Log In

Reviews

Review: Stargate Atlantis – The Lost Tribe

Pin it

Stargate Atlantis - The Lost TribeSérie: Stargate Atlantis
Episódio: The Lost Tribe
Temporada:
Número do Episódio: 91 (5×11)
Data de Exibição nos EUA: 10/10/2008
Data de Exibição no Brasil: 29/10/2009
Emissora no Brasil: FX

Embora tenha sido inferior a First Contact, The Lost Tribe também entra para a lista dos melhores episódios desta temporada. Apesar do roteiro não ter sido irretocável como no episódio anterior, a forma como foi concluída a história foi muito feliz.

Quando parecia que Rodney e Daniel ficariam à sua própria sorte e teriam que enfrentar não somente os Asgards, mas também um ataque dos Espectros, pois sem o Portal e sem naves que pudessem viajar grandes distâncias, Katana Labreya chegou à Atlantis a bordo de uma nave que poderia levá-los à M6H-987. Para ajudar, na Daedalus, Ronon conseguiu incapacitar o hiperdrive temporariamente e dar uma vantagem à Sheppard, além de libertar os prisioneiros e retomar a nave. Ambos (Sheppard e a Daedalus) conseguem chegar a M6H-987. Sheppard entra em confronto com os Asgards e a Daedalus, pré-programada por Todd, entra em rota de colisão com o planeta, única solução encontrada pelo espectro para eliminar o dispositivo Attero, uma vez que Ronon havia incapacitado, além do hiperdrive, o sistema de armas e o escudo definitivamente.

A sequência de eventos que levou a esse ponto é perfeita e a conclusão, apesar de óbvia, não tirou o brilho do episódio. O mesmo pode ser dito sobre algumas situações um tanto quanto improváveis, a começar pela a ausência do Coronel Cadwell. Ele simplesmente desapareceu no episódio!

Embora o impacto visual sempre tenha seus méritos junto à audiência, achei exagerada a destruição das instalações dos Antigos. Exagerada também a desenvoltura da chefe de engenharia dos Viajantes, que podia dar um baile no Mckay e na Carter juntos. O ponto positivo fica por conta das cenas entre Mila e Zelenka que renderam momentos engraçados.

Stargate Atlantis - The Lost TribeOutro aspecto relevante é que embora as naves intergalácticas dos Asgards tivessem sido destruídas na guerra com os Espectros, sua tecnologia é infinitamente superior à dos Viajantes, estavam com uma vantagem de três para um e ainda assim eles foram vencidos! A resolução do confronto foi muito conveniente… Sem mencionar que as naves Asgard atacaram somente a nave de Sheppard, enquanto que a Daedalus seria um alvo fácil já que seus sistemas de armas e escudo não estavam funcionando.

Mas essas considerações são apenas pontos destacados de um conjunto que no todo funcionou muito bem.

Mais relevante que o perfeito fio condutor da história, ou as pequenas falhas que acabaram por se diluir no todo, foi o que o episódio deixou como questão: Asgards, humanos e Espectros não eram simplesmente inimigos em confronto, mas espécies lutando pela própria sobrevivência. Todos com seus méritos. Afinal como escolher entre 100.000 anos de história de uma raça singular, milhões de seres humanos, ou uma outra raça ímpar que somente pelo toque das mãos tem o dom da vida ou da morte?

Por isso o que, para mim, acaba por definir o episódio, é o diálogo entre Daniel e o Asgard e não as sequências de ação. E um bom resumo dele pode ser encontrado em uma fala de Todd:

Todd:

É tolice me ver como inimigo.

Dra. Keller:

Sério? Por quê?

(…)

Todd:

É uma longa história.

Séries citadas:

Historiadora e professora não praticante. Adora uma boa história, seja ela escrita ou encenada. Atualmente, em seu coração, dividem espaço Person of Interest e Once Upon a Time. A Guerra dos Tronos? Prefere o livro.

4 Comments

  1. João da Silva

    Concordo com a análise da Regina, mas deve-se ressaltar o fato de que o episódio se tornou extremamente previsível após sabermos que a Daedulus tinha perdido as armas.

    Foi boa a surpresa de ver Asgards, mas eles foram decepcionantes. Esperava mais deles.

  2. Eversmann

    Realmente Regina Monteiro, o episódio anterior ficou muito melhor, eu achei que os Espectros não tiveram o impacto que prometia quando tomaram a Daedulus. Os Asgard, pra quem tem milhões de anos de vantagem, levaram um baile, diplomacia realmente não é o forte deles, não podiam ter entrado em contato com os humanos de Atlantis? caspita!
    Fiquei feliz do Ronon ter tomado um rodo da Dra. no final heheheh, já tava se achando hein?! Mckay, (será ele o cara?), agora o bola (como dizia a Rachel) está contigo!

  3. Eversmann

    Complemento: Dia 30/11, as 21h, estréia Stargate Universe no Scifi channel. chamada do canal.

  4. Regina Monteiro

    Eu estava morrendo de curiosidade pra saber quando é que ia estrear. Obrigado Eversmann.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account