Log In

Notícias Reviews

Smash – The Movie Star e Publicity

Pin it

Série: Smash
Episódios: The Movie Star e Publicity
Número dos Episódios: 1×11 e 1×12
Datas de Exibição nos EUA: 16/04/2012 e 23/04/2012

Olá pessoal! Primeiramente gostaria de me apresentar a vocês. Como a Tati está fazendo a Luisa e indo para o Canadá em breve, eu assumirei as reviews de Smash temporariamente.

Agora vamos ao que interessa: as reviews dos episódios.

The movie star trouxe de vez Uma Thurman para a série. E a todos que esperavam que Rebecca Duval fosse salvar Bombshell, só posso dizer uma coisa: sinto muito. É muito mais fácil que a estrela acabe afundando o musical do que salvando o mesmo. Como eu já supunha, por ela ser uma grande estrela do cinema, é cheia de caprichos e manias. A grande surpresa é que ela não canta nada. Ou melhor, não o suficiente para ser estrela de um musical.

Como se isso não fosse suficiente ela passa o tempo todo criticando a produção e pedindo para que Tom e Julia façam alterações na peça, facilitando para ela. Essa situação está gerando um mal estar grande entre a equipe de produção que tem que fazer todas as vontades da estrela. Chegam a cogitar o retorno de Ivy para o papel, mas Eileen não aceita a idéia, aceitando no máximo o retorno da loira para o coro. Impagável é ver o Derek tendo que se controlar para não acabar ofendendo ela. Pobres de Karen e Ivy, que muitos xingamentos levaram.

Enquanto isso Derek sonha acordado com Karen ocupando o papel de Marylin e a tensão sexual entre os dois aumenta. Ivy, esperta como sempre, busca uma aproximação com Karen, dando dicas que farão com que ela cave o próprio buraco.

Embora esse episódio foque bastante na produção do musical, o que me agrada bastante, também restou espaço para dar foco aos problemas pessoais. Frank continua irredutível com Julia e ela, além de dar conta dos problemas do musical ainda precisa dar conta de Leo, o filho mimado. Enquanto uns seguem irredutíveis outros acabam cedendo. Tom acaba por ceder e demonstrar o interesse por Sam – com um empurrãozinho da Julia, – e Eileen cede aos encantos do barman.

Publicity, o 1×12, é um episódio no qual as tramas pessoais voltam a aparecer mais do que a produção de Bombshell.

De uma hora para outra Karen e Rebecca viram amigas de infância. Em um primeiro momento acreditei que Rebecca estivesse apenas interessada em deixar os ‘inimigos’ o mais próximo possível, porém a última cena do episódio me deixou com dúvidas quanto a isso. Quer dizer que se não é Karen que vai cantar também não vai ser Ivy? Em um primeiro momento ela não queria assumir essa canção e agora quer somente para não deixar que Ivy cante? No mínimo esquisito.

Esse episódio mostrou as bizarrices da estrela de cinema. Pode parecer forçada e exagerada essa história do suco, mas eu acho que muitas celebridades devem ter esse tipo de conduta mesmo.

O Leo consegue ficar mais tosco a cada episódio. Precisava dar um ataque desses? Eu até entendo que adolescentes que passem pelo que ele ta passando se revoltem, mas o ataque que ele deu foi meio injustificado, principalmente porque depois ele voltou pra casa como se nada tivesse acontecido. A Debra Messing que ta arrasando no papel, porque vamos combinar que não deve ser fácil demonstrar afeição por aquele guri. Brincadeiras a parte, ela tá ótima mesmo.

O que mais gostei em Publicity foi Karen demonstrando que ela também sabe usar das situações para se beneficiar. Essa amizade com Rebecca é a maior prova disso e de que não é só Ivy que usa as pessoas para conseguir o que quer. Ou seja… bitch por bitch…

Mas mais que isso, eu já tava me preparando para fazer um mimimi dizendo que sinto falta dos números musicais da Ivy quando ela interpretou magistralmente a música que fechou o episódio. O número foi muito bem preparado e ficou emocionante as cenas acontecendo enquanto ela cantava. Eu me pergunto: alguém ainda acha que o papel da Marylin não deve ser da Ivy? Esse episódio deixou ainda mais claro, para mim, que Ivy é insuperável em musicais e Karen é excelente cantando música pop. Aquele produtor podia retornar e levar a Karen para gravar um cd, deixando o caminho livre para Ivy. Parece que até Rebecca sentiu-se ameaçada depois da interpretação magnífica da Ivy. Mas posso prever que essa dúvida sobre quem será a Marylin continuará nos assombrando por um bom número de episódios… até nem acho tão ruim, desde que Ivy continue tendo números musicais e não fique tão sumida como estava nos episódios passados.

PS: eu nem sei o que comentar sobre aquele número musical indiano. Acho que foi a vergonha alheia do ano.

 

Séries citadas:

Relações Públicas e Mestre em Comunicação Midiática pela UFSM. Não esconde sua paixão por reality shows, sendo fã especialmente de The Voice, Survivor e The Amazing Race. Suas séries preferidas são Friday Night Lights e The O.C, mas também nutre um profundo amor por Friends e Sex and the city. Atualmente assiste Orphan Black, Orange is The New Black, Broadchurch, Faking It, Girls e Nashville... Suas paixões mais recentes são The Affair, How to Get Away With Murder e Scandal (cujas 4 temporadas completas assistiu em apenas 20 dias).

Website: http://www.assmanncomunicaçãoestrategica.wordpress.com

10 Comments

  1. kelly

    Discordo totalmente. Karen não foi bitch em momento nenhum. Foi a Rebecca que foi falar com ela no meio da rua rodeada de fotógrafos. Rebecca ofereceu a oportunidade e ela aceitou, pq também não é idiota. Muito diferente de Ivy, que não pensa um segundo antes de armar algum plano maligno, como o desse episódio, para conseguir o que quer.
    Percebi que a Ivy é sua preferida e vc quer defendê-la, mas também não precisa forçar a barra.

  2. Gabi Assmann

    Em nenhum momento escondo minha preferência pela Ivy para fazer o papel de Marylin, acho que até pela Megan Hilty ser atriz de musical e a Katherine trabalhar mais com música pop. E eu não condenei a atitude da Karen, só achei que ela mostrou que não é tão santinha assim. Ela também não mede esforços pra conseguir o que quer, nem que pra isso tenha que virar, de uma hora pra outra, melhor amiga da estrela chata. Cada um joga com as armas que tem, né? 

    Mas respeito a tua opinião e vou tentar ser mais imparcial na semana que vem =)

  3. Mariela Assmann

    Gabi, bela estréia. A 1ª frase já abriu com chave de ouro! Certamente substituirá à altura “Tati, que está fazendo a Luisa e indo para o Canadá em breve”. =)

  4. Mônica Almeida

    Se tem uma coisa que eu não suporto é estrelismo. Se eu tivesse que trabalhar com uma “estrela” eu seria demitida em menos de meia hora.E eu ODEIO o Ellis. Toda vez que o vejo fico pensando em uma morte lenta e dolorosa pra ele, por isso adorei ele tendo que fazer suquinhos especiais para a estrelíssima (e chatérrima) Rebecca Duvall. Eu acho a Uma Thurman ótima, nada contra a atriz, mas o papel dela está de lascar. Bom, mas esse é objetivo, não? Tirar um pouco o foco da Karen e da Ivy.
    Gabriela, eu não acho que exista tensão sexual entre o Dereck e a Karen. Acho que ele realmente acha que ela tem potencial e como a série é musical, ele tem aqueles momentos alucinantes. E fofos, vai.
    Também não entendi a “amizade” entre a Karen e a Rebecca. Pensei que a estrela fosse querer demitir a moça por ela realmente cantar bem. E repente, é esse o objetivo, ela só não mostrou as garras ainda. Acho que ela quis a música depois que a Ivy cantou pela reação das pessoas. A Eileen até chorou. Falando em Eileen, adorei ela com o bartender bonitão. E mais ainda por ela ter sido vista pelo ex-marido sem graça com ele. Dá-lhe, Eileen!!!
    Outra coisa que não suporto é breguice e acho que Bollywood é geralmente brega. Mas sabe que gostei do número musical indiano? A música era cafoninha, mas achei bem divertido.
    Não sei se foi aqui ou em outro grupo que comentei que Bombshell ficaria perfeito se a Ivy interpretasse a Marilyn e a Karen a Norma Jean. Afinal, as duas são ótimas!

  5. Gabi Assmann

    Sabe que eu percebo tensão sexual entre Derek e Karen sempre? Ainda acho que não foi a toa que ele quis dormir com ela no começo da temporada. E concordo contigo que talvez ficasse bom Ivy e Karen “dividindo” o papel. Talvez seja justamente praí que os roteiristas querem nos levar. Mas aí surgem diversas outras questões, ao meu ver. Porém as duas são ótimas mesmo

  6. Michele Bianchini

    Smash ainda é uma incógnita para mim pois ou o plot é muito legal ou sem nexo ou vergonha alheia. A série iniciou muito bem mas sempre me incomodou alguns personagens como o namorado indiano e o assistente que finge ser heterossexual mas é homo, ou não? Eles não tem a mesma sintonia que os outros personagens. Júlia e Tom tem uma química boa e divertida já o marido e filho de Júlia são umas malas que poderiam ir embora na segunda temporada. Quando Uma entrou na série achei que ela forçava essa coisa de “não combinar” com o musical mas vendo os episódios seguintes acho que o problema é a atriz mesmo e não o personagem. Eu vou continuar assistindo porque a série já no seu quinto episódio estava com a temporada toda filmada então espero que na segunda eles melhorem porque Smash tem tudo para ser uma série maravilhosa.

  7. Mônica Almeida

    Michele, acho que o Ellis não finge ser heterosexual. Acho que o que aconteceu foi o contráio. Ele dormiu com o assistente da Rebecca por ser vantajoso pra ele. Ou seja ele se prostituiu mesmo. Pra mim o cara não vale absolutamente nada.

  8. Gabi Assmann

    Eu aposto que o Ellis é homossexual, sim. Mas fica sempre aquela dúvida, né? 

    E sim, eu concordo que o Frank e o Leo são dois malas que podiam ir embora da série. Por mim a Julia se separava e ia viver um romance com o Michael. 
    Os primeiros episódios da temporada foram muito bons mesmo, depois deu uma caída, mas acho que pode melhorar na segunda temporada sim.

  9. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 4 a 10/6

  10. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 11 a 17/6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account