Log In

Opinião Spoilers

Spoiler: De volta ao divã. A nova temporada de Em Terapia

Pin it
http://teleseries.com.br/wp-content/uploads/2009/04/treat3.jpg

Em Terapia

Em Terapia (In Treatment), a grata surpresa da temporada passada, está de volta com novos episódios nos Estados Unidos. Apesar dos novos atores interpretando novos pacientes em um novo consultório, a essência e carga dramática da série continua a mesma – o que parecia difícil de conseguir, graças a seu brilhante primeiro ano. Mas claro, apesar das mudanças de rumo, ainda temos como figura central o complexo Dr. Paul Weston, interpretado de maneira grandiosa por Gabriel Byrne.

Baseado na série israelense Betipul, Em Terapia tem a premissa de mostrar as consultas diárias dos pacientes de Paul de segunda à quinta, para que na sexta-feira ele mesmo tenha sua sessão com sua antiga mentora. No primeiro ano tivemos os conflitos com Laura (anestesista apaixonada por ele), Alex (piloto traumatizado), Sophie (ginasta suicida) e finalmente Amy e Jake (casal em conflito). E dessa vez? O que nos reserva essa segunda temporada?

Antes de tudo, é importante lembrar que estamos falando de uma série com personagens psicologicamente densos passando por terapia, e que a riqueza dos mesmos pode vir com o tempo. Logo, fica meio difícil delinear em poucas palavras (como de maneira rasa fiz no parágrafo anterior) como é cada personagem. Mas tentemos mesmo assim.

Em Terapia - Mia: Week One

Nas segundas temos Mia (Hope Davis, de Seis Graus de Separação), advogada de sucesso e sem família constituída, que culpa Paul por sua vida solitária, após, segundo ela, ter a terapia interrompida por ele há mais de vinte anos.

Em Terapia - April: Week One

É curioso apontar que Mia Wasikowska era o nome da jovem atriz que de maneira brilhante interpretou a adolescente Sophie, na temporada passada. A jovem dessa vez é April (Alison Pill, que esteve no filme Milk – A Voz da Igualdade), paciente das terças, estudante de arquitetura, auto-suficiente, com irmão autista e em negação com seu diagnóstico de linfoma. Foi a minha personagem favorita nesta primeira semana.

Em Terapia - Oliver: Week One

Cedo dizer, mas os dois seguintes não me agradaram tanto. Nas quartas temos Oliver (Aaron Shaw) e seus pais em processo de divórcio, que tem idéias diferentes de como lidar com o filho: o pai (Russell Hornsby, Playmakers) quer que ele lide sozinho com seus problemas, a mãe (Sherri Saum, Rescue Me) quer protegê-lo de tudo e de todos.

Em Terapia - Walter: Week One

E nas quintas, o veterano John Mahoney (Frasier), dá vida a Walter, empresário ocupado que se orgulha de nunca ter se estressado na vida, até seus recentes ataques de ansiedade após a viagem de sua filha médica até Ruanda. Apesar do início cadenciado, acredito que há muito a se explorar nesses dois dias.

Em Terapia - Gina: Week One

E no último dia, na sexta, Paul revê sua mentora Gina (Dianne Wiest) e revela todas as suas falhas, defeitos e erros como pessoa, e que pouco comete como terapeuta. Sua vida está em frangalhos: o pai de Alex (Glynn Turman) o processou pelo possível suicídio do filho, está divorciado depois de sua desventura com Laura, afastado dos filhos e de casa nova em New York, onde fica seu novo consultório.

Passou-se apenas uma semana, e o que já tivemos é promissor. Mas o melhor de tudo é que como vimos na temporada passada, a coisa só tende a melhorar.

Entretanto, a segunda temporada de In Treatment sofreu alterações no formato de exibição. Antes, a HBO exibia um episódio por dia, respeitando a “data do episódio”. Por questões de audiência, a ordem mudou: agora são dois episódios no domingo e mais três na segunda. Por um lado, ficou mais fácil acompanhar o seriado, sem ficarmos preso ao formato de telenovela, com exibição diária. Por outro, fica a derrota da arte pelo retorno financeiro, já que essa não é uma série pra todo mundo.

Antes de tudo, odeio essa arrogância da afirmação de que há séries inteligentes demais. Mas infelizmente esse é o caso Em Terapia. Aqui não há ação: apenas diálogos brilhantes. Fica difícil vender uma série pouco movimentada como essa sem, entre outros, vencer o preconceito de quem não acredita em terapia (aliás, pauta constante dos episódios), o que resulta na baixa audiência da série.

Mas não faz mal. Ela tem dado seu retorno como os Emmys para Dianne Wiest e Glynn Turman, o Globo de Ouro de Gabriel Byrne, e diversas outras indicações. Enquanto seu brilhantismo tomar forma em seus roteiros e atuações, pouco importa a audiência: ainda assim teremos nossas excelentes sessões semanais de terapia alheia.

Séries citadas:

11 Comments

  1. Cristina

    Por enquanto é difícil opinar sobre os novos pacientes porque eu fico comparando com os da primeira temporada. A Mia me lembrou a Laura, a April a Sophie e a família do Oliver é semelhante a Jake e Amy, o interessante agora é o ponto de vista do filho na separação.

    Meu paciente favorito por enquanto também é a April. Não sabia nenhum spoiler, então até pensei que o segredo dela seria que ela fosse uma garota de programa ou algo do tipo hehehe.

    Eu gosto de séries que quebram o molde das séries padrão da tv aberta. Não tem como comparar Em Terapia, Mad Men (são séries com o foco nos personagens, eles desencadeiam a situação) com Grey’s Anatomy, Lost (séries que a situação é o mais importante, os personagens estão dependentes dessa situação). Pessoas dizem que a série é parada, que devia ter flashbacks, mais ação física, é porque não entenderam o espírito da coisa.

  2. eudes junior

    Gente, essa série é demais.Tá sendo aplaudida e debatida nos cursos de psicologia de várias Universidades, servindo inclusive de “estágio” em algumas disciplinas. Falo isso por ser estudante de Psicologia em Brasilia, e tenho acompanhado os debates sobre a série. é como se estivessemos mesmo numa sessão psicoterapica de orientação psicnalítica. Só que geralmente as sessões reais são de 40 a 50 minutos.

  3. Rodrigo

    Acredito que deva existir série para todos os gostos e todos os públicos. Realmente é uma série dificl de vender, porém quem compra será sempre fiel a ela. Quando começa a passar a segunda temporada aqui no Brasil?

  4. Roosevelt Barros

    Preciso terminar a primeira temporada… (2). Em terapia, serve não só pra meus momentos de lazer (deitar no meu sofá e assistir a um programa de qualidade), bem como para analisar determinadas situações em que me encontro junto ao(s) paciente(s) do(s) episódio(s). Sim, cada personagem faz um levantamento que parece ser direcionado a mim.
    Em terapia é uma grata surpresa e sou totalmente viciado.

  5. ELAINE

    Parabéns pelos comentários Tiago. Ainda não vi a primeira temporada, mas fiquei com água na boca.

  6. Eliane

    Quando poderemos comprar a primeira temporada em DVDs? Nunca assisti e fiquei muuuuuuuuuito curiosa.

  7. Laura

    Eu acompanhei os episódios da 1a temporada fora de ordeme tive que baixar para poder vê-la completa, estou viciada! É bom demais! O diálogos e os atores são realmente excelentes, sem nenhuma ‘ação física’ conseguem prender muito a atenção do espectador.
    Acredito que ainda não tenha pra vender os DVDs com legendas em português, vi a caixa com os DVDs importados na internet e custava, ui, uns 300 reais :/

  8. hilario

    Voces sabem porque a HBO deixou de apresentar o programa nesta semana (20/07/2009), sem qualquer aviso ?? Quando volta

  9. tania

    acompanhei as duas temporadas, considerando ambas irrepreensíveis.
    sou psicóloga jurídica e já utilizei um capítulo da 1ª (Jake & Amy) para comentar sobre o processo de Mediação Familiar. foi ótimo!

    gostaria de saber se vai haver uma 3ª temporada e se já tem data definida.

  10. Thiago Sampaio

    Ainda não há muita coisa garantida sobre a 3ªtemporada…
    As chances são de 50% pra voltar ou terminar.
    Sobre a pausa na HBO… foi o mesmo na série: uma semana sem atendimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account