Log In

Reviews

Rizolli & Isles – Rebel Without a Pause

Pin it

Série: Rizolli & Isles
Episódio: Rebel Without a Pause
Temporada:
Número do Episódio: 2 x 06
Datas de Exibição nos EUA: 15/08/2011

Gostei de Rebel Without a Pause. Mas apenas isso. Acho que é por que Rizzoli & Isles tem me deixado mal acostumada com toda a qualidade que essa temporada tem apresentado. De qualquer forma, o episódio teve seus méritos: foi um dos mais engraçados da temporada (mas soube abordar pontos dramáticos), tratou de importante questão histórica, e rendeu à TNT a maior audiência do seriado nessa temporada.

No episódio dessa semana, vimos bastante de história. Isso porque o assassinato a ser investigado por Rizzoli, Isles, Kozak e Frost se deu em meio à uma reencenação da Revolutionary War, a Guerra da Independência dos Estados Unidos. Aparentemente, um atirador havia matado um dos atores. Mas Maura, através da trajetória e da perícia da bala, consegue descobrir que o tiro na verdade ricocheteou em um canhão.

E, enquanto as investigações vão acontecendo, eis que a elegante mãe de Maura chega à Boston. As cenas da preparação da comida para a visitante e da insiedade de Maura foram realmente engraçadas. Mas o jantar não saiu como Isles esperava. Sua mãe decidiu ir para o hotel, apesar dela ter preparado a casa para sua chegada. E pudemos ver uma Maura magoada, ainda que ela não tenha dado braço a torcer, sempre justificando o comportamento da mãe. E foi bonitinho ver Jane tentando animar a amiga, dizendo que sempre sonhava com uma mãe glamurosa e elegante, e não sufocante como a dela. Mas, para Maura, o ideal seria uma mãe mais calorosa, tal qual Angela.

Uma segunda vítima é encontrada. O tiro, da mesma arma, acaba vitimando um homem. Apesar de não encontrarem conexão imediata entre as duas vítimas, Jane continua achando que o foco tem ligação com a reencenação das batalhas. E sua certeza se confirma quando tiros são disparados contra o bar no qual está sendo realizada uma homenagem aos “mortos na batalha”. Preciso comentar que ver Jane nas roupas de época foi bem engraçado. Ela ficou esquisita, ao contrário dos colegas – Maura, Frost e Korzak -, que ficaram elegantes. E ela correndo com o vestido também não ajudou a melhorar sua imagem.

Mas se Jane “pagou mico” usando o tal vestido do século 18, o mesmo não se pode dizer dela na exposição de arte. Ver ela defendendo Isles, e mostrando para a mãe da amiga o quando Maura estava sofrendo foi bastante fofo. E, no final, até que deu resultado.

Seguindo a pista de uma testemunha, os detetives chegam à suposta culpada. Uma ex-aluna do professor organizador das reencenações. Mas não foi de imediato que ela foi conectada aos crimes de forma definitiva. Apenas após saber que ela havia sido estuprada pelo ex-professor que os detetives conseguiram fechar o cerco contra ela, que acabou confessando. Mas as provas obtidas por Isles demonstravam que o assassino era um homem. É aí que temos a reviravolta do caso: o filho da suspeita era o criminoso, buscando vingança pelo crime cometido contra sua mãe.

No final das contas, tudo acabou bem: os detetives impediram que o rapaz matasse o pai. E ainda deu tempo para Angela e Jane comerem amendoins e hamburgueres com as Isles. Tudo à base de muito milk-shake de cerveja.

Enfim, um episódio bom, bastante agradável, que serviu como pausa nos casos mais carregados que vinham sendo apresentados. Agora, é esperar que o nível do próximo episódio seja excelente. Até a semana que vem!

P.S.1: Frankie terá uma árdua jornada até se tornar detetive. Dessa vez, ele serviu de “tele-entrega” e de telefonista, e ainda emprestou o quepe para ninho de periquito. Dureza!

P.S.2: as tramas envolvendo Korzak foram praticamente engraçadas nesse episódio. O cuidado dele com o periquito – que acabou “ressucitado” – e sua onda de alimentação saudável visando evitar um ataque cardíaco renderam boas risadas. E, no final, eram apenas gases causados pelo excesso de fibra.

P.S.3: a participação de Jacqueline Bisset foi boa, mas eu esperava mais. Agora, resta a certeza que a atriz voltará ao seriado em breve.

P.S.4: quer saber mais sobre o porquê dos festejos relacionados à Revolutionary War serem tão marcantes em Boston? Então, leia mais sobre a cidade.

Séries citadas:

Editora Chefe do TeleSéries, gasta boa parte da sua semana com séries. Sua estréia foi com ER, e atualmente assiste - entre várias outras - Grey's Anatomy, Game of Thrones, Suits, Castle e Rookie Blue. Ainda assim, arrumou um tempinho para maratonar Friends, The X Files e Chuck - pela qual se apaixonou, recente e irremediavelmente. Está saindo da crise de abstinência de Fringe graças à Orphan Black.

2 Comments

  1. Anônimo

    eu curto demais os PS das suas reviews, mas a adição do link para a história da cidade foi matadora!

    esse episódio só tem um problema: dá uma fooome…

  2. Mariela Assmann

    E que fome, eim Lu! Demaaaais. Ooo povinho que come esse de R&I! Sobre o link, acho lindão esse post da Clara. Não podia deixar de avisar o pessoal pra dar uma passadinha lá e se inteirar sobre Boston, afinal sempre é bom conhecer um pouco mais sobre o ‘cenário’ das séries!  =D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account