Log In

Reviews

Smallville – Finale

Pin it
O episódio final de Smallville justificou os 10 anos da série.

Série: Smallville
Episódio: Finale
Temporada: 10ª
Número do Episódio: 10×21 e 10×22
Datas de Exibição nos EUA: 13/05/2011

Escrever a última resenha de Smallville é um tanto poético para mim. O significado disso vai além do óbvio, da emoção que sinto da saudade que está para chegar. Significa missão cumprida. Algo que planejei, vi acontecer e finalmente está aqui. Além disso, do tão esperado final, e a sensação de alívio, chega a expectativa também. Por algo que eu ainda não sei o que é, pelo começo da “era Smallville“. Agora é olhar para frente, lembrar do passado, e espero que Smallville tenha sido tão importante para alguns como foi para mim.

Sentei em frente ao computador poucos minutos antes da finale começar. Ao meu lado, meu irmão desinformado mas gentil o bastante para fingir que se importava com os meus espasmos. Não eram gritos, tenho que pontuar, mas uma mistura de suspiros com sons agudos. “Vai começar”, avisei. E ele acomodou-se e logo começou a me encher de perguntas.

“A Chloe não tinha saído da série? Onde está a Lana? Cadê o Lex Luthor. Não existe Superman sem Lex Luthor. Ele já voou? Dez anos e ainda não voou? Já colocou o uniforme pelo menos?”. Não sei se fiquei impressionada com a quantidade de perguntas que ele foi capaz de fazer em alguns minutos, ou por ter reconhecido nessas perguntas um público que deixou de ver a série aos poucos e que mesmo assim, foi capaz de se render ao episódio final de Smallville.

Esperei um pouco para responder as questões. Sim, Chloe Sullivan saiu da história no início da última temporada. Mais precisamente quando o contrato da atriz Alison Mack acabou. Mesmo assim, a personagem não foi esquecida, e seu nome ecoou em vários momentos dessa temporada. Até que ela finalmente voltou para uma participação logo depois do hiatus. Casou-se com seu companheiro Oliver Queen, deu um jeitinho de despistar o Suicide Squad, e matou a saudade de uma legião de fãs, que se sentiram orfãos com a saída da loirinha.

Já a Lana… essa ficou para trás, como na história original. É parte de um passado importante, e foi parte do legado de Clark Kent. Na série, tirando alguns ‘flashbacks’, ela não deu mais as caras. Ficou lá na oitava temporada, envenenada de kryptonita. Bem simbólico.

Começou. Falei para meu irmão se acalmar, que algumas respostas estavam por vir, mas logo ele se virou para mim com aquele olhar de perdido. “Chloe teve um filho?”. Bom, o garotinho para qual ela estava lendo a história de um “garoto de Kansas” pode ser filho dela com o Oliver Queen. Mas quem sabe? Fica apenas na nossa imaginação, ou no desejo de alguns. Mas o que me intrigou foi o quadrinho em si. Como ela pode estar lendo sobre aquilo se Clark é o alterego/disfarce do Super-Homem? Ela escreveu aquela história e editou e ganhou rios de dinheiro com a revistinha em quadrinho do Homem-de-Aço? Seria Chloe herdeira da DC Comics? Bom, não faça perguntas das quais você não terá respostas.

O nervosismo havia passado, mas a ansiedade não. Alguns minutos depois, lá estavam Lois e Clark duelando sobre o casamento – que todos nós sabíamos que iria acontecer um dia. “Você não está no meu caminho, Lois. Você está ao meu lado”, repeti logo depois do Clark. Aquilo não poderia ser mais certo. Aquele casamento tinha que acontecer. A capela estava pronta, os padrinhos também, os convidados a caminho, só faltava o noivos se decidirem. Nada poderia atrapalhar esse dia feliz.

Se nada significar um planeta gigantesco sendo atraído por um campo magnético do mal, bom esse nada bem que causou algum dano ao dia feliz de Lois em Clark. Mas tudo o que restou em minha memória foi a cena na qual o casal estava separado entre uma parede, discutindo a relação. Foi a DR mais bonita que já vi em toda a minha vida.

Nessa hora, confesso que estava segurando as lágrimas, não queria perder a aposta. “Vai chorar?”, ele perguntou. Eu fiz sinal de “não” com a minha cabeça, temendo deixar minha voz denunciar a minha emoção. Quando Lois estava em pé, sozinha na igreja, procurando Clark no altar, quase não aguentei. Mas todo o meu esforço foi por água a baixo quando o moço apareceu ao lado da noiva e segurou em sua mão. Literalmente por água a baixo.

Sim, eu estava chorando. Ali na minha frente estavam Clark Kent, cheio de confiança, sereno, apaixonado por Lois Lane, esperta e amável. ” Tudo bem, Smallville”?, “Perfeito”. Concordo, tudo estava perfeito.

Vocês me permitem um momento de fã? SEIS ANOS DE CLOIS. (In.Your.Face)

Quase gritei, mas não queria passar vergonha na frente daquele que no momento tentava ligar para a namorada dele. Sim, meu irmão deixou de assistir a finale de Smallville por causa de uma menina. Esse mundo está perdido. Mas enfim, me senti mais a vontade para gritar, xingar, chorar, suspirar. Afinal, Darkseid acabou com o casamento, e pretendia acabar com o mundo.

A primeira meia hora do episódio foi recheada de momentos sentimentais. Oliver e Chloe, Martha e Jonathan, todos ali tentando fazer a coisa funcionar, engatar. A chegada do Apokolips foi realmente apocalíptica, se me permitem o trocadilho. Só que nada poderia superar a volta de Michael Rosenbaum como Lex Luthor. Quase tanto quanto ver o Thomas Patrick Welling de uniforme, eu sonhei, desejei, que o Lex voltasse, e voltou com estilo.

O mal e o bem co-existem, lutam um contra o outro. Mas não existe bem sem o mal, nem o mal sem o bem. Sorri. A grande luta de Clark não é com seu arquiinimigo e  sim com o Grande Senhor da Escuridão. Sorri. Lex deu o último empurrão que o nosso herói precisava para abraçar seu destino. A conversa entre os dois personagens foi uma das melhores coisas da finale.

Olhei rapidamente para o relógio, já passava da metade, e para os que contam o tempo de uma maneira pessimista, faltava pouco para acabar. Uma personagem iria morrer, outro iria ter a memória apagada, outro ia voar. Mas eu não sabia, nem imaginava que tudo isso ia acontecer em pequenos intervalos de tempo. A ansiedade se trasnformou em nervosismo novamente.

Meus olhos mal podiam acreditar quando Lex matou sua própria irmã, Lutessa. A Tess foi realmente um personagem que eu aprendi a gostar. Sem contar que a Cassidy Freeman foi fantástica em todos os momentos. Mas meus olhos se reviraram quando ela “apagou” a memória do irmão, Lex. Era de se esperar, não é? – Eu não esperava.

Até que a tão esperada hora chegou. Não pude ignorar os segundos que passavam entre os rios de propaganda da CW. Ali estava Clark enfrentando Darkseid-Luthor. Como sempre, a luta foi rápida, mas dessa vez não pude reclamar, não faria muito sentido ele perder uns 10 minutos de golpes em câmera lenta, se ela ainda tinha tanto para fazer.

A cena das lembranças – e dos testes – que foram mostradas por Jor-El, me tirou do chão. “Série besta!”, pensei alto. Me vi uma década atrás, atravessando a sala enquanto minha irmã, Sarah, assistia a nova série da Warner. Praguejei algumas palavras para a TV. Odiava Smallville naquele tempo. Babaca e insolente eram adjetivos comuns quando eu me referia a série. E foi exatamente a lembrança do passado e de toda a jornada que ele, e eu, enfrentamos em 10 anos que fez meu coração apertar. Aí estava ele. Em cores primárias: azul, vermelho e amarelo. Ali estava ele salvando um avião de uma queda eminete. Ali estava ele devolvendo a esperança para a humanidade.

Os minutos finais da série me fizeram desejar outra temporada. Uma que mostrasse aquilo que sempre sabíamos que seria o fim. A vida do Super-Homem, o dia-a-dia na redação do Planeta Diário, e as vilanias do presidente Luthor.

Acabou.

Não, apenas começou.

Para o alto e Avante

O episódio foi cheio de grandes momentos, e nem sei por onde começar. Talvez pelos momentos simbólicos. As menções aos “heróis que estão por aí salvando o mundo”, “Zatanna e o ManHunter”, a capelinha do casamento igual a dos quadrinhos, Connor, General Lane e tantas outras…

Erica Durance e seu sotaque canadense é a melhor Lois Lane do mundo.

Tess Mercer, Oliver Queen, Chloe Sullivan, sentirei falta de todos vocês.

Jimmy Olsen! Melhor surpresa!

Thomas Patrick Welling, azul combina com seus olhos.

Louis Febre e Mark Snow, você fizeram a diferença. A trilha sonora estava maravilhosa. E parabéns ao uso devido da trilha de John Williams.

Efeitos especiais nota dez – apesar do baixo orçamento.

Coquetel de Kryptonita

O baixo orçamento, que não permitiu mais participações no final.

Smallville acabou, e com isso ficou para trás muitos começos. Para mim, que comecei no TeleSéries escrevendo resenhas de “Small”, foi o início de um futuro no mundo dos seriados. Também foi o início de muitas amizades. Agradeço a todos que leram meus devaneios, e todos os amigos que fiz por causa dessa série. Muito obrigada Aline, Ana, Mariana e Túlio por aguentarem junto comigo. E obrigada, Rafael, por ter assistido a finale comigo. Apenas, obrigada.

Finale vendeu 10 revistas em quadrinho. (0 a 10)
Parte 1 escrito por Al Septien & Turi Meyer
Dirigido por Kevin Fair
Parte 2 escrito por Brian Peterson & Kelly Souders
Dirigido por Greg Beeman

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

11 Comments

  1. Rodrigo Rabello

    Melhor artigo que li sobre Smallville! Sentirei saudades das resenhas da Teleséries sobre o jovem CK… 

  2. Denise

    Fantástica resenha! Tudo que senti assistindo a grand finale de Smallvile foi colocado em palavras, até mesmo os momentos de lágrimas. Amei o final da série e, sem sombra de dúvidas ficou o gostinho de quero mais. Agora restam os quadrinhos, como Chloe mostrou no início e no final do episódio. Como já disse, fechou com chave de ouro 10 anos de seriado.

  3. Anônimo

    Oi, Maria Clara,
    há muitas temporadas eu desisti de Smalville, mas fiquei curiosa com a manchete no início e acabei lendo sua review na íntegra. Foi escrita com a alma, né? Fez-me lembrar do Thiago que fazia as reviews d ER; na finale da série eu já havia chorado, e na review do Thiago, ai que ódio, chorei ainda mais, rsrs.
    Mas então é isso: por  causa da review da Maria Clara vou baixar e assistir a finale de Smallville.

  4. Marcus

    Desisti de assistir Smallville  la pela 3a. temporada mas vou pegar o ultimo episodio pra assistir devido, principalmente, a este review. Parabens.

  5. Maria Clara Lima

    Obrigada pessoas, pelas palavras tão gentis. =]

    E viva! Consegui convencer algumas pessoas em assistir Smallville. 

  6. Mônica Almeida

    Então, sobre a finale de Smallville. Ainda não sei direito como me sinto. Teve partes que amei, como a conversa do Clark e da Lois antes do casamento, as participações do Lex, do Jimmy e principalmente do papai Kent, que amo de paixão. E claro, adorei o final com o superman voando e a trilha do John Williams ao fundo.
    Mas…pois é, tem um mas. Ou mais de um. Eu não sabia que alguém iria morrer e odiei ter sido a Tess. Eu gostava dela. E como assim, o Lex a mata, tem a memória apagada e o que acontece com o corpo dela? Ninguém toca mais no assunto. Ou eu não prestei atenção. Eu prefereria que o casamento se realizasse realmente, mais pro final do episódio, mas não sete anos depois. Cara, sete anos é muito tempo! E apesar de achar a Chloe uma fofa, acho que o Oliver tinha muito mais química com a Tess.
    Eu gostei do episódio, mas achei que iria gostar mais, iria chorar e isso não aconteceu.
    Mas Clark e Lois são lindos juntos, fala sério!
    E já que a série acabou e não sei quendo verei o Tom Welling novamente…Tá, ele é um bom ator. Com potencial, mas um bom ator, não ótimo. Mas como é lindo! Benza Deus!
    Maria Clara, ótima review, como sempre.

  7. ale

    Qdo clark ficou relembrando o passado eu tambem pensei nestes 10 anos de aventura fez lembrar do primeiro episodio assistindo com minha irmã no sofa, confesso que algumas temporadas nao assisti por completa, por ter achado que a serie se perdeu mas um tempo depois torno a assisti-la e novamente nao parei mais, vou sentir saudades.

  8. Maiconpele

    FOI  É  E  SEMPRE SERA A MELHOR SERIA DO MUNDO. MARCOU A MINHA INFANCIA TODO O QUE É BOM ACABA UM DIA. SEMPRE VOU ESPERAR MAIS QUEM SABE NÉ

  9. Pingback: Nova temporada de ‘Smallville’ estreia em quadrinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account