Log In

Reviews

Rookie Blue – I Never

Pin it
Série: Rookie Blue
Episódio: I Never
Número do Episódio: 3x13
Exibição nos EUA: 6/09/2012
91.6
4.5
5

A finale da 3ª temporada de Rookie Blue teve pouca cara de finale. Mas isso não significa que o episódio tenha sido ruim. Pelo contrário, eu curti bastante, embora o plot da granada tenha me feito esperar por mais.

Sou uma grande fã de Grey’s Anatomy, como vocês todos sabem. Por isso me animei completamente quando soube que uma “bomba” iria parar nas mãos de Andy. Pensei que a dramaticidade daria o tom do episódio. Mas me enganei. Achei que a Sue voltaria pra dar um sacode no Dov, que tá muito precisado. Mas me enganei, igualmente. Me decepcionei um tantinho com ambas as ausências, da dramaticidade e da Sue, mas ainda assim o caso prendeu minha atenção.

O sequestrador da garota de The First Day of the Rest of Your Life escapou do hospital enganando os guardas e com a colaboração de um deles, e partiu atrás de sua “filha”. Como não conseguiu encontrar a menina, após dar uma surra na psicóloga, raptou outra criança, para forçar a polícia a atender seu pedido principal: encontrar a filha.

Mas havia uma pedra no meio do caminho: Andy McNally. Após encontrar o cara mau com a menininha, ela tentou convencê-lo a se acalmar e deixar a refém ir embora. Mas não deu certo, e Andy acabou trocando de lugar com a garota, e ficando com o delicado encargo de segurar uma granada pronta pra explodir, exatamente no momento em que seu reforço chegava. Dov levou o sequestrador, Collins levou a menina, e Sam ficou com Andy.

E o momento mais esperado pelas fãs do casal aconteceu. Sam disse para Andy que ama ela. O desespero pelo que poderia acontecer se a granada explodisse era evidente nos olhos de Swarek, e foi muito fofo ele colocar as mãos ao redor das dela, indicando que se algo ruim fosse acontecer com Andy, ele preferia que acontecesse com ele também.

Mas Andy não estava preparada para ouvir a declaração naquele momento de extrema pressão psicológica. Pediu espaço. Aí chegou o homem gentil para desarmar a granada e pronto. Tudo resolvido. Simples assim.

Depois Sam reforçou que era verdade tudo o que tinha dito para McNally, fazendo piadinha sobre assistir Grey’s Anatomy e saber a quantidade de ossos no corpo humano. E suas palavras pra Andy foram bonitas. Começar de novo, sem peso para ela. Se encontrar no bar (na cabeça de mais alguém há um grito “Meredith e Derek!”? A cena da espera no bar, então, lembrou MUITO).

Só que Andy não quer ser aquela garota. E não apareceu no bar, porque resolveu manter a coerência e priorizar a carreira a relação amorosa. Se eu gostei da decisão dela? É óbvio que eu preferia ver meu shipper junto novamente. Mas eu compreendo, e até apoio, a decisão. Sam foi bastante inconstante. Ele nunca deixou claro quais seus reais sentimentos em relação à Andy. E sua declaração veio depois de um longo tempo de afastamento, e foi tri morninha. Não era exigível que Andy largasse a oportunidade de participar da Força Tarefa para apostar em um relacionamento que, naquele momento, ela não via como funcionar.

Como Sam vai encarar a decisão de Andy, eu não sei. Mas se ele realmente ama ela – e precisa dela, o que ficou bem claro nas palavras de Oliver sobre a bagunça que o amigo virou sem a namorada. E eu até creio que ele entenderá, depois de um momento de mágoa, por que ele mesmo já fez essa opção anteriormente. Então acho que os dois tem tudo pra voltar ainda melhores, depois do afastamento.

Eu sempre gostei do Chris. Mas quase torci pra ele ir pro interior com a Denise pra cuidar do filho e não aparecer mais. Sério! Tudo tem um limite, e a paspalhice dele ultrapassou o limite. Mas, segundo me conta, Trevis Milne volta para a 4ª temporada. Então espero que não fiquem só nesse mimimi e me devolvam meu personagem fofo, querido e, acima de tudo, com histórias bacanas.

Outro que só deve ficar se a história for render é Luke, que teve a mesma participação do que o telefone da mesa do Barber – completamente dispensável. Cortem o cabelo do Eric Johnson e dêem uma história legal para ele, por favor. O que me dá esperança é a força tarefa, que deve trazer muitas histórias legais.

Por falar em histórias bacanas, Gail conquistou meu coração, nessa temporada. E curti quando Best avisou que ela seria reintegrada. Minha surpresa ficou por conta da partida do Collins, que só se junto à Força Tarefa por que Gail ia cair no mundo, viajando. Sem dúvida a loirinha vai entender a atitude do “namorado” como um novo abandono, e não sei como o casal ficará, no futuro. Mas torço por eles, têm química e o romance deles é bacana.

Se gostei muito mais de Gail, essa terceira temporada fez com que Dov caisse bastante no meu conceito. Ele teve todas as decisões equivocadas, se meteu em todas as confusões possíveis e ainda por cima virou o maior mimizento da paróquia. Torço demais pra que ele melhore um tantinho, porque ele só veio ladeira abaixo.

E Traci virou um personagem melhor, na minha opinião. Acho que ela como detetive renderá boas histórias. Pelo menos tiraram ela do papel de mãe/policial, e deram mais ênfase pra vida profissional dela. Gostei bastante, torço pra que continue assim.

Em linhas gerais, gostei bastante da 3ª temporada. Mostrou que o amadurecimento de roteiro iniciado na 2ª temporada se manteve, e teve episódios muito bons. Mais, não teve nenhum episódio ruim. Isso é um ótimo sinal. Agora, só nos resta esperar até a próxima Summer Season para acompanhar as aventuras dos nossos novatos favoritos. Até lá!

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account