Log In

Reviews

Review: Lost – The Constant

Pin it

Série: Lost
Episódio: The Constant
Temporada:
Número do Episódio: 76 (4×05)
Data de Exibição nos EUA: 28/2/2008
Data de Exibição no Brasil: 31/3/2008
Emissora no Brasil: AXN

Quando meu queixo cai tantas vezes que eu perco a conta durante um episódio, eu sei que o episódio foi muito bom. Esse A Constante fez meu queixo cair tantas vezes, que eu acho que qualificá-lo como menos que excelente é impossível. Sem dúvidas, esse foi o episódio mais “What the Fu**?” dessa temporada.

Kate criando Aaron, Jack mentindo descaradamente, Charlotte encontrando um urso polar Dharma na Tunísia, Ben chefe de Sayid matador, nada disso é pálio para o turbulento episódio do Brotha. Eu adoro o Desmond e acho que a história de amor dele e da Penny é a mais linda de Lost, então além de ficar agarrada na cadeira todos os segundos desse episódio, eu também verti lágrimas. Quantas respostas e quantas perguntas vieram. Viagem no tempo sempre foi algo que assustou muitos fãs de Lost, mas eu sempre gostei da possibilidade de mexer com essa temática do tempo, de dimensões paralelas ou o que quer que fosse.

Mas os escritores que eu critiquei tanto pelo roteiro tosco de Eggtown merecem os parabéns pelo ótimo trabalho que fizeram discutindo o tema na série. Foi de maneira muito séria, interessante e de tirar o fôlego. E é difícil uma série lidar com pseudociência sem deixar o espectador murmurando “Ah, que mentira!”. No final minha cabeça deu um nó tão grande que eu ainda não consegui raciocinar.

Faraday insinuou que a percepção do tempo é diferente na Ilha, mas se é Véspera de Natal no mundo exterior então se passaram exatamente 93 dias, assim como os sobreviventes contaram. Isso só mostra que essa questão do tempo está longe de ser completamente esclarecida. Uma outra coisa que me deixou encucada, é como os Outros conseguem sair e entrar na Ilha sem ser afetados. Richard Alpert parecia viajar bastante antes da explosão do submarino e eu fiquei me perguntando como ele consegue não enlouquecer. Ou será que aquelas aparições dele no Flashback de Ben serão reveladas como tendo relação com essas viagens no tempo?

No fim, Juliet pode não ter sido sedada apenas para que não soubesse a localização da Ilha, mas também porquê eles talvez temessem que algo do tipo acontecesse com ela. Sendo uma médica, ela tinha que lidar regurlamente com radiação. E o Faraday? Será que ele também está viajando no tempo ou ele queria estar viajando no tempo? Vou ficar roendo as unhas por The Other Woman.

Editando: Eu li em um fórum Jacket americano uma discussão sobre se a doença que o time de Rousseau teve poderia na verdade ter sido os efeitos colaterais. Eles teriam todos começado a viajar no tempo e assim como Minkowski teriam perdido o controle e enlouquecido por falta de uma constante. Eu acho que é uma possibilidade. E se for confirmado, uma grande resposta. Mas deixa ainda mais perguntas no ar. Como foi que Danielle conseguiu ser a única a não sofrer os efeitos?

Este review foi publicado originalmente no weblog Séries Addict.
A Thaís está substituindo interinamente o colunista Eugifran Moreira.

Séries citadas:

É estudante de comunicação. Não vive sem The Good Wife, Parks and Recreation e 30 Rock. Ah, e Gossip Girl, que apesar do bom senso, ainda nao conseguiu largar.

22 Comments

  1. Bernardo

    Talvez a constante da Danielle naquela época era a filha (se ela tava grávida durante a viagem), então ela conseguiu suportar as alucinações/viagens. Bom, Lost é um seriado no qual vc só pode esperar perguntas à tonelada e respostas à conta gotas, hehehe.

    A review me deixou interessado em ver o eps, terei que ver na reprise daqui a pouco pq perdi a exibição ontem.

  2. Holly

    Foi sensacional mesmo! Tambem adoro o Desmond e a história dele e da Penny. Vou mais longe, o brotha deveria ser o protagonista..é muito mais interessante que o Jack!!!

  3. Rubens

    “nada disso é pálio”…

    Deve ser páreo para um Honda Civic então… :-)

  4. Regiane

    Ótimo review! Além de também ficar com o queixo caído foi impossível não se emocionar com o telefonema final entre Desmond e Penny.

    Holly, tendo a concordar com vc. O personagem do Jack anda deixando a desejar…

  5. fernando dos santos

    Essas histórias de viagens temporais sempre deixam dúvidas.Por exemplo:Foi o Desmond de 2004 que atravessou a tempestade então por que o Desmond de 1996(que estava em um quartel na Inglaterra) saltou no tempo para 2004?
    E por que o Faraday na ilha age como se não lembrasse de ter visto o Desmond mas tem o nome dele escrito em seu diário?

  6. Silvia_05

    Melhor história ever! Uma explicação bem plausível para as alucinações de Desmond.

    Só não quero que os neurônios dele explodam quando encontrar com a Penny. Não vou agüentar.

    E o doidinho do Faraday é ótimo também.

  7. anderson

    Eu acredito que pára você não ser influenciado pelas viagens no tempo deve-se sair da ilha pelas mesmas coordenadas por quais entrou nela. Isso explica porque Ben passou a Michael uma coordenada e Faraday usou outra.
    Rosseau não sofreu as consequencias pq nao tentou sair da ilha, pq estava grávida de alex e os outros tentaram sair da ilha e “enlouqueceram”.
    sobre o tempo acredito que tenha a mesma duração de fora, porém não o emsmo efeito, ou seja, o efeito no organismo é diferente, você envelhece bem devagar na ilha. isso explica a aparência inalterada de Alpert. calro que isso são só hipóteses.

  8. Silvia_05

    Fernando, até onde eu entendi o próprio Faraday, em 1996 foi exposto à radiação, propositalmente – cena que o Desmond pergunta porque ele não protege a cabeça.

    Então ele deve ter feito outras viagens no tempo também. O encontro com o Desmond em 1986 pode ser, ao mesmo tempo, uma viagem do próprio Faraday.

    Para reforçar a idéia de que ele não está (ou estava) enlouquecendo, Faraday anota na agenda que Desmond é sua constante, isto é, uma referência no passado e no futuro.

  9. leoff

    Fernando,

    Segundo o próprio Damon Lindelof os efeitos dessa viagem no tempo são aleatórios. Às vezes a mente do presente vai ao passado, às vezes é o oposto. O mesmo vale para a época em que a pessoa vai parar, podem ser horas ou anos no passado. Vale lembrar que apenas Desmond sentiu os efeitos porque seu corpo já tinha recebido uma forte descarga eletromagnética ao final da 2a. temporada.

    Outro ponto-chave ressaltado por Lindelof é que não existe paradoxo temporal. O que está determinado a acontecer acontece de um jeito ou de outro, vide a morte de Charlie. Por isso Faraday, Desmond e Penny (1996) não se lembram de nada. Acredito que a memória deles tenha sido apagada algum tempo depois do término da viagem de Desmond (quando sai do apt. de Penny).

  10. Flávia

    O episódio foi sensacional, como todos os do Desmond – um cara, afinal, que consegue ver o futuro. De um jeito ou de outro, ele já viajava um pouco no tempo, esse tema é uma constante – sem trocadilho – nos episódios dele.
    Agora, conserta aquele “pálio” lá, vai?

  11. Tula

    Ai gódi…depois de ler tudo isso não vejo a hora de ver esse episódio!!!!Até os comentários estão ótimos hoje! Pena que não assisti ainda e fico no vazio….

    Bjsssss…

  12. Márcio

    Nossa, que loucura este episódio. Muito bom e surpreendente cada vez que o Desmond ia e voltava do passado. Fora o quarto episódio que foi o mais fraco da temporada, a 4 temporada está show de bola. Tomara que este ritmo continue assim até o final com muitas suepresas e revelações pela frente. Principamente revelações, pois ainda temos muitas duvidas a serem exclarecidas.

  13. Mica

    Todo episódio centrado no Desmond é um nó só. É claro que são maravilhosos e quase sempre os melhores de se assistir, mas não deixam de ser um nó só, hehehehe.
    Achei legal o fato de apenas a mente viajar no tempo, não o corpo. E, só para ter certeza, quando ele fala com Penny no presente, ele volta totalmente ao normal, certo?
    Graças a Deus eu não tive aula ontem e pude assistir o episódio ^_^.

  14. Carina Medeiros

    “No final minha cabeça deu um nó tão grande que eu ainda não consegui raciocinar. ” 2

    Estou com a mesma sensação, aliada com outra ” que episodio f***! Sempre achei Desmond o personagem mais complexo e completo da série, seguidos do Ben e Locke, o que se confirma quando assistimos episódios baseados em um dos três: complexos, excelentes e repleto de questões… confesso que ‘viajei” tentando acompanhar as explicações do Faradey e ficaram muitas dúvidas e poucas respostas. Um “gancho” surpreendente para continuar a acompanhar a série e dar um “shut up” para aqueles que deixaram de acompanhá-la :)
    E, o amor de Desmond e Penny é lindo….

  15. Mica

    Eu só sei que o episódio já estava lá pela metade e eu me perguntando “meu Deus amado, o que está acontecendo com o Des? O que raios eles inventaram dessa vez?”. Juro que achei que não iria entender lhufas (eu geralmente peno para entender as idas e vindas do Desmond e de longe ele é o personagem com quem mais aconteceu absurdos e portanto o que tem a história mais complexa, como disse a Carina). Fiquei muito, mas muito feliz mesmo quando o episódio explicou que era uma viagem ‘mental’ no tempo. Eu estava a ponto de chorar, hehehehe.
    Mas o legal mesmo é que explicou o necessário para nos deixar mais interessados, mas não tudo a ponto de tirar o mistério da coisa.
    Eu tenho cá a sensação de que o Des é um dos personagens mais importantes, afinal, tudo na vida do cara parecia levá-lo para aquela ilha e aqueles acontecimentos.

  16. Patrícia

    Muito bom episódio, como já disseram aqui, os episódios centrados no Desmond geralmente são muito bons…

    Eu ainda não consegui entender como o Faraday não se lembra do Desmond, ou melhor, eu fiquei pensando o seguinte: quando o Faraday pediu pro Desmond se encontrar com ele em 1996, imagino que ele em 2004 não se lembre mesmo do Des, afinal não tinha se encontrado com ele… mas depois que o Des fala com o Faraday em 1996, e consegue voltar ao normal, será que em 2004 o Faraday tem isso na memória, digo, será que, de repente, ele consegue se lembrar que aquele momento aconteceu no passado? Eu não entendi aquela cena dele procurando no diário o nome do Desmond… se ele estivesse procurando aquilo antes do Desmond voltar ao normal, será que ele teria encontrado a mensagem?

    Eu não sei se alguém entendeu minhas dúvidas, é tudo muito confuso, mas é que eu “viajo” quando o assunto é viagem no tempo… hehehe

  17. fernando dos santos

    Silvia e leoff,obrigado pelas explicações.Eu também estou começando a achar que o Faraday já fez outras viagens temporais,isso explicaria porque ele chorou quando viu na tevê o resgate do falso vôo 815(ep.01×04).O fato de não terem mostrado o rosto da Sra. Faraday naquela cena também sugere alguma revelação importante para mais adiante.

    Porém, eu continuo achando muito esquisito o fato da mente do Desmond de 1996 ter começado a saltar para 2004.Afinal de contas ele estava no quartel na Inglaterra e não atravessando uma barreira temporal.

  18. Giselle Sutherland

    No final minha cabeça deu um nó tão grande que eu ainda não consegui raciocinar. [3]
    Foi isto que eu senti também com este episódio.
    Alías os episódios centrados no Desmond me deixam assim confusa e concordo com o fernando dos santos
    estranho mesmo este negócio da mente do Des de 96 ter ido pra 2004.

  19. Cyssa

    Muito bom o episódio.
    Desmond é um grande personagem e deve ser muito importante para a série: viagens no tempo e também o fato de prever o futuro (as tentativas de salvar Charlie, etc).
    Boa surpresa ver o ator Fisher Stevens (da série “Early Edition” e do filme “Hackers – Piratas de Computador”) no papel de Minkowski.

  20. bruno

    ouvi muita gente elogiando o conceito original de viagem no tempo apresentado no episodio (a viagem mental), mas isso não é novo, é igual ao filme efeito borboleta. na serie o pré-requisito pra viajar no tempo é ter sido submetido a radiação pois faraday pergunta se Des foi exposto a alguma. este espisodio esta com certeza entre os melhores.

  21. Darth Cesar

    Episodio absurdamente sensacional! Lost finalmente entrando de vez na ficção cientifica… Essa coisa de viagem no tempo é de confundir a cuca, basta lembrar algumas coisas, no exterminador (um cara vem ao passado proteger a mãe do cara que o mandou, só que ele vai ser o pai do cara que o enviou), quando começou os aquela troca de mente após os problemas no vôo de helicóptero, pensei em alguma coisa de crise nas infinitas terras, universos alternativos se chocando, ou seja, uma pessoa de uma realidade passando pra outra, mas depois veio o papo de viagem no tempo, daí me lembrei do filme o 13 andar, em que os personagens retornam no tempo usando a mente das pessoas do passado… enfim, Lost esta demais guri! O Desmond tem os melhores episódios mesmo, sem dúvida, mas o Jack ainda é o meu favorito…Outra coisa, será que foi o espião do Ben que ajudou a fuga do pessoal? De repente todo mundo sumiu do barco.

  22. Ari

    meu deus eu devo estar maluco,porque achei o episódio mais chato de todas as temporadas ,tá certo que pra assistir lost a gente tem que colocar na cabeça antes,que é uma série puramente fantasiosa ,mas ver tudo isso só me deixa ainda mais com medo do fim da série ,porque aonde é que eles vão dar tantas respostas pra coisas tão absurdas como as que acontecem com Desmond,por exemplo .se ele conhecia Faraday no passado como ele não lembrava no presente ,só sei que de qualquer modo quando lost acabar aposto que vai ficar um baita de ponto de ? ,vamos ficar ai sim de queixo caido.

    /

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account