Log In

Opinião

Sarah Silverman: ame-a ou f***-se

Pin it
Sarah Silverman

Também aprendi que não importa se você é gay ou bissexual. No final das contas os dois são nojentos.

São com lições de moral como esta, politicamente incorretas a ponto de deixar o telespectador desconsertado, que termina cada episódio de Sarah Silverman Program, a mais radical das comédias no ar nos Estados Unidos – e agora no Brasil, pelo canal Sony. É simples assim: ou você vai amar Sarah Silverman ou vai odiá-la (ou pior).

O Sarah Silverman Program foi um achado da Sony. Não poderia haver melhor escolha do canal para substituir o Da Ali G Show – ambos bebem da mesma fonte. São programas humor autorais, autênticos, imperfeitos, que alternam bons e maus momentos – de insights brilhantes sobre temas espinhosos como racismo e homossexualismo para piadas escatológicas, cretinas, de gosto duvidoso.

O seriado remete ainda a outra comédia de vida curta mas de alguma relevância, o Fat Actress de Kirstie Alley. Assim como Alley, Silverman teve a coragem de se colocar na posição de protagonista. Não, não é apenas ser a estrela. É dar ao personagem o seu próprio nome, assumindo que ele tem algo de biográfico, de real, mesmo que seja uma versão distorcidíssima dela mesma. A Sarah Silverman da ficção, se fosse julgada pela lei do bom samaritano que levou Jerry Seinfeld à cadeia, pegaria prisão perpétua: ela é egoísta, mal-educada, desbocada, irresponsável, imatura, quase retardada.

É realmente um desafio gostar de uma série com uma protagonista má como esta (guardada as devidas proporções, Samantha Who? também é um pouco assim). Mas Sarah Silverman Program merece o nosso esforço. Mas é simples assim, 8 ou 80. Se você não odiá-la, acabará se divertindo com uma comédia realmente provocadora, como há tempos não aparecia na TV americana.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

44 Comments

  1. João Nilson

    Só me diga uma coisa, é no nível dos trailers exibidos pela sony?

  2. Luciano Cavalcante

    Existe uma piada, contada entre os comediantes americanos – e acho que ingleses também – chamada, “Os Aristocratas”; a piada é feita de sexo – de todos os tipos – e com todos os seres – vivo e/ou mortos; de canibalismo, assassinato, e todos os tipos de violência…bem, a piada existe para a diversão interna da classe (desculpem!) e para o aquecimento mental e físico de quem está para entrar no palco; pelo menos há um sentido nessa nojeira…mas o “SS Program”…não diz a que veio…e é chato! Muito Chato! Portanto, Paulo…largo, salto, fujo, corro…deixo!

  3. Darth Cesar

    Ja detestava aquele Borat charope, que vive as custas de falar mal de americano, agora me surje essa porra loca? qual é Sony? esse negocio de bancar o politicamente incorreto ja esta enchendo o saco. Bom mesmo é a familia da pesada!

  4. Lucas

    Sinceramente eu não odiei nem amei o programa. O primeiro episódio teve lá seus momentos. Mas as boas sacadas foram bastante ofuscada por piadas escatológicas demais ou simplesmente sem graça. Desnecessárias mesmo. Parece que foram criadas só para provocar e não para entreter o espectador. Sem contar o fato de que a protagonista é completamente retardada, chega a dar raiva vê-la em cena. O programa não é de todo ruim, a idéia até é boa, mas ele poderia ser bem melhor se não tentasse tanto “causar” o tempo todo.

  5. Aos puritanos: não vejam, porra. Igual Ali G, vai chover neguinho falando mal sem antes compreender as tiradas, a ironia e o sarcasmo por trás.

    Resumiu bem: curta, ou tome no olho do toba.

    Não é de se apavorar que lambe-lambes de comédias americanizadas (como Family Guy – com piadas dentro do padrão social) não entendam ou achem chata, feia, boba e cocozenta.
    Mas apresente um Lil’ Bush p/ esses mesmos, vão achar lindo.

    P.I, com essa grade ficou mais fraca. Menos pegada. Sendo só a Sarah o ponto de exclamação.

    Por últ., se não gosta desse humor mais excraxado, tem receio e é uma flor, FRIENDS E TODA WARNER ficam a esquerda na ala bonitinhos e fofinhos. Caso não encontre-a, busque pelo Dr. House que ele te leva voando. :)

  6. Simone Miletic

    Vou na linha do Lucas: têm seus momentos, mas quando apela perde a graça. E acho que Sarah tem muito potencial, vide sua participação em Monk

  7. Neto Paes

    Já detestei pela propaganda que passa na sony, não deu a menor vontade de assistir o programa. Esse eu passo direto…

  8. Euler

    Sinceramente não curto muito esse tipo de comédia…meio boba, mas que quer passar um certo ar de inovadora….. Não gostei..

  9. Rodrigo

    HAUAHUAHUAHAUHAUAH

    Adoro the sarah silverman program, mas Zé,
    como assim Family Guy tem piadas no padrão social?

    Se tem um programa que é politicamente incorreto ao extremo é Family guy!

  10. Darth Cesar

    Cada um assisti ao que quiser, mas, não é preciso perder tempo com uma desbocada retardada falando merda pra saber que a sociedade esta numa merda (mas ainda há esperança) e nem tampouco babar nos ovo de um inglês aproveitador falando dos podre dos americanos como se o país dele, o nosso e os demais fossem habitados somente por pessoas cultas e tolerantes, há me esqueci… nós não promovemos a guerra!

  11. Thiago FLS

    Podem me incluir no grupo dos que adoraram a série. É uma das poucas comédias realmente ousadas da atualidade, sem medo de lidar com nenhum assunto. E embora essa frase no fim do primeiro episódio possa parecer homofobia gratuita, a série conta com um casal gay nerd engraçadíssimo e nada estereotípico.

    Mas os promos da Sony são uma porcaria mesmo. Se eu não já conhecesse Sarah Silverman das suas corajosas apresentações nas premiações da MTV, eu dificilmente ficaria com vontade de ver a série.

    Aliás, é por causa desses mesmos promos cretinos da Sony (que estão piores que nunca, agora que também contam com a voz desagradável do dublador brasileiro de Dexter) que ainda não tive saco para conferir as outras novas estréias do PI, com exceção de That’s My Bush, que só acompanho por ser fã dos criadores.

  12. solange

    Há,ha,ha,Pagar pra ver uma:
    >egoísta, mal-educada, desbocada, irresponsável, imatura, quase retardada…É de mais. Mas fazer o que??? Vou ser bastante original: Gosto é igual a c….cotovelo. Cada um tem o seu. Mas fala sério: Que apelação…

  13. Kravis

    Eu gostei do primeiro episódio e achei o segundo bem sacal.
    Estou disposto a gostar de Sarah Silverman Program, até porque não tenho problemas com esse tipo de humor, mas vou esperar pra ver até onde isso vai.

  14. Leandro

    Passo fácil , aliás terça às 22;00 é nulo pra mim. Vide outra baboseira chamada Californication.

  15. Luciano Cavalcante

    Puritano não é insulto, cara. E eu já parei de assistir o programa. Satisfeito?

  16. Silvia_05

    Se eu não acho nem bi nem homo nojento, como é que eu vou rir dessa piada???

    Americano adora palhaçada de cocô, vomitar e gozar das “minorias”.

    Prá acertar o tom é preciso alguma genialidade.

    Então tô fora. Simplesmente não é o tipo de humor que me diverte.

  17. Maurício

    É mesmo!!!!! Desde quando ser puritano ou conservador é ofensa??????

    Esta série é um lixo e quem assiste e gosta deve ter algum problema mental. São aqueles tipos de pessoas que ofendem os outros no trânsito, não respeitam idosos, odeiam diferenças. Aqueles que até matam para ter o que querem.

    Dá licença! Além de tudo a escatologia não tem graça nenhuma.

    Tô fora! Agora….como sou a favor da liberdade de expressão, não sou contra isso passar na TV. Apesar de ser um péssimo exemplo de como o mundo pode se tornar ruim. Simplesmente não assisto mais. E faço propaganda contra!

  18. Maurício

    Olha!!! Carreguei nas tintas. Não acho que a pessoa seria capaz de matar. Essa única parte eu retiro.

  19. Pablo

    Homossexualismo [sic] não existe. Foi um termo utilizado quando tal orientação era considerada como doença! Já saiu do CID faz tempo!

    HOMOSSEXUALIDADE!

  20. Paulo Antunes

    Homossexualismo, segundo Houaiss:
    “2. m.q. homossexualidade”

    Existem 189 mil referências a “homossexualismo” no Google e vocês vem reclamar do emprego da palavra justo aqui?

    Aliás, é justamente este tipo de patrulhamento do politicamente correto que a Sarah Silverman combate.

  21. Victor Regis

    Eu absolutamente amo esse tipo de humor e tb a Sarah, mas admito numa boa que o programa em alguns momentos erra feio na dose, coisa que Family Guy evita com maestria. Parece que em alguns momentos as piadas menos “chocantes” funcionam melhor, como toda a aparição da assombração nesse segundo episódio.
    Ah, e foi só eu que achou ou 10 items or less nessa semana foi absolutamente hilário??

  22. cavalca

    E só pra constar: vi o primeiro episódio de SSP e não gostei. Acho que essa coisa de brincar com o politicamente correto Extras faz bem melhor.

  23. Rubens

    Tem gente que ri a se esbaldar de “piada” de fazer aquela barulho de peido ao apertar a mão debaixo do sovaco rapidamente. Fazer o que? Tem gosto pra tudo.

    Sou muito mais South Park e Family Guy do que o humor dessa comediante… E não se trata de puritanismo nao, é que a performance da Sarah Silverman é sem graça mesmo. Costinha e Dercy Gonçalves também falavam um monte de palavrões (ela fala até hoje) e eram muito mais engraçados que a Sarah. o problema não é exatamente o palavrão.

  24. Rubens

    | Homossexualismo [sic] não existe. Foi um termo
    | utilizado quando tal orientação era considerada
    | como doença! Já saiu do CID faz tempo!
    | HOMOSSEXUALIDADE!

    Que bobagem politicamente correta… Quer dizer agora que perfeccionismo, puritanismo, coronelismo e outros “ismos” são doenças, só por causa do sufixo “ismo”?

    Homossexualismo continua existindo! Significa veadagem, pederastia, bichice, escorregar no quiabo, entubar a mandioca!… Pronto! :-)

  25. Kate

    Gente vcs incorporaram The Sarah Silverman Program nesse tópico? por que ele ficou extremamente escatológico. E é claro que não podia faltar o Rubens , que devia fazer par com a panaca da Sarah!

  26. Marcos Almeida

    “Gente vcs incorporaram The Sarah Silverman Program nesse tópico? por que ele ficou extremamente escatológico. E é claro que não podia faltar o Rubens, que devia fazer par com a panaca da Sarah!”[2]

    Tô com a Kate!

  27. Rubens

    Ah, parem com isso Kate e Marcos… Dizer que agora nao pode mais falar “homossexualismo” e tem que ser “homossexualidade” é a mais pura babaquice. E’ tudo a mesma coisa, não passa de mais uma grande bobagem “politicamente correto”. Ao ler essas bobagens dá vontade é de voltar a chamar de v*eado e ponto final!

  28. Regiane

    Eu achei a série ruinzinha, de gosto bem discutível…mas é inegavel que está causando polêmica.

    E apesar de achar as premissas da comédia que a Sarah Silverman usa muito bobas, devo concordar que o políticamente correto é pra lá de tedioso. Xô, patrulha!!!!!!

  29. Maurício

    escatologia é que é tedioso.

    chatos são os politicamente incorretos. patrulha sim. todos tem o direito de dizer o que pensam. por que só os lixos podem sacanear e todo mundo tem de aguentar?

  30. Regiane

    Maurício,

    Por favor não se ofenda, qualquer extremo (politicamente correto ou incorreto), para mim, é muito chato. Extremistas de ambas as correntes tendem a ver o mundo com uma lente maniqueísta que não me agrada. Opinião pode e deve ser expressa, seja qual for sua vertente, afinal liberdade de expressão é fundamental,mas patrulhamento, sinto muito…me cheira a fascismo.

  31. Luciano Cavalcante

    Escrevi aqui ontem, fui cuidar da vida, dormi, acordei, cuidei da vida novamente e…vocês aqui ainda? Que tal isso? “The Wire”/”A Escuta”, a melhor das séries…acabou.

  32. Maurício

    Regiane

    Peço desculpas pelo meu destempero.

    Não me considero um moralista e nem quero ser. Também sou contra os extremos (de um lado e de outro). Éssa série dela é um extremo do politicamente incorreto e foi isso que quis dizer. Mas se você ler minha opiniões anteriores verá que eu nunca preguei essa série ser tirada do ar, só dei minha opinião depois de assistir.

    De resto….me desculpo por não ter feito a minha opinião de forma mais clara.

    Luciano Cavalcante

    Tens razão. Esse assunto já rendeu. Da minha parte encerro aqui.

  33. Marcos Almeida

    Rubens, acho que tu confundiste o comentário da Kate e a minha cópia com outros comentários…de qualquer maneira, o que quis dizer é que alguns aqui meio que apelam nos comentários (inclusive você :) ), e não se trata de patrulha politicamente correta, apenas de bom senso. Pode-se perfeitamente dar uma opinião sem apelações. Mas não irei dar mais corda ao assunto. Assiste quem quer, quem não gostar, mude de canal. Fui.

  34. Renata

    Ah, parabéns! Vcs são moderninhos, assistem Sarah Silverman e falam palavrão… Uau! Como vcs são revolucionários!

  35. Claus Kruger

    Acho que foi o pior programa que já vi no SONY.
    Típico humor americano radical…que só funciona com americanos caipiras.
    Um protótipo de merda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account