Log In

Reviews

Review: Smallville – Roulette

Pin it

Smallville - Roulette

Série: Smallville
Episódio: Roulette
Temporada:
Número do Episódio: 179 (9×05)
Data de Exibição nos EUA: 23/10/2009
Data de Exibição no Brasil: 24/11/2009
Emissora no Brasil: Warner

BOOM! Oliver matou Lex Luthor! E nem precisamos recapitular muito para saber que desde então, o Arqueiro Verde tem se tornado um pedaço de lixo humano. Por mais odioso que Lex possa ser, no mundo dos heróis não há lugar para culpa. Assim, carregando o dolo pelo crime cometido, Ollie se entregou a bebida, as mulheres, as drogas e ao jogo. Aceito a metáfora, quando não se tem saída, a vida é uma roleta.

Bom, talvez o clip do Justin Hartley no ínicio tenha sido um pouco demais para o meu gosto. Mas não vou reclamar. Desculpem-me cuecas de plantão, mas ele é o Justin Hartley.

Roulette começou estranho. Mas nada que não possamos esperar da dupla Kevin Fair e Genevieve Sparling. O diretor e a roteirista foram responsáveis, cada um, por diversos episódios “estranhos” em Smallville. Fair dirigiu Abyss, no estilo mais Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembrança possível, também comandou as gravações de Savior e Odyssey, aqui, dirigindo algo mais épico. Ele tem uma pegada dinâmica e ao mesmo tempo emocional. Já a roteirista, apela para o lado mais obscuro das emoções. Sparling escreveu Beast e Progeny. E quando juntamos emoção e ação, o resultado é Roulette. Então vamos a história do Senhor Queen.

Opa, nem tanto. Lois e Clark? Noite de cinema? Lavando roupa? Escapadas supersônicas entre uma pipoca e outra? Segredos escondidos? Decepção? Que diabos! E ainda nem é Natal! Bom, eu aceito. Muito obrigada pelo presente.

Agora sim, Oliver Queen. Ele achava que estava no fundo do poço, mas não se enganem, sempre tem alguém que pode cavar o seu poço ainda mais. Mas quem? Vamos dá uma pequena pista: “Alguém que ele destruiu”. Pensei em várias pessoas, mas Lex não foi uma delas. Eles não iriam colocar um dublê de corpo do Rosenbaum na jogada. É muito barato, muito cômodo, e não é o que o povo quer. Mas quem? Alguém.

A cena do caixão foi doentia. Ainda mais quando o centro da brincadeira é a ferida mais aberto do loirinho. Mas daí, tiramos que a pessoa por trás do inferno pessoal de Queen, sabe de seus segredos. Mas quem? Winslow? Tess? Quem? Alguém no mínimo sádico.

Depois de soltar os cachorros em cima dele, jogar um caminhão contra ele, matar sua parceira (mesmo que improvisada), prendê-lo, deixá-lo pobre, Oliver deveria saber que essa pessoas realmente foi machucada. Mas quem? Quem seria tão cruel? Alguém.

Pois é, se Oliver achava que a culpa era seu sepulcro, não sabia o que estava falando, ou bebendo, ou … Alguns gerúndios a parte, ele não sabia.

Mas há sempre alguém para estragar a festa, não? E esse alguém chama-se Clark Kent. Esse sim, herói de verdade, tenta salvar o amigo. Ou Lois Lane, que mesmo tendo como habilidade única sua genuína capacidade em entrar em confusão, foi atrás do seu ex-namorado, para ajudá-lo.

Enquanto isso, alguém continua brincando. Mas quem brinca com fogo… Quase mata a prima! Jesus, Maria, José e o Camelo! “Eu sabia que você não iria atirar?”, “Eu tirei as balas?”. Vamos? E se ele tivesse “atirado”. Como ele viveria com a culpa de quase matar uma pessoa querida? Certo, eu entendo que Oliver precisava de um choque de realidade.

Mas, eu nunca fui fã desse tipo de pegadinha. Será que Chloe já ouviu falar em terapia, ou algo assim? Nem Freud explica.

Eu tive que empurrar no precipício, para depois te puxar.

Diz quem? A mãe dele. Ah, não. Não caio nessa. A Deusa Protetora dos Heróis, Santa Maria Chloe, tem um jeito estranho de resolver as coisas. Mas deixa, ela está a cima de tudo, de todos, de tudo!

Realmente, alguém com muita magoa no coração teria tido uma brilhante ideia como essa, afinal a Liga da Justiça “matou” o marido dela. (pronto, falei!). Ou não, havia uma certa boa intenção nisso tudo. Mas desse tipo de boa intenção o inferno está cheio.

Clark nunca, mesmo que em um milhão de anos, arriscaria o que era preciso ser feito.

Enfim, Oliver deve ter tido no mínimo uma Sindrome de Estolcomo para concordar com os métodos Daquela-que-tudo-vê. Porque há outros, um tipo mais cara-cara. E esse foi o fim do drama de Oliver Queen. Antes tarde, do que nunca. E isso vale para essa review também.

Dinâmico, obscuro e dramático, tudo de uma vez só.

Para o Alto e Avante

Amo a relação entre Lois e Oliver. A única relação madura e genuína nessa série.

E adoro quando Lois entra em algum lugar e mandar as pessoas colocarem as calças. Ah, comédia… nada melhor na vida do que dá umas risadas. É de graça. (Na maioria das vezes).

Kandorians na festa do Oliie? É disso que estou falando. Smallville cresce em meu conceito cada vez mais. Isso chama-se a arte de não perder o fio da meada.

E para fechar o episódio, o diálogo entre Oliver e Clark foi hilário. Vamos dizer que os dois uniformes estão lindos e fim de papo.

Smallville - Roulette

Coquetel de Kryptonita

Roulette, quem? Para uma série, que é conhecida pelas participações especiais, essa daqui foi no mínimo fraca.

Mas como tudo fica bem, quando termina bem. Eu estou feliz. Roulette não foi um episódio espetacular, mas bem arrumadinho. Sem grandes erros, seguiu dando continuidade a nona temporada. Mas algo vem me aborrecendo e não pude deixar de comentar: Chloe Sullivan precisa de uma vida, e não dessa vida. A personagem parece um laboratório de experiências tontas. Em nove anos, ela evoluiu para isso? Uma pessoa amarga e sádica? Tenho certeza que os bilhões de fãs da loirinha não gostam de vê-la matando as pessoas (Lembra de Identity?), ou fazendo jogos psicológicos-psicóticos. Afinal, quem é Chloe Sullivan? Em Smallville, ela é bem mais do que isso.

Enfim, o Arqueiro Verde está de volta. E não duvidem disso.

Roulette enganou 8 trouxas (de 0 a 10).

Escrito por Genevieve Sparling.

Dirigido por Kevin Fair.

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

10 Comments

  1. Marcio

    Eu cheguei a comentar isso, no dia do destaque :D Mas não seria a primeira vez: Smallville já bebeu/chupou/parasitou vários filmes/séries, de Jogos Mortais a Cloverfield :D

  2. Sophia

    ” Vamos dizer que os dois uniformes estão lindos e fim de papo.” Mudando um pouquinho ,vamos dizer que os dois estão lindos e fim de papo,Meu Deus!!!!:)

  3. Mônica A.

    ” Vamos dizer que os dois uniformes estão lindos e fim de papo.” Mudando um pouquinho ,vamos dizer que os dois estão lindos e fim de papo. Meu Deus!!!!:)[2]

  4. Cristiane Martins

    Gostei desse episódio pois, ví que a nossa querida Chloe ode ser bem malvada e sádica no melhor estilo Lex Luthor.
    Aliás a cena do Oliver com Clark sobre os uniformes, foi hilária e linda pela fotografia apresentada. e eles ficam lindos naquela roupa.
    Para o alto e avante!!!!

  5. Nêssa

    Mais uma vez me senti a idiota vendo Jogos mortais……..Mas continuo assistindo e me empolgando….Porque????

  6. RicardoPN

    “Mas, eu nunca fui fã desse tipo de pegadinha. Será que Chloe já ouviu falar em terapia, ou algo assim? Nem Freud explica.”

    Ora, se ele fosse procurar um psicólogo isto renderia um episódio? Só se fosse em “Em Terapia”.

    Gostei! Teve bastante ação que é o que importa, não é mesmo?

  7. Maria Clara Lima

    Mas vindo da Chloe? Entende… o problema não é ter um episódio como Committed, onde o vilão era um pessoa X, o problema é… ah, deixa.

    Eu também gostei.

  8. juninho

    esse epi nao foi tao bom,mais dai pra frente a serie so sobe de qualidade vide pandora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account