Log In

Ficção (séries virtuais)

Série Virtual – Destination Anywhere – Final Feliz?

Pin it

Série: Destination Anywhere
Episódio:
Final Feliz?
Temporada:

Número do Episódio:
1×10

CENA 1 – INT. QUARTO DE ALEXIA – ANOITECENDO

[MÚSICA – TROUBLE, COLDPLAY]

REBECCA abre a janela do quarto da amiga. Um sol quase se pondo ilumina deficientemente o quarto já escuro. ALEXIA, que está deitada na cama, reage à ação da amiga cobrindo os olhos vermelhos e inchados, denunciando que ela esteve chorando. BECKY senta-se na cama e coloca a cabeça da amiga em seu colo.

BECKY: Você precisa sair desse quarto, Alley. Hoje você nem ao menos foi à escola.

REBECCA acende um pequeno abajur que está em cima do criado-mudo ao lado da cama.

BECKY: Hoje no treino a Christy já queria te tirar do time. Acredita?

ALEXIA: No momento, pular em cima dos ombros das minhas amigas não é a prioridade.

BECKY passa a mão no cabelo da amiga.

BECKY: Alley, está todo mundo está preocupado com você.

ALEXIA: Todo mundo? Eu não ligo pro que o mundo pensa. Quem eu quero que se preocupe comigo não está nem ai pro que eu sinto. Você sabe quantas vezes o Matt me ligou nas últimas duas semanas? Nenhuma uma vez! Ele nem ao menos fala comigo na escola.

ALEXIA começa a chorar.

BECKY: Claro que o Matt se preocupa com você. Mas você passou dos limites naquele dia. Ele tem toda razão de ter ficado chateado.

ALEXIA: Ah! Não! [Soluçando] Você é a minha única amiga. [Soluça] Você não pode tomar partido dele. Eu proíbo você disso.

Um som de bip interrompe a conversa das duas. REBECCA olha para o celular. ALEXIA abraça um travesseiro.

ALEXIA: [Chorando] Acabou. A minha vida acabou.

BECKY: Alley. O Matt disse que precisava de um tempo. Isso não significa nada.

ALEXIA: [Chorando mais] Tempo? Isso é apenas um código para dizer “Eu estou passando chifre em você com a minha melhor amiga”. Ele não me ama mais. Semana que vem já é Natal, e nós íamos esquiar no Colorado. [Tom agudo] Agora eu nem tenho mais pra onde ir.

BECKY: Alley…

ALEXIA respira e enxuga as lágrimas.  REBECCA olha para o relógio. Alexia olha para a amiga desconfiada.

ALEXIA: A minha depressão está atrapalhando você?

BECKY: Como assim?

ALEXIA: Você não para de olhar pro relógio. Você vai sair com alguém hoje?

BECKY: Sim, mas eu posso esperar.

ALEXIA: [Enfia a cabeça no travesseiro] Pode ir, Becky. Eu não preciso de bábá. Eu vou sobreviver.

BECKY: E deixar você aqui desse jeito? Ainda mais ouvindo Coldplay? Nem pensar.

ALEXIA suspira.

ALEXIA: Pode ir! Eu não vou tentar me matar, ok?

REBECCA fica séria.

BECKY: Não fala isso nem brincando.

ALEXIA: Eu só quero ficar sozinha.

BECKY olha pra ALEXIA, analisando o estado da amiga.

BECKY: Alley, se você precisar de qualquer coisa, mas qualquer coisa mesmo, me liga, ok? Eu venho aqui correndo.

ALEXIA: Eu sei. Agora vá! Essa sua cara de felicidade está me incomodando.

BECKY: Sua boba. [manda um beijo pra amiga] Vai ficar tudo bem.

ALEXIA cobre o rosto com o cobertor ao ver a amiga deixar o local.

[Música fade out]

 [MÚSICA TEMA: PROMISES – LILLIX]

 

CENA 2 – INT. QUARTO DO SAM – NOITE

SAM ajeita a gola da camiseta em frente ao espelho em seu quarto. Ele sorri e passa a mão no cabelo com gel no cabelo.

SAM: Isso aí! Garotão! [Sorri]

O garoto vai até a sua cama e pega o telefone novamente. SAM anda de um lado para o outro do quarto com o telefone na mão. Antes que o garoto desligasse o aparelho alguém bate na porta entra.

MATT: Posso entrar?

SAM: [Franze a testa] Você já entrou.

MATT senta na cama do amigo, sem rodeios. Ele olha para SAM, que parece surpreso.

MATT: Vai sair?

SAM: Eu? Não.

MATT: E por que você está todo arrumado? [Cheira o ar] Passou perfume também?

SAM: [Nervoso] Quantas perguntas. O que você veio fazer aqui?

MATT: Não posso visitar um amigo? [Vai ficando triste] Eu não consigo ficar em casa.

SAM: O que foi?

MATT: [Suspira] Eu tentei me explicar com a Anna, mas ela tem me evitado nessas últimas semanas. E eu não sei se consigo aguentar tanto drama da Alley.

SAM: [Olhando no espelho] Você vai acabar com ela? Digo, com a Alexia?

MATT: [Arregala os olhos] Não! [Triste] Mas eu não quero prejudicar meu lance com a Anna por causa dela.

SAM: [Irônico] “Lance com a Anna”.

MATT: A minha amizade com a Anna. [Suspira] Dilema típico de todos os homens. De um lado a amiga, do outro a namorada. Será que existe alguma lei que proíba a interação das duas partes? [Olha para Sam] Sam? Você está me ouvindo?

SAM parece em transe, olhando para o relógio.

SAM: O quê?

MATT: [Irritado] Você ouviu o que eu disse?

SAM: Claro que sim. Eu acho que você tem que fazer o seguinte.

MATT: Manda!

SAM: Divida-se em dois e peça para elas escolherem com qual parte elas preferem ficar. É um clássico.

MATT: [Irritado] Eu não estou brincando, Sam.

SAM: Ok, Frodo. É o seguinte. Liga pra Alexia! Conversa sério com ela, cara. Acho que só assim você vai conseguir ter um “lance com a Anna”.

MATT: Desde aquele dia que eu não falo com ela.

SAM: Então liga pra ela. Está esperando o quê?

MATT levanta-se.

MATT: Eu vou pra casa, e vou ligar pra Alley.

SAM: Beleza.

MATT: E você pode ir lá correndo pra Rebecca!

MATT dá umas tapinhas amigáveis nas costa de SAM, que olha desconfiado para o amigo.

SAM: Que Rebecca?

MATT ri, e sai do local.

 

CENA 3 – INT. QUARTO DA ALEXIA – NOITE

ALEXIA está imóvel, olhando para o teto do seu quarto. A garota suspira com dificuldade e limpa uma lágrima que está rolando lentamente pelo seu rosto. Ela tira uma foto debaixo do travesseiro e suspira mais uma vez. Na foto aparecem ela e MATT abraçados, em uma festa. ALEXIA fecha os olhos com força segurando o choro.

 

CENA 4 – INT. CASA DOS DANES – CORREDOR

PHILL está em frente ao quarto da ALEXIA. O garoto se encosta-se à porta buscando ouvir algum som vindo de dentro dos aposentos da irmã. JORDAN vem sorrateiramente na direção do primo. Ele se põe ao lado de PHILL, sem que este perceba.

JORDAN: [Sussurrando] O que aconteceu?

PHILLIP toma um susto e põe a mão no peito.

PHILL: Está tentando me matar?

Ele puxa JORDAN para longe do quarto da irmã.

PHILL: O que você está fazendo aqui? Não tinha saído com o meu pai.

JORDAN: Acabamos de chegar. [Pausa] E como ela está?

PHILL: Não sei. Você chegou antes que eu pudesse descobrir. Mas acho que está ficando melhor. Pelo menos não estava mais chorando.

JORDAN: Então acho que devo me apressar. É mais fácil atacar quando a mocinha está fraca e vulnerável.

PHILL: “Atacar”. Você só tem pose. Eu separei os dois, não separei?

JORDAN: E eu vou fazer com que isso seja pra valer.

WILSON: Olá, rapazes.

Os dois se assustam, mas logo disfarçam.

WILSON: E a Alexia: Está melhor?

PHILL e JORDAN respondem positivamente com a cabeça.

PHILL: Ela parou de chorar pelo menos.

WILSON passa a mão no bigode com um ar pensativo.

WILSON: Maldita hora que a sua mãe viajou. A Alexia está dando mais trabalho que eu pensei.

PHILL: Manda ela pra Vermont, papai!

WILSON: Isso não seria bom para a campanha, à eleição está perto.

PHILLIP ri com a de deboche. JORDAN dá um empurrão de leve para que o primo pare.  PHILL e WILSON se viram em direção do quarto de ALEXIA e a garota está parada na porta olhando para os três. Antes que alguém pudesse falar algo, ALEXIA fecha a porta com força e tranca na chave. WILSON bate na porta.

WILSON: Minha filha! Abra essa porta.

Um silêncio toma conta do local.

WILSON: Alexia, abra essa porta. Eu estou mandando.

PHILL: É só drama, pai.

WILSON: [Para Phill] Fica quieto, Phillip.

ALEXIA: [Voice over] Vão embora! Eu não quero falar com vocês!

JORDAN se aproxima dos Danes.

JORDAN: Tio, eu falo com ela. [Olha para Phill]

WILSON hesita por alguns instantes.

WILSON: Está certo. Use seu dom diplomático, Jordan, e amanse a fera.

JORDAN: Pode deixar.

WILSON puxa PHILLIP pelo braço. JORDAN dá três batidas na porta.

 

CENA 5 – EXT. RUA – NOITE

BECKY e SAM andam juntos pela rua iluminada com temas natalinos. O garoto ajeita seu gorro preto na cabeça, e BECKY fecha o seu casaco por causa do frio.

SAM: O Matt sabe.

BECKY: [Sorrindo] Você contou?

SAM: Não! Mas ele deu a entender que sabia.

REBECCA desfaz o sorriso.

BECKY: Se ele sabe, a Alley também deve saber. Mas por que será que ela não me disse nada?

SAM: Eles devem estar fingindo que não sabem para nos fazer de bobos.

BECKY: Hum… Agora que eles sabem, nós poderíamos abrir logo o jogo, não acha?

SAM: É, isso seria uma possibilidade. [Pausa] Ou nós poderíamos fingir que nós não sabemos que eles sabem.

BECKY: O Matt sabe que você sabe.

SAM: Ah é. Bom deixa eu pensar.

REBECCA para na frente do garoto.

SAM: Para onde você está me levando?

BECKY: Eu disse que era surpresa, não disse?

SAM: Eu não gosto de surpresas. Surpresas lidam a coisas inesperadas, e coisas inesperadas nunca são boas.

BECKY: Sam…

SAM: O quê?

BECKY: O que eu faria de ruim pra você?

SAM: Não sei. Posso pensar em umas 100 coisas terríveis que podem acontecer comigo.

BECKY olha para SAM com uma cara de deboche.

BECKY: Confia em mim, ok?

A garota segura na mão de SAM, que a segue sem relutar.

 

CENA 6 – INT. CASA DOS MACKENZIE – SALA – NOITE

KATHERINE coloca duas malas pequenas na frente da porta da saída. ANNA acompanha tudo de perto. A garota tenta esconder sua ansiedade olhando para os lados. Um som de carro do lado de fora faz com que a garota abra a porta imediatamente.

ANNA: O táxi chegou!

KATHERINE: Tudo bem, agora preste atenção Mary Anna. Nada de gracinhas enquanto eu estiver fora.

ANNA: Hum. Vou ter que cancelar a festa de hoje à noite.

KATHERINE arregala os olhos.

ANNA: Estou brincando! Nada de festas, nada de trazer garotos para casa, nada de drogas, e nada de doces em excesso.

KATHERINE: Isso mesmo. Principalmente os doces. Eles passam pela sua garganta e caem direto no seu quadril.

ANNA vira os olhos.

ANNA: É só uma semana, mãe. Nada vai acontecer.

KATHERINE: Você já é adulta, eu confio em você. De qualquer modo, eu avisei a Myrtes, a vizinha do lado.

ANNA: Qual lado?

KATHERINE: Do lado… O que interessa o lado?

ANNA ri. O táxi buzina do lado de fora.

KATHERINE: Sua passagem está na gaveta do meio, no meu armário. Eu vou ligar todos os dias.

ANNA: Tchau, mamãe.

A mulher coloca as malas no chão e dá um abraço apertado na filha.

KATHERINE: Até o dia 24.

KATHERINE sai com as malas e ANNA dá tchau para a mãe depois fecha a porta. A garota suspira e olha ao redor. Ela sorri. ANNA caminha até a escada, mas antes de subi-la o telefone começa a tocar. A garota olha para o identificador e não atende o telefonema. Ela faz menção de pegar o aparelho, mas desiste. O telefone para de tocar e um bip alto soa pela sala.

MATT: [Voice over] Anna? Você está ai?

CENA 7 – INT. CASA DOS MACKENZIE – SALA – NOITE]

ANNA olha para baixo.

MATT: [Voice over] Se tiver, por favor, atende ao telefone. Eu liguei pra você esses dias, você nunca atende. O que está havendo? Desculpa eu não falar com você direito na escola, mas eu não quero que as pessoas alimentem a fantasia da Alley e fiquem falando besteira.

ANNA encara o telefone. A garota suspira.

MATT: [Voice over] Nós precisamos conversar. Por favor, me liga.

Outro bip e o silêncio volta ao local. ANNA pega o aparelho, mas desiste de ligar e corre para seu quarto.

 

CENA 8 – INT. CASA DOS GRAHAM – QUARTO DO MATT – NOITE]

MATT desliga o telefone. O garoto parece chateado. A porta se abre e LOU aparece.

LOU: Vim avisar que vou dar um volta. Você quer alguma coisa da rua?

MATT: Não, tia. Obrigado.

LOU sorri.

MATT: Divirta-se.

MATT olha para o lado e ver uma foto da ALEXIA, em um porta-retrato em cima do seu criado-mudo.

 

CENA 9 – EXT. ARAS – NOITE

[MÚSICA – ETERNAL FLAME, ATTOMIC KITTEN]

REBECCA e SAM estão parados olhando pra a entrada do haras dos Sawyer.

SAM: O haras dos seus pais? [Nervoso]

BECKY: Tenha calma.

SAM parece confuso.

BECKY: Sam, antes de entrarmos, eu queria te perguntar uma coisa.

SAM: Ok.

BECKY: Você acha que o Matt gosta da Anna?

SAM: Do que você está falando? O Matt é louco pela Alexia, apesar de tudo.

BECKY: Mas a Anna foi a melhor amiga dele.

SAM: Quando eles eram crianças.

BECKY: Quer coisa mais romântica que isso? Eu já vi esse filme antes, e os amigos sempre acabam juntos no final. [Encara Sam] A Alley está muito mal. Hoje ela estava em casa, com o cabelo embaraçado e olheiras enormes.

SAM: [Irônico] Que tragédia.

BECKY: E ouvindo Coldplay a tarde toda.

SAM: Becky, todo mundo sabe que a Alexia é a rainha do drama. E pelo menos ela não estava ouvindo Radiohead.

BECKY: Eu só acho que o Matt não devia ter falado aquelas coisas na frente de todo mundo. E dessa vez, pelo menos a Alexia tinha um ponto a seu favor; a Anna e o Matt em um drive-in? Relembrando os tempos agradáveis da infância? Por favor!

SAM dá uma risadinha. Becky olha para ele séria.

SAM: Você está falando sério? Eles são apenas amigos, Becky! Hoje mesmo o Matt me disse que ia ligar para a Alexia.

BECKY: “Só amigos”. Do mesmo jeito que você é “só amigo” da Melissa?

SAM arregala os olhos e depois franze a testa.

SAM: Aquele beijo não foi de verdade!

BECKY: Pareceu bem real para mim.

REBECCA cruza os braços.

SAM: Becky! Você está com ciúmes da Mel? [Ri] Eu não acredito que você está com ciúmes de mim.

BECKY: Amigo que é amigo não fica dando beijo na boca da amiga. Você e o Matt são iguais.

SAM segura na mão da REBECCA.

SAM: Becky… não vamos estragar essa noite [ Olha para cima por alguns segundos] sem lua. Olha pra mim. A Melissa é só uma amiga … Então? E a minha surpresa?

BECKY permanece calada.

SAM: Sem surpresas?

BECKY: Fecha os olhos.

O garoto obedece. REBECCA sai puxando SAM até um galpão.

SAM: Você prometeu que não…

BECKY: Pode abrir.

SAM: … era sacanagem.

O local é iluminado por lanternas e decorado por pequenos vasos de flores. Há uma mesinha baixa e algumas almofadas ao redor.

SAM: Você me trouxe em um celeiro?

BECKY: Ah! Falando assim parece algo ruim. Mas olha! Eu decorei com flores e essências. Eu teria espalhado velas, mas seria muito perigoso, por isso as lanternas.

A garota mostra duas caixas de isopor perto de um aparelho de som.

BECKY: Temos música e comida.

SAM fica em silêncio.

BECKY: O que foi? Não gostou?

SAM: Você tá brincando? Ninguém jamais fez algo assim por mim.

SAM corre até REBECCA e a beija demoradamente. Ele a suspende um pouco no ar, fazendo com que a garota sorrisse.

SAM: Eu… você… eu…

BECKY: Não precisa dizer nada.

[Música fade out]

 

CENA 10 – INT. QUARTO DE ALEXIA

[MÚSICA – HERE’S TO THE NIGHT, EVE 6]

JORDAN olha ALEXIA chorar. Ele passa a mão no rosto da prima e enxuga algumas lágrimas.

JORDAN: Obrigado por me deixar entrar.

ALEXIA: [Chorando] Você ficou chamando meu nome por mais de 10 minutos. Você não me deu opção. [Encara Jordan] Fala logo, o que você veio fazer aqui. Rir da minha desgraça?

JORDAN: Não. Eu vim trazer isso aqui pra você.

O garoto tira uma caixa da sua jaqueta.

ALEXIA: O que é isso?

JORDAN: É pra você se sentir melhor.

O rapaz tira um comprimido azul da caixa e dá para a prima.

ALEXIA: Arsênico?

JORDAN: Valium.

ALEXIA aceita o comprimido.

ALEXIA: Onde você arranjou isso?

JORDAN: No quarto da sua mãe.

ALEXIA: Cientista político e ladrão? Quanta conveniência.

JORDAN: Vai querer ou não?

Alexia olha para o comprimido e o toma. JORDAN guarda a caixa na jaqueta.

ALEXIA: Agora me deixa sozinha. Eu preciso pensar sobre algumas coisas importantes.

JORDAN: Eu poso ficar aqui ao seu lado, caladinho. Você nem vai notar que eu estou aqui. A não ser que você queira…

ALEXIA: Queira o quê?

JORDAN: [Sorri] Que eu seja notado.

ALEXIA: [Com raiva] Sai daqui agora!

JORDAN se aproxima da prima.

JORDAN: Calma, eu não faria nada que você não quisesse.

ALEXIA: Ótimo, então tchau.

JORDAN: Você nunca ouviu dizer que para esquecer alguém basta ter outra pessoa?

ALEXIA baixa a cabeça.

JORDAN: Eu só quero te ver feliz.

ALEXIA começa a chorar, copiosamente. JORDAN abraça a garota.

 

CENA 11 – INT. CASA DOS MACKENZIE – QUARTO DE ANNA – NOITE

[MÚSICA CONTINUA]

Um vento forte balança o móbile pendurado na janela. ANNA olha ao redor, o quarto está escuro. A garota treme com o vento e abotoa o casaco. Ela desliga o som [Música fade out] e pega uma agenda em cima da estante. Ela observa uma foto antiga em um porta-retrato, na qual aparecem duas crianças fantasiadas.

CENA 12 – INT. CASA DOS DANES – COZINHA – MANHÃ

JORDAN leva uma xícara branca à sua boca, ele dá alguns goles e devolve a xícara à mesa.  ALEXIA aparece na cozinha, para a surpresa do seu primo. A garota ainda de camisola, não é nem a sombra da ALEXIA costumeira. O rosto pálido, olheiras, e o cabelo desarrumado dão uma aparência assustada à líder de torcida.

ALEXIA: Todos já saíram?

JORDAN: Sim. Você quer carona para ir à escola?

ALEXIA aponta para ela mesma.

ALEXIA: Eu estou com cara de que vou pra escola?

A garota suspira e senta-se em um das cadeiras da mesa. Ela apóia a cabeça nas mãos e solta um pequeno resmungo. JORDAN olha para a garota com a ponta do olho.

JORDAN: Dormiu bem, pelo menos?

ALEXIA: Sim. [Olha para Jordan] Você vai sair?

JORDAN: Han-han. [Dá outro gole] Agora mesmo. [Levanta-se] A não ser que você queira que eu fique, assim, por segurança.

ALEXIA: Obrigada, Jordan. Mas eu já estou bem. Acho até que vou comer algo agora. [Dá uma mordida em um pão e sorri] Valeu por ficar comigo até eu dormir. Eu estava tão agitada ontem à noite, mas hoje é um dia crucial na minha vida. Um divisor de águas, não é assim que sim diz?

JORDAN: Isso! Então já que é assim, nós temos que sair hoje para comemorar!

ALEXIA: Assim que você chegar. Combinado?

JORDAN pisca o olho pra Alexia e pega o capacete da sua moto. Ao ver o primo ir embora a expressão sorridente da garota muda completamente.

 

CENA 13 – EXT. ESCOLA WILL ROGERS – MANHÃ

[MÚSICA – CREEP, DAMIEN RICE]

A imagem de longe mostra a paisagem envolta de uma fina névoa cinzenta. Os alunos devidamente agasalhados entram na escola rapidamente.  MATT e MELISSA descem do carro estacionado a poucos metros do pátio.

MEL: E ela não te ligou de volta?

MATT: Não. Tem sido assim desde…

MEL: … que a Alexia tentou afogá-la com um copo de água? [Ri]

MATT: Não tem graça. A situação não está boa para nenhum dos lados.

MEL: Eu não quis debochar. Eu só acho que é drama demais pra uma pessoa só.

Os dois caminham em direção à escola. MATT coloca um gorro preto na cabeça.

MEL: Deixa que a Anna venha falar com você. Até parece que você tem culpa da Alexia ser…

MATT olha para Melissa com ar de reprovação.

MEL: Um pouco desestabilizada. [Para si mesma] Ou maluca.

MATT: Mas a Anna não me deixa ao menos explicar.

Mel segura Matt pelo braço.

MEL: [Séria] Se ela não quer falar com você, não força. Se humilhar não vai trazer sua amiga de volta.

MEL ajeita o gorro de MATT. Quando os dois começam a andar eles dão de cara com ANNA vindo na direção deles. Os três param imediatamente. MELISSA segura a mão de MATT e balança a cabeça negativamente. ANNA olha para os dois e vira para a esquerda. MATT parece triste.

MATT: Eu tô indo pra sala.

MEL: Vejo você depois da aula?

MATT: Hoje eu tenho treino.

MEL: Eu vou à sua casa mais tarde. Tchau.

[Música fade out]

 

CENA 14 – INT. ESCOLA WILL ROGERS – CORREDOR – MANHÃ

BECKY: Oi.

REBECCA se aproxima de SAM no corredor. Ele olha para os lados. Havia alguns poucos alunos no local.

SAM: Oi!

BECKY: Oi!

SAM: [Sorrindo e olhando nos olhos da Becky] Oi…

REBECCA se aproxima para beijar o garoto, mas ele se afasta desconfiado.

BECKY: Samuel. Assim fica difícil. Eu cansei de brincar de Romeu e Julieta. E lembre que o final da peça é trágico. Ambos morrem antes de atingir a maioridade.

SAM: Mas… Becky. A gente tem se divertido tanto, como eu nunca pensei que nós iríamos. Ontem, por exemplo, foi maravilhoso. Mas isso por que é uma coisa só nossa. Já imaginou quando a Christy, a Stacey, Tishy ou qualquer dessas garotas que tem nomes de poodle descobrir? A primeira coisa que elas vão fazer é anunciar na rádio da escola. [Nervoso] Rebecca Sawyer e Samuel Wood [Faz um desenho de um coração no ar com as mãos] A bela e a fera! A princesa e o plebeu!

BECKY: Acho que elas não iriam nos comparar a clássicos da literatura infantil.

SAM: Pois é. [Gesticula com o dedo indicador como se estivesse pensando em algo] Seria alguma coisa pior. Seria algo do tipo “Drew e Chad”! Eu não quero nem pensar.

BECKY: Bom, então não pense. Deixa que eu pense por você.

REBECCA puxa SAM e o beija na frente de todos. O garoto ainda tenta se desvencilhar, mas BECKY o abraça e nos próximos segundos tudo o que se ver são beijos calorosos.

CHRISTY: [Tom alto e agudo] Ai [Pausa] meu [Pausa] Deus!

A garota, vestida com o uniforme da torcida da escola, aponta para o casal, que se separa imediatamente.

CHRISTY: A Becky está sendo atacada!

BECKY: Não estou não!

CHRISTY: Então o que isso significa, Becky? É algum tipo de encenação do filme “Namorada de aluguel”? Ele pagou pra sair com você?

SAM parece nervoso.

SAM: [Baixinho] Vamos sair daqui Rebecca.

BECKY: Do que você está falando Christy? O Sam é meu… namorado.

SAM: Sou?

BECKY: Claro que é!

CHRISTY: [Espantada] Ele é? [Ri]

BECKY: E você não tem nada haver com isso. Vamos, Sam.

REBECCA puxa Sam pela mão e o garoto parece atônito.

BECKY: [Baixinho] Eu não acredito no que eu acabei de fazer.

 

CENA 15 –  INT. MESMO LOCAL

ANNA entra em uma sala vazia. A garota anda de um lado para o outro algumas vezes e para olhando para o chão.

ANNA: Eu cansei desse jogo de gato e rato.

Ela sai da sala e da de cara com o PHILLIP.

PHILL: Eu vi você entrando aqui. Está tudo bem?

ANNA: Não. Não está tudo bem. Está tudo péssimo, na verdade!

PHILL: Nossa, Anny! Eu nunca te vi assim. Na verdade, vi algumas vezes há muito tempo atrás, mas geralmente você ficava nesse estado por minha causa.

ANNA olha para ele.

PHILL: O quê? Eu te fiz algo?

ANNA sorri.

ANNA: Não, você não fez.

PHILL: Você ainda está chateada com o ataque de má educação da minha irmã?

ANNA: Das conseqüências dele.

PHILL: [Indignado] Você e o Matt não estão bem? É isso? Que absurdo! Vocês não deveriam se importar com os ataques de loucura da minha irmã. Vocês são amigos desde sempre.

O sinal da escola toca.

ANNA: Eu sei.

PHILL: Tudo vai ficar bem. Eu prometo.

CENA 16 – INT. ESCOLA WILL ROGERS

LOU anda apressada pelos corredores do Will Rogers. A escola já não estava mais tão movimentada. A mulher olha em seu relógio que marca 2:40 pm. Ela entra em uma porta onde tem uma placa escrita “reunião”.

LOU: [Ofegante] Oi! James. O que houve? O Matt fez alguma coisa?

CARTER: O Matt está ótimo. Acabamos de ter um treino e ele está melhor que nunca.

LOU: [Retomando o fôlego] Você disse que era urgente.

CARTER: Realmente é urgente. A senhorita não quer sentar?

LOU senta-se imediatamente. A mulher parece preocupada.

LOU: É algo grave?

CARTER: [Sorrindo] Ao contrário. Ele foi selecionado pela Universidade de Oklahoma e vai ganhar uma bolsa de estudos no ano que vem.

LOU: [Sorrindo] Mas isso é muito bom!

CARTER: Eu precisava falar primeiro com a responsável pelo garoto, pois esse intercâmbio dura em torno de 3 meses, e tenho que ter a sua autorização antes que o Matt saiba.

LOU: É claro que eu autorizo.

JAMES CARTER sorri. Ele coloca a mão na cabeça e encara LOU. O treinador se aproxima da tia de Matt e lhe entrega um documento.

CARTER: Só é preciso você assinar [Aponta para a última linha do papel] aqui.

LOU: Ok. [Assina] O que mais agora?

CARTER: Agora? Agora eu gostaria de dizer que ontem a noite foi maravilhosa.

LOU: Ah é?

CARTER: E gostaria de saber se você quer sair comigo hoje.

LOU: Ah é?

LOU e CARTER se aproximam. Eles estão prestes a se beijar. JAMES CARTER põe um mão nas costas da mulher a trazendo para mais perto dele. Suas bocas agora estão a poucos centímetros uma da outra.  A porta se abre.

Scott: Treinador Carter, eu vim mostrar meus [Atônito] exames.

LOU e CARTER se separam imediatamente.

SCOTT: Eu mostro depois.

SCOTT sai da sala correndo.

 

CENA 17 – INT. MESMO LOCAL – CORREDOR – TARDE

SCOTT: Você não vai acreditar no que eu acabei de ver.

PHILL: Não me diga que você foi espionar as garotas no vestiário de novo?

SCOTT: Claro que não! Foi algo bem melhor…

PHILL: Fala logo, eu não tenho o dia todo.

SCOTT: O treinador e a tia “boazuda” do Matt no maior clima na diretoria.

PHILL: Não brinca!

SCOTT: Verdade! O local estava quente! Eu tenho certeza de que a coisa foi mesmo pra frente! O treinador tá pegando a tia do balofo.
Os dois riem.

PHILL: Já posso ouvir pelos corredores do WR. “Capitão do time é o protegido do treinador”! Eu disse pra você que esse mané ia se dá mal, não disse? Eu já consegui envenenar ele contra a Alexia e agora eu vou tirar tudo o que ele tem. [ri]

ANNA: Eu acho que eu já deveria esperar uma coisa dessas de você.

PHILL e SCOTT olham para trás.

PHILL: [Assustado] Anny!

ANNA: Meu nome é Anna!

ANNA sai andando muito rápido, quase correndo em direção da porta. PHILL leva a mão à cabeça.

 

CENA 18 – EXT. ESCOLA WILL ROGERS – PATIO – TARDE

ANNA passa por algumas pessoas quase batendo nelas. MELISSA a vê de longe e corre atrás da garota.

MEL: Hey! Anna!

ANNA olha para trás. A menina aparenta está um pouco consternada. MELISSA se aproxima da garota.

MEL: Você está bem?

ANNA: Você já sentiu como se todas as pessoas ao seu redor não fossem exatamente como você pensa que elas são.

MEL: Ás vezes. O que houve?

ANNA: É uma longa história.

MEL: Você está a pé?

ANNA: Sim, por quê?

MEL: Eu vou andando com você até a Filmore com a Saints. Até lá você me conta essa sua longa história.

ANNA: Está bem, mas vamos logo sair daqui. Essa escola está começando a me dá nos nervos.
CENA 19 – EXT. RUA – TARDE

MEL: Cara eu não acredito que ele fez isso! Que babaca!

ANNA: Eu fui ingênua de acreditar que ele tinha mudado. Eu que sou uma babaca.

MEL: E você e o Matt? Você vai dizer a ele tudo o que aconteceu?

ANNA: Não. O Matt já tem problemas de mais. Como ele esta?

MEL: Ele esta mal com tudo isso, mas eu acho melhor você conversar com ele.

ANNA: E o que eu vou fazer agora! Aonde eu o encontro?

[CORTA]

Mostra alguns pontos da cidade. Os carros nas avenidas, os parques, as fazendas. O sol já não brilha mais com a mesma intensidade.

 

CENA 20 – EXT. CASA DOS GRAHAM – VARANDA – TARDE

[MÚSICA – I SHALL BELIEVE, SHERYL CROW]

MATT está sentado na varanda da sua casa observando o céu e nem percebe quando ANNA se aproxima.

ANNA: Matt?

MATT vira-se imediatamente na direção da garota. Ele faz sinal com mão para que a garota se aproxime, ela o obedece e senta-se ao seu lado. Os dois ficam em silêncio por alguns segundos.

ANNA: A Mel me disse que você estaria aqui.

MATT: Eu queria tanto falar com você, mas na verdade nem sei o que dizer. Aliás, eu sei, acho que devo pedir desculpas antes de tudo.

ANNA: Matt. [Séria]

MATT: O quê?

ANNA: Quantas vezes nós vamos pedir desculpas um pro outro? [Respira profundamente] Eu pensei muito antes de vim aqui te dizer isso, e cheguei à conclusão de que é o certo a fazer.

MATT: [Triste] Por favor… não faça isso.

ANNA: Eu acho que nós devemos ir com calma.

MATT olha para baixo.

ANNA: Você tem sido incrível comigo nesses últimos tempos, mas Matt, você tem toda uma historia do qual eu não faço parte.

MATT: Mas pode fazer!

ANNA: Eu sei que posso, mas tudo tem seu tempo, e eu vou saber esperar o meu.

MATT: Por que você está falando isso?

ANNA: Por que tudo o que eu quero é ficar perto de você, Matt. Eu só não quero que você coloque a sua vida de lado por minha causa. Eu vou estar sempre com você, não importa o que aconteça. A gente não precisa correr contra o tempo. Isso não se trata de um final feliz ou não, por que nós sempre seremos “Anna e Matt”.

O telefone celular do MATT toca. O garoto procura o aparelho no bolso do seu casaco. Ele olha no visor o nome “ALEXIA”.

MATT: É a Alley.

Ele guarda o telefone no bolso.

MATT: Eu ligo pra ela depois.

ANNA: Acho melhor você atender agora.

MATT pega o telefone novamente e atende.

MATT: Alô. [Pausa] [Irritado] Você fez o quê? Alexia!

MATT se levanta e procura desesperadamente algo no bolso de sua calça. Ele pega as chaves do carro e olha para Anna.

ANNA: Vai. Eu já disse que vou saber esperar.

MATT corre em direção ao seu carro, que estava estacionado na rua.

 

CENA 21 – EXT. CASA DOS DANES – TARDE

MATT mal estaciona o carro e corre na direção da casa da namorada. Ele olha desesperadamente pelas janelas, mas não vê ninguém. O garoto toca varias vezes na campanhia.

MATT: [Grita] Alley!

MATTHEW corre até seu carro, pega o extintor de incêndio e volta correndo até a casa dos Danes. Ele joga o extintor na janela de vidro, a quebrando. Um alarme dispara.


CENA 22 – INT. MESMO LOCAL – SALA

MATT consegue entrar na casa, que está aparentemente vazia. Ele corre escada à cima.

 

CENA 23 – INT. MESMO LOCAL – PISO SUPERIOR

O garoto corre até o quarto da ALEXIA, onde a porta está entre aberta. ALEXIA está sentada no chão com a cabeça entre as pernas, ao lado dela um vidro de remédio quase vazio.

MATT: Alley!

Ele corre até a namorada e levanta a sua cabeça. ALEXIA está pálida.

MATT: Alley, acorda! Alley! Por favor, acorda!

ALEXIA abre os olhos com dificuldade. MATT abraça a garota e depois pega o frasco do remédio.

MATT: [Lamentando] Por que você fez isso?

ALEXIA balbucia alguma coisa. O garoto encosta a cabeça perto da boca dela.

ALEXIA: [Tom baixo e fraco] Não desiste de mim.

 

CENA 24 – EXT. CASA DOS DANES – ANOITECENDO

Ouvem-se algumas sirenes. MATT carrega ALEXIA nos braços para fora da casa dos Danes. Dois carros de policia cercam o garoto. Rapidamente um policial aparece.

POLICIAL: O que está havendo aqui?

MATT: [Grita] Chamem uma ambulância!

POLICIAL: Calma, garoto. Quem é você?

MATT: Não dá pra fazer o interrogatório depois? Ou você vai deixar a filha do Wilson danes morrer?

 

CENA 25 – INT. – UNIVERSITY HOSPITAL

Dois enfermeiros colocam ALEXIA em uma maca. Uma médica corre até eles.

MÉDICA: O que houve aqui?

Um enfermeiro entrega um frasco para a médica.

ENFERMEIRO: Overdose.

MATT assiste de longe os enfermeiros levando a maca da ALEXIA para uma sala. Ele leva a mão à cabeça e fecha os olhos com força. O garoto pega seu celular e hesita. O garoto senta-se no chão, e leva a mão à cabeça mais uma vez. Uma enfermeira toca em seu ombro, o assustando.

ENFERMEIRA: Os pais dela já foram avisados. Não fique assim, garoto. Você fez um ótimo trabalho. Ela vai ficar bem.

MATT apenas agradece a mulher com um olhar. Seu telefone toca, e ele atende imediatamente.

MATT: Tia, aconteceu uma coisa terrível. A Alley tomou uns comprimidos… no hospital universitário. Ok, eu espero.

O garoto suspira.

 

CENA 26 – EXT. CASA DOS MACKENZIE – NOITE

ANNA abre um pequeno portão de madeira que separa o jardim da rua. Ela olha para a varanda de sua casa. PHILLIP se levanta, e caminha até ela com uma rosa branca na mão.

Phill: Não fala nada, só me escuta! Por favor. Eu não estou aqui para pedir que você me perdoe porque sei que você não iria fazer. Mas eu vim pra te dizer que estou disposto a provar que eu não sou um canalha. Eu gosto de você e jamais faria algo pra te prejudicar. Eu sei que não sou um santo, e nem vou fingir ser isso.

ANNA fica séria. PHILL entrega a rosa.

PHILL: Espero que você não desista de mim. Por que eu não vou desistir de você, Anny.

ANNA abre a porta e entra em casa.

[Música fade out]

 

ELENCO
Jonathan Bennett como Matthew Graham
Natalie Portman como Anna Mackenzie
Mena Suvari como Rebecca Sawyer
Lindsay Lohan como Melissa Baker
Austin O´Brian como Scott Sawyer
Joseph Gordon-Levitt como Samuel Wood
Kate Bosworth como Alexia Danes
Brad Renfro como Phillip Danes
Marisa Tomei como Lou Graham

ATORES CONVIDADOS
John Wesley Shipp como James Carter
Travis Fimmel como Jordan
Todd Field como Wilson Danes
Paula Cale como Katherine Mackenzie
Taylor Cole como Christy

MÚSICA TEMA
Promises, Lillix

TRILHA SONORA
Trouble, Coldplay
Eternal Flame, Atomic Kitten
Creep (Radiohead Cover), Damien Rice
Here’s To The Night, Eve 6
I Shall Believe, Sheryl Crow

ESCRITO POR
Clara Lima
Sarah Lima

DIRIGIDO POR
Clara Lima

CRIADO POR
Clara Lima
Sarah Lima

DISTRIBUÍDO POR
TVSN

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account