Log In

Reviews

Revolution – Sex and Drugs

Pin it
Série: Revolution
Episódio: Sex and Drugs
Número do episódio: 1×06
Exibição nos EUA: 29/10/2012
90
4.5
2

Não ia ser um simples furacão que interromperia a exibição de Revolution. Para uma série aonde o apocalipse já chegou há muito tempo, os suprimentos são escassos e a energia elétrica não existe mais há anos, um furacão como o Sandy não causa tanto medo assim. Dessa forma, mesmo muitas emissoras cancelando a exibição de novos episódios de suas séries a NBC seguiu firme e Sex and Drugs foi ao ar nos Estados Unidos na noite de segunda-feira.

Por outro lado o Furacão Sandy afeta muito os números de audiência dos programas americanos, considerando que muitas cidades estavam sem energia elétrica. O site TV by the Numbers alerta para esse fato e mostra Revolution com uma queda de 6% na sua porcentagem de classificação na audiência entre 18 e 49 anos com o episódio Sex and Drugs. A queda é em relação ao último episódio da série exibido no dia 15 de outubro, Soul Train. Enquanto Sex and Drugs alcançou 3.1 na classificação e um pouco mais de oito milhões de espectadores, Soul Train havia atingido 3.3 na porcentagem de classificação.

Sex and Drugs não chegou a ser um episódio ruim, mas foi um dos mais irritantes. Se o Furacão Sandy passasse pelo set da série faria um favor se levasse embora Charlie e Aaron, ou pelo menos desse uma bela sacudida nesses dois. Finalmente conhecemos a história de Aaron após o apagão e o que aconteceu com a sua esposa. Irritante. Se ele achou – e com razão – que não conseguia proteger a sua própria mulher, ok. Mas como deixar ela com um grupo de estranhos peregrinando pelo mundo ia ajudar em alguma coisa? Se os dois já estavam incluídos naquele grupo e sendo protegidos porque deixá-la sozinha?

Já a Charlie, além de chorona, agora resolveu ter surtos de indignação. Quase não deu para aguentar a presença dela nesse episódio. O único momento de emoção – e durou bem pouco – foi a tentativa dela de matar o vizinho de Drexel, Bill O’Halloran. Aaron ainda ganhou um desconto porque conseguiu me enganar com aquele tiro no peito. No entanto, achei que os homens do Drexel liberaram Aaron e Nora muito facilmente. Do jeito que eles conseguiram ir embora até parece que a vida é um moranguinho, mas não é.

Por outro lado, nem tudo foi um apocalipse. A vinheta de Revolution sempre tem entrado em momentos chave da história e isso tem ficado bem bom no ritmo dos últimos episódios, em Sex and Drugs vimos uma das melhores entradas da vinheta. Outro ponto positivo no episódio foram as cenas de luta de Miles, dessa vez acabando com os homens de Drexel, continuam muito boas. Também gostei do núcleo de ex-policiais vizinhos de Drexel, merecia ser mais explorado durante a série. A fotografia também merece uma nota de honra, lindos enquadramentos também deixaram a estética do episódio muito mais bonita.

Em se tratando das características técnicas não gostei nada dos avanços de tempo nas cenas. A alternativa foi usada algumas vezes e apesar de poupar um tempo às vezes ocioso, não foi feito de uma forma em que a história e o ritmo do desenvolvimento não fossem afetados. Como na hora em que eles são autorizados a entrarem no pátio da casa, os portões se abrem e no segundo seguinte Miles está descendo na frente da casa. Quando nosso cérebro precisa fazer uma nota mental (ah tá, avançaram no tempo), aí temos problema na montagem porque a edição não foi eficaz o suficiente para deixar isso claro e suave.

A parte em que Charlie sai da cama e logo em seguida aparece sem roupa na banheira também ficou estranha com o pulo no tempo. Aliás, além da inutilidade da sua revolta sem causa ela não pode nem nos poupar um momento e relaxar em uma banheira, ela precisa lembrar de todas as tragédias da vida dela e rasgar seus cartões postais. Ah, a adolescência revoltada.

Outros personagens por outro lado foram ótimas surpresas, gostei do Sean, será que ele aparece de novo na série? A participação de Todd Stashwick como Drexel também foi boa. No entanto, a não ser que ele andasse com uma garrafa de uísque escondida embaixo da camisa, sua única aparição foi nesse episódio. A melhor cena dele foi quando… ele dá um soco em Charlie! #todoscomemora. Brincadeiras à parte, foi realmente uma cena muito boa.

O que ficou claro no último episódio Soul Train se confirmou. Jason (ou o antigo Nate) entregou a Monroe que Aaron tem um pingente igual ao que Rachel afirmou que pode restaurar a energia, ou no caso, um dos pingentes. Agora Monroe mandou o cara mais sem escrúpulos da milícia, o sargento Strausser, para ir atrás de Miles, e com ordens de trazer apenas Miles vivo e o pingente. Depois de saber disso Jason ficou magoadinho e preocupado com Charlie. Perdeu, playboy.

Revolution tinha emplacado dois episódios muito bons, The Plague Dogs e Soul Train, mas Sex and Drugs passou longe do que eu esperava na sequência. No final nem consegui chorar com o reencontro de Danny e Rachel. Minhas expectativas voltaram a baixar com a série e o comunicado da NBC de que Revolution terá um hiato de novembro até março de 2013 me leva a crer que a audiência pode acabar deixando o seriado de lado. Enquanto a série não entra em recesso, ficamos no aguardo do que Eric Kripke e sua turma ainda podem fazer para os espectadores não esquecerem de Revolution.

Séries citadas:

é Jornalista, Publicitária, Gaúcha, Capricorniana de 84. Além de escrever no TeleSéries, trabalha como coordenadora de imprensa na Prefeitura de Taquari e assessora de imprensa no Campeonato Gaúcho de Rally 4x4. Fã de cinema, esportes, literatura, música e séries de televisão. Começou a assistir seriados com E.R. e Arquivo. X. Gostaria de ter estudado em Hogwarts, jogado quadribol e tomado cerveja amanteigada, mas se contenta com um gol do Grêmio e uma Heineken. Nunca ganhou um prêmio importante, mas já levou pra casa um Kikito de chocolate de Gramado/RS.

Website: http://www.alineben.blogspot.com

3 Comments

  1. biancavani

    A vida é um “moranguinho”, rsrsrs.

    “Momento Verdade” da série: Aaron dizendo “Charlie pode ser CHATA…”

    Realmente, Charlie rasgando os cartões postais (a cara que ela fez não tinha nada a ver com a situação); Aaron largando a mulher porque ela estaria mais protegida com o grupo (nem parece que ele era um homem inteligente antes do apagaço); os comparsas do bandidão do episódio deixando Nora e Aaron partirem (só faltou preparem uma merendinha para eles levarem, caso sentissem fome no caminho, rs): eita coisas malcosturadas.

    Bem, Aline, a série já provou que não é mesmo dessas coisas, mas pelo menos a gente se diverte aqui com os seus comentários.

  2. Aline Ben

    Em alguns momentos temos que rir para não chorar… hehehe. Bah, tinha me esquecido do Aaron dizendo que a Charlie é chata.. hahaha.

  3. Pingback: Revolution – Ties That Bind

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account