Log In

Opinião Spoilers

Spoiler: Men of a Certain Age, a jogada arriscada de Ray Romano

Pin it

Men of a Certain Age - Piloto

Ray Romano foi o primeiro comediante após Jerry Seinfeld a chegar ao topo. Eu tenho pena deles. Sério. Tenho medo do sucesso. Tenho medo de que, quando se chega lá em cima, lá no cume, logo após aquele suspiro de alívio, logo após o coração se encher de realização e desfrutarmos aquele dose imensa de felicidade, o cérebro dispare uma sinapse assustadora, lançando a pergunta: e agora?

Assim como Seinfeld, Romano tem mais dinheiro do que jamais conseguirá gastar em vida. Romano não precisa mais trabalhar. Romano pode fazer o que quiser. Quer dizer, em termos. Porque Romano, ao conduzir com brilhantismo por nove anos Everybody Loves Raymond, chegando ao alto da montanha, ele ganhou um bem precioso e frágil, chamado credibilidade.

Romano é relativamente jovem, não pode ficar parado, se aposentar. Mas cada movimento é um risco, e se a credibilidade se perde, quebra, desaparece? O que fazer?

Ele decidiu seguir os passos do Seinfeld. Primeiro sumiu da mídia por um tempo, pra diminuir a pressão. Depois percebeu que o caminho é fazer algo totalmente diferente do que fazia. Diversificar. Seinfeld fez desenho animado, tentou roubar alguns milhões do Bill Gates, relembrou os velhos tempos ao lado do Larry David e parece que vai investir em reality show.

Romano decidiu partir pro drama. E assim nasceu Men of a Certain Age.

O título da série, que estreou nesta segunda-feira, dia 7 de dezembro, no canal americano TNT, é auto-explicativo. Men of a Certain Age gira em torno do universo masculino, em especial da vida de três baby boomers, membros desta geração de norte-americanos que comandou a economia do mundo e ditou as tendências culturais e, bom, não se deram por conta disto na época. Hoje assistem aos X e aos Y tomar conta do mundo que um dia foi deles e se debatem para recuperar a identidade e a dignidade perdida depois da crise financeira.

O tema é ótimo. E arriscado. Depois que Sex and the City se tornou uma máquina de fazer dinheiro muitos produtores pensaram: e se fizermos uma versão masculina, com homens de meia idade? Veja bem, a princípio a ideia é ótima, e comercialmente espetacular – estamos falando de fazer um show para esta horda de norte-americanos que assistem muita TV (Internet é para os jovens) e dão índices de audiência gigantescos para o Sunday Night Football e NCIS.

O melhor seriado nesta linha foi a comédia britânica Manchild. Houve recentemente uma tentativa de se fazer uma versão norte-americana, que ficou no piloto. Na época de Sex and the City tivemos The Mind of the Married Man, muito honesta, mas um pouco sem gás e às vezes um pouco rude. De lá pra cá esta temática vai e volta, geralmente resultando em séries medíocres como Big Shots ou estas comédias sem graça dos canais de TV paga, como Californication.

Men of a Certain Age, felizmente, consegue se descolar das acima logo na saída. Digo mais, ela se distingue já na vinheta de abertura, que me conquistou com imagens mostrando a infância dos três protagonistas, emulando de forma mais saudosa e menos grandiosa a bela abertura de Anos Incríveis. As imagens sugerem que o tema do universo masculino será abordado com sensibilidade. E a sensibilidade segue ao longo de 42 minutos, no roteiro despretensioso, na boa direção de atores, na trilha sonora setentista, na fotografia inteligente (belos planos fechados, sempre buscando as expressões faciais e as rugas dos atores).

Men of a Certain Age - Piloto

Dito isto vem o pavor de que Men of a Certain Age seja chata. Não, não é. É uma dramédia, cujos momentos cômicos funcionam razoavelmente bem no episódio piloto. Quem leu o livro de Ray Romano “Tudo e Mais uma Surpresa” (a venda no Submarino, recomendo), sabe que ele é muito bom stand up comedian, dono de um humor leve, ingênuo, construído em torno da observação do comportamento das pessoas. Em Men of a Certain Age este senso de humor gera bons diálogos de small talk – já nos primeiros minutos ele conta para os amigos que emagreceu um quilo depois de fazer xixi, iniciando uma divertida discussão tola.

Romano está incrivelmente bem na série, a vontade no papel de Joe, pai separado, dono de uma loja de artigos para festa e golfista frustrado. E bem acompanhado, ao lado do brilhante Andre Braugher (Hack, House) e do razoável Scott Bakula (Enterprise, Chuck), aqui meio canastrão, talvez por ter o personagem mais clichê dos três.

Eu não gostaria de correr o risco de apostar no sucesso ou fracasso de Men of a Certain Age. Até porque, apesar dos bons números de audiência da estreia, a série corre sério risco de sumir na grade de programação da TNT, construída em torno de The Closer, e que nos últimos anos tirou do ar, sem dó nem piedade, Saved, Heartland, Trust Me e agora Raising the Bar.

Pesa contra Men of a Certain Age ainda o fato da série não ter nenhuma grande trama, o que provavelmente causará desgosto no pessoal mais jovem (esta mesma turma que acha Mad Men um tédio). O que vemos são homens de meia idade zanzando pela tela, na maior parte do tempo desapontando suas famílias, seus colegas ou a si mesmos. Não há nada vagamente heróico na série (como por exemplo há em Friday Night Lights ou em qualquer drama médico ou policial) e estes personagens são inofensivos, no máximo mentirosos, bem distante dos anti-heróis amorais que hoje povoam o imaginário dos telespectadores ao redor do mundo.

Justamente por isto, pela simplicidade da fórmula e ao mesmo tempo a ousadia de ir contra a corrente, Men of a Certain Age me conquistou.

Há um diálogo na série em que o personagem de Bakula cita Sísifo, o mortal condenado pelos Deuses para rolar pela eternidade uma grande pedra até o cume de uma montanha, que por fim acabava caindo montanha abaixo. A história fica na cabeça de Joe e parece que o que veremos pelas próximas nove semanas é a sua tentativa de mudar as coisas em sua vida.

Men of a Certain Age pode fracassar ou não, mas o que posso afirmar com certeza é que a credibilidade de Ray Romano sairá intacta desta série, senão maior. A sensação que tenho, neste momento, é que Romano começou sua jornada particular para escalar a montanha de novo. Como Sísifo. Ele já é um exemplo pra mim e, vejam só, acho que acabo de perder um pouco daquele medo de chegar no topo.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

64 Comments

  1. ~vivi

    Hanna, eu assisto e gosto, mas daí a achar graça… hahaha

    Está difícil mesmo achar séries inteligentes. As novas procuram se enquadrar nesses grandes blocos de séries médicas, policiais, , ficção, comédias do cotidiano que ninguém aguenta mais…
    Mas depois de ler esse texto e sabendo que é do Ray Romano, tive um pouco de fé. Vou assistir.

  2. Pingback: TNT renova Men of a Certain Age » TeleSéries

  3. Virginia

    Com certeza quero assistir!!
    Sou fã de carteirinha do Scott Bakula, para mim o melhor ator de todos os tempos!!Basta ver que ele veio da Broadway!
    Quando vai passar no Brasil?

  4. David Kikuchi

    acabo de assistir ao último capítulo da primeira temporada e posso garantir que fiquei positivamente surpreso com ela… que venha a segunda temporada!

  5. Enrik

    Eu vou assistir. Confesso que não gostei sempre de Everybody loves Raymond, mas se esteve no ar por tanto tempo, é pq não é fraco. Ray Romano desenvolveu ótimos trabalhos. Esta proposta de Men Of A Certain Age me conquistou mesmo. Sou fã desse tipo de drama e, se tiver os toques de humor de Ray e seus colegas, será ainda mais interessante. Tenho expectativas muito positivas. Espero não me decepcionar.

  6. isa

    vi ontem a serie e não gostei muito, achei parecida com californication, porem californication e bem melhor …

  7. Bruno

    Assisti ontem o primeiro EP, esperava mais da serie. =/

    Everybody Loves Raymond, tbm não foi lá grande coisa então não espero nada fantástico.

    Existem atores melhores.

    A serie tem uma trilha sonora boa.

  8. Leonardo

    “Californication” é um filme pornô disfarçado de série de TV.

    Essa é uma daquelas “série-espelho”, impossível não assistir sem se identificar com, ao menos, um dos personagens e as situações que vivem.
    O Owen (Andre Braugher), em certos aspectos, é meu irmão gêmeo, também passo por algumas das atribulações que ele passa… trabalhar com família nunca é fácil.

  9. Osvaldo

    Acabei de assistir 0 9º episódio e o seriado é muito bom. Como o dono do texto falou, nada de trama homérica ou coisas extravagantes. É um seriado simples, tratando do cotidiano dessas pessoas de meia-idade. Muito boa a série.

  10. Patrícia Maria

    A resenha foi muito bem escrita! Estimula a curiosidade quanto á série, tenho visto as vinhetas na Warner Channel, mas ainda não tive tempo de assistir. Vou conferir !

  11. Filipe

    acho que é essa simplicidade que todas as pessoas vivem que romano procurou explorar pra sua série. house é um personagem irreal, por exemplo, ninguém é louco daquele jeito. com essa série, ele quer mostrar pras pessoas comuns que elas também podem ser um personagens de um seriado, mesmo não tendo nenhum atributo especial.

  12. Robinmack

    Californication é sem graça? Por favor… Deve ser a segunda melhor série de comédia para o público masculino, depois de Two and a Half Men.

  13. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 3/10 a 9/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account