Log In

Reviews

White Collar – Parting Shots

Pin it
Série: White Collar
Episódio: Parting Shots
Número do episódio 4×04
Exibição nos EUA: 31/07/2012
100
5
1

O quarto episódio da quarta temporada de White Collar chega para colocar Peter Burke de volta ao seu escritório no departamento de crimes do colarinho branco. Não demorou muito o castigo de Burke no arquivamento de evidências, a solução do caso da viúva milionária ajudou que o agente fosse reintegrado. Ou isso, ou os chefes de Peter cansaram de vê-lo fugindo do arquivo de evidências e usando seu horário de folga para solucionar os crimes de colarinho branco ao lado de Neal. Outra forte possibilidade é o chefe de Peter ter se cansado do trabalho na van, dado o efeito negativo que a van causa nas pessoas – como lembrou Jones no episódio. O importante é que Peter Burke está de volta e #todoscomemora.

Quem retorna neste episódio para o seriado é Sara, e a volta dela agrada aos olhos de Caffrey que já esqueceu Maya, seu amor tropical. Sara sempre foi uma personagem forte e segura e mantém a serenidade quando reencontra Neal. A conversa dos dois foi sincera e provavelmente o casal deve reatar nos próximos episódios.

Outra mulher importante na vida de Neal segue em New York, mas meu medo se confirmou e Ellen sofreu uma tentativa de assassinato. O próximo episódio deve se encarregar de apresentar a situação da sua saúde após o ataque. Neal não ficou menos que devastado com a cena que encontrou ao chegar na casa da mulher que representa o que ele tem de mais significativo se tratando de família.

A dificuldade que Neal tem com família não é a mesma que ele encontra com as mulheres. Ele não tem nenhum problema em encantar qualquer uma que seja, mais ainda quando se trata de uma viúva deprimida e sozinha. O caso deste episódio precisou de uma infiltração de Neal e acabou virando uma paella. A viúva Sophie teve sua vida salva por Caffrey duas vezes, uma mais cinematográfica que a outra. Também neste episódio outra boa atuação de Neal foi ele fugindo muito facilmente da perseguição do detetive particular. Classe.

Apesar da atuação de luxo que Neal vem repetindo, o caso foi relativamente fácil e rápido de ser resolvido. O tempo curto explica-se pelo fato de que o episódio se concentrou em mostrar mais sobre alguns acontecimentos segundários. Ellen sofre tentativa de assassinato, Sara retorna à vida de Neal e Peter é reintegrado ao departamento de crimes do colarinho branco. Assim, uma das melhores coisas do caso acabou sendo o nome fictício que Peter inventou para o disfarce de Caffrey: “Neil Armstrong”.

Além do nome de astronauta, Mozzie acabou com Neal chamando-o de “bochecha rosadinha” e dizendo que ele estava com um “olhar desconfiado de engravatado”. Mozzie ainda ganhou o dia se disfarçando de detetive particular com uma câmera fotográfica muito estranha e uma luneta absurda. Também vale destacar neste episódio o início da amizade entre Mozzie e Ellen, fatos assim mostram como Caffrey está rodeado de bons amigos, apesar da falta que uma família fez em sua vida.

Não sabemos a situação da saúde de Ellen, mas um novo personagem vai entrar na vida de Neal e em White Collar para ajudar a explicar o que aconteceu com o pai de Caffrey e a sua família. Ellen pede que Neal confie em Sam, um policial que trabalha disfarçado e que pode ajudá-lo e ela parece acreditar que a bronca vai muito além de um caso mal resolvido, ou um caso que culpou um inocente e sacrificou toda a sua família.

Seja qual for a verdade que Neal está buscando, podemos concordar que ele está muito bem acompanhado para solucionar o mistério maior que o atormenta. Com Peter de volta à ativa no FBI e Mozzie e Sara retornando ao dia a dia de Neal, Caffrey está bem equipado de amigos que podem ajudá-lo a descobrir quem foi realmente seu pai. Aliás, quem não gostaria de ter esses amigos por perto para resolver qualquer problema? Neal tem um problemão pela frente, além do mistério sobre seu pai, agora ele também vai precisar descobrir quem tentou assassinar a única pessoa que ele ainda chamava de família e provavelmente os dois casos estão ligados.

A review deste episódio encerra com uma frase de Neal, o golpista mais encantador da televisão: “Meu nome é Neal Caffrey e sou a melhor coisa que já lhe aconteceu.”

Séries citadas:

é Jornalista, Publicitária, Gaúcha, Capricorniana de 84. Além de escrever no TeleSéries, trabalha como coordenadora de imprensa na Prefeitura de Taquari e assessora de imprensa no Campeonato Gaúcho de Rally 4x4. Fã de cinema, esportes, literatura, música e séries de televisão. Começou a assistir seriados com E.R. e Arquivo. X. Gostaria de ter estudado em Hogwarts, jogado quadribol e tomado cerveja amanteigada, mas se contenta com um gol do Grêmio e uma Heineken. Nunca ganhou um prêmio importante, mas já levou pra casa um Kikito de chocolate de Gramado/RS.

Website: http://www.alineben.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account