Log In

Opinião Reviews

Review: The West Wing – Things Fall Apart (episódio 131)

Pin it

cena de Things Fall ApartSérie: The West Wing
Episódio: Things Fall Apart
Temporada:
Número do Episódio: 131
Data de Exibição nos EUA: 30/3/2005
Data de Exibição no Brasil: 24/6/2005
Emissora no Brasil: Warner

Acredite, a fase é boa

Faltando um episódio para o final da temporada é preciso admitir: depois de um início de temporada desagradavelmente violento (de 6×01 a 6×10), e da alternância entre episódios na Casa Branca e de campanha política (6×11 a 6×15) que eu particularmente gostei mas muitos criticaram, The West Wing encontrou o ponto de equilíbrio entre a valorização do seu elenco e a construção de novos personagens e da cobertura da campanha eleitoral. Esta última fase da temporada de The West Wing, que até aqui já dura seis semanas – e terminará na sétima com a season finale – tem sido emocionante e não fica a dever muito para os melhores momentos da série do passado.

Aliás, começo a resenha justamente pelo fato negativo do episódio. No programa, Bartlet pega Charlie saindo de fininho no meio da madrugada do quarto de Zoey. Até aqui, tudo maravilhoso: além do inusitado da cena (ser pego transando com a filha do presidente!), é maravilhoso perceber que o casal mais simpático da história da série está de volta (Donna e Josh não contam). Mas o segundo encontro entre Charlie e Bartlet me pareceu forçado demais. No diálogo, Charlie sugere que quer casar com Zoey. Das duas uma: ou o garoto está sendo precipitado ou os produtores da série nos sonegaram muitos meses de namoro do casal. De qualquer maneira estão queimando etapas. Queremos ver mais o Charlie e a Zoey juntos (acho que esta foi sua segunda ou terceira participação em toda a temporada, muito pouco).

cena de Things Fall ApartE, convenhamos, se este é o principal defeito do episódio, então ele não foi nada mal. O episódio mostra ainda partido democrata está dividido às vésperas da convenção e Bartlet decide intervir, colocando Leo como mediador dos candidatos. Num dos momentos mais engraçados, Leo se reúne com Will, Josh e um representante da campanha de Hoynes, na tentativa de escolher o nome do político que comandará a convenção. Os três implicam com todos os nomes da lista e se portam de forma absolutamente imatura. A cena é realmente divertida. No final, a impressão que dá é que o próprio Leo deverá coordenar a convenção – na penúltima cena, Toby (o mais apagado no episódio) diz para Annabeth, a baixinha assessora de imprensa, se demitir (provavelmente para trabalhar pelo partido ao lado de Leo), mas é interrompido antes de terminar a frase.

Ainda sobre Bartlet e Leo, a série tem gasto alguns bons minutos para mostrar os dois vendo televisão e especialmente Bartlet indignado com as piadas e criticas dos republicanos. O episódio passado, In God We Trust, inclusive abriu assim, com Leo e Bartlet resignados diante da TV. Esta cenas são muito curiosas, porque mostram que o homem mais poderoso do mundo, de uma hora para outra, é um coadjuvante na cena política nacional. A Bartlet cabe neste momento apenas ver TV.

Enquanto isto, na campanha democrata, Russell leva até Santos uma proposta difícil de recusar: pede que ele retire sua candidatura e se torne o seu vice-presidente. Josh não vê outra saída, Santos vacila e Helen Santos não admite desistir. A personagem de Teri Polo é muito interessante, é uma esposa muito mais ativa que a Abbey Bartlet e eu realmente espero vê-la se tornando a primeira dama na próxima temporada. O assunto gera ainda outro diálogo muito fofo entre Donna e Josh. Os dois se encontram num bar e Donna argumenta com Josh que não é favorável a uma chapa Russell-Santos (o que é curioso, porque ele demonstra uma inclinação completamente contrária aos interesses de seu candidato e de seu comitê de campanha). A conversa encerra com Josh falando:

How you’d get so smart about this?

I had a good teacher.

Thanks.

No que Josh agradece, Donna se levanta e caminha em direção a saída. Então se vira e diz, sorrindo.

I meant Will.

Como já era de se imaginar, Santos acaba recusando o convite de Russell – que já tinha outro VP na manga, o governador Baker (Ed O’Neill). Resta a Josh ter que explicar para a Casa Branca que seu candidato não aceitou o acordo e o partido entrará dividido na convenção. É outra cena vibrante. De repente, o Leo bonzinho dos últimos episódios se transforma naquele velho Leo implacável, duro e inflexível, ordenando a Josh que dê um jeito de Santos volta atrás. Mas os tempos mudaram: Leo já não é mais tão poderoso e Josh já não é mais seu subalterno. Leo se afasta em silêncio.

Parenteses: o episódio mostra ainda o reinício das relações, de forma diplomática, entre Josh e Toby depois do quebra-pau no episódio Drought Conditions.

O programa ainda tem uma trama paralela muito interessante, que rende boas cenas para CJ. Um vazamento de oxigênio irá levar a morte dois astronautas americanos e um russo que estão na estação espacial ISS e a Nasa não tem como resgatá-los, porque seus dois ônibus espaciais estão em manutenção (Ops! Na vida real a Nasa possui três: Atlantis, Discovery e Endeavor). Na busca por uma solução, CJ ouve falar que o exército americano possui um ônibus espacial secreto. Ela tenta então convencer os assessores militares do governo (reparem que Kate está se tornando a bitch do seriado, o que é maravilhoso) e o presidente Bartlet a usá-lo. O problema: se a nave realmente existe, usá-la no resgate irá revelar um segredo de Estado e pode provocar uma corrida armamentista espacial por parte de outras nações. CJ não se dobra e para salvar vidas parece ter usado um velho recurso de seus tempos de assessora de comunicação: vazar informações para a imprensa. Será que vai ficar por isto mesmo ou sua cabeça vai rolar?

Muito bom, não? Nos vemos na Super Terça!

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

2 Comments

  1. juscilene costa celestino

    eu gostaria de rever alguns comentarios sob uma serie que passou no sbt em 2005 de uma policial e dois agentes ela participou da serie barrados no baile como VALERIE

  2. Alex

    Fantástica a 6ª temporada, a série não mostra os sinais de cansaço que seriam normais nesta fase, pelo contrário, ela se ronova e nos faz esperar ansiosos pelo “gran finalle”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account