Log In

Reviews Spoilers

Smallville – Shield e Supergirl

Pin it


Série: Smallville
Episódio: Shield e Supergirl
Temporada: 10ª
Número do Episódio: 10×02 e 03
Data de Exibição nos EUA: 01 e 08/10/2010

A décima temporada continua, engatando aqui e ali novas possibilidades. Esquadrão Suicida? Darkseid ? Sociedade e Liga da Justiça? Sim, eles fazem parte dessa temporada, que para mim está sendo muito sólida. Resultado de um cuidado que os roteiristas da série nunca tiveram antes. Quer saber? Smallville está demais!

Até o terceiro capítulo, não houve desperdícios, como de costume. Sem tempo para privilegiar um ou outro ator, ou amansar os “shippers”, os roteiristas simplesmente se focam na história. Incrível, não?

Em Shield, o Jordan Hawley (Rabid, Disciple e Hostage) conseguiu dar continuidade à história do Esquadrão Suicida, introduzindo à trama o personagem Deadshot. E em Supergirl, escrito pela Anne Cofell Saunders (Idol, Persuasion e também Hostage), não só tivemos a querida Kara de volta como fomos apresentados ao Darkseid. Entre outras coisas, os roteiristas ainda nos brindam com homenagens à série e nos preparam para o final.

Algumas coisinhas sobre Shield:

Não é porque eu elogiei a qualidade dos roteiros que eles não pecam na apuração. Depois de Lazarus terminar com Lois no deserto, sabendo que Nairobi está longe de ser um, a fantasia americana continuou.Lá no Egito, em um cenário que parece mais um remake de 1001 Noites, Lois Lane, a intrépida correspondente internacional, fala ao celular cor-de-rosa, no meio do nada. Ou Lois usa um celular a satélite para fazer rápidos e ríspidos comentários com Perry White ou a AT&T dominou o mundo.

Bom, seguindo em frente. Fiquei tão intrigada com tal criatividade que revi a cena duzentas vezes. Sabe o que eu descobri? O número da placa do carro que leva Lois para a escavação é 1837 em egípcio. Se você forçar muito a barra, pode relacionar a 1937, o ano que o Super-Homem chegou às bancas.

Eu sei, momento nerd demais e sem relevância para a história.

Mas continuando a sessão de inutilidades: Alguém avisa à jornalista que se você for para um país árabe sem o figurino apropriado pode ser morta antes de cobrir qualquer ataque terrorista? A Cruz Vermelha agradece.

E que nenhum jornal dedicaria meia página, seja ela na 3 ou em qualquer parte dele, à uma notícia sobre um repórter, sem que ela tenha sofrido um ataque, desvendado um esquema de corrupção, ou perdido a vida.

Só mais um adendo… onde arrumaram tanto extra árabe em Vancouver?

Fora isso, o episódio foi perfeito.

Tenho que admitir. Carter e Lois foram um belo par. A história toda, aproveitando o cenário africano, foi para mostrar para Lois que Clark precisa dela, sendo ele um deus poderoso ou não. Adorei o jeito que eles misturaram a história de Isis e Ra, Shayera e Carter, e Lois e Clark. A primeira vez que foi mencionada na série a mitologia sobre o destino de amantes que são como duas estrelas que se cruzam foi na 2ª temporada, no episódio Skinwalker. Já na 4ª temporada, vemos uma referência clara no final de Lucy. No telefilme Absolute Justice, Dr. Fate conta à Lois sobre seu destino ao lado de um ser poderoso. Agora, finalmente vemos que esse lance todo de fardo existe. A participação de Carter Hall nesse episódio foi essencial. Não só trouxe um pouco de diversão, mas trouxe de volta a Sociedade da Justiça. Fico ansiosa em ver que há a possibilidade da Shayera aparecer em um capítulo futuro, e isso traria novamente o Carter. Quem sabe o outros?

Adorei a mensagem de texto pro Clark e o sermão místico. Mas o que mais gostei é que Lois pode ter uma conversa sincera sobre seus medos e seus motivos.

Claro que ele não precisava ter beijado a Lois, não é Senhor Gavião-Negro?

Lá em Metrópolis, Clark Kent precisa lidar com sua nova parceira. Fico extremamente feliz em saber que essa Catherine Grant não é aquela Katherine Grant. Já estava prestes a matar um.

Aliás, passei o episódio todo querendo matar a encarnação da Hello Kitty. Alguém me passa o telefone do Deadshot? Que garotinha mais chata.

Não acredito que foi ela quem incentivou o Clark a voltar a usar as cores patrióticas. Será que ele não pode ter o crédito de uma ideia pelo menos uma única vez? Será, meu Deus?

Só perdoo a participação dela porque o envolvimento de Cat/Clark e Deadshot foi necessário para apresentar e desenvolver o Esquadrão Suicida na trama. Plastique? Ah! Rick Flag? Ah!² Clark sendo marcado com o símbolo da morte? Uh oh.

Como nesse episódio teve para todos, até Oliver e Tess tiveram seus 15 minutos (ou menos). Podem dizer o que for, mas eu sempre espero que o Oliver esqueça a Chloe e dê uns amassos na Tess. Uma garota pode sonhar, não?

Mas ataque de fã a parte, eu não entendo porque Oliver é tão cretino com a ruiva. Enfim, ele é um herói cego por amor. Mas pelo menos esse amor nos levou à uma revelação intrigante: Chloe forjou sua própria morte? Esse não é o rito de passagem para o Esquadrão Suicida? Ou ela forjou sua própria morte até para o Esquadrão?

Será que ela está com a Lana na China? Será que ela foi para outro planeta? Será que se escondeu na Fortaleza da Solidão? Para onde a Chloe foi? Morte falsa ou não, a verdade é que esse é o primeiro episódio no qual Allison Mack não aparece como atriz regular. Que pena…

Só não deu mais dó do que ver o Oliver brigando com o Clark por causa de garotas. Cresce, Oliver. Até o fazendeiro já entendeu que às vezes é preciso respeitar a decisão alheia.

Seguindo em frente, agora temos o seguinte: Lois sabe que seu destino é ao lado do Clark. Oliver pode começar a aceitar seu lado herói. Clark está na mira do Esquadrão Suicida.


Algumas coisinhas sobre Supergirl:

Logo na abertura do episódio, temos uma clara prova da solidez da trama nesse ano. A vinda de Darkseid acontece três semanas antes, como mostrado em Lazarus. Sendo que agora, ficamos sabendo que ele aparece justamente onde o portal foi aberto para mandar os kandorians para a Nova Krypton. E foi justamente aí que a força do mal toma conta de Gordon Godfrey. Uma bela maneira de chamar a atenção dos “vigilantes”.

Godfrey então parte para uma cruzada contra os heróis mascarados, mas não consegue chamar tanta atenção quanto Supergirl ou Ubergirl. Para mim, Kara ofuscou o reencontro de Lois e Clark. Foi muito divertido ter a Laura Vandervoot em Smallville.

Aliás, esse episódio inteiro foi divertidíssimo e claro que Lois Lane tem muito a ver com isso.

Prepara os marshmellows, Clark. Por que eu vou assar o peru dele.

Diga adeus á mesa dos sonhos da Barbie.

Mortal Kombat se encontra com o lenhador.

Eu poderia citar todas as falas da Lois, mas ainda estou morrendo de rir do “Torquímetro” e do “Quem é sua mama?”. Vendo a Lois agir como repórter investigativa me fez querer um remake de Lois & Clark. A cena do Clube Desaad foi impagável.

A aparição de Kara serviu para que Clark se aproxime de seu destino e deixe de lado as fraquezas humanas. Adorei vê-la com um quase uniforme original (faltou a capa) e aprovei o look quase Taylor Swift da Linda Lee. O que fica claro é que Clark ainda não está pronto para enfrentar o Darkseid, mas que ele precisa se aceitar como Super-Homem logo.

Mas de toda a participação da Kara, a cena em que Clark quase voou foi a melhor. Apesar de eu morrer de medo de borboletas, gostei muito da cena. Isso prepara o terreno para que ele voe, e logo. E todos sabemos o que/quem faz ele voar, não é?

Quanto ao Oliver? Já não era tempo de ver um sorriso naquele rosto lindo. Só isso valeu todo o episódio. Mas como o foco é a história, tem coisa melhor do que o Queen dizer que é o Green Arrow para a imprensa?

Bom, melhor não sei… mas que os episódios 2 e 3 foram muito bons, isso eles foram.

Para o Alto e Avante

Carter tomando conta de Lois.

O sotaque sulista do Deadshot, e o próprio Deadshot. Espero que volte mais vezes.

Kara Kent e Linda Lee! Super massa!

O reencontro de Lois e Clark (claro que a cena poderia ter sido em um lugar mais escuro e sem muito figurino).

As frases curtas e divertidas de Lois Lane.

Lois usando disfarces!

Lois e Oliver.

Oliver saindo do armário no estilo Homem de Ferro.

E claro… Clark quase voando.

Coquetel de Kryptonita

Cat Grant com C. Eu sei que ela era para ser chatinha, mas… Chata com C maiúsculo.

Aquele uniformezinho infame do senhor futuro Homem-de-aço.

Foto pelada de Chloe Sullivan.

Sessão de foto de Kara Kent com aquela bandeira americana de fundo. Que coisa brega. Só faltou tocar This is Your Land como trilha.

Ao contrário de queridinhas da mídia, lê-se Glee, a décima temporada de Smallville realmente tem uma história, e uma história coerente e divertida.

Posso estar babando pela série agora, mas juro que sou imparcial – cof cof – quando escrevo minhas reviews. E para quem não assiste Smallville, o que você está esperando? Vá logo fazer a lição de casa, e não demora… são DEZ temporadas para você acompanhar.

Shield/Supergirl salvaram 8 cidadãos de Metropolis cada (0 a 10).

Escrito por Jordan Hawley/Anne Coffel Saunders.

Dirigido por Glen Winter/Mairzee Almas.

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

10 Comments

  1. Pingback: Tweets that mention Smallville – Shield e Supergirl -- Topsy.com

  2. MicaRM

    Não entendi o negócio com a Katherine Grant.

    Eu amo a Lois, mas ela me irritou neste episódio com suas declarações de que os Vigilantes tem que permanecer ocultos, em segredo, yada yada yada. Não está ajudando em nada com essas idéias retrógradas. Eu acho que ela deveria estar pensando algo mais no sentido de ‘os heróis precisam de um rosto, mas um que não os identifique com suas realidades’. E juro que não entendo todo este furor com os vigilantes. Quero dizer, quando vi o discurso em Batman (o filme) fez sentido, afinal, com um vigilante estranho como Batman, acabou se criando bandidos estranhos como o Coringa, Duas Caras, Espantalho, Arlequina, blablabla. Mas em Smallville? Os vigilantes só dão uma forcinha para a polícia. A população em massa nem tem conhecimento dos super vilões! Eles os derrotam por baixo dos panos! Não há porque a população os temer.

    Seja como for, gostei de ambos os episódios e adorei rever a Kara. Só acho que o povo deveria se comunicar mais.Todo mundo sabe que ficar sonegando informação, mesmo que seja pelo ‘bem da pessoa’, sempre acaba em zica.

    —-
    Eu gostei do novo uniforme do Clark. Na verdade, gosto mais desse do que do original, com capa e sunga.

  3. Maria Clara LIma

    É um trackback do Twitter! Mwahaha!

    =]

    Mica. Eu gostava do uniforme Matrix. Essa jaqueta vermelha do Clark parece uma que eu tinha.

  4. MicaRM

    Não me diga que vc é fã de Smallville até nas suas jaquetas!! o.O
    Piadinha ridícula, eu sei. Mas eu também gostava do uniforme matrix, entretanto eles terão que ir para o vermelho e azul em algum ponto e este é muito melhor do que o original com a sunga e a capa. Aliás, não dá para acreditar que o Clark vá abandonar um uniforme de gente e usar aquela coisa horrenda. Senhor!!

  5. Maria Clara LIma

    Sou uma ativista ferrenha na campanha Tom Welling de collant. Não digo que prefiro aquele uniforme… MAS temos que dar um crédito: é um ícone. Eu quero capa e cuequinha!

  6. Artur Chaves

    Gosto muito desse site e é a primeira vez que comento, parabéns aos responsáveis.
    Mas acho que estou assistindo outra série chamanda Smallville, pois, essa décima temporada, até agora, esta no máximo mediana. Soufã da série e acompanho desda primeira temporada, aúnica coisa que esta me agradando, até agora, é o arco do esquedrão suícida que esta sendo construído desda temporada passada. Jor-El, fica nessa indecisão do ca%$¨&, hora Clarck serve pra salvar o planeta, hora não presta, hora Kara não é confiável, hora é. Até agora não vi nada de sólido, a questão do novo uniforme, não tinha necessidade disso, o uniforme preto já estva bom demais. Outra coisa, ser super-veloz, ter super-audição, ter super-sopro, visão de calor, super-força, visão raio-x, ser invulnerável não serve pra salvar o planeta. Tem que saber voar. Se não fosse pelo Clarck Kara nem saberia usar a super-audição e controlar suas habilidades (ela nem gostava dos humanos), ela ainda tira onda por que o primo não voa e por isso não serve pra savar o planeta. Tenha dór. Será que Geoff Johns não está dando uma revisada nesses roteiros!? Até agora a única coisa sólida que vi foi que eles continuam enrolando e enrolando. Volto a frizar que sou fã da série, mas isso não quer dizer que vou concordar com tudo que me for imposto. Mais uma vez: essa é minha opinião e torço que as coisas melhores nessa reta final.

    Parabéns a todos e até mais…

    _O/

  7. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 8 a 14/11

  8. Pingback: Destaques da Semana – Brasil – 15 a 21/11

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account