Log In

Reviews

Review: Smallville – Metallo

Pin it

Review: Smallville - Metallo

Série: Smallville
Episódio: Metallo
Temporada:
Número do Episódio: 176 (9×02)
Data de Exibição nos EUA: 2/10/2009
Data de Exibição no Brasil: 3/11/2009
Emissora no Brasil: Warner

Em Smallville, temos acompanhado um enxame de vilões que aportaram diretamente da DC. Ao longo do tempo, as HQs criaram várias versões para os mesmo personagens, que tinham que acompanhar os diferentes universos alternativos no qual eram inseridos. É o caso de Metallo, que apareceu nos quadrinhos pela primeira vez em 1959 na nostálgica (ao menos para algunas) Action Comics. Nessa versão, o ciborgue é um cientista com sede de poder.

O Metallo que vimos em Smallville é mais próximo da versão criada nos anos 70: conhecido com a identidade de John Corben, o jornalista sofre um acidente de carro e é capturado pela LuthorCorp. Além disso, Corben tenta seduzir a colega de Planeta Diário, Lois Lane, mas a moça só tem olhos para o Super-Homem.

Na série, Corben é um repórter de trincheiras, cobriu o Afeganistão e cativa um desejo de vingança contra o “Borrão”. A abertura do segundo episódio da nona temporada resumiu bem a dinâmica de Metallo: Você pega um cara que não gosta do Borrão e coloca-o na mesma sala que Lois, depois tira o coração dele e substitui por uma peça de kryptonita. E o que temos como resultado? Um excelente episódio.

Metallo surpreendeu pelo número de referências, de boas atuações, pelo roteiro bem estruturado, solidificando o longo e prazeroso caminho que teremos ao longo dessa temporada. Acho que realmente estou animada com isso tudo, porque a cena no topo de um prédio com o famoso “Borrão/Neo” usando sua super audição me levou as alturas.

E as coisas boas não param por aí. Vamos falar um pouco de super sonhos, super Shelby e a defensora do Superman.

Primeiro, Shelby sempre me faz sorrir. Isso lembra todas as suposições sobre o paradeiro do animal, que eram deliberadamente exigentes e hilárias: “Onde está Shelby?”. Segundo, adoro conversas entre Lois e Chloe. Trás um pouco de humanidade a série. E terceiro, mas não menos importante, o sonho da Lois é uma tremenda falta de respeito com os corações ansiosos. E eu mal posso esperar pelo futuro.

Falando em futuro, admiro a coragem da Lois em confrontar Tess Mercer. E admiro mais ainda a Tess por conseguir enrolar a intrépida repórter direitinho. Claro que a presidiente da LuthorCorp deixaria a senhorita Lane voltar ao Planeta Diário. É melhor manter os inimigos bem perto. Perto o bastante para que possamos espioná-los e descobrir algo sobre um certo desaparecimento.

O que parece não desaparecer é a teimosia do ex-Clark Kent. Clamando que seu alterego humano está morto, Clark só me faz dá risada. Chloe subiu alguns níveis comigo ao confrontá-lo justamente no lugar certo: o coração. Que tipo de kryptoniano frio Clark pretende ser quando ele fica de bate-papo ao telefone com a Lois e alimentando o pobre coitado do cão?

Palmas para a direção de Maizee Almas, por favor. Ela é maravilhosa.

Todas a cenas com o Brian Austin Green estavam na medida certa, e até me fez acreditar de que o cara é um bom ator. A interação dele com Emil foi como uma pequena peça no grande quebra-cabeça que é um roteiro de TV.

Por falar em pequenas peças, eu ainda estou tentando entender em que o Pequeno Stuart pode acrescentar a série. Alguém percebeu a fala da Tess quando ela se dirige a ele como se eles já se conhecessem? “Você trabalha para mim agora, bata na porta antes de entrar.” Mistério.

É que nem tudo tem que ser dado de mão beijada ao público. Surpresas são sempre bem-vindas. E que surpresa ao ver o mural da vingança de John Corben. As peças mais uma vez vão se encaixando. Alguém que não gosta muito do “Borrão”, conhece alguém que não é exatamente fã de carteirinha da figura mística de Metrópolis, e instala nele um coração de Kryptonita? Coincidência? Mistério.

Mas o que não dá para esconder são as faíscas cor-de-rosa purpurinadas que aparecem no minuto em que Tom Welling e Erica Durance aparecem em cena, mesmo que não estejam no mesmo cenário. Lois-Borrão-Clark.

Lois Lane chamado o herói ainda sem nome conhecido como “Borrão” de “você sabe quem” me lembrou aquele filme Superman – O Retorno. (Alguém se lembra? Aquele sem enredo e super exposição do Brandon Routh?) Mas qualquer referência é sempre bem-vinda.

Voltando a estória, ao ver Lois e Corben juntos, tudo faz mais sentido. Ela é fã de quem ele não gosta nenhum pouco. E a partir desse momento, toda a existência da figura da jornalista que está sempre em perigo é justificada. Cena boa, mais uma pecinha necessária. Agora vamos ao desfecho.

Como o clímax em Smallville é sempre muito rápido, fui surpreendida ao perceber que tudo aquilo iria durar mais do que alguns segundos, começando pelo diálogo entre o vilão e o mocinho, passando pela clássica cena da mocinha em perigo, e resultando em um luta rápida, mas inteligente. Até que a parte final do episódio não foi tão ruim.

Metallo:

Você está de fora do mundo, quando o resto de nós está vivendo nele.

Agora temos um bom motivo para que Clark Kent reviva.

Chloe Sulliivan:

É obvio que você tem sentimentos fortes pela Lois.

E temos também um bom motivo para que ele reviva, e volta ao Planeta Diário.

Episódio o quê? Nota 10.

A cena entre Lois e Clark no jornal foi de derreter até coração de kryptonita. As plaquinhas com os nomes dos dois repórteres e o nome do jornal ao fundo é sempre signo de uma trilha sonora com escalada crescente.

Smallville - Metallo

Para o Alto e Avante

Foto do Jimmy, na cena em que Chloe conversa com Clark.

Todas as conversas com a Chloe.

A possibilidade de termos Metallo de volta.

Coquetel de Kryptonita

Stuart. Não que o personagem seja ruim, mas o ator parece uma cópia cabeçuda do Chad Michael Murray e isso me incomoda.

Em resumo, Metallo foi muito, muito bom.

Metallo disparou o coração 10 vezes (de 0 a 10).

Escrito por Don Whitehead e Holly Henderson.

Dirigido por Maizee Almas.

Séries citadas:

30 anos, é formada em jornalismo pela Unesp e em Letras Inglês e Literaturas pela UFRN. No "TeleSéries", já foi colaboradora e editora de Notícias, agora é Editora de Conteúdo e escreve a coluna mensal "Sintonia". Já passou pelo Vírgula e pela Rede BomDia, do DIário de S. Paulo. No tempo livre, vê Bones, Hot in Cleveland, It's Always Sunny in Philadelphia, entre muitas outras séries. Fã do Clark Kent e música country.

Website: http://naliteral.blogspot.com.br/

16 Comments

  1. Marcelo

    Episódio realmente bom. Embora o desfecho dos episódios ocorra de maneira rápida, continuo fiel a série desde a primeira temporada.

  2. André Braga

    Parabéns, Clara, adoro suas reviews.
    Metallo foi muito melhor que Savior.
    Smallville está se superando a cada episódio, já vi a cena final muitas vezes, hehehe.

  3. Andrea

    Bem amarradinho o epi, mas já estão cansando um pouco as “inspirações” deles de filmes, como aquele torturador do Jogos mortais e essa do Super ficar na ponta do prédio como o Batman. Bocejo. Agora só falta aparecer vampiro ‘meteor-freak’ apaixonado pela mocinha desastrada…

  4. vinicius

    A reviews ficou igual smalville, confusa. Clara, você se perde no texto com tantas sitações, deixando chato o texto. Menos é sempre mais.
    Quanto a série, Smalville esta se tronando um Lois and Clark e, se partir para isso, vai cair muito. O melhor da série ainda continua sendo a interação entre Clark e Cloe.

  5. Carlos Iago

    Putz, não consigo ver o que esse episódio teve de bom. Pra mim essa temporada tá uma boa merda…=/

  6. Nanda

    Eu gosto do seu estilo, é bem divertido. Não vejo nada de ‘confuso’. Não mude, Clara. :)

    ‘Interpretação de texto’ não faz mal a ninguém…

    E SV está ganhando audiência, parece que muitos não se importam com o ‘Lois and Clark’.

  7. André Braga

    Parece que para criticar Lois & Clark, algumas pessoas apelam para reclamar da autora da review, tsc, tsc.

    Clara continue assim!
    E viva Lois & Clark, desde 1930.

  8. Mônica A.

    Clara, também gosto muito das suas reviews. Não têm nada de confusas.

    ‘Interpretação de texto’ não faz mal a ninguém…[2]

    Eu gostei bastante do episódio, embora as situações sejam, na maioria das vezes, resolvidas rapidamente.

    Estou adorando essa temporada. Eu amo Lois e Clark!

  9. Fernando Ricca

    Eu gostei do episodio, só não gostei da maneira q acabaram com o metallo tudo muito rapido, acho q ele deveria participar mais da série, clara adorei seu review sim, vc só faz bem a coluna, adoro a interação clark and cloe, mas não sou fã de lois, mas ainda sim estou conseguindo assistir a série e estou gostando do rumo q esta tomando.

  10. André Braga

    Olha, o Fernando apareceu, para falar mal da Lois é claro, hehehe, mas não precisa gostar dela, afinal a Lois é a Lois.

  11. juninho

    parabens clara o texto ta show,realmente o spi foi show show msm,e a tendencia e melhorar muito nos proximos epis.

  12. Clara Lima

    Obrigada pessoal pelos comentários.

    Vinicius, no caso de bagagem cultural, menos nunca é mais.

  13. RicardoPN

    Clara, quando vc faz sua review dias depois do episódio ter ido ao ar, perdemos muito, pois nem sempre nos lembramos dos detalhes das cenas.
    Talvez pudesse nos dar dicas do que devemos prestar atenção nas cenas antes do episódio ir ao ar, sem contar detalhes da história, é claro.

    Pessoal, critiquem, opinem, colaborem, mas sem ofensas, ok? Se não gosta da série, o que está fazendo aqui?

  14. Clara Lima

    @Ricardo.

    Dicas de como assistir Smallville? Nunca pensei nisso. Talvez eu pudesse ser menos preguiçosa e publicar antes da reprise… será que isso ajudaria? Amanhã tem Rabid, fiquem ligados.

  15. RicardoPN

    Com o apagão não deu para ver o novo episódio e todas as reprises programadas pela WB até a próxima terça é da 7a. temporada. Fica difícil.
    Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account