Log In

Colunas e Seções Séries & Eu

Séries & Eu – Don’t freak out, Larissa

Minha história com Chuck começou da mesma forma que a maioria das histórias dos seriadores: por intermédio de amigos. Uma das minhas melhores amigas vivia me dizendo que Chuck era uma série sensacional, muito engraçada, que o ship (Charah <3) era uma delicinha de acompanhar e que eu iria gostar muito. A propaganda era tão boa que resolvi dar uma chance e em tempos já remotos pedi para que ela gravasse os episódios. E quando eu finalmente assisti, depois de desenvolver a arte da protelação, BAM: amor à primeira vista.

Nessa época Chuck já estava no hiatus entre a quarta e a quinta (e última) temporada, então não pude surtar em tempo real com os acontecimentos. Mas acompanhei a sperie fielmente, até o fim, e ela virou uma das minhas séries favoritas de todos os tempos.

Feita essa introdução, vamos aos fatos: no ano passado eu estava programando uma viagem aos EUA. Como minhas companhias seriam duas amigas fãs de seriados, decidimos que passaríamos uma semana em Los Angeles e 10 dias em Nova York e, claro, faríamos tudo que pudéssemos aproveitar todas as oportunidades seriadoras que o país oferece.

Assim, em Los Angeles uma das coisas que definimos como prioridade foi a visita aos estúdios da Warner Bros. O motivo? É lá que se encontra o sofá de Friends, meu (e de outro meio mundo) seriado favorito. E eis que no dia 02 de setembro de 2013 eu finalmente pude sentar no famoso sofá. Mas não apenas isso! Por ser feriado de Dia do trabalho por lá, as gravações não estavam acontecendo, então pudemos conhecer vários estúdios (entre eles The Big Bang Theory e The Ellen DeGeneres Show) e visitar as cidades cenográficas. Vimos também um museu com os principais carros usados pela Warner. Tem o carro voador de Harry Potter, os carros do Batman e… O CARRO DA NERD HERD!!!! Sim, aquele mesmo, que o Chuck usava na série para fazer os trabalhos de informática pela Buy More. O guia até se assustou, já que eu comecei a gritar e pular quando vi o carro, dizendo que Chuck era uma das minhas séries favoritas. Surtada, ainda pedi pra ele tirar fotos minhas com o veículo. E acho que só não abracei e beijei porque não podia chegar mais perto.

Carro

Ao lado do carro tinha os crachás originais do Chuck, Jeff e Lester, e alguns apetrechos da Nerd Herd (imagem que ilustra o topo da matéria). Eu parecia uma louca, de tanto que eu pulava de alegria, pois foi algo inesperado, não imaginei que fosse ter coisas de Chuck lá. Depois fomos para o Museu da Warner, e infelizmente, não era permitido tirar fotos lá (para não deteriorar os acessórios e roupas que estavam expostos), pois tinha taaaaaaaaaaaaaaaanta coisa legal que eu estava quase querendo morar lá. Tinha as roupas de diversos personagens (inclusive de Friends!), acessórios usados em cena, um andar só para Harry Potter e eu achei até um sapato da Sarah – que ela usa em uma de suas missões como espiã -, o quadro com todos os membros da Fulcrum que o Chuck tinha e O ÓCULOS DO INTERSECT!!! Ai que vontade de quebrar aquele vidro e colocar os óculos.

Passado esse momento fã desvairada, seguimos viagem para  Nova York. Antes mesmo de embarcar nós já havíamos definido que veríamos pelo menos uma peça da Broadway, só não sabíamos qual seria. A minha escolha se deu no momento que li no twitter do Michael Ausiello que ele havia ido assistir First Date, o musical de estreia do Zachary Levi (ator que interpreta o Chuck). Ainda bem que minhas amigas embarcaram na minha loucura e conseguimos garantir nossos ingressos. Eu veria o Zac de pertinho às 20 horas do dia 11 de setembro.

Claro que eu passei aquele dia inteirinho ansiosa, afinal de contas eu estava doida para conhecer o Zachary e vê-lo de perto, poder ouvi-lo cantar. Como acabamos vendo outro musical antes de First Date descobrimos que ao final da peça os atores saem para autografar o programa e tirar fotos com os fãs. E eu, ÓBVIO, já estava antecipando o momento em que poderia tirar uma foto com ele.

Nossos lugares eram na terceira fila, bem no meio. E quando finalmente o Zachary Levi entrou todo mundo começou a aplaudir, e eu fiquei praticamente catatônica. Ele estava de terno, LINDO, alto, e a poucos metros de distância de mim. A peça é comédia romântica e tem também a Krista Rodriguez (atriz de Smash), e é tão gostosinha de ver que o tempo passa bem rápido. Ah, e o Zac canta muiiiiiito bem.

Quando a peça acabou fomos correndo para o lado de fora do teatro, para poder pegar um lugar na grade para tirar foto com ele e pegar autógrafos. Enquanto aguardávamos, o segurança avisou que só poderíamos tirar uma foto cada uma com o Zachary, que seria num lugar que ele deixou separado, e que primeiro ele daria os autógrafos para todo mundo e somente depois tiraria as fotos. Ele, claro, foi o último a sair, com uma camiseta do Daft Punk e uma música do Michael Jackson tocando no celular, e começou a dar os autógrafos para as pessoas. Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito simpático, extremamente atencioso com todos, conversava um pouco e agradecia o carinho. Quando chegou minha vez eu já estava vermelha, em estado de choque, só conseguia sorrir e dizer que eu era uma super fã dele e do trabalho dele. Sorte que o segurança me ajudou contando que sou brasileira e a conversa engrenou, e o Zachary disse que adora o Brasil, que quer vir este ano para assistir a Copa, que morre de vontade de conhecer nosso país. Ele até mesmo agradeceu por eu ter saído de tão longe e ter visto a peça dele.

unnamed

Quando finalmente chegou minha vez de tirar a foto, a bateria da minha câmera havia acabado (JUSTO NESSA HORA!!!). Então pedi para elas tirarem a foto no meu celular mesmo, e eu abracei-o. Nesse momento senti que eu podia morrer feliz (acho que dá para ver pela minha cara na foto), porque ele é exatamente tudo que eu imaginava e muito mais. Simpaticíssimo, um amor de pessoa, lindíssimo, carinhoso com todos os fãs.

Na hora de ir embora eu disse que Charles Carmichael é o meu herói, e ele abriu um sorriso lindo e me deu um hi-five. O hi-five dos sonhos.

*O texto é baseado em um relato da Larissa Padovan. Se você tem uma história bacana envolvendo seriados e quer compartilhar com a gente, escreva para teleseries@teleseries.com.br.

Em 14 dias, um novo relato para vocês. Dessa vez de uma super fã de Castle que teve a experiência dos sonhos do fandom. DUAS VEZES! Até lá.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

2 Comments

  1. Thiago Magno

    Chuck é uma série fantástica. Acabei de comprar todas as temporadas. Já conhecia o talento do Zachary Levi na música. Ele gravou um dueto com a Katharine McPhee. O nome da música é Terrified

  2. Carlos

    Aaaahh Chuck!! *—* Que incrível!! Acompanhei a série principalmente pelos DVDs, comprando uma temporada por ano e tentando fugir de todos os spoilers possíveis! Hoje sinto muita saudade, mas também muita alegria em ter acompanhado a história de Bartowski e Walker! E é muito bom ver uma fã realizando o sonho de encontrar pessoalmente com o ator de sua série preferida! Falando sério, quem não ia querer?
    Parabéns!! =D

  3. Pingback: Séries & Eu – Uma Estranha no Paraíso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account