluindo a passos largos, a história está chegando a algum lugar.

Gretchen, que tem “daddy issues” e um uniforme escolar, falhou em conseguir o sexto cartão com o General. Essa porta está fechada, mas, como sempre, ela e seu comparsa T-Bag (aparentemente um amigo de infância) sempre têm uma carta na manga: graças à Xing, Self e a secretária do decote (chocantemente agente da Segurança Nacional), são feitos de reféns. E a dupla está prestes a “cuidar” da equipe de invasão. Algo parecido com que Sarah vai fazer com a “Daddy issues número dois”.

Mas o que valeu no episódio foi a ótima invasão de Scylla, que nos proporcionou 10 minutos de cenas sem diálogos em algo tão engenhoso que me fez lembrar os bons momentos do primeiro ano da série. Até mesmo o óbvio deslize que Sucre ia dar conseguiu me deixar tenso. Ponto para a audaciosa seqüência, que não é comum em canais aberto. Mas darei pontos pra Hematoma Scofield? Sua saúde afetou seu julgamento, ou acionar o alarme fazia parte do plano? Mais na ótima seqüência da invasão. (Thiago Sampaio)

Dupla Identidade: Episódio 7×04
Exibição: 10/11/2008
MVP: Peter Firth

O terrorismo islâmico continua em pauta. Mohammed Khordad, o nº 3 da Al-Qaeda, quer falar com Harry Pearce. Apesar do ceticismo dos demais, Harry acredita que seja um sinal de que a organização queira negociar e tentar colocar fim a algo que em sua visão, não pode ser detido de outra forma a não ser pelo diálogo. Soa estranho à princípio, porém Harry Pearce é antes de tudo um pragmático. Entretanto seus superiores relutam em sentar à mesa com o terrorista para conversar. Com a promessa de Harry de que tudo será feito da forma mais discreta possível, o sinal verde para a operação é dado, e ele e Ros vão ao encontro de Khordad. O terrorista revela que haverá um novo ataque, mas faz exigências para revelar o local e a hora. Uma delas é que o governo faça uma declaração em rede nacional que dois prisioneiros recém-libertados de Guantanamo eram inocentes e foram presos ilegalmente em solo britânico pela CIA, para desespero do Secretário de Estado, que quer a todo custo manter os EUA de fora da jogada.

A busca pelo traidor continua. O velho amigo e mentor de Harry diz ter encontrado uma possível candidata: a agente veterana Connie James. Apesar de Harry não acreditar muito nessa possibilidade, alguns eventos recentes o levam a crer que de fato alguém de dentro está vazando informações e interferindo no sucesso das operações. Connie ser a traidora seria algo óbvio demais. Idem para Lucas North, mas também não vejo outros suspeitos dentro do MI5 além dos dois. A grande reviravolta no episódio é quando North entra em contato com sua ex-mulher (e espiã russa nas horas vagas), que lhe diz que os russos sabem quando a bomba explodirá, mas ele terá que decidir se conta ou não ao MI5, pois o preço será o seu status de agente duplo junto aos russos e a vida de ambos. Mais bombas… espero que não vire tema recorrente. Russos e a Al-Qaeda trabalhando juntos? A velha rivalidade entre o Kremlin e Downing Street é levada a extremos aqui.

E, para piorar a situação, a CIA descobre que Khordad está em Londres e o captura debaixo do nariz do MI5, forçando Harry a entrar em uma queda de braço com seus “amigos e aliados”, furiosos por terem sido deixados de fora. Usando sua experiência e um pouco de política, Harry consegue liberar o líder terrorista, que revela o local da bomba, mas o MI5 enfrenta o dilema de manter ou não o disfarce de Lucas. Claro que deixar a Al-Qaeda explodir um restaurante lotado está fora de cogitação e uma operação para enganar os terroristas – e, por tabela, os russos – é executada com sucesso. Apesar de terem evitado o pior, Harry ainda tem que lidar com a CIA. Mais tarde Khordad contata Harry e acena com uma inusitada aliança para derrubar sua própria organização. No entanto Harry jamais poderá saber no que daria esta união de forças já que pouco depois Khordad acaba morrendo em um acidente aéreo suspeito. Suspeito? Quem disse “CIA” acertou. (Patricia Emy)

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

25 Comments

  1. Dani Libanio

    Smallville
    Gostei mto desse episódio. E como vc mesmo relatou Maria Clara, o diálogo sem palavras de Lois e Clark diz mto. Como tb a confissão dela ao Oliver, quer dizer foi mais pra ela mesma q para o Oliver. Como vem crescendo esse sentimento e ela tende a negar, e aos mesmo tempo não entende.
    Já em relação a Lana, não venho gostando a mto tempo de como a sua história vem sendo conduzida pelos roteiristas. E que ela vem fazer aqui? Substituir a Chloe? No papel de ajudante do nosso Super Heroi? Aquela cena q ela guarda a kriptonita e salva o Clark, não lembram vcs de uma lourinha nesse papel? Eu como fã da Chloe só tenho a lamentar se esse caminho estiver mesmo se formando e desenvolvendo…..

  2. Alessandro

    Mas eu tenho uma dúvida: esse episódio marcou a volta de Lana Lang para a série ou foi só uma participaçao especial??

    Eu, sinceramente, espero que ela não apareça mais! Pois a série melhorou significativamente sem a presença da Chatlana Lang!!

    Sobre Prison Break: fico com pena de quem abandonou a série na segunda temporada (conheço muita gente que abandonou na época que a Fox começou a exibir dublada) pois a série está sensacional! Essa sequencia de 10 minutos sem diálogos foi tensa na medida certa! Excelente!

  3. Rubens

    Victor Hugo, nao se apresse. Lex nao apareceu em Smallville. Ao menos nao o ator que um dia conhecemos como sendo o Lex. Apareceu apenas um careca de costas, imóvel, e mais nada.

  4. Mica

    Smallville: Eu já disse isso em outra ocasião, mas vi umas teorias por aí de que o careca fosse o Brainiac do futuro (embora eu particularmente ache que foi o Lex mesmo).

    Lana participará de 5 episódios (nãããão!!!). Não sei para que trazê-la de volta. Dizem que ‘para dar um fechamento em seu relacionamento com Clark’, mas para mim não precisava de fechamento algum. Se quisessem trazê-la de volta, que fosse no futuro, quando ele já tivesse superado completamente a garota e apaixonado de vez por Lois. Aí sim daria uma sensação de ele ter amadurecido, ao invés de parecer que ele ficou com a segunda opção pq foi deixado pela primeira.

    E eu também já comentei isso em outro lugar, mas…Tom Welling é um ator muito pobre perto da Erica. Enquanto a Lois demonstra em cada olhar o que sente (e muda de expressões super rápido, mostrando para nós uma coisa e para Clark outra), os sentimentos do Clark só são demonstrados por recursos de filmagem (a forma como eles dão close nele, como posicionam os personagens, etc) e pela reação da própria Lois. O Tom só fica realmente BOM em cena quando está sorrindo. O sorriso dele é inigualável.
    A minha grande pergunta é para quem Lana está trabalhando. Lex? Tess? Alguma outra pessoa?
    Mas o melhor mesmo foi ver Chloe/Brainiac e Apocalipse no final. O que será que essa história nos reservará? Será que terei a chance de ver Chloe recuperar sua memória no futuro?

    Supernatural: Uma das cenas que eu mais gostei foi da Anna recuperando a graça e o Castiel olhando para ela. Não sei explicar porque, mas achei tão legal todos tapando os olhos e ele (e o Uriel) olhando embasbacado.

    NCIS: Sem dúvida a melhor cena foi Tony soltando o verbo com o Ducky. E posso dizer que eu fico um pouco triste da Lee ser traidora? Eu gostava da personagem dela.

    Spooks eu comento assim que eu conseguir assistir. Estou com o episódio 4, 5 e 6 lá em casa mas não consegui tempo ainda de parar e ver com calma :-(

  5. Mônica A.

    Eu vi ontem esse episódio de Smallville e o que tenho a dizer dele é: UAU! O episódio foi repleto de emoções. Alegria, tristeza, medo, decepção.

    O Jimmy e a Chloe estavam tão fofos no casamento, super felizes. Ai, que judiação aquele final! A Chloe ainda está possuída pelo Bainiac? E o Jimmy, será que vai escapar? Tomara!

    Adorei a conversa da Lois com o Oliver. Eles podem ser amigos apesar do passado dos dois. E o Oliver foi uma graça, já sabendo de quem a Lois estava falando.

    Mica, eu discordo de você. Eu já tinho dito aqui uma vez que não queria que a Lana morresse porque queria que o Clark se apaixonasse pela Lois com ela viva. Então acho ótimo a participação dela em alguns episódios. Pra mim o Clark já está apaixonado pela Lois, mas ao contrário dela, ele ainda não se deu conta disso. Espero que a presença da Lana sirva pra ele perceber que não sente mais nada por ela e que Lois é que é a mulher da vida dele. Como disse a Maria Clara, aquele diálogo sem palavras entre os dois já disse tudo.

    Agora, realmente a aparição dela no casamento não poderia ter sido numa hora mais inoportuna. Me lembrou aquela maldita abelha do filme Arquivo X. Que raiva!

    Quanto ao careca, acho que era o Lex mesmo.

    E eu vi em algum lugar que Smallville vai entrar em recesso até 15 de janeiro. Alguém sabe se é verdade?

  6. Maria Clara Lima

    “O desenvolvimento dos sentimentos que a Lois está desenvolvendo” UHAUHAHU Alguém chama meu editor, plz!

    Concordo com a Mônica. O Clark tem que exorcisar a Lana com ela viva. E é o que vai acontecer, o grande amor da vida dele é a moreninha rabugenta que trabalha de frente para ele. =]

  7. André

    Bride foi um dos melhores episódios de Smallville de todos os tempos.

    Smallville está em recesso, sim, até 15 de janeiro.

    E espero ver a Chloe recuperando a memória e ficando possessa com o Clark.

  8. Rafa Bauer

    30 rock: Eu também gostei mais do episódio da Oprah, mas esse também foi legal.

    Eu senti falta de algumas cenas, cujas fotos “vazaram”, como a do hidrante, e uma em que a Tina Fey parecia vestida de Monica e a Jane Krakowski parecia vestida de Phoebe… humpf…

  9. Nanda

    Mônica, é verdade sim. E Lois só aparecerá daqui a 4 episódios, só depois que a Lana for embora. Triste.

  10. Patricia E.

    Dexter: Estava achando a temporada “devagar” até este episódio. Pena que falta tão pouco pra terminar. Dexter tem um discípulo… resta saber se ele não tentará superar o mestre.

    Debra continua na cola do “Esfolador” (ou “Skinner”, pra quem preferir) e o sumiço de Anton não é bom sinal… Também acho que esse lance entre o Miguel e a Ellen é bem suspeito. Imagino se tudo não seja mera fachada e que estes dois possam estar tramando alguma…

    Outra coisa que o Dexter não dividiu com Miguel: o ritual de colher uma amostra de sangue — algo que também o ligaria ao BHB. Há quem diga que ele não fez isso porque não foi ele quem matou, mas tá mais pra primeira opção mesmo.

  11. Ma

    Supernatural se superou com esse ep. principlamente os momentos finais da confissão de Dean. Jensen Ackles deu um show, pode me chamar de piegas mas não consegui segurar as lagrimas.

  12. alex

    sv bombou aqui ein,e olha que eu um dos fanzoes da serie nao,gostei do epi,acho que ficou faltando mta coisa.

  13. Thiago Monteiro

    Como disse a Mica, eu também me incomodei bastante a forma como trataram os anjos de Deus, parecendo farinha do mesmo saco que os demônios e colocando Deus numa posição um tanto quanto vilão, no qual criou-os mas nem eles sabem realmente se ele existe.

    Mas deixando a crença de lado também e analisando o episódio em si, a única cena que valeu a pena foi a confissão do Dean no final, creio que criei uma expectativa muito grande daquele “to be continued” do episódio passado, e acabei me decepcionando um pouco.

    Ainda assim Supernatural está fazendo sua melhor temporada e temo pelo futuro da série, pois tudo parece estar caminhando para o fim da mesma com esse plot apocaliptico e não imagino guerras futuras maiores e melhores que essa.

    Sobre Smallville, quem diria, pra quem via apenas por estar acostumado e torcendo para o fim da série, hoje espero com ansiedade por episódios futuros. Bride considero como um dos melhores da série, e espero que a equipe criativa da série não volte a recuar, pois está fazendo um grande progresso nessa temporada.

  14. Fernando dos Santos

    A nova temporada de Spooks parece estar eletrizante.Pelo jeito a série ainda não perdeu o pique.

  15. douglas

    ahhh saco meu pc q está ruim… quero baixar dexter, prison break, how i met your mother e milhões de outros!!!

  16. Ana C.

    qqqqqqqqqqqqqqq :O

    MARIA CLARA!!! tá que tá por aqui também, hein?!

    nossa… é tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo… vamos ver se a gente dá conta de tudo. :S

    beijo!

  17. Flavio Santos

    Caramba!SuperNatural foi demais!
    Eu q sou alguem q normalmente percebe tramas e armadilhas em series e filmes só fui perceber q eles tinham armado tudo no final! Muito bom!

  18. Lucas "Gandalf" Leal

    Pushing Daisies vai fazer falta!série extremamente divertida e inteligente…fazer o q não pegou na audiencia e realmente não ia pegar!
    é série pra tv a cabo…na aberta não funciona bem mesmo…

    True Blood ASSIM q Amy morreu eu tive CTZ q era o Rene!!!(e pra ser honesto desde o ataque q Sookie sofreu eu desconfiei)
    e a garota vampira foi DEMAIS…ver como as pessoas se prendem a alguns dogmas pura e simplesmente por conveniencia ou imposição da sociedade…ela comemorando quando soube q nunca mais ia poder ver a familia dela foi demais!!!

    Dexter falou falar do ótimo relacionamento q tá começando entre o Batista e a Giana!!!realmente os dois tem um jeitão q combina bem…
    faltou tb falar da Debra e do Anton…q tb é outra trama legal!!!parece q a pista das árvores era uma pista quente mesmo…
    e pena q não tem espaço pra comentar tudo então comentemos aqui hehehe =D
    e Patricia não acho q Wolf e Miguel tenham tramado algo…acho q eles tem um caso mesmo!senão estaria tramando o q? Miguel matou uma pessoa!nenhuma ‘trama’ pode ter sentido depois disso…e tb acho q Dex não dividiu nada depois da morte pq o liga ao BHB

    Prison Break é obvio q soar o alarme faz parte do plano…só assim o general vai descer e eles vão poder tomar o cartão…se for um erro do Michael vai ser mto bicheira!

  19. Patricia E.

    Lucas, pensei nisso… Será que a Ellen vai topar defender o Miguel caso o lado sombrio dele venha à tona? Só que acho improvável que o Miguel seja descoberto tão facilmente pois isso implicaria o Dexter… a não ser que ele faça com ele o que fez com Doakes.

  20. Lucas "Gandalf" Leal

    é Patricia boa teoria…a Ellen q é toda ‘defensora de tudo e todos’ defendendo o Miguel ia ser legal!!!
    mas realmente se Miguel for descoberto acho q o Dex passa a faca hehehe

  21. SARAH

    ESSA SÉRIE “SMALLVILE” PARE UM “SAMBA DO CRIOULO DOIDO”,NÃO TEM NEXO NENHUM.PREFIRO O FILME ORIGINAL DE 1978 COM O INSUPERÁVEL CHRISTOPHER REEVE.
    SOBRE DUPLA IDENTIDADE,EPERO QUE NÃO TIREM O PERSONAGEM LUCAS NORTH,POIS O ATOR QUE O INTERPRETA”RICHARD ARMITAGE” É UM VERDADEIRO COLÍRIO!É LINDO DEMAIS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account