Log In

Reviews

Veep – Fundraiser e Frozen Yoghurt

Pin it

Série: Veep
Episódios: Fundraiser e Frozen Yoghurt
Temporada:
Número dos Episódios: 1×01 e 1×02
Data da Exibição nos EUA: 22/04/2012 e 29/04/2012

Veep, a nova comédia da HBO, já estreou há duas semanas nos Estados Unidos, mas só agora consegui fazer os reviews, por isso temos dois episódios de uma só vez hoje. O primeiro, Fundraiser, foi ao ar no domingo, 22 de abril, já o segundo, Frozen Yoghurt, a HBO exibiu no último domingo, dia 29. A comédia é uma produção e criação de Armando Iannucci, o mesmo responsável por The Thick of It, comédia britânica que satirizava o governo, algo que se repete em Veep, só que agora no contexto norte-americano. A série pode ser comparada, em seu estilo, com The Office e Parks and Recreation, pelo uso de câmeras na mão e o estilo documental, com a diferença de que aqui não há o conhecimento da existência destas câmeras. A comédia também prioriza o humor politicamente incorreto, repleto de palavrões e piadinhas que devem incomodar quem for mais puritano, mas também há espaço para o humor crítico por meio da paródia política.

Em Veep, Julia Louis-Dreyfus interpreta magnificamente, com ecos de suas personagens em Seinfeld e The New Adventures of Old Christine, Selina Meyers, a vice-presidente dos Estados Unidos e que está, como a divulgação já dizia, a uma batida de coração do cargo mais importante do mundo. Esta frase que aparecia no primeiro teaser da série faz todo sentido depois do segundo episódio, mas antes vamos falar do primeiro.

O piloto de Veep faz a função básica de apresentar os personagens, mas não se preocupa em ser didádico quanto a isso. Vamos conhecendo cada um deles no decorrer do episódio enquanto eles cumprem (ou não) suas funções. Logo de cara somos jogados no gabinete da vice-presidente enquanto eles a colocam a par dos assuntos de sua próxima reunião. Neste momento já dá para ter uma ideia de que ela não é ninguém sem seus assessores. Amy (Anna Chlumsky, a menina de Meu Primeiro Amor) é a principal e a mais competente também, não que isso seja muito difícil dentre os funcionários. Gary (Tony Hale) é o assistente pessoal de Selina e idolatra sua chefe, além de ser um grande puxa saco. E por útlimo temos Mike (Matt Walsh), o diretor de comunicações antigo no cargo e que já está cansado de tudo isso que prefere não saber das coisas para evitar a fadiga. Ali também conhecemos o assunto que deve ser o principal da temporada, sua comissão que pretende tornar a capital um lugar limpo e livre de produtos poluentes. Uma das primeiras decisões desta comissão é implantar utensílios feitos de amido de milho nos prédios federais, livrando assim o governo dos plásticos, o que se revela uma péssima ideia, politicamente falando.

Depois que um dos responsáveis pelo twitter que libera notíticias sobre a vice-presidente diz que ela está em busca de um governo 100% livre dos plásticos, muitos de seus apoiadores se afastam já que, como a senadora Hallowes a avisa, plásticos dominam a capital e eles são feitos de petróleo, e ninguém quer mexer com o pessoal do petróleo. Além deste erro, já vemos que sua mudança para os utensílios de amido de milho não funcionam nada bem em um momento hilário que a colher que ela está mexendo o café praticamente desintegra dentro do líquido quente. Neste ponto Selina vai tentar consertar o problema oferecendo para a senadora Hallowes uma cadeira em sua comissão por causa de seu bom relacionamento com a indústria de plásticos. Aqui conhecemos mais um personagem de destaque na série, Dan (Reid Scott), atual assessor da senadora que quer trabalhar para a vice-presidente para agilizar sua escalada profissional, o que ele consegue no final do episódio.

A visita dela a senadora também serve para mostrar diversos podres do governo que imaginamos que existam, tudo com muito humor, como a falsidade acima da média que rendem algumas das melhores piadas. No entanto, a série em nenhum momento se foca em disputas partidárias ou em temas políticos polêmicos, só que não é por isso que a série deixa de ser menos inteligente, focando os bastidores da política e a incompetência daquelas pessoas. Já Selina se mostra apenas alguém que está ali em busca de ainda mais poder, algo intrínsico na personagem e que fica ainda mais óbvio com a vice perguntando todas as vezes que passa por sua secretária se o presidente ligou e declarando a todos que a visitam que ela tem sua própria bandeira no escritório.

Há ainda em Veep um personagem regular que deve render muito. Este é Jonah (Timothy Simons), o único ali que realmente trabalha na Casa Branca e que vive ali para relembrar a todos disso, principalmente Mike, o que o irrita profundamente, tornando Jonah o alvo principal de suas piadas. Jonah também tem uma queda por Amy, mesmo ele tentando negar quando leva os foras, na primeira oportunidade que ele tem ele usa sua influência para conseguir um encontro com ela. Já os indícios dão a entender que Amy se interessa por Dan, mesmo não perdendo uma oportunidade de falar mal dele.

E se você pensava que os problemas de Selina neste episódio terminavam aqui, pode se preparar porque vem mais por ai. Depois de ter seu discurso inteiro censurado por Jonah, ela resolve improvisar e acaba fazendo uma piada ofensiva, mas que gera um momento hilário para a série, e sua assistente, que constantemente falsifica sua assinatura nos principais documentos, erra e assina seu próprio nome em um cartão para a família de um senador que acabou de falecer.

No segundo episódio, Frozen Yoghurt, enquanto a capital passa por uma onda de calor, que rende piadas sobre o suor de Mike, eles também enfrentam uma virose ao mesmo tempo que a comissão de Trabalho Limpo de Selina ganha o sinal verde. Neste momento o autor deixa claro que as inteções de Selina são para o seu próprio bem. Quando Amy avisa a vice-presidente que a comissão seguirá em frente, ela dispara: “Isso é tão bom para mim”. Selina já começa a planejar uma forma de ganhar com a situação aproveitando que o presidente está viajando. Quando ela tem um encontro cancelado, sua ideia é sair e encontrar o público, se conectar com as pessoas e tirar algumas fotos. Dan então sugere uma ida a uma loja de frozen iogurt, aproveitando que elas estão lotadas pelo calor. Isso leva ao brilhante momento que envolve a discussão sobre como resolver um problema da comissão de Trabalhos Limpos que acaba se misturando com a seleção de qual sabor de frozen yogurt Selina deve pedir, com Jonah mais uma vez como destaque por sua imbecilidade.

No entanto, todos os planos mudam assim que Selina é informada que o presidente sentiu fortes dores no peito e que ela precisa assumir o país.Durante seus minutos no cargo temos alguns dos melhores momentos do episódio. Julia atinge o ápice do humor neste momento. Desde a cena em que ela fica sabendo com um sorriso no canto da boca até suas cenas na Casa Branca mostrando o poder subindo rapidamente para a sua cabeça e já começando a planejar o futuro. O que dizer então do discurso nada sincero dela (“este grande presidente que tem sido um perfeito GPS ao guiar esta nação”), sua oração e da sua última espiadinha da sala em que se encontrava. Hilário.

Quando Selina é avisada que tudo não passou de um engano e que o presidente não teve nada além de uma azia, ela volta, triste para sua rotina e parte para a loja de frozen yogurt. No caminho Selina começa a passar mal e mais uma vez tudo caminha para o desastre, como não poderia ser diferente com a vice-presidente. O episódio se encerra com o auge do humor físico com as caras e bocas de Selina e a situação desconfortável pela qual ela passa. Assim Veep encerra seu segundo episódio e conquista ainda mais meu coração. Agora vamos torcer para que o humor rápido e criativo que fazem com que a série flua tão bem continue e se a temporada mantiver o nível destes dois primeiros episódios, Veep já entrará para a lista das minhas favoritas.

Séries citadas:

Jornalista apaixonado por cinema, música e televisão. Buffy the Vampire Slayer foi o primeiro grande vício, mas antes já acompanhava Friends e Barrados no Baile. Ama Desperate Housewives, True Blood, Community, Game of Thrones, Glee, Happy Endings, Revenge, Shameless e The Good Wife, entre tantas outras. Não resiste a uma comédia, mas também não dispensa um bom drama.

Website: http://behindthescenes-takes.blogspot.com.br/

4 Comments

  1. marifreica

    Nossa… não. Não mesmo!

    Sou fã da Julia desde Seinfeld e curtindo Old Christine; não via a hora da estreia de Veep. Mas não aguentei passar dos dez minutos do episódio piloto.

    Talvez eu seja uma anta e não tenha entendido o humor pretendido na série. Achei péssima! Mas se a HBO já renovou, né? Acredito que a possibilidade de eu ser mesmo uma anta é válida.

  2. Dierli M Santos

    hgahaha, não acredito nisso de não ter entendido o humor… às vezes a série não é para gente, apenas…

    eu gostei muito dos dois episódios. e lembro de west wing toda a hora, talvez isso tenha ajudado na minha opinião final…
    feliz que você pegou as reviews, Beto!

  3. Beto Carlomagno

    Valeu Dierli. Também acho que não tem dessa de não entender o humor, é apenas uma coisa de empatia com a série. Conheço gente que não acha graça em Community, por exemplo.

  4. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 30/7 a 5/8

  5. Roosevelt Barros.

    A série já me fisgou. No 2º episódio achei o ritmo um pouco mais lento na execução das piadas, mas depois ele consegue criar ótimas situações que me fizeram rir bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account