Log In

Ficção (séries virtuais)

Série Virtual – Destination Anywhere – Invisível

Pin it

Série: Destination Anywhere
Episódio:
Invisível (parte 1)
Temporada:

Número do Episódio:
1×07

CENA 1 – INT. COZINHA – DIA

A câmera mostra um relógio na parede de uma cozinha modesta. Ele marca 6:00 horas. MELISSA está vestindo um avental e com uma espátula na mão. A garota liga o rádio e sintoniza em uma estação.

[MÚSICA – WHAT I LIKE ABOUT YOU, LILLIX]

LOCUTOR: E para começar o dia com o pé direito, aumenta o som que elas estão chegando! What I like about you, das Lillix, esquenta essa manhã bonita! Lembrando a todos que estaremos sorteando dois ingressos para o show de amanhã em Oklahoma! Fiquem ligados!

A garota aumenta o som e dança ao mesmo tempo em que vira duas panquecas na frigideira.

MEL: [Canta] “Tell me I’m the only one wanna come over to night! Year!”

MEL despeja as panquecas em um prato na mesa. UM HOMEM [Noah Emmerich] aparece na cozinha e observa a garota que estava de costas, cantando, fazendo da espátula seu microfone.

HOMEM: Bom dia, filha.

MEL leva um susto e quase derruba a espátula. Ela sorrir com a mão no peito.

MEL: Oi, pai. [Baixa o som] Eu preparei o café hoje.

O homem senta-se à mesa e olha com orgulho a variedade de coisas. Há panquecas, torradas, ovos com bacon, leite, suco, geléia e uma pequena cesta de frutas.

HOMEM: Parece que alguém acordou de bom humor.

MEL: Você merece, afinal passa a semana inteira fora de casa. Precisa comer algo caseiro de vez enquanto, não acha?

HOMEM: Você esta dizendo que a comida da minha lanchonete não é saudável?

MEL: Isso mesmo. [Sorri] Você merece muito mais que isso, você merece… espera um pouco! Eu vou pegar o seu jornal lá fora!

HOMEM: [Sorrindo] Fala logo, Melissa. O que você quer?

MEL: [irônica] O quê? Eu não posso ser gentil com o meu pai?

MELISSA tira o avental.

HOMEM: Gentil você é sempre, meu anjo. Mas não às 6 da manhã.

MEL dá uma risada.

MEL: Eu pego o jornal e depois eu te falo.

HOMEM: E por que você não fala agora?

MEL: Por que você vai ficar feliz pelo jornal e as minhas chances podem aumentar.

MEL sai correndo.

HOMEM: Chances do que Melissa? Mel?

O homem balança a cabeça negativamente, mas mantém uma expressão cordial. Ele derrama cauda de açúcar em cima de algumas panquecas e se preparar para comer.

[Música fade out]

 

 CENA 2 – EXT. CASA DOS BAKER – DIA

MEL procura o jornal e não o encontra. Ela suspira desanimada e se vira para a porta quando sente algo bater em suas costas. MEL olha para baixo e vê o jornal.

MEL: Mas que…

MELISSA olha para trás e vê um garoto na bicicleta rindo.

MEL: Seu moleque!

Ela corre atrás do menino, mas ele se distancia rapidamente fazendo com que a garota desista. MELISSA nota que há algo em sua caixa de correio, ela pega a carta e olha com espanto. No envelope está escrito: “Para Melissa, com amor.”

O PAI da ruiva aparece na porta.

HOMEM: Mel! Encontrou o jornal?

A garota rapidamente esconde a carta dentro da blusa, e disfarça um sorriso, virando-se aponta par o jornal no jardim.

MEL: Ali, papai.

O homem pega o jornal, enquanto a garota permanece parada.

HOMEM: Então, vi me dizer por que tanto mistério?

MEL: Eu nem lembro mais o que era… eu, eu tenho que ir me arrumar.

MEL dá um beijo no pai, e entra. Ele a observa intrigado, com o jornal na mão.

 

CENA 3 – INT. CASA DOS BAKER – QUARTO DA MEL

MEL encosta-se na porta e olha novamente para carta.

[MÚSICA TEMA – PROMISES, LILLIX]

 

CENA 4 – EXT. ESCOLA – DIA

Um grande ônibus amarelo está estacionado em frente à escola. MEL está sentada em um dos batentes da entrada principal da escola. A garota segura a carta, parece nervosa e distraída. Ela não percebe quando Sam se senta ao seu lado.

SAM: Terra chamando Melissa.

MEL olha imediatamente para o lado, mas sua expressão não muda ao ver o amigo.

MEL: Oi, Sam.

SAM: Passei na sua casa, mas você já tinha vindo.

MEL: Desculpa, não deu pra avisar.

SAM: Ei, você não parece bem.

MEL: [Irônica] Obrigada, Sam.

SAM: Não, não foi isso que eu quis dizer.

MEL esboça um sorriso.

MEL: Eu sei.

SAM respira calmo e colo seu braço em volta da amiga, que volta a olhar para frente.

 

CENA 5 – EXT. MESMO LOCAL

[MÚSICA – IT´S ABOUT TIME, LILLIX]

REBECCA e ALEXIA estão paradas perto de uma árvore. ALEXIA procura alguma coisa na bolsa.

ALEXIA: [Sorrindo] Olha só o que eu peguei do gabinete do papai!

BECKY: Ingressos pro show?

ALEXIA: Eu disse que a surpresa era boa, não disse?

BECKY: Você roubou ingressos pro show das Lillix? Você enlouqueceu?

ALEXIA: Nossa, Becky, calma! Eu não roubei, estava lá na mesa do meu pai. Se é dele, é meu também certo?

BECKY: Não?

ALEXIA: Claro que é! Se eu pedisse, ele não me daria, então optei pelo jeito mais fácil.

BECKY: E como você pretende ir? O show é em Oklahoma!

ALEXIA: O meu pai não quis pagar para liberar o carro que o idiotinha do meu irmão fez favor de deixar aquele guarda levar. Estamos os dois sem carro até “aprendermos a ter mais responsabilidade”, pode? Meu pai disse isso na frente de toda a delegacia. Eu teria rido se o carro também não fosse meu. Então eu estava pensando se você…

BECKY: Não, não, não. Meus pais não me deixariam pegar a auto-estrada, ainda mais a noite.

ALEXIA: Então eu peço ao Matt.

BECKY: Ai meu Deus!

REBECCA se esconde atrás de ALEXIA ao ver SAM e MEL conversando.

ALEXIA: O que foi?

BECKY: Nada. Só foi reflexo.

ALEXIA olha desconfiada para a amiga e depois olha para SAM.

ALEXIA: Becky. Você por acaso estava se escondendo do nerd? Você está um pouco estranha tem umas duas semanas já, desde o dia que você e o…

BECKY: Eu já disse que não aconteceu nada.

ALEXIA: A Christy espalhou pra toda a escola que vocês pareciam bem íntimos lá no parque.

BECKY: [Revira os olhos] Quem acredita nela? [Nervosa] Né?

ALEXIA: Então por que você fica nervosa toda vez que ele está por perto?

BECKY: Não é nada disso que você está pensando. O problema não sou eu! É ele. Você lembra de como ele costumava olhar para mim?

ALEXIA: Lembro sim. Era assustador.

BECKY: Ele procurava as situações mais inusitadas para falar comigo, sempre estava por perto, gaguejava quando eu falava com ele.

ALEXIA: É, e continua assustador.

BECKY: Isso tudo acabou!

ALEXIA: E aonde você quer chegar? Isso não é ótimo?

ALEXIA olha para BECKY, que estava bem séria.

ALEXIA: Ai, Deus! Você está sentindo falta do cachorrinho?

REBECCA olha para SAM conversando com MEL, que encosta a cabeça no colo do amigo.

BECKY: Acho que ele está tento um caso com a Melissa.

ALEXIA: Antes ele do que o Matt! [Ri]

REBECCA continua olhando para SAM.

BECKY: Olha só os dois.

ALEXIA: Ela é uma vaca. Vive correndo atrás do Matt, agora está correndo atrás do seu homem! Vai lá e pega o cachorrinho só pra você, Becky Sawyer!

REBECCA olha espantada para ALEXIA.

BECKY: O quê? Você está dizendo para eu correr atrás do Samuel?

ALEXIA: Acorda! Claro que não! Ew! Eu estou dizendo para você tirar ele dela, depois joga ele fora. No canil… ou num parque, tanto faz! [Ri]

REBECCA esboça um sorriso.

ALEXIA: Quem essa garota pensa que é? Vamos Becky, eu ajudo você, e em dois tempos você só vai precisar assobiar que ele vai vim com o rabinho entre as pernas.

BECKY: Eu não sei por que sou sua amiga.

 

CENA 6 –  EXT. MESMO LOCAL

SAM passa a mão no cabelo da MELISSA. O garoto não nota que BECKY e ALEXIA estão olhando para ele. MEL levanta a cabeça e olha para SAM.

MEL: Eu acho melhor eu ir entrando. A gente se fala mais tarde.

MEL levanta-se e coloca sua mochila nas costas.

MEL: Caso você não tenha notado, a Rebecca tá olhando para cá, acho que ela vem falar com você.

SAM: [Nervoso] O quê?

MEL: Lembra dos 10 passos, não lembra? Seja sempre superior é o mais importante deles. E pare de gaguejar, é constrangedor.

SAM: Não vá! Mel.

SAM segura a mão da MELISSA, mas a garota se solta.

MEL: Sam, você não baixou a guarda para ela em duas semanas, não vai ser agora que você vai dá pra trás, não é?.

MELISSA entra correndo na escola. ALEXIA e REBECCA se aproximam de SAM. As duas começam subir a escada quando SAM se levanta. ALEXIA empurra REBECCA por cima do garoto e sai andando como se nada tivesse acontecido.

BECKY: Me desculpa!

SAM: [Preocupado] Você está bem? Quer dizer, [Sério] você está bem?

BECKY: Sim. Não foi nada.

SAM: Já que você está bem eu vou… entrar. É, entrar na escola.

REBECCA olha ao redor.

BECKY: Será que nós poderíamos conversar em um lugar mais privado?

SAM engole seco, mas se mantém firme.

SAM: Você está com vergonha de falar comigo aqui?

BECKY: Não é isso, Samuel. É só que… é que…

SAM encara BECKY esperando alguma resposta convincente.

SAM: Tchau, Rebecca.

REBECCA segura SAM pelo braço.

BECKY: Eu tenho tentado falar com você esses dias, mas você está sempre ocupado.

SAM: Pois é, pode parecer incrível para você, mas eu também tenho uma vida.

Ele vira o rosto e fecha os olhos, como se não acreditasse no que acabou de falar. REBECCA olha triste para SAM.

BECKY: Eu sei que você está com raiva de mim, mas do mesmo jeito que você achou que eu fosse diferente, eu também achei que você era diferente também. Diferente dos trogloditas que eu estou acostumada a sair, e pensei que talvez eu pudesse conhecer um lado dos homens que eu não conhecia. Agora eu sei que vocês são todos iguais.

SAM olha para BECKY com os olhos arregalados. Ele queria dizer algo, mas não conseguia.

SAM: [Pensando] Lembre dos passos! Lembre dos passos! Seja superior! Ah! Que se dane a superioridade!

SAM bloqueia a passagem da garota, que já se preparava para sair daquela situação.

SAM: Por quê que você está atrás de mim?

BECKY: Por que eu não quero que você tenha uma impressão errada sobre a minha pessoa…

SAM: Você se preocupa muito com o que os outros vão pensar de você.

BECKY: Não é verdade, eu me preocupo só com as pessoas que eu me importo.

SAM: Como a Christy?

REBECCA fica calada.

PHILL: Estou atrapalhando?

SAM fica atônito. Ele olha para o lado e vê SCOTT.

SCOTT: Tamo querendo falar com você irmãzinha.

[Música fade out]

PHILL: [Para Sam] Aê, mané. Dá pra você ir circulando?

BECKY: Deixa de ser grosso, Phillip. O Sam não vai à lugar nenhum.

PHILL olha pra BECKY como se tentasse entender a situação.

SCOTT: Deixa ele aí, Phill. É rápido.

BECKY: O que vocês querem?

SCOTT: Que você vá pra Oklahoma com a gente hoje.

PHILL: Eu não posso dirigir, nem o seu irmão.

BECKY: Vocês querem ir ao show das Lillix?

SCOTT: Isso!

BECKY: Por que vocês iriam ao show das Lillix?

SCOTT E PHILL: Garotas!

BECKY olha para os dois com cara de pena.

BECKY: O Scott sabe muito bem que os meus pais não me deixariam dirigir até lá.

SCOTT: É verdade, Phill.

PHILL: Cala a boca, Scott. [Para Becky] Inventa alguma coisa.

BECKY: Por vocês dois? Faça-me o favor.

PHILL: Eu sei que a Alexia quer ir também. Vamos nós quatro.

SAM parece impaciente.

SCOTT: Ele já fez todo o esquema.

PHILL: Isso, nós vamos até lá, eu alugo um quarto de hotel, nós dormimos em Oklahoma e voltamos de manhã cedo.

BECKY: Meu Deus! Nunca ouvi tanta besteira!

PHILL: Isso foi um não?

SCOTT: Eu falei que ela não ia topar.

PHILL: Obrigada por nada Rebecca.

BECKY: Disponha.

Os dois garotos entram na escola. SAM encara o chão.

BECKY: Você quer ir ao show?

O sinal da escola toca. O restante dos alunos corre para dentro da escola, atrapalhando a conversa dos dois.

SAM: Eu tenho que ir agora, falo com você depois.

BECKY: Okay.

 

CENA 7 – EXT. ESTRADA – DIA

[MÚSICA – ALWAYS LOVE, NADA SURF]

Um carro anda com certa dificuldade, ele salta algumas vezes antes de parar totalmente.

ANNA: [Grita] Eu não consigo!

MATT dá uma risada.

ANNA: Você quer parar de rir de mim? Eu disse pra você que eu não sabia dirigir.

MATT: A corajosa, a esperta, a astuciosa Anna não sabe dirigir? Eu não acreditei. Você era melhor do que a turma toda no auto pista!

ANNA: Verdade. Mas aqui não é um parque de diversões.

MATT: [Rindo] Lembra daquele dia que você saiu perseguindo os garotos de ré, foi hilário eu quase vomitei de tanto rir.

ANNA sorri ainda um pouco chateada.

ANNA: É melhor eu desistir, senão vamos chegar atrasados na escola.

Matt: Desistir? Chegar atrasada?

MATT dá outra risada. ANNA tira o cinto de segurança e abre a porta.

ANNA: Eu falo sério.

Ela desce do carro e abre a porta do lado do MATT. Ele tira o cinto e desce do carro. ANNA cruza os braços e ele para de rir.

MATT: Tá bom, tá bom. Eu não estou mais rindo.

ANNA sobe no carro. MATT solta um riso baixinho.

MATT: É só que você não parece com a Anna que eu conhecia.

Os dois ficam em silêncio por alguns instantes. MATT liga o carro.

ANNA: Vamos?

MATT: Vamos.

 

CENA 8 – EXT. FAZENDA – DIA

LOU olha para um carro que acabou de parar. Ela bota um chapéu de couro na cabeça e limpa as mãos na calça. A mulher franze os olhos para enxergar o motorista, mas não demora muito para que ele saia do carro.

[Música fade out]

LOU: Você aqui?

WILSON: Por que a surpresa? Vim pagar o que te devo.

LOU: Eu não quero nada de você. Faz favor? Pode ir dando o fora da minha propriedade.

WILSON: Calma, calma menina. Olha o jeito que você fala comigo.

LOU: É o melhor que eu posso fazer por você.

WILSON tira um envelope do seu terno.

WILSON: Isso aqui dá pra cobrir o valor da fiança do meu filho, e ainda sobra.

LOU encara o prefeito.

LOU: Eu não quero o seu dinheiro.

Ele insiste em dá o envelope.

LOU: Você pegue esse envelope e enfie no…

WILSON: Olha lá o que você vai dizer! Aceite logo, eu não quero que digam que eu não cumpro com as minhas obrigações.

LOU: Se eu aceitar esse envelope você vai embora, não vai?

WILSON: Só se você quiser que eu fique.

LOU pega o envelope.

LOU: Tchau, senhor prefeito.

WILSON ri.

WILSON: Tchau, Louise.

O prefeito entra em seu carro e vai embora. LOU espera o homem desaparecer de sua vista e abre o envelope. Ela vê um cheque e um bilhete com um número de telefone.

 

CENA 9 – EXT. ESCOLA – COMPLEXO ESPORTIVO – DIA

[MÚSICA – SAY IT ISN´T SO, BON JOVI]

Mostra a cidade, depois a escola. SCOTT está sentado no banco de reservas e olha para o campo desconsolado. Ele ajeita a sua tipóia e responde o gesto do treinador com a cabeça.

O treinador apita duas vezes e os alunos se sentam no meio do campo. Ele fala algumas palavras e os alunos se dispersam. MATT pega uma garrafa com água e vai até SCOTT. Ele pega uma toalha branca e observa o colega de time.

MATT: Ei, você está bem?

SCOTT balança a cabeça positivamente, mesmo assim seu rosto não esconde o quanto transtornado o garoto está. MELISSA espera o amigo sair do campo.

MEL: Matt! Aqui…

Ela está bem mais séria do que de costume.

MEL: Eu te procurei o dia todo.

MATT: O que foi que houve?

Os dois se sentam na arquibancada. MELISSA está com o rosto um pouco inchado e os olhos ligeiramente vermelhos.

MATT: O que houve? Você estava chorando?

MEL: [Negando] Uh, não! Claro que não…

MATT: Mel…

MEL: Ok. Eu estava sim. Posso te fazer uma pergunta?

MATT: Claro. Aconteceu alguma coisa?

MEL: O que você faria se seu pai te chamasse pra ir morar com ele em Nova York?

MATT: Eu mandaria ele ir…

MEL interrompe.

MEL: Está certo, eu já entendi. Mas você tem seus motivos, e se seu pai não fosse assim tão idiota quanto ele é? Se ele não tivesse abandonado você e sua mãe, quando ela mais precisou dele, mesmo sabendo que ela estava morrendo?

MATT: Mel, eu não estou entendendo.

MEL: Essa manhã eu fui até a caixa de correio e tinha uma carta da minha mãe. Eu pensei que era só mais um postal, mas quando eu abri era uma carta mesmo, com papel e várias linhas escritas.

MATT: O que tinha na carta?

MEL: Ela disse que estava em Oklahoma por uns dias e perguntou se eu não queria passar uns tempos com ela. Ela disse que estava trabalhando e…

MATT: Mel, e o seu pai?

MEL: Eu sei, Matt… Olha, eu sempre esperei que um dia a minha mãe viesse me buscar. Eu amo meu pai, mas ela é minha mãe…

MATT: O seu pai sabe disso?

MEL: Não. Eu não sei se vou contar à ele, mas de qualquer modo estou pensando em ir à Oklahoma e conversar com ela.

MATT: E como você vai para…

MATT é interrompido por uma voz estridente.

ALEXIA: [Grita] Matthew?

MATT: Oi, Alley.

ALEXIA se aproxima.

ALEXIA: Eu estava te procurando.

A garota curva-se e beijo o namorado na boca

Mel se levanta.

MEL: Eu vou pra casa.

ALEXIA: Ih, garota. Desculpa, não te vi aí.

MELISSA olha para ALEXIA e passa por ela quase a derrubando. ALEXIA se prepara para revidar, mas é segurada pelo MATT.

MATT: Qual é a tua? Você não se cansa de perseguir a Mel?

ALEXIA: Ela não presta e você não consegue ver. Além do mais, ela quem começou!

MATT: “Ela quem começou”? Não seja infantil, a Mel nem ao menos falou alguma coisa.

ALEXIA: Não é isso. Ela além de ficar dando em cima de você agora deu pra correr atrás do seu amigo Samuel. A Rebecca me contou que os dois se beijaram na frente dela.

MATT: A Mel e o Sam?

MATT dá uma gargalhada.

MATT: Não inventa coisas, Alley.

O garoto se prepara para sair. ALEXIA olha para ele com uma cara meiga, ela joga a cabeça um pouco para direita e sorrir.

MATT: Eu preciso ir.

ALEXIA: [Séria] Você tá muito estranho esses dias.

MATT: Eu sempre estou estanho pra você.

ALEXIA: Ei, calma. Não precisa me tratar assim.

MATT coloca a mochila nas costas. ALEXIA se põe na frente dele. Ele encara a garota. Ela sorri e o beija.

MATT: Alley, eu tenho que ir agora.

ALEXIA: Mas antes eu quero te pedir uma coisa.

MATT: Fala logo.

ALEXIA: Me leva pra Oklahoma amanhã? Eu consegui ingressos pro show das Lillix, ótimos lugares!

Ela tira os ingressos da bolsa e mostra para ele.

ALEXIA: Meu pai me deu. Mas o Phill não pode dirigir, e eu disse que você me levava. Você me leva, não?

MATT: Eu prometi à minha tia que ia ajudá-la na fazenda.

ALEXIA: A fazenda não vai sair do lugar dela, já o show das Lillix? Olha, quantas vezes nós temos algo de divertido para fazer aqui? Quase nunca! A sua tia vai entender, eu tenho certeza. Por favor, Matt. Por favor, por favor, por favor…

MATT: Eu vou falar com ela, se ela não se importar eu levo você…

ALEXIA pula em cima do MATT e quase o derruba.

ALEXIA: Valeu!

MATT: Eu ainda não disse que ia…

ALEXIA: Eu sei que você vai dá um jeito.

MATT: Agora eu tenho que ir.

ALEXIA: Tchau.

[Música fade out]

ALEXIA sorri e olha para o irmão, que a encara do campo. Ela mostra os ingressos ao irmão e articula “Eu vou” para PHILL.

 

CENA 10 – EXT. ESCOLA – COMPLEXO ESPORTIVO – DIA

CARTER joga sua toalha no banco, em que SCOTT está sentado. Ele pega uma garrafa de água e oferece ao garoto, que responde negativamente com a cabeça. O treinador senta-se ao lado do goleiro.

CARTER: Eu falei com o seu fisioterapeuta, ele disse que você tira a tipóia em mais duas semanas.

SCOTT: Eu sei. Quase não dói mais.

PHILL se aproxima dos dois. Ele finge está bebendo água, para escutar a conversa.

CARTER: Depois disso você ainda vai fazer algumas semanas de fisioterapia no ombro.

SCOTT olha para o treinador confuso.

CARTER: O que eu estou querendo dizer é que eu acho melhor você procurar outra atividade para você fazer, ou isso acabará prejudicando no seu boletim. Eu conversei com os seus pais e…

SCOTT: Eu não quero sair do time. Eu só sei fazer isso, treinador. Eu não tenho mais talento para nada. Que tipo de atividade eu vou fazer? Artes? Eu não sou veado pra ficar dançando, pintando flores, esses tipos de frescura.

CARTER: Eu não estou tirando você do time, Sawyer. Só estou aconselhando você à pensar em outro tipo de atividade.

SCOTT olha para baixo.

CARTER: Só quero que você saiba que tem outras opções.

JAMES CARTER passa a mão na cabeça do garoto e sai. PHILL se aproxima.

PHILL: Ei, irmão. Não fica assim.

SCOTT: Se eu sair do time, o que eu vou fazer?

PHILL: Você não vai sair do time. Eu disse pra você que vai ficar tudo bem, não disse? Você é meu camarada, se aquele treinador metido a besta pensa que pode tirar você assim ele está muito enganado. Não houve nada demais contigo, não é?

SCOTT: É…

PHILL: Você me ajudou dizendo aos meus pais que eu não tive nada com seu acidente e eu vou te ajudar com o Carter. Uma mão lava a outra.

SCOTT: O que você está pensando em fazer?

PHILL: Se ele te tirar do time, eu dou um jeito dele ser demitido ou algo assim.

SCOTT: E você pode fazer isso?

PHILL: Meu pai pode.

 

CENA 11 – INT. CASA DOS GRAHAM – TARDE

MATT entra em casa e estranha o silêncio.

MATT: [grita] Lou?

Ninguém responde. Ele entra em seu escritório e percebe que há alguns papeis em cima da mesa. MATT coloca a mochila no chão e senta-se na cadeira da tia. Ele examina cuidadosamente os papeis. O garoto franze a testa.

MATT: Isso é muito estranho.

Ele abre uma pasta azul ao lado do computador. Há mais papeis.

LOU: O que você está fazendo ai?

MATT: Tia? Eu…

LOU: Sai já daí.

MATT se levanta.

MATT: O que está havendo tia? O que são esses papeis?

LOU: Isso não é assunto para você, Matthew.

MATT: Como não tia? Segundos esses papeis… Nós estamos ferrados. E você não ia me contar?

LOU: Eu não quero que você se preocupe com essas coisas, Matt. O que você pode fazer? Você já me ajuda demais.

MATT: Não é esse o ponto tia. O que houve aqui? Eu pensei que estava tudo bem. Você comprou mais terra, estamos produzindo mais, não estamos?

LOU: Sim, estamos. Mas segundo o Will… quer dizer, segundo a prefeitura, as terras que eu comprei estão taxadas como terra… terra… terra petrolífera, algo assim. Ali não tem petróleo algum, senão eu não teria comprado pelo preço que eu comprei.

MATT: Você investiu alto naquelas terras.

LOU: E mesmo se eu as vender, eu vou ter um grande prejuízo. Eu já contratei uns advogados, eles vão resolver isso logo.

MATT: E enquanto isso você paga as taxas?

LOU: [Revoltada] É por isso que eu quero matar o Will.. o prefeito. Ele quer me ferrar, eu tenho certeza!

LOU olha para MATT, que parecia não entender o comentário da tia.

MATT: Por que ele iria querer uma coisa dessas?

LOU: O quê? [Disfarça] Ele não quer nada. Ah, eu quero saber se amanhã você pode me ajudar aqui? Eu vou passar o dia fora e preciso que você fique lá, brincando de caubói.

MATT ri.

MATT: Minha missão de vida. Está certo, eu dou uma olhada no pessoal, mas você promete não me deixar por fora desses assuntos?

LOU: Está certo, eu prometo.

 

CENA 12 – EXT. CASA DOS DANES – TARDE

ALEXIA e REBECCA olham para a moto estacionada na frente da casa do prefeito.

BECKY: Isso deve ser coisa do Phillip.

ALEXIA: Será que ele roubou uma moto?

As duas riem.

 

CENA 13  INT. MESMO LOCAL – SALA

ALEXIA: O Matt vai levar a gente, ele me prometeu.

BECKY: Bom, eu estou até gostando da idé…

REBECCA é interrompida por ALEXIA. A garota segura a amiga pela barriga a puxando para trás. As duas estão em frente ao sofá onde um rapaz, que tem o rosto coberto por um chapéu, está cochilando.

Alexia: [Sussurrando] Eu acho que achamos o dono da moto.

Becky: [Sussurrando] Aí, meu Deus! Você conhece ele?

Alexia: [Sussurrando] Não dá pra ver direito. Mas eu acho que não.

Becky: [Sussurrando] Ele pode ser um ladrão, ou um seqüestrador.

Alexia: E por que ele dormiria na cena do crime?

As duas se aproximam do rapaz. Ele se levanta, assustando as duas garotas. Alexia cobre os olhos com as mãos e começa a gritar. O Garoto [Travis Fimmel] agarra Alexia e tapa a boca dela, a garota começa a se debater. Rebecca tenta abrir sua bolsa, mas a garota está tremendo.

BECKY: Socorro!! Socorro!!

REBECCA corre pela sala.

RAPAZ: O que você esta fazendo?

BECKY: Eu vou chamar a policia! Ai, meu Deus, eu não devo satisfações a você!

RAPAZ: Não faça isso!

Ele anda em direção da REBECCA ainda segurando ALEXIA. REBECCA consegue pegar o celular. Ele solta ALEXIA que continua a gritar, e corre atrás da REBECCA. A garota, assustada, joga o celular no chão. ALEXIA pega algumas almofadas e começa a bater no loiro, REBECCA se junta À amiga e dá algumas investidas contra a cabeça do rapaz.

RAPAZ: [Indignado] Vocês estão malucas?

PHILLIP DESCE as escadas e olha para a cena com estranheza.

PHILL: Do que vocês estão brincando?

O garoto pega uma almofada;

PHILL: Meninos contra meninas?

PHILLIP joga a almofada em ALEXIA.

ALEXIA: Você enlouqueceu?

BECKY: Ele está tentando seqüestrar a Alexia!

PHILL cai na risada. O rapaz também sorrir. As duas garotas ficam sem entender. ALEXIA toma fôlego e ajeita o cabelo.

ALEXIA: Qual a graça?

PHILL: [Rindo] Ele é nosso primo.

RAPAZ: Jordan.

O rapaz estica a mão para ALEXIA, a garota aperta a mão dele com receio.

ALEXIA: Eu não sabia que você estava aqui.

JORDAN: Eu estou de passagem, não vou demorar muito.

Ele olha para ALEXIA, dos pés a cabeça.

JORDAN: Então você que é a Alexia? Ouvi falar muito de você.

ALEXIA: O quê, por exemplo?

JORDAN: Que você estudava em uma escola em Vermont.

ALEXIA: Ah. Certo. [Para Becky] Amiga, vamos?

REBECCA concorda e as duas saem da sala sem ao menos se despedir do recém chegado.

JORDAN: E ai, tampinha. Sua irmã tá uma gata, hein…

Ele pega o chapéu e coloca na cabeça.

PHILL: Ela é sua prima, seu punk.

JORDAN: De terceiro grau? Isso não é nem parente. [Ri] Gostou do meu “look” caipira? Tô igual a vocês, não estou?

PHILL fica calado.

JORDAN: [Grita] Não estou?

PHILL: Está. Está sim.

JORDAN sorri.

JORDAN: Soube que tu andou fazendo besteira esses dias… tua mãe mandou eu colar em você.

PHILL: Ótimo, agora essa… Quanto tempo você disse mesmo que ia ficar?

JORDAN sorri.

 

CENA 14 – INT. RED’S – NOITE

[MÚSICA – KISS ME, SIXPENCE NONE THE RICHER]

SAM e MATT estão sentados em uma mesa.

MATT: [Rindo] Você beijou a Melissa?

SAM: Shhhh… Quem falou isso pra você?

MATT: Então é verdade?

MATT dá uma gargalhada. SAM ri nervoso.

SAM: A Mel me disse que não era pra eu contar pra ninguém…

MATT continua rindo. MELISSA se aproxima dos dois com um copo de refrigerante. A garota se senta ao lado do MATT e começa a rir também.

MEL: [Sorrindo] O quê?

MATT: Você e o Sam se beijaram?

MEL faz uma cara de furiosa e bate em SAM, ele se esquiva.

SAM: Eu não contei!

MATT: Ele não contou, foi a Alexia quem me disse.

MATT olha para os dois. MELISSA está furiosa e SAM constrangido. MATT cai na risada novamente.

MEL: Eu fiz isso pelo Sam. A Rebecca foi lá encher a cabeça dele de coisas e se eu não tivesse me intrometido ele ia cair no conto da líder de torcida desprotegida. [Para Matt] Igual a você.

MATT: Ouch.

SAM: Eu nunca pensei que eu seria capaz de ignorar a Becky…

MATT: E por que você faria isso? Ela me disse que estava muito arrependida, me pediu teu endereço para ir se desculpar e tudo mais.

MEL: [Para Matt] Você não vai levar o Sam pro seu lado.

O celular de MATT toca.

MATT: É a Alley, volto já! Comportem-se vocês dois.

MEL: [Pra Sam] Viu só? Você quer ficar assim?

SAM sorri. MATT sai da mesa e vai atender ao telefone do lado de fora.

SAM: A Becky quase me convidou para ir ao show das Lillix hoje.

MEL: Em Oklahoma? Você vai?

SAM: Eu não sei. Eu não tenho certeza se ela quer que eu vá.

MEL: Por que você não vai e descobre?

SAM olha para MELISSA.

MEL: O quê?

SAM: Por que você quer que eu vá atrás dela? Mudou de idéia em um segundo?

MEL: [Suspira] Eu preciso de uma carona até Oklahoma.

SAM: Pra quê?

MEL: Eu preciso falar com a minha mãe.

SAM: [Grita] Sua mãe?

Algumas pessoas olham para mesa deles.

MEL: Shhh… Fala baixo. Eu recebi uma carta dela hoje. Ela está na capital. Eu preciso falar com ela.

SAM: Mas Mel…

[Música fade out]

MEL: Mas se você não quiser ir eu posso pegar um ônibus.

Sam fica pensativo.

MEL: [Sorri] Se você me levar lá eu deixo você se humilhar pra “Becky”.

 

CENA 15 – EXT. MESMO LOCAL

[MÚSICA – INVISIBLE, LILLIX]

MATT: Eu não posso Alexia! Eu não dei certeza. Quer parar de gritar?

ANNA se aproxima do MATT. Ela para na frente dele e sorri. Ele aponta para o telefone e fala “Alexia”, a garota faz cara de nojo. MATT a reprova com um olhar.

MATT: Claro que eu gosto de você! Tá bom, “eu amo”. Isso não vai resolver nada. Certo, se você quer ir vá.

MATT olha para o telefone.

MATT: Desligou na minha cara.

ANNA abraça MATT.

ANNA: Está tudo bem?

MATT: É, mais ou menos. Eu preciso ajudar a minha tia amanhã e a Alley quer ir pra Oklahoma vê o show das Lillix.

ANNA: E ela não entende que você tem que ficar? Que egoísta.

MATT: [Triste] Ela não é sempre assim.

ANNA: Eu entendo, Matt. [Fala baixo] O amor é cego.

MATT: O quê?

ANNA: Nada. Eu falei que você está certo.

MATT sorri.

MATT: Pronta pra outra aula de direção?

ANNA: [Irônica] Se eu encontrar um bom professor, que não fique rindo de mim, talvez.

MATT ri.

MATT: Quer ir à fazenda amanhã comigo?

ANNA: Matt Graham virou caubói?

MATT ri.

ANNA: Você usa espora e chapéu de couro, não usa?

MATT: Você só vai descobrir se você for lá.

ANNA: O que houve com o seu ódio por Tulsa e tudo o que envolve essa pacata vida provinciana?

MATT: Acho bom a gente não fica falando muito do passado. Eu acho legal isso daqui, você e eu juntos de novo, mas…

ANNA: Eu entendo.

Matt parece triste.

ANNA: Então caubói, eu preciso levar meu próprio chapéu?

Os dois riem. MATT coloca seu braço por cima do ombro da amiga.

 

CENA 16 – INT. QUARTO DA ALEXIA – NOITE

[Música fade out]

ALEXIA: [Grita] Eu não acredito nisso!

A garota puxa um ursinho de pelúcia da estante e joga em direção à porta e JORDAN pega.

JORDAN: Virou moda atirar coisas em mim?

ALEXIA: O que você está fazendo aqui?

JORDAN: Eu estava descendo, mas ouvi uns gritos, resolvi checar se a mocinha estava bem.

ALEXIA: Muito nobre da sua parte, seu intrometido.

JORDAN: Ih, não vem descontar seu mal-humor em cima de mim só por que brigou com o namoradinho.

ALEXIA joga outro bichinho em cima do primo.

JORDAN: Se você fosse mais educada, eu te levava na capital.

ALEXIA: Você faria isso?

JORDAN: Não me custa nada um pouco de diversão… e sua amiga vai também, não vai?

ALEXIA: A Becky? Vai. Por quê?

JORDAN: Só quero me certificar que a viagem vai valer à pena mesmo.

ALEXIA: Você é um nojento.

JORDAN: E pelo visto sua ultima opção.

ALEXIA fica calada por um tempo..

ALEXIA: [Pensativa] Se fossemos de ônibus demoraria muito. [Pra Jordan] Nós vamos depois da escola amanhã, ok?

JORDAN: Combinado.

ALEXIA: Agora você pode sair daqui.

JORDAN concorda, sorrindo ele sai do quarto e dá de cara com o PHILLIP.

PHILL: Eu também quero ir.

JORDAN: Ops… acho que não tem vaga.

PHILL: Qual é cara? Só vai você e as meninas.

JORDAN: Eu vou pensar no seu caso. Agora sai da minha frente.

 

CENA 17 – INT. CASA DOS BAKER – SALA – NOITE

DAVID SAWYER e JAMES CARTER conversam na sala, SCOTT observa tudo da escada.

CARTER: Eu não posso mantê-lo no time. Eu sinto muito.

DAVID: Droga. Você tem certeza?

CARTER: Eu não sei quando ele vai poder jogar. Pode levar semanas, pode levar meses.

DAVID: É uma pena, o garoto só sabe fazer isso.

CARTER levanta-se.

CARTER: Eu acho que ele pode descobrir algo mais. Eu sinto muito.

DAVID: Muito obrigado pela visita.

SCOTT observa os dois homens se despedirem. REBECCA senta ao lado do irmão.

BECKY: O que houve?

SCOTT: Me tiraram do time.

SCOTT sobe as escadas correndo.

SCOTT: Ele vai se arrepender.

REBECCA olha para o irmão, mas ele fecha a porta do quarto com força. A garota desce até a sala e liga a TV.

REPÓRTER: [TV] É a primeira vez de vocês aqui em Oklahoma?

TASHA: [TV] Sim, e estamos muito ansiosas por estar aqui.

DAVID: Quem são essas?

BECKY: Lillix.

REPÓRTER: [TV] E qual é a expectativa de vocês para o show de amanhã?

LACEY: [TV] As melhores possíveis.

KIM: [TV] Vamos detonar Oklahoma!

O telefone toca. REBECCA vai atender.

 

CENA 18 – INT. QUARTO DA ALEXIA

Alexia: Prepara as suas coisas, amiga. Vamos para Oklahoma amanhã depois da aula.

 

CONTINUA

ELENCO
Jonathan Bennett como Matthew Graham
Natalie Portman como Anna Mackenzie
Mena Suvari como Rebecca Sawyer
Lindsay Lohan como Melissa Baker
Austin O´Brian como Scott Sawyer
Joseph Gordon-Levitt como Samuel Wood
Kate Bosworth como Alexia Danes
Brad Renfro como Phillip Danes
Marisa Tomei como Lou Graham

ATORES CONVIDADOS
Noah Emmerich como Karl Baker
Greg Kean como David Sawyer
John Wesley Shipp como James Carter
Todd Field como Wilson Danes
Travis Fimmel como Jordan

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL
Heather Locklear como Carol Sawyer
Spencer Breslin como jovem Matthew Graham
Keaton Tyndall como jovem Anna Mackenzie

MÚSICA TEMA
Promises por Lillix

TRILHA SONORA

What I Like About You por Lillix
It’s About Time por Lillix
Always Love por Nada Surf
Say It Isn’t So por Bon Jovi
Kiss Me por Sixpence None The Richer
Invisible por Lillix

ESCRITO POR
Clara Lima
Sarah Lima

DIRIGIDO POR
Clara Lima

GRÁFICOS POR
Clara Lima

CRIADO POR
Clara Lima
Sarah Lima

DISTRIBUIDO POR
TVSN

® 2004-2006

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account