Log In

Preview Spoilers

Spoiler: Crash, a versão para TV do filme vencedor do Oscar

Pin it

Cena de Crash

Crash, filme que venceu o Oscar 2006 ainda divide opiniões até hoje. Para uns a produção escrita e dirigida por Paul Haggis (Menina de Ouro) conseguiu explorar uma narrativa inovadora, envolvente e com profundidade, enquanto para outros o filme é pretensioso demais, nunca atingindo um resultado final consistente. Particularmente gosto de Crash pois acredito que sua iniciativa de contar uma história com personagens multifacetados conseguiu escapar da visão manequeísta que seria uma armadilha fácil a ser explorada. Sendo assim, fiquei bastante curioso quando soube que aquele universo ganharia novas luzes, agora na TV como série. Pena que a expectativa acabe frustrada por uma transposição que inicialmente não traz o mesmo apelo emocional e dramático do filme estrelado por Brendan Fraser, Sandra Bullock, Don Cheadle, Ryan Phylippe e Matt Dillon.

Assim como ocorria no filme, a série Crash explora histórias aparentemente sem ligação de um grupo bastante heterogêneo de pessoas num ambiente repleto de estereótipos, muito preconceito e racismo. Mas enquanto o filme conseguiu dar ritmo aos acontecimentos além de torná-los interessantes, a série falha em fazer o mesmo, optando por histórias e personagens menos interessantes, salvo raras exceções como o personagem do veterano Dennis Hopper – ele é faz Ben Cendars, um produtor musical solitário em processo de auto-destruição.

Falta à série aquela mesma sensação de intensidade ou mesmo o senso de que de alguma forma aquelas histórias podem ter impactos reais ao se cruzarem. Além disso, há pelo menos um personagem na série que parece demais com aquele de Matt Dillon, o que diminui o tom de novidade prometida pela série. O policial Kenny, também é um oficial da lei com moral dúbia e ética contestável como aquele feito por Dillon e que não hesita em abusar do poder que lhe foi conferido no dia a dia das ruas de Los Angeles.

Cena de Crash

Os outros personagens também não parecem ter a mesma força daqueles do filme. O detetive Axel, por exemplo é rasteiro demais para que nos importemos com sua conduta questionável de caça a membros de uma gangue coreana. Já a história da família Emory (cujo convívio forçado com o sogro expõe uma crise no casamento de Christine e Peter) é pouco atraente a ponto de nos deixar curiosos sobre o que vem pela frente, embora admita que talvez esteja concentrado ali o núcleo que trará uma discussão sobre racismo. Além destes, há ainda um personagem latino que passa maus bocados para tentar entrar ilegalmente nos EUA e cujas motivações são obscuras e o paramédico coreano cujo passado com a mencionada gangue o colocará no caminho do detetive Axel, o que deve mudar sua vida para sempre.

Embora seja óbvio que eu não tenha sido fisgado pela série, confesso que provavelmente voltarei a conferir os próximos episódios sobretudo por conta da história do personagem de Dennis Hopper, que à frente de um elenco de desconhecidos tem a história mais interessante de todas, conferindo complexidade a um homem irrascível, o que de certa forma já garante algum peso e importância à série. Se só a história dele será suficiente para segurar a série, só o tempo dirá. E você, já deu uma conferida em Crash?

Texto publicado originalmente no website Dude News.

Séries citadas:

7 Comments

  1. Paulo Antunes

    Eu ainda não vi. Mas confesso que fiquei curioso, apesar de ter quase certeza que istão não irá longe. Parece um Six Degrees com temática racial!

    Achei engraçado ver a Clare Carey (acho ela linda) e o DB Sweeney como um casal – os dois fizeram Jericho, lembra?

  2. D

    Apesar de estar curioso também, não conferi porque não tem legendas na internet ainda. Espero que algum grupo se interesse pela tradução da série, porque o burrinho aqui não entende inglês… hehe.

  3. Michel Arouca

    Muito bom seu texto Davi. Concordo com tudo que vc escreveu. Tb sou fã do filme, mas a série deixou a desejar. Nem o personagem de Dennis Hopper me agradou. Vou ver assisto ao segundo, mas já achei o primeiro muito meia boca.
    Abraço

  4. Hanna Nazine

    Algum canal já comprou aqui no Brasil?

    Adorei o filme, mas não acho que seja o tipo de coisa dê boa série, pois, na minha opinião, acredito que seja difícil que se consiga sustentar a história por muito tempo.

  5. Cesar

    O filme é ótimo e o texto do Davi deixa muito clara a sensação de que numa série não funcionou.

    Há coisas que não deveriam ser exploradas.

  6. Pingback: Crash estreia este domingo na HBO » TeleSéries

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account