Log In

Reviews

Rookie Blue – Moving Day e Fragments

Pin it

A quinta temporada de Rookie Blue encerra em dois dias, com a exibição de Everlasting. E o episódio encerrará uma temporada que acabou sendo de 11 episódios e não empolgou como as antecessoras. A série continua sendo minha delicinha de verão. Mas o que era doce tornou-se agridoce, e não sou uma superfã dessa mistura. Então, o gosto amargo da quinta temporada impera na minha boca. Uma pena.

Eu comentei em várias reviews que as coisas demoraram a engrenar. E, nesse sentido, Moving Day e Fragments foram dois episódios bem melhores do que os seus antecessores. Ainda assim, passaram longe de deixar a gente com o coração na mão e quase falharam em deixar o gostinho de quero mais.

Gosto quando os episódios de Rookie Blue seguem arcos maiores. E esses dois episódios fizeram exatamente isso: um dia de mudança acabou tendo reflexos futuros em um caso BEM legal apresentado em Fragments, e que será o caso que encerrará – ou dará o gancho para a próxima – essa temporada. Mas Moving Day fez mais que isso: confirmou que Nick é o cara mais fofo do universo (foi liiiiiiiiindo ver ele cuidando dos dois irmãos e se abrindo mais sobre o passado) e que Chloe tem sido o melhor personagem da série.

Rookie Blue - Fragments

Em contraposição, o episódio evidenciou uma certa falta de continuidade nas histórias desse quinto ano de Rookie, já que a partida de Chris foi explicada muito superficialmente e os problemas do Dov e da Chloe misteriosamente desapareceram. Sem contar que Stevie e Nash não conversaram nenhuma vez sobre o vacilo dela, que também não trouxe nenhuma implicação para o detetive. Tudo muito solto no ar. E continuou solto em Fragments, já que Stevie e Nash nem se cruzaram.

Mas o pior de Fragments foi ver o Dov mais uma vez sendo a vítima da situação. Ele tratou “mal” Chloe por um tempão, e agora ele virou, NOVAMENTE, o coitadinho do relacionamento. Eu sei que Chloe deu uma mancada (tão ruim quanto o seu português), mas me irrita esse protecionismo ao personagem, que é pra lá de chato. Sei que já repeti isso um milhão de vezes, mas nunca é demais.

Por outro lado, é bem interessante ver o que tem acontecido com Gail. Acho interessante ver ela evoluindo e mudando. Mas ainda não sei qual meu sentimento em relação à tentativa de adoção. Sabíamos que a história da garotinha que ficou órfã havia mexido com ela, mas não achei que essa história iria voltar assim, de repente. Aliás, esse último episódio foi o episódio dos retornos, né? Duncan (que continua mala, mesmo depois de quase ter explodido e de ter se desculpado), Holly (ficou tudo meio mal explicado, porém eu shippo, então tá perdoado) e Marlo (ÃHN? SÉRIO? Quando eu já tinha achado que a garota tinha desaparecido de vez ela aparece e os roteiristas passam essa vibe de “MEU DEUS, MCSWAREK VAI PRO BREJO DE NOVO? E ainda jogam a história da chave não aceita nas nossas caras. Aiai…) deram as caras na 15th.

Eu gostaria de poder dizer que estou super animada para a season finale de quarta-feira. Mas isso seria uma mentirinha das bravas. Então, apenas digo que estou torcendo MUITO pra que Everlasting me surpreenda e faça com que eu fique na expectativa pra 6ª temporada. Oremos.

P.S.1: Chloe e Nick são personagens tão legais que não consigo não pensar sobre como eles seriam um casal MUITO BACANA. Sei que isso definitivamente não deve acontecer, então esse P.S. é uma espécie de “fica a dica” para os roteiristas.

P.S.2: Andy e Sam estão numa fase bem amorzinho. Mas não canso de me perguntar onde foi parar a química das 3 primeiras temporadas. Claramente no set de Rookie Blue ela não está.

P.S.3: decidam, roteiristas, se vocês querem Travis Milne na série ou não. Porque essas idas e vindas do Chris já deram o que tinham que dar.

P.S.4: finalmente personagens brasileiros com nomes de origem portuguesa, e não espanhola. Mas poderiam colocar atores com sotaque daqui, e não de português de Portugal, né? Fica feio.

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

4 Comments

  1. Célia Regina

    Não canso de dizer: sou team NICK! A Andy merece um cara como ele, não o fuleiro do Swarek.

  2. Márcia

    Realmente cadê a química entre Andy e Sam? Nunca torci pelo casal e essa temporada não tem ajudado mesmo.Nem a entrega da chave, o comportamento mais clichê dos casais em seriados, Andy aceitou…Tá ruim!!!

  3. coelho rebelde

    Eu sou #NICK100% tbm nunca gostei da Andy com o Swarek , não consigo ver nada de bom nos 2 juntos .

  4. giuli

    TB SOU TEAM NICK DESDE O INICIO! AMEI ANDY e NICK TINHAM MTO MAIS A VER!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account