Log In

Reviews

Review: Lost – Whatever Happened, Happened

Pin it

Lost - Whatever Happened, HappenedSérie: Lost
Episódio: Whatever Happened, Happened
Temporada:
Número do Episódio: 96 (5×11)
Data de Exibição nos EUA: 1/4/2009
Data de Exibição no Brasil: 11/5/2009
Emissora no Brasil: AXN

Kate é de longe a minha personagem menos favorita em Lost. Ela consegue a proeza de me irritar quase sempre que aparece em cena, eu não consigo compreender ou aceitar suas decisões e ações, os episódios dela sempre me parecem um gigante desperdício (mesmo quando todo o resto do mundo consegue ver algo fascinante neles) e eu nunca consegui sentir pena pela estória trágica dela, mesmo sabendo que eu deveria. Posto isso, Whatever Happened, Happened veio como uma surpresa, até mesmo um milagre, por ter conseguido não despertar as reações usuais e por ter até mesmo conseguido me emocionar.

Evangeline Lilly nunca esteve tão bem, especialmente no último flashback, quando Kate devolve Aaron a sua avó Carole, confessa tudo a ela e lhe conta que está voltando para Ilha em busca de Claire, logo em seguida se despedindo do menino que cuidou como se fosse seu por três anos. Era óbvio que o apego de Kate a Aaron se decorria da sua própria solidão, de seu próprio abandono. Por mais que as suas intenções fossem nobres, Aaron não lhe pertencia. E seu sentimento de que mais hora menos hora ele seria arrebatado de suas mãos, que fica tão evidente no momento em que ela o perde por alguns minutos no supermercado, só torna ainda mais claro que por mais que ela o amasse, ele não era dela.

É interessante ver como seu retorno foi marcado pelo seu recém desenvolvido instinto materno, que a transformou e a colocou duplamente em uma posição de proteção e cuidado de outra pessoa, quando a Kate que esteve na Ilha pela primeira vez tinha motivação totalmente oposta, gravitando em direção a Jack ou a Sawyer porque ela sabia que mesmo com todas as falhas deles, ambos ainda a protegeriam.

É verdade que ambos Jack e Sawyer não estão exatamente representando esses papéis atualmente. O médico não parece estar com a disposição necessária para cuidar de qualquer pessoa, nem de si próprio. E James parece mais preocupado em proteger sua posição como membro respeitado da comunidade, sua casa e sua relação com Juliet, enfim, sua estabilidade e felicidade.

Kate retorna a Ilha mudada e Ben Linus em seu estado terminal é exatamente o que ela precisava, na hora em que ela precisava. Um substituto para Aaron, alguém sobre quem ela possa despejar todos os cuidados que ela vinha dedicando ao filho que abdicou.

E também não é de se estranhar que ela rapidamente fique amiga de Roger Linus, o pai em sofrimento, aterrorizado pela idéia de perder o único filho, a única pessoa que lhe resta no mundo. Jon Gries está absurdamente bem como a figura paterna ambígua. O tipo de pai que perderia o chão se perdesse o filho, mas que não consegue evitar os abusos, os surtos de raiva, as chamadas de atenção (todos provavelmente originados no fato de que a esposa morreu no parto). Ele não é um homem ignorante ou até insensível, mas controlar suas emoções parece ser uma tarefa tão difícil que lhe escapa. Talvez ele não mereça Ben, e Ben talvez só pertença a ele porque nunca existiu uma Kate em sua vida, mas eu não acho que Roger seja mal intencionado. Linus parece amar o filho, ele só não é hábil para tomar conta dele.

Lost - Whatever Happened, HappenedIsso torna a decisão de Kate, Sawyer e Juliet de entregar o garoto a Richard certa? Honestamente, eu não sei. Talvez Roger tivesse direito a tomar essa decisão, talvez ele fosse tão despreparado para tomá-la quanto o é para criar o filho. E Ben estava morrendo, e na vila ele não poderia receber a ajuda de que necessitava já que Jack se recusou a operá-lo novamente e Juliet, por mais que esteja quase se qualificando como cirurgiã geral na Ilha, não tinha a habilidade para reverter o gravíssimo quadro do pré-adolescente.

Novamente, como se deu com Sayid, nós vemos as pessoas de quem nós gostamos e que são essencialmente os heróis da série terem papel direto na formação daquele que será o maior dos vilões. E por meio de decisões tão simples, mesmo que tão complexas. Juliet, que foi uma das pessoas que mais sofreu nas mãos de Benjamin, incrivelmente apenas consegue ver uma criança inocente, e sua insistência em preservar a vida dessa criança a qualquer custo vai ser um dos principais elementos causadores do Ben do futuro, seu obcecado algoz. Sawyer, que quase foi morto pelos Outros, escolhe facilitar a ação apenas porque é importante para a mulher que ele ama (possivelmente para as duas mulheres que ele ama). Já Jack, que recusa ajuda, não faz a mínima idéia de que sua negativa é o gatilho para aquilo tudo, e para seu próprio tormento futuro/passado.

Benjamin Linus não se lembrará de nada (o que me parece uma desculpa para o fato de que várias temporadas foram construídas sem levar em conta essa trama dos Losties na Dharma, mas eu deixarei passar), porém ele sempre será um dos Outros. É até difícil entender o que isso significa em um nível mais profundo. Que tipo de ritual Richard fará que ligaria Ben a seu povo de maneira irremediável? Mas nós todos sabemos como termina. E os Losties, assim como o pequeno Ben, vão gradualmente perdendo seu status de inocência com o passar dos episódios dessa quinta temporada e vão tornando-se, de uma maneira um tanto bizarra e injusta, senhores de seu próprio destino.

Séries citadas:

É estudante de comunicação. Não vive sem The Good Wife, Parks and Recreation e 30 Rock. Ah, e Gossip Girl, que apesar do bom senso, ainda nao conseguiu largar.

20 Comments

  1. Carol

    Acho que seria mais interessante se o Ben lembrasse de tudo… Justificando td o que ele fez para o Sayid… tipo uma vingança… E o fato de ele ser muito mentiroso e manipulador justificaria isso nunca ter sido mencionado na série…

  2. Tina Lopes

    Ótima resenha, eu também dispenso a Kate (ela fica tão esquisita, de saltos e cabelos penteados!) mas nesse episódio foi bem interessante. Engraçado que fico pensando como a avó de Aaron conseguirá sair do país e voltar à Australia com um menino estranho. Tadinho do Aaron.

  3. anderson

    EXCELENTE review, dissecou de forma cirurgica toda a transformação que a personagem Kate sofreu, e eu que tb sempre torci o nariz para a atriz, fui obrigado a reconhecer que ela deu um show.
    O momento em que a ex de Sawyer falou q ele deve ter saltado do helicoptero mais por medo de ficar com Kate do que por altruísmo também foi bem relevante, e a reação de kate,especialmente seu olhar, foi algo digno de nota.

    Sobre Ben, por mais arranjado que pareça ser, alguma saída deveria ser criada para explicar essa falta me memória posterior, e acredito que se mostraro procedimento ao qual ele passará mais para frente, entao aguardo e depois critico ou não.

    Mas a caracteristica de Lost que eu mais gosto é que a história da ilha e varios enigmas estão sendo esclarecido juntamente com as evoluções dos personagens, no meio dessa transformação de kate sabemos como ben foi parar com os losties, isso que eh o trunfo da série e esse foi o trunfo do review.
    Lost não é só monstro e ilha que se move, é também um drama de desenvolvimento, destruição e reconstrução humana, e é sempre bom quando alguem consegue captar isso. parabéns de novo pelo review.

  4. Paulo Fiaes

    eu tenho sido um defensor do Jack nesta temporada, nao vou aqui colocar minha teoria sobre a mudança do personagem, mas sim falar de Sawyer, que é muito provavelmente, o personagem mais querido de todos.

    Dito isso, qual a diferença entre Sawyer e Jack, se os dois no final das contas agem por interesses proprios? Jack nao quis operá-lo pq sempre há um motivo pra salvar Ben, mesmo este não merecendo, e Sawyer deixou claro que nao vale a pena arriscar a vida de conforto que ele tem pra salvar um garoto que vai prejudicar e muito a vida dele no futuro/passado.

    E aí q concordo com Anderson, pq Lost é uma série mto mais sobre o desenvolvimento dos personagens do que sobre a ilha e o monstro da fumaça. E todos eles, estão agindo diferentes do que foram quando cairam na ilha, pq todos eles estão tentando se encontrar, e se der, serem felizes, ou ao menos nao sofrer mais. entao me parece tao injusto criticarem o jack por simplesmente falta de empatia ao personagem, ou culparem ele dizendo que ele é/será “responsavel” em parte pela nao felicidade dos personagens que gostamos. e acho injusto a critica ao personagem pq talvez seja um dos mais bem trabalhado no decorrer da série, e principalmente, pq mostra claramente, q no final, o que aconteceu aconteceu serve para todos que residam na ilha, eles todos serão culpados pelo seus destinos, e este epísodio é mais claro do que nunca: jack se recusa a operá-lo, Juliet tem a ideia de entregar o garoto aos outros, Kate resolve levá-lo, e Sawyer resolve ajudar Kate(Juliet) e a soma disso tudo é Ben ter se tornado quem conhecemos… aí alguem vai dizer, mas cara, Jack deu o pontapé inicial e aí eu digo, e Sayd que atirou? e Ben que libertou Sayd? e o pai de Ben que o maltratava? ….

    Claro que vc falou de Kate na review, e o episodio foi centrado nela, que justamente junto com jack, parecem ser os menos queridos. Ate concordo que finalmente deram uma importância a Kate agora com esta vontade de resgatar Claire. a personagem tem uma historia pesada, mas acabou se tornando apenas a mulher que seria disputada por 2 caras. mas e Juliet? nao se tornou também a mesma coisa, ou pior, se tornou a sobra da kate? acho que as duas no final das contas foram mal construidas e ou desenvolvidas. a diferença é que Mitchel desde o primeiro episodio mostrou seu talento, enquanto apenas agora pudemos entender o que os produtores de Lost viram em Lilly, que realmente, mostrou que sabe atuar e muito bem.

    Thata, excelente review
    =)
    e olha que dessa vez eu nem queria falar mto
    =)

  5. Eduardo

    Não há como ir errado quando são as mãos de Carlton Cuse e Damon Lindelof no roteiro.

    Bobby Roth também mostrou sua competência como diretor (já havia mostrado quando dirigiu o pequeno Ben e seu pai pela primeira vez no terceiro ano).

    E também conseguiu uma das melhores performances de Evangeline. A menina que começou sua carreira como praticamente uma figurante, tornou-se uma verdadeira protagonista em um drama bem desenvolvido.

    Graças a deus, esse episódio forçou um “course-correction” básico, contrariando as expectativas do assassino Sayid. Mais uma vez, a teoria de Faraday é validada.

    Mas também fico imaginando que se Sayid nunca tivesse atirado em Ben, ele talvez não teria crescido para tornar-se o homem que é atualmente. E Sayid fez isso por ter sido vítima do Ben crescido durante 3 anos. É um caso trágico de causa e conseqüência cíclica.

    Jon Gries também foi interessante. O pai abusivo e bêbado mostrou um lado humano e uma compaixão há muito esquecidos. Interessante o fato de Kate ter tido simpatia pelo cara, levando em conta o que ela fez com o último pai abusivo na série.

    Já Jack perdeu sua relevância quase que por completo. O moisés de Lost já não é mais o herói que Abrams e Lindelof venderam para os executivos como o protagonista de seu blockbuster.

  6. Eduardo

    Até acredito que Jack ainda tenha um propósito não definido. E também não pretendo soltar minha teoria antes da hora. Com menos de 24 horas faltando pro final da temporada, não acho bom arriscar um spoiler.

  7. Gabriel

    Concordando com o Eduardo, talvez o Jack seja aquele jogador que cumpre funções táticas em um time de futebol. Ninguém gosta do cara, mas ele é importante para o treinador. Ou é isto, ou realmente ele perdeu sua função no grupo e na série desde que saiu da ilha.
    Curioso ver que todos os homens agiram racionalmente e pretendiam deixar Ben à deriva em função do que ele fará no futuro (ou fez no passado, ou pensa em fazer, sei lá). Já as mulheres, mesmo sabendo de tudo, tentaram salvar o garoto a qualquer custo.

  8. Aline

    Já comentamos sobre Terry, Michael, Josh e Elizabeth, mas eu também acho a Evangeline muito competente. Nese episódio principalmente, mas não só nele, outros dois que ela esteve ótima foram “Every Man for Himself” e “I do”. Mas centrando-me neste, a cena dela chorando ao se despedir do Aaron foi muito emocionante, me fez chorar junto. Queria que ela o reencontrasse depois. Ela cuidou muito bem do menino e foi mesmo uma mãe pra ele. Então se a Claire queria dá-lo pra adoção não vejo porquê ela não poderia ficar com ele.

    E eu sempre gostei da Kate. Sou Skate shipper assumida. Pra mim ela sempre foi complexa, com um passado difícil e por isso com traumas completamente plausíveis, como ter medo de se envolver demais e acabar sendo egoísta. É de se esperar de quem passou por tudo que ela passou.

    Quanto ao ator que faz o pai do Ben, sinceramente não achei isso tudo. Foi bem passé, pra falar a verdade.

    Essa temporada veio pra consolidar meu ódio pelo Jack. Eu juro que faço o que posso pra gostar dele, mas ele não me desce. Ele fica nessa indecisão sem fim e quando se decide é pra ir do contra e/ou pra fazer besteira. Precisava ter ficado um episódio inteiro pra ler a carta do Locke? Precisava ter se negado a ajudar o Ben? Não acho que seja ele o culpado pelo Ben ser o que é hoje, pra mim a culpa pertence em grande parte aos Outros (por quê não arranjar uma cura sem ter que tirar a inocência do menino?) e em pequena parte à infância que o Ben passou (não dá pra colocar toda a culpa nesse fator, já pensou todo mundo que já foi maltratado na infância virar psicopata?). Mas eu acho sim, que o Jack é infeliz e não realizado por culpa dos seus próprios erros. Seu tom sempre superior, dono da verdade me irrita. Arrogância não me perturba, se motivada. Pra uma pessoa se achar ela realmente tem que ser O cara. O que não é o caso do Jack. Nem sei se eu quero mais que a Juliet fique com ele. Ela merece melhor.

    Thais, discordamos em alguns pontos, mas sua review continua ótima como sempre.

  9. Mica

    Só sei que eu gosto mais do Jack nesta temporada do que gostei dele a série inteira (fala sério, odiei o cara desde a cena um).
    De resto, excelente review, Thata. Vc falou tudo tão bem (e o povo que comentou depois também) que não sei o que dizer (ok, confesso que a falta de tempo pois o expediente de trabalho termina em 1 minuto e eu tenho que sair correndo também ajuda a não falar coisa alguma, heheh).

  10. Fabio Peixoto

    Thais e Mica… o time feminino vem arrebentando mesmo nas reviews…parabéns! :D

  11. marilia

    eu tô perdida numa coisa:

    (lembrando que eu acompanho pelo axn)

    se o que acontece na infânca de Ben, são os gatilhos para suas atuações vilanescas, manipuladoras e mimadas do adulto, muitos destes, atos de pura vingança, como é que ele não lembra de nada? Só faz sentid se ele lembrar de tudo, pq explica exatamente o fato de ter ser jack a fazer a cirurgia, da obsessão por juliet, aquela que lhe entregou o destino que ele queria, de não deixar sayd se livrar do seu passado de assassino e etc.. me parece que ele sabia que essas pessoas iam, por força das probabilidades da teoria lá do pendulo, chegar na ilha e ele esperou que isso acontecesse, pq queria reencontrá-los, assim como foi atrás de juliet…talvez até ele mesmo causando a impossibilidade de bebês nasceream na ilha, só pra justificar a ida da loira… afinal, o ethan nasceu… não explica tudo, eu sei… mas pra mim, se tem alguém que lembra de tudo… é ele.

    mais uma vez ótimo review. aliás, o melhor da categoria.

  12. Cesar Adriano

    É dificil analisar Lost, pois com essa de apagar a memória do pivete, parece que o papel dos Losties foi o de somente empurrar o Ben pro lado negro da força…deram uma de Palpatine!!!

    Eu esperava mais dessa volta do pessoal a ilha, parecia uma coisa extremamente necessária, algo vital para a ilha, inclusive o Locke morreu lá fora tentando trazer eles.

    Achei o Jack meio descaracterizado, esse negócio de não querer ajudar o menino é estranho, o cara é médico poxa! Mas ainda é meu personagem favorito, junto com o Locke/Highlander.

  13. Rubens Fructuoso

    Jack e Kate são as personagens mais desinteressantes da série.

  14. georgia

    Ben deve lembrar sim, tanto que em nao sei qual temporada, ele poe pede pro Mike buscar alguns Losties? E quais sao eles?

  15. Patrícia

    Essa história de o Ben se lembrar ou não dos Losties em sua infância, também me deixou em dúvida…

    Dei muita risada na cena em que o Hurley tá olhando a mão, e o Miles pergunta o que ele tava fazendo, e ele diz: “Tô vendo se a minha mão não vai sumir, igual ‘De Volta para o Futuro'”, hahahaha… e os dois discutindo as teorias de viagens no tempo, muito bom, hehehe…

    Muito boa review, e bons comentários do pessoal…

  16. Thais Afonso

    “se o que acontece na infânca de Ben, são os gatilhos para suas atuações vilanescas, manipuladoras e mimadas do adulto, muitos destes, atos de pura vingança, como é que ele não lembra de nada? Só faz sentid se ele lembrar de tudo, pq explica exatamente o fato de ter ser jack a fazer a cirurgia, da obsessão por juliet, aquela que lhe entregou o destino que ele queria, de não deixar sayd se livrar do seu passado de assassino e etc.. me parece que ele sabia que essas pessoas iam, por força das probabilidades da teoria lá do pendulo, chegar na ilha e ele esperou que isso acontecesse, pq queria reencontrá-los, assim como foi atrás de juliet”

    Pois é, Marília (e todo mundo mais que comentou sobre isso). Eu também achava, até episódio que Ben se lembraria de tudo, até porque, como você apontou, justificaria muita coisa, e de maneira muito mais interessante até. De acordo com Richard, esse não se lembraria. Mas vai saber… Quem sabe alguma coisa deu errado? Eu gostaria mais se ele tivesse todas as memórias também.

  17. Flávia

    Engraçado, Jack é o cara mais interessante da série para mim. O médico racional que procurava uma explicação científica em tudo, mas que a ilha mudou a ponto de torná-lo o cara que dá um salto de fé, que calça os sapatos do pai no Locke sem saber por quê.

  18. Jorge

    Acho mais assim: estamos todos nós em constante mutação apartir da nossa própria personalidade; somos, inclusive, frutos dos meios em que vivemos… e podemos estar (e não ser) relativamente diferentes em cada momento. Mas, o núcleo da personalidade está sempre lá. Criminosos “insensíveis” podem ser pais atenciosos.
    Não gosto da idéia que muitos têm de que um homem é, ou torna-se, assim ou assado somente como causa dos efeitos dos outros. Ben Linus é FDP (essa é a sua personalidade básica), e assim será (seria) lembrando, esquecendo, pelo Pai abusivo, por Jack, por Sayid, Kate ou Juliet: “Whatever happened, happened”. Pois, o que o Locke fez (ou ainda fará) para que o Ben o “matasse” duas vezes?!?!
    Acho legal o debate sobre as decisões que dos personagens, e tb acho que sempre é fácil analisar os outros.
    E vc, médico racional, salvaria o estuprador da sua filha? (isso não foi pra vc Flávia, viu?)
    Mas a série mostra-se sempre aberta e cheia de possibilidades para o próximo epi (o Ben, achávamos, tinha morrido, mas estava é moribundo….. pq Sayid não checou isso antes de ir-se, se matá-lo era sua intenção?)….
    De tudo que acontece conosco, a maior parte é resultado das nossas próprias escolhas!

  19. Caio

    Atitude mais pau no cu do Jack. Não cheirava nem fedia pra mim, mas depois dessa, não gosto MESMO dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account