Log In

Sintonia

Sintonia – Onde Nenhum Homem Jamais Esteve…

Pin it

Bom dia, queridos leitores do TS! Depois de um breve-não-tão-breve hiato, o Sintonia está de volta!

Há mais de um mês, venho pensando em como retomar a coluna. Tema vai, tema vem, e então temos a trágica notícia da partida do nosso querido Mr. Spock. Leonard Nimoy era um ídolo meu, um artista do mais alto escalão, que viveu longa e prosperamente, e que merece todas as reverências e homenagens possíveis e impossíveis. Então, Nimoy, o Sintonia desse mês é pra você.

Quis falar de Star Trek. Uma série com tantas marcas registradas, tem como uma das principais a música tema, “Where No Man Has Gone Before”. “Tu tu tuuuuuu tu tu tu tu tu tuuuuuuuu – Space, The Final Frontier! (…) – Tu duuuu dudududududu paraaaa para tu duuu tu du tu du du dúúúúú!”. Composto por Alexander Courage (cujos créditos incluem os filmes Funny Face, estrelado por Audrey Hepburn, Some Like It Hot, estrelado por Marilyn Monroe, e a série Lost in Space), o tema teve diversas versões gravadas, uma para cada série e cada filme da tão popular Jornada nas Estrelas. O primeiro deles, claro, foi o de Star Trek: The Original Series.

“Where No Man Has Gone Before” é, sem dúvidas, um tema de abertura bastante polêmico. Além de todos os testes feitos por Courage até a origem da versão da música de OS, houve tentativa de intervenção no trabalho do compositor e até mesmo um desentendimento sério, que fez com que o músico se afastasse da produção da série já na segunda temporada. O desentendimento deveu-se à tentativa de Gene Roddenberry de criar letra para o tema instrumental de Courage, com o intuito de ficar com 50% dos royalties sobre o tema, uma vez que seria co-autor. Contudo, isso não aconteceu (a letra consta somente nos livros The Making of Star Trek e Star Trek Comic Books), e a música se manteve como inicialmente planejado – ou quase.

Quase. Inicialmente, o instrumental icônico de Star Trek contava com a participação, sim, de uma voz humana. A primeira versão do tema a ser usada (no piloto não exibido The Cage) contava com um acompanhamento vocal de uma soprano na linha melódica. Para o piloto oficial, “Where No Man Has Gone Before” foi ajustada à sonoridade que se conhece hoje como a da abertura da Série Original. A versão com acompanhamento da soprano Loulie Jean Norman pode ser ouvida aqui.

Para a continuação de Star Trek em sua versão animada, o tema foi modificado. A linha melódica e a presença da fanfarra, porém, além do discurso narrado por William Shatner, foram mantidas fieis à original.

Com o fim das aventuras do Capitão Kirk e o início das do Capitão Picard, a abertura ficou bastante diferente. A fanfarra, que antes vinha de leve, tomou conta de toda a música, cuja linha melódica se desviou do original de Alexander Courage, mas não perdeu sua beleza. A música de abertura de Star Trek: The New Generation é uma combinação do tema original com o tema original de Jerry Goldsmith para o filme Star Trek: The Motion Picture.

Anos depois, com o lançamento de Star Trek: Deep Space Nine, o tema novamente mudou. A linha melódica crescente e com a intenção épica foi mantida, assim com as fanfarras clássicas. Outro diferencial sobre a música de Deep Space Nine é o fato de a série ter tido duas aberturas diferentes – apesar de muito parecidas, com algumas mudanças apenas na cadência dos temas e nos efeitos sonoros.


Em Star Trek: Voyager, estando no comando ainda Jerry Goldsmith, temos um tema de abertura completamente inédito. Claro que para não descaracterizar completamete o original, ele manteve os grandes símbolos de todos os temas da série: as fanfarras, cada vez mais dosadas com as cordas no fundo, e a melodia de estilo épico.

E então, em Star Trek: Entreprise, a última série da franquia (até agora), tivemos uma mudança bombástica na abertura! Uma música sem fanfarras! E com letra! “It’s been a long road… Getting from there to here.” Muito, muito bonita, pra falar a verdade. Derrubou a tradição, minou o clássico? Indubitavelmente. Mas até que eu gostei. Vozinha rouca gostosa do Russell Watson, que também é compositor da música, entitulada “Where My Heart Will Take Me”. Essa foi a primeira vez em que uma série da franquia apresentou em sua trilha uma canção que não tivesse sido composta exclusivamente para o show.

Tudo bem, a inovação em Enterprise, e todas ao longo do tempo, foram bacanas. Mas tirar o tema original da minha cabeça? Jamais. Então, pra terminarmos bem o mês, eis a abertura original com uma performance um tanto especial, direto do Emmy Awards de 2005. Até mês que vem õ/

Séries citadas:

Futura jornalista. Medrosa e sonhadora que só. Escritora de margem de caderno, adora os Beatles, filmes e livros em geral. Fácil de agradar. Sitcoms são o melhor acompanhamento para as refeições e o resto das séries, para qualquer horário livre. Doida de pedra e antissocial, nerd até à medula. Apaixonada pelas culturas britânica, hindu e hippie. Sintam-se à vontade pra me amar.

Website: http://tempoedimensoesrelativasempalavras.wordpress.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account