Log In

Notícias

24 Horas é a grande vencedora do Emmy Awards

Pin it

O drama 24 Horas foi o grande vencedor da 58ª edição do Emmy Awards, o prêmio da Academia de Artes e Ciências de Televisão. A série levou para casa três estatuetas na cerimônia realizada nesta noite em Los Angeles: Melhor Direção em drama para Jon Cassar (pelo episódio Day 5: 7:00 AM – 8:00 AM), melhor Ator em Drama para Kiefer Sutherland e a mais importante, Melhor Série Drama. Somados aos dois prêmios técnicos recebidos na semana passada (melhor edição e melhor composição musical com tom dramático), a série sai do Emmy com cinco estatuetas.

Melhor performance que 24 Horas na noite só mesmo a da minissérie Elizabeth I, co-produção da HBO e do canal inglês Channel 4, que venceu quatro prêmios. Já o prêmio de melhor comédia da noite ficou com The Office.

Confira abaixo a lista completa dos prêmio anunciados. Os vencedores estão em itálico:

PROGRAMAS

Melhor Série Drama:
24 Horas
Grey’s Anatomy
House
Família Soprano
The West Wing

Melhor Série Comédia
The Office
Arrested Development
Segura a Onda
Scrubs
Two And A Half Men

Melhor Minissérie
Elizabeth I
Bleak House (Masterpiece Theatre)
Into The West
Sleeper Cell

Melhor Filme feito para Televisão
The Girl In The Café
Flight 93
The Flight That Fought Back
Mrs. Harris
Yesterday

Melhor Programa de Variedades, Musical ou Humor
The Daily Show With Jon Stewart
The Colbert Report
Late Night With Conan O’Brien
Late Show With David Letterman
Real Time With Bill Maher

Melhor Reality Show de Competição
The Amazing Race
American Idol
Dancing With The Stars
Project Runway
Survivor

ATORES

Melhor Ator em Série Comédia
Tony Shalhoub – Monk
Larry David – Segura a Onda
Kevin James – The King Of Queens
Steve Carell – The Office
Charlie Sheen – Two And A Half Men

Melhor Ator em Série Drama
Kiefer Sutherland – 24 Horas
Christopher Meloni – Law & Order: Special Victims Unit
Denis Leary – Rescue Me
Peter Krause – A Sete Palmos
Martin Sheen – The West Wing

Melhor Ator em Série Minissérie ou Filme
Andre Braugher – Thief
Charles Dance – Bleak House (Masterpiece Theatre)
Donald Sutherland – Human Trafficking
Ben Kingsley – Mrs. Harris
Jon Voight – Pope John Paul II

Melhor Atriz em Série Comédia
Julia Louis-Dreyfus – The New Adventures Of Old Christine
Lisa Kudrow – The Comeback
Jane Kaczmarek – Malcolm in the Middle
Stockard Channing – Out Of Practice
Debra Messing – Will & Grace

Melhor Atriz em Série Drama
Mariska Hargitay – Law & Order: Special Victims Unit
Kyra Sedgwick – The Closer
Geena Davis – Commander In Chief
Frances Conroy – A Sete Palmos
Allison Janney – The West Wing

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme
Helen Mirren – Elizabeth I
Kathy Bates – Ambulance Girl
Gillian Anderson – Bleak House (Masterpiece Theatre)
Judy Davis – A Little Thing Called Murder
Annette Bening – Mrs. Harris

Melhor Ator Coadjuvante em Série Comédia
Jeremy Piven – Entourage
Will Arnett – Arrested Development
Bryan Cranston – Malcolm In The Middle
Jon Cryer – Two And A Half Men
Sean Hayes – Will & Grace

Melhor Ator Coadjuvante em Série Drama
Alan Alda – The West Wing
William Shatner – Justiça sem Limites
Oliver Platt – Huff
Michael Imperioli – Família Soprano
Gregory Itzin – 24 Horas

Melhor Ator Coadjuvante em Minissérie ou Filme
Jeremy Irons – Elizabeth I
Denis Lawson – Bleak House (Masterpiece Theatre)
Hugh Dancy – Elizabeth I
Robert Carlyle – Human Trafficking
Clifton Collins Jr. – Thief

Melhor Atriz Coadjuvante em Série Comédia
Megan Mullally – Will & Grace
Cheryl Hines – Segura a Onda
Alfre Woodard – Desperate Housewives
Jaime Pressly – My Name Is Earl
Elizabeth Perkins – Weeds

Melhor Atriz Coadjuvante em Série Drama
Blythe Danner – Huff
Candice Bergen – Justiça sem Limites
Sandra Oh – Grey’s Anatomy
Chandra Wilson – Grey’s Anatomy
Jean Smart – 24 Horas

Melhor Atriz Coadjuvante em Minissérie ou Filme
Kelly Macdonald – The Girl In The Café
Shirley Jones – Hidden Places
Ellen Burstyn – Mrs. Harris
Cloris Leachman – Mrs. Harris
Alfre Woodard – The Water is Wide (Hallmark Hall of Fame Presentation)

Melhor Performance Individual em Programa de Variedades ou Musical
Barry Manilow – Barry Manilow: Music and Passion
Stephen Colbert – The Colbert Report
Craig Ferguson – The Late Late Show with Craig Ferguson
David Letterman – Late Show with David Letterman
Hugh Jackman – The 59th Annual Tony Awards

DIREÇÃO

Melhor Direção para Série Comédia
My Name Is Earl – Pilot
The Comeback – Valerie Does Another Classic Leno
Curb Your Enthusiasm – The Christ Nail
Entourage – Oh, Mandy
Entourage – Sundance Kids
Weeds – Good S*** Lollipop

Melhor Direção para Série Drama
24 Horas – 7:00 AM – 8:00 AM – Jon Cassar
Big Love – Pilot – Rodrigo Garcia
Lost – Live Together, Die Alone – Jack Bender
A Sete Palmos – Everyone’s Waiting – Alan Ball
Família Soprano – Members Only – Tim Van Patten
Família Soprano – Join The Club – David Nutter
The West Wing – Election Day – Mimi Leder

Melhor Direção para Programa de Variedades, Musical ou Comédia
78th Annual Academy Awards – Louis J. Horvitz
American Idol (episódios 534 e 535) – Bruce Gowers
The Colbert Report” (episódio 110) – Jim Hoskinson
The Daily Show with Jon Stewart” (episódio 10140) – Chuck O’Neil
Saturday Night Live – Steve Martin & Prince – Beth McCarthy Miller

Melhor Direção para Minissérie ou Filme
Elizabeth I – Tom Hooper
Bleak House (Masterpiece Theatre) – Justin Chadwick
Flight 93 – Peter Markle
The Girl In The Café – David Yates
High School Musical – Kenny Ortega
Mrs. Harris – Phyllis Nagy

ROTEIRO

Melhor Roteiro para Série Comédia
My Name Is Earl – Piloto – Greg Garcia
Arrested Development – Development Arrested – Chuck Tatham, Jim Vallely, Richard Day e Mitchell Hurwitz
Entourage – Exodus – Doug Ellin
Extras – Kate Winslet – Ricky Gervais e Stephen Merchant
The Office – Christmas Party – Michael Schur

Melhor Roteiro para Série Drama
Família Soprano – Members Only – Terence Winter
Grey’s Anatomy – It’s the End Of The World, As We Know It (Part 1 & 2) – Shonda Rhimes
Grey’s Anatomy – Into You Like A Train – Krista Vernoff
Lost – The 23rd Psalm – Carlton Cuse e Damon Lindelof
A Sete Palmos – Everyone’s Waiting – Alan Ball

Melhor Roteiro para Programa de Variedades, Musical ou Comédia
The Daily Show with Jon Stewart
The Colbert Report”
Late Night with Conan O’Brien
Late Show with David Letterman
Real Time with Bill Maher

Melhor Roteiro para Minissérie ou Filme
The Girl In The Café
Bleak House (Masterpiece Theatre)
Elizabeth I
Flight 93
Mrs. Harris

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

78 Comments

  1. Caio

    Daniela vc ta se ofendendo demais, cuspindo muito fogo por causa de um programa de tv. Mas isso é um problema seu. A série tem uma estrutura de série teen sim, isso pra mim é fato e quem gosta de Greys tem que achar isso uma qualidade. Quando eu comparo a Gilmores Girls é pq a tramas são tão bobas quanto as da Lorelai, e o humor rasteiro é quase sempre a maior virtude da série. Não tem nem um casal com uma quimica forte pra agente torcer, como é o caso de Veronica Mars(serie teen de responsa). Greys tem muitos defeitos, os roteiros são fracos, Há música demais, o elenco é fraco. Desculpe, entendo que cada um tem seu gosto, só que quando uso meu controlo e procure algo pra me entreter tento evitar séries com a profundidade de malhação…

  2. Daniela Mastrantonio - Na "vala radioativa", sem tampas , evitando House , 24hs e fãs de George Clooney.

    Em tempo: A Patrícia Arquette é fodona!

  3. Daniela Mastrantonio - Na "vala radioativa", sem tampas , evitando House , 24hs e fãs de George Clooney.

    O humor de Gilmore Girls é rasteiro?! Fim do detate!

  4. Caio

    Muitas vezes é, mais pop, mas agil e rasteiro. É um dos fatores da critica abraçar a série.

  5. Rodrigo

    Venho em defesa de Grey’s Anatomy por um motivo e é o que justifica a existência da série: leveza. Ela cumpre o que se propõem, uma hora amena de pequenos problemas emocionais. Nem tudo tem que ser dramático e exagerado. Gostava de ER, até o ponto o ponto que a vida naquele hospital ficou amarga demais. E comparando as primeiras temporadas com Grey, na balança tem o mesmo peso. E quantas séris duraram anos intermináveis com elencos horrendos e até se tornaram CULTS? Taí Barrados no Baile, Xena, Angel, Buffy, Boston Public, Family Law, That’s 70’s Show e as duas últimas temporadas de Arquivo X que não me deixam mentir, mas que por algum motivo funcionaram ao seu tempo… E os últimos elencos de ER são pavorosos
    Desculpa, mas não dá pra ser tão radical.
    Stockard Channing é ótima e merecia, realemte não ganhou porque a série foi cancelada, pena que a CBS não apostou em Out of Practice… e Megan Mullally nunca esteve ruim, mereceu todas as indicações e prêmios. Injustiça é tirar qualquer premio de atuação do elenco de A sete palmos. Fazer crível uma série como aquela e em especial na última temporada só com muito talento e carisma

  6. Thiago

    Ainda bem que Grey’s Anatomy faz sucesso nos EUA, pq eu não imaginava que era tão odiada aqui no Brasil, minha nossa senhora, espero mesmo que Grey’s arrase nas quintas e continue maravilhosa.

    O Emmy para mim é e sempre será um lixo, nunca reconheceu séries que eu gosto, então dane-se, contanto que fiquem no ar, isso que importa,
    Por exemplo:
    Sex and the City 6 temporadas,
    Charmed 8 temporadas.
    Que diferença faz ganhar um Emmy?

    The West Wing 7 temporadas,
    Beverly Hills 90210 10 temporadas.
    Que diferença faz ganhar um Emmy?

  7. Renata

    A melhor coisa do Emmy, pra mim, foi o Jeremy Piven ter ganhado. Adoro 24 e ate fiquei feliz com o premio do Kiefer mas tava torcendo mesmo era pro Martin Sheen. E concorco com a Daniela sobre Gilmore Girls. Nao tenho nada contra Grey’s, mas essa comparacao nao faz sentido.

  8. Thiago

    Só para ajudar o Paulo:

    Jack Bauer é o cara!
    Jack Bauer é o cara!
    Jack Bauer é o cara!
    Jack Bauer é o cara!
    Jack Bauer é o cara!

    Realmente Jack Bauer é o cara, mas já está começando a se repetir, todo dia é a mesma coisa, ele sempre salva o dia…

  9. Rodrigo

    Concordo que a Patricia Arquete é limitada, tanto quanto ao Kiefer Shuterland. Os dois não tiveram boas carreiras no cinema por este motivo e se reiventaram na televisão. Funcionam pra um determinado tipo de papel mas não são versáteis
    Mas isso não é impeditivo pra fazer sucesso, estão bem nos papéis nas séries que fazem.
    PS: Percebo que as pessoas não tem paciência com séries mais leves… mas ok, elas tem seu nicho de telespectadores
    Charmed e Beverly Hills 90210, como qualquer outra série do Aron Spelling não tem perfil pra ganhar premios e nem se preocupam com isso. São apenas entretenimento populares

  10. Thiago

    Enquanto Grey’s era a preferida ninguém falou nada, só foi perder, pronto.
    Se tivesse ganhado ninguém falaria nada.

  11. Thiago

    Exatamente Rodrigo, para mim série boa é aquela que me agrada, que me faz querer ver o próximo episódio, que me emociona, que me faz se apaixonar pelos personagens, isso para mim é uma boa série, não se ela ganha um prêmio ou não.

  12. Luiz Marcelo

    Queiram ou não Grey’s Anatomy é uma boa série. E tem excelente roteiro sim, indicado duas vezes no Emmy. Quem acompanha a série sabe de sua qualidade e que seu sucesso não é a toa. Comparando com o futebol, Grey’s não tem um time cheio de craques, atores de destaque, mas tem um elenco operário e com muita disposição, atores que fazem o serviço bam feito. Alias quem era o Kiefer antes de 24? Hugh Laurie antes de House? Bons atores, mas que não tinham destaque antes de suas séries estourarem, o mesmo caso de Grey’s. E comparar a série com The OC ou a fraca (pelo menos na ultima temporada) Gilmore Girls é para chorar!!!

  13. Cesar

    Continuo achando engraçado…

    E, se é pra ser passional, coisa que eu acho desnecessário, pois – repetindo pela enésima vez minha frase preferida aqui – “TV is just for fun”, acho um absurdo “House” não ter vencido, pois do pouco que ví, “24 Horas” e “Grey’s Anatomy” (acabei vendo os episódios finais) são muito chatas. Jack Bauer não é o cara. E concordo: pode mudar pra Grey’s Monotony.

    Mas não me xinguem. “It’s just for fun…”.

  14. Cesar

    Hã? Mais que simples divertimento?

    Juliano, se você faz da TV seu meio de vida, ok, então está coberto de razão.

    Como telespectador, a TV é unica e exclusivamente divertimento, especialmente em se tratando de filmes, séries e esportes. Até porque, o jornalismo, que poderia ser útil, é apático; a TV aberta está infestada de programas de “QI Zero”, voltado pra um público “QI Zero”; e as alternativas da TV Paga atingem apenas os mais ricos.

    Por isso, TV é sim simples divertimento.

  15. Rodrigo

    A tv nasceu também como função social, é óbvio, mas cada um absorve o que quer como quer. Há momentos de lazer e há momentos de reflexão.
    Não é fantástico quando vc assiste a algo que parece meio bobo e de repente aquilo te passou alguma mensagem. E tem horas que vc não tem e não deve pensar só se divertir.

  16. Cesar

    Juliano,

    Nossa! Agora ficou sério! “PROVE!”.

    Vamos pegar a grade dos canais abertos.

    Cultura – OK, Tv de cunho “educativo” por natureza. Ela é sua base de referência? Quantos programas da Cultura alguém assiste? A audiência média gira em torno de 2 pontos e ela é UMA emissora.

    SBT – preciso colocar a grade? Tem 3 horas de jornalismo. O resto são filmes (ficção), séries (ficção), desenhos (violentos, na maior parte) e programs de auditório.

    Globo – Exceção feita aos jornais, temos filmes (poucos e de ficção), novelas (bem, deve ter alguma coisa que não divertimento) e programas de ficção (ah, o Linha Direta não é mero divertimento, desculpe). Nem o futebol, pois “esporte é cultura”, como dizia um velho narrador esportivo. Mas, verdade seja dita, tem o Telecurso, logo de manhã.

    Record – idem à Globo. Sem o Telecurso, mas com o Tom Cavalcante, o Milton Neves, os programs da igreja…

    Rede TV – Aqui tem a Luciana Gimenez e o Amaury Jr! Não é só divertimento, é cultura e responsabilidade social! Mas também tem o Zorro, A Tarde é Sua, o TV Fama…

    Gazeta – quem? Deixe-me ver…tem programs de televenda, o Ronnie Von, Mulheres, TV Culinária…TV Culinária é mais que divertimento. É educação!

    Band – Aqui sim! Deixe-me ver a lista: De Olho nas estrelas, Pra valer, Bo Noite Brasil, o programa do Bispo…ué? Não tem nada aqui também.

    Play TV, MTV, Rede Mulher, Rede Vida – ?

    Agora, se for falar em TV Paga, daí nós temos coisas que valem um pouco mais que divertimento. TV Futura, GNT, Discovery, NatGeo…e para por aí.

    Mas TV Paga é pra classe A/B, que tem acesso a cultura e informação de “n” outras formas.

    Gostaria de saber o que, dentro desse espectro, você não considera divertimento. Não estou falando do papel social, mas do papel “real” que a TV exerce. Me desculpe, mas se alguém espera da Tv mais que divertimento, dado o nível de programação que temos no Brasil, está procurando no lugar errado!

    Não precisa me provar nada. Meus argumentos estão aí. Os seus eu ainda não ví. Estou curioso.

    Cesar

  17. Cesar

    Rodrigo, você está certo em seu ponto-de-vista. É possível refletir num programa de entretenimento puro, como qualquer série de TV.

    Quando digo “TV é só divertimento” é porque, em regra, o que os programas de TV têm este intuito, e seus conteúdos não agregam quase nada do ponto-de-vista educacional e cultural. Não consigo ver nada que agregue, em termos de cultura e formação, numa série como Smallville, em 24 horas, em Desperate Housewives, no programa da Luciana Gimenez, do Gilberto Barros, da Hebe, numa novela ou no Linha Direta.

    Televisão é entretenimento, pela natureza das pessoas. Os índices de audiência da TV Cultura mostram isso. O que não quer dizer que, ao assistir um episódio de House, cujo temática é a ética, eu não consiga refletir sobre o assunto. Mas ninguém assiste House esperando uma abordagem profunda sobre o tema “ética”. As pessoas assistem porque querem passar uma hora agradável em frente à TV.

    Mas, obrigado pelo forma inteligente como você encarou meu post.

    Abraço!

    Cesar

  18. Juliano Cavalca

    Cesar,

    Os teus apontamentos não estão de maneira nenhuma errados. Concordo com quase tudo (praticamente nem ligo mais a televisão), mas…

    Onde está a seção do programa do bispo aqui no site? Ou o do show de culinária? Ou a parte que fala das atrações dominicais?

    Quando eu disse “TV”, eu me referi à TV em que se discute aqui no site. (TeleSÉRIES, dã…).

    Como o Cristiano disse muito bem nos coments dá outra postagem, a TV americana atingiu um nível de excelência e complexidade sim.

    Você pode muito bem assistir “House” e “West Wing” podem muito bem serem considerados meros passatempos, mas eles falam muito bem sobre os mais diversos temas (as leituras vão muito além da ética e da política).

    “filmes (poucos e de ficção)”

    E o filme/série precisa ser documentário pra ter algum valor mais palpável? Hmmmmm…

    E eu me criei assistindo os programas de Cultura. Bem melhor que apresentadoras loiras. :)

  19. Marcos Almeida

    Pô, eu cresci vendo Xuxa e Angélica…algum problema? Neim por ixo xaio falandu o lingua do X…hauhauahuahuahauhauhauha.

  20. Cesar

    Juliano,

    Agora que você usou argumentos e foi menos “agressivo” – afinal, acredito que ninguém aqui “precisa” provar nada pra ninguém – deixe-me dar sequência ao debate.

    Se vamos limitar a conversao ao assunto “Séries” – de fato, o tema muito bem desenvolvido pelo Teleséries – então chegamos à conclusão que TV é só diversão, dado que as séries devem representar, a grosso modo, uns 15% do que se vê em TV no Brasil.

    Ainda assim, repito meus argumentos utilizados no post anterior: certamente, a maioria das pessoas assiste uma série não pelo “conteúdo intelectual”, mas pela hora de diversão (ou meia hora) que proporciona. Ninguém ficará chateado ou irritado se, ao final de um episódio, não ficar nada de bom, “intelectualmente” falando.

    Aliás, quantas séries tem a capacidade de deixar algo de realmente bom, além de diversão?

    Ou seja, TV é diversão que pode, eventualmente, suscitar “algo mais”. Mas, não deixa de ser mera diversão. Até porque, um assunto que gerou reflexão para uns pode não ter gerado nada para outros. Por exemplo, no episódio que eu citei sobre “House”, discuti com minha mulher a respeito da ética, tema do dia, mas alguns amigos nem se ligaram nisso e o episódio foi apenas “do caramba” (por uma questão de educação).

    Não quero aqui nem ser, nem parecer dono da verdade. Como o Rodrigo disse, cada um vê e absorve o que quiser. Infelizmente, você não entendeu que meu ponto-de-vista era “apenas” um ponto-de-vista, uma forma de ver TV.

    Abraço,

    Cesar

  21. Juliano Cavalca

    César,

    Se eu consegui extrair muita coisa de “A Lista de Schindler”, de “O Tempo e o Vento” ou até mesmo do episódio de “House” da semana passada, mas os meus amigos apenas acharam “do caramba”, o problema está na mídia ou no espectador/leitor?

    Você parace subestimar enormemente a Televisão (séries, e não o programa do bispo).

    Eu não ligo a TV, vou ao cinema ou abro um livro para ter aula. Nesse quesito, “ser diversão” é fundamental. Senão a coisa corre o sério risco de cair na chatisse…

  22. vera lúcia pinheiro de oliveira

    odiei os resultados do Emmy: pra mim, melhor ator de séries é Hugh Laurie disparado e melhor série dramática é House (que foge do lugar-comum, inova, provoca, cria expectativas…); dos demais indicados, gostei da escolha de Mariskaha Hargitay (embora deteste Law&Order, Law&Order SVU, Law&Order Intent… não agüento mais law&ordem na minha vida, mas a atriz é boa…) e gosto muito de Lost (nem sei se ele ganhou algum prêmio…). Agora, não indicarem Hugh Laurie como melhor ator dramático e não escolherem House como melhor série na mesma categoria… porisso não acredito nas premiações dos EUA, porque lá ganha quem ou o que representa melhor o ideal americano (o pesadelo que eles chamam de “american dream”) – daí são sempre os mesmos (não necessariamente as mesmas pessoas, mas sempre o mesmo padrão, porisso, acho que não ser escolhido para receber Oscar, Emmy, Grammy etc. é até mais vantajoso porque liberta o artista ou o trabalho para vôos mais altos, fora da padronização arcaica dos americanos – só como exemplo posso citar a escolha do ator que faz o papel principal de “Monck” e que inacreditavelmente foi escolhido melhor ator cômico quando concorria na categoria o ator, cujo nome não lembro, que faz um trabalho maravilhoso em “Will & Grace”…).

  23. danny

    Vera Lúcia, o Tony Shalhoub (protagonista de Monk) não estava concorrendo com nenhum actor de Will & Grace. Estava concorrendo com, por exemplo, Steve Carell, esse sim o justo vencedor.

  24. Vitor

    Nunca existirá consenso em relação a preferência do telespector por esta ou aquela série. Por exemplo: respeito a opinião da Vera quanto a não gostar de Lei e Ordem SVU, na minha opinião a melhor série que passa na televisão. Ainda bem que concordamos em um ponto. Mariska Hargitay mereceu o premio de melhor atriz; ela que é fantástica no papel de uma detetive que é hoje um ícone entre as mulheres. Salve Olívia Benson, a alma e o coração de Lei e Ordem SVU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account