Log In

Reviews

Review: Law & Order: Special Victims Unit – Unstable

Pin it

Law & Order: Special Victims Unit - Unstable

Série: Law & Order: Special Victims Unit
Episódio: Unstable
Temporada: 11ª
Número do Episódio: 225 (11×01)
Data de Exibição nos EUA: 23/9/2009
Data de Exibição no Brasil: 3/11/2009
Emissora no Brasil: Universal

Acompanhar semanalmente a 10ª temporada de SVU foi uma jornada imprevisível, um misto de emoções. Testemunhamos uma sucessão de episódios alucinantes em seu primeiro terço, tivemos um meio de temporada satisfatório e depois uma reta final abaixo da média que culminou no criticado Zebras (10×22), reprisado pelo Universal antes da estreia do 11º Ano. Eu até tentei apontar todos os aspectos positivos daquele final de temporada (o que de fato foi possível), mas a cada vez que o revejo, ele perde força devido aos exageros do roteiro que, na tentativa de fisgar o telespectador, acaba por surtir o efeito contrário. Esse mesmo risco ronda o roteiro quando se trata de um início de temporada, já que há o fardo de suprir tanto as expectativas dos fãs sedentos por novas histórias como as dos novos telespectadores que vieram conferir sobre o que a série se trata. Felizmente, Unstable cumpriu seu papel nesse sentido.

A equipe criativa por trás de SVU às vezes se esquece de que o maior atrativo de sua série não está na investigação forense que pode ser vista à exaustão em qualquer cop show. Esta é uma série sobre conflitos humanos, sobre questionamento ético e social. Então é óbvio que nós ficaríamos vidrados vendo nossos queridos detetives sendo forçados a colaborar com o policial truculento Nate Kendall e subjugados pela promotora passivo-agressiva Sonia Paxton: afinal, engolir muitos sapos faz parte da Unidade de Vítimas Especiais.

O episódio apresentou uma escalação de elenco impecável. Wentworth Miller mostrou bom equilíbrio na retratação do detestável/carismático Nate Kendall por meio da transição constante de seu personagem entre o benfeitor rabugento e o cafajeste cínico, atingindo ambigüidade máxima nos minutos finais do episódio: teria ele atirado o estuprador pela janela ou não? Falando no malfeitor, Mahershalalhashbaz Ali (que nome, hein?) foi o criminoso da vez, que magistralmente iludiu a polícia ao posar como alvo de racismo e comprometeu a credibilidade de sua mais recente vítima. Sua frieza no momento da confissão, usada em voiceover na montagem final do episódio envolvendo todas as mulheres que foram atacadas por ele, funcionou muito bem. Por último, mas em hipótese alguma menos importante, está Christine Lahti na pele da sarcástica promotora Sonia Paxton, que foi temporariamente designada pelo próprio Jack McCoy (de Lei & Ordem) para por ordem na bagunça enquanto Alex Cabot está fora da cidade. Mas alguém aí adorou essa mulher? Sou suspeito para falar, pois minha paixão por essa atriz vem desde a época de uma série chamada Jack & Bobby, cancelada prematuramente, em que ela interpretava a mãe maluquete e liberal dos irmãos que davam nome ao show. Há um episódio em que ela está fumando um baseado no banheiro e é surpreendida ao lembrar que tem de ir a um jantar na casa dos pais da namorada de seu filho mais velho, todos protestantes republicanos! Toda a cena da refeição em que ela está chapada e vai perdendo gradativamente o controle após cada comentário burguês, racista e homofóbico dos anfitriões rendeu a Lahti mais um fã fervoroso de seu trabalho. É bom saber que a veremos em mais alguns episódios. Aliás, as estatísticas regurgitadas por Paxton alfinetavam o tempo inteiro os detetives em cada aspecto de seu trabalho:

É cientificamente provado que as vítimas em choque não respondem bem a imagens de suspeitos que lhes são mostradas simultaneamente. Interroguem-na de novo e mostrem uma foto por vez. O resultado será mais preciso.

Mais de cinqüenta penas são revogadas por ano porque os suspeitos são inocentados pelo DNA. Será que eu vou contribuir com esse número?

Para que eu possa ser competente em meu trabalho é preciso que vocês sejam competentes no de vocês.

E a minha preferida:

Setenta e cinco por cento das condenações injustas são resultantes da identificação equivocada por parte das vítimas aqui na Unidade do “disse-me-disse”.

Ela é cruel.

E nesse último ponto, Stabler tem uma bomba jogada sobre sua cabeça. Quando o estuprador em série admite boa parte de seus crimes, um caso de 10 anos atrás conduzido por Elliot ressurge com uma verdade devastadora: há um inocente, condenado a 25 anos de prisão, que está a uma década cumprindo pena por conta de um erro. Atormentado e constrangido, Stabler vai pessoalmente se retratar e promete que em breve ele reconquistará sua liberdade. Os violentos momentos finais, com o corpo do verdadeiro culpado explodido na calçada do Departamento, levam embora a promessa de Elliot, pois tudo o que tem em mãos é a confissão de um homem morto.

Law & Order: Special Victims Unit - Unstable

Assassinato ou suicídio? Esperemos ver o instável Kendall novamente para, quem sabe, elucidar este mistério…

Séries citadas:

32 Comments

  1. Renata S. Braga

    Adorei este episódio, SVU voltou melhor do que eu esperava e a única coisa que eu destetei foi o final. Que raio de leis são essas que mesmo após ter confessado o crime diante de testemunhas ele não vale nada? Achei frustante!

  2. Regina Monteiro

    Eu estava com saudades de assistir a um episódio de SUV que ao final tivesse o dom de deixar a impressão de que foi curto demais.
    Me pedoem a Olívia e o Eliot mas o melhor do episódio foram Nate Kendall e Sonia Paxton. Gostaria que a Sonia ficasse definitivamente no lugar da Alex Cabot e que Nate aparecesse em muitos outros eps.
    A propósito, também gostava muito de Jack and Bobby.

  3. rosana

    Fiquei com uma dó danada do coitado que ficou 10 anos preso e iria ser solto com a prisão do verdadeiro culpado. Deu até raiva do final. E, nossa, como o Michael Scofield tá gordinho.

  4. João da Silva

    Vamos ver quanto tempo esta promotora vai durar.

    De qualquer o episódio está na média de qualidade da série.

  5. Giselle

    Gostei muito do episódio.
    E achei ótima a participação do Wentworth Miller .
    Curti o personagem.
    Também gostei da nova promotora. Esta atriz trabalha muito bem.
    Se eu não estou enganada ela também trabalhou em Chicago Hope certo ?
    O Nate vai aparecer em outros episódios?
    E na minha opinião foi suicídio.

  6. Shirley

    Foi o episódio que me fez ir dormir sentindo um certo mal-estar.
    Incrível!
    Concordo: Nate Kendall tem que voltar. Wentworth Miller roubou as cenas.

    Só achei que teria uma espécie de continuação do episódio da temporada pessada. Mas depois de 10 min de episódio, nem lembrava mais disso.

    Os roteiristas estavam inspirados.

  7. Ju

    Gostei do episódio, apesar da frustração no final sabendo que o inocente não será libertado. Sinto mas eu não gostei nem um pouco da promotora antipática. Espero que a Alex Cabot volte.

  8. marília

    EU SABIA!

    Eu sabia que depois daquele final de temporada carniça, uma coisa muito boa viria na premiere. Pq gente, eu conheço esses roteiristas, produtores e todo mundo há tempos e sei do que eles são capazes de entregar para nós fãs da melhor série policial-tribunal de todos os tempos!

    E o episódio foi SENSACIONAL em tudo. Começando pela participação do gatíssimo Scofield (para sempre pra mim) que foi muito bem e da nova promotora, que fiz questão de odiar, pq mexeu com Stabler, mexeu comigo! Mas a danada tinha razão. Nem tanto pq no final, o apego às questões judiciais fez com o criminoso fosse preso e as vidas de Liv e Elliot ficassem em perigo!

    E teve daquilo que vc mencionou Angelo, que SVU tem de melhor, que é a reflexão, a sensação estranha de como justiça e injustiça andam sempre de mãos dadas!

    Tô FELIZONA que minha galera que cuida das vítimas está de volta e em grande estilo!

  9. Pedro Paulo

    Foi muito bom rever SVU depois de quase um ano sem ver, pois como baixo os episódios, aqui no Brasil não legendaram além do 6º episódio da décima.

    O que eu mais gosto da série é que a gente nem sente o tempo passar, parece que passou uns dez minutos ao invés de 43.

    Gostei das participações do Wentworth e da nova promotora, eles eram tão malas que chegavam a ser engraçados, fora as frases sensacionais que ela soltava.

    Pra mim, a melhor foi essa:

    “Para que eu possa ser competente em meu trabalho é preciso que vocês sejam competentes no de vocês. ”

    O Elliot (pra variar) quase partiu pra cima dela, e deixou o casal no chão.

    A frase:

    “É cientificamente provado que as vítimas em choque não respondem bem a imagens de suspeitos que lhes são mostradas simultaneamente. Interroguem-na de novo e mostrem uma foto por vez. O resultado será mais preciso.”

    também foi ótima, mas a 1ª foi insuperável pra mim.

    A parte final do Elliot pedindo perdão foi emocionante, mas alegria de pobre dura pouco, fazer o quê.

  10. Eduardo

    O episódio inteiro foi bom. :D
    Gostei da parte investigativa e inclusive do final, mesmo sendo triste pelo cara continuar preso, mas foi bom deixar aquela dúvida no ar de não saber ou não se foi suicídio ou assassinato.
    Ainda vamos ver episódios ainda melhores nessa temporada.

  11. Taciana

    Também acho que foi suicídio, o cara sentiu prazer em saber que um inocente estava cumprindo pena no lugar dele e ainda ficou insistindo para ir ao banheiro.

    Que lei mais sem sentido! Certas leis foram feitas para beneficiar os culpados e ferrar os inocentes.

    Wentworth e Christine foram ótimos, mas o Ali me surpreendeu, ele estava totalmente diferente do Richard de The 4400, um cara tão gente fina cujo olhar me passava uma paz imensa.

  12. Ângelo Romão

    O final do episódio foi polêmico mesmo.

    Pelo que a série já mostrou em suas centenas de casos, a confissão teria que ser reafirmada numa audiência que reavaliaria a situação do cara preso injustamente. Fora a confissão do autor, não havia provas tangíveis que o inocentassem de fato. Depois da morte do criminoso e com a total ausência de provas materiais, o caso ficou extremamente frágil e sem embasamento.

    O testemunho de alguém falecido só é válido se for provado que houve intenção do réu em aniquilar tal testemunha para seu proveito, como um caso de queima de arquivo, por exemplo. Sem a presença do próprio indivíduo para narrar os fatos no tribunal e ser inquirido pela defesa, o caso se torna muito circunstancial e sujeito a múltiplas interpretações.

  13. Maria Regina

    Tambem achei otimo esse episodio de estreia.
    Wentworth Miller estava muito bem e a Christine Lahti excelente como sempre. Espero que eles voltem em muitos episodios.

    Giselle
    Ela atuou em Chicago Hope, sim e desde entao eu admiro o seu trabalho.

  14. Eliane Moura

    Detestei o episódio, cheio de furos. Já deixei de ver Criminal Intent pq está muito ruim, vou acabar deixando de ver SVU tb. Parece que os roteiristas estão escrevendo pra quem gosta de novela policial. Eu não gosto.Fiquei viciada no realismo de The First 48 e tá difícil aturar essas séries.

    E o House ontem? Hum! O médico tem o dever de salvar o paciente e não se meter em política. Foi lamentável.

  15. Amanda

    Confesso que o ep foi otimo, e eu não esperava que fosse tão, foi de preender o folego, e alias eu apesar de eu ser uma fervorosa fã da Alex Cabot por ela ser tão foda quanto boa promotora, confesso que tb gostei da personagem da Christine Lahti, Sonia Paxton conquistou com as frases, morri de rir com ela e o melhor foi que ela colocou o Elliot no lugar dele, o sujeitinho mais nervosinho, assisto SVU desde o começo e não consigo ir até hoje com a cara dele…
    Nate Kendall foi o bady boy que toda mulher gostaria de ter, que não amou e odiou ele nos ep ? gostaria que ele aparecesse mais, vai fazer falta

  16. marcelo

    A série surpreendeu e voltou muito bem, depois do final da temporada passada e com os numeros mais ou menos nesta temporada nos EUA, achei que não vinha grande coisa, mas estava errado, o pessoal voltou a apostar nos dramas do trabalho e como sempre acontece quando isto ocorre se deram bem

  17. Ana Maria

    Início realmente promissor. Foi um grande episódio e, se o compararmos com o 1º da 10ªtemporada houve um salto de qualidade considerável. Essa nova promotora, Sonia Paxton, veio para balançar a estrutura da Unidade e os méritos são decididamente para a atriz. Eu nunca tinha visto nada com a mesma, mas Cristina Lahti
    mostrou que quando o talento existe, logo se manifesta.Acho que seu personagem vai ser chato e intrasigente, por isso estou na expectativa de grandes embates entre ela e os detetives.E quanto ao desempenho do ator Wentwort Miller, que fez o Nate Kendall,gostei muito. Ele me convenceu plenamente no papel de um policial problemático, cheio de traumas.Sinceramente eu até gostaria que de vez em quando ele aparecesse em SVU.Ele é tão bonito e talentoso.Nós mulheres merecemos um colírio daquele.

  18. Alfredo

    Achei um grande episódio. Aquele final foi surpreendente e eu, particularmente, tenho minhas dúvidas quanto à inocência do Kendall. Aquele homem é muito complicado.As explicações finais da promotora para o Elliot foram lamentáveis mas aceitáveis. É a lei que vigora no Estado.Entretanto ela deixou uma brecha para a solução: é falar com o governador.Ele já deve ter feito isso(risos).
    Para finalizar eu queria perguntar a Eliane quais foram os furos que ela encontrou no episódio, porque eu,sinceramente, não conseguí detecta-los.

  19. Eliane Moura

    Se vcs tivessem aula de Medicina Legal durante 2 anos e assistissem Medical detectives, The first 48, Casos arquivados todo dia, tb saberiam reconhecer os furos de SVU! :0)

    E aquele ator que era de Prison Break – que eu nunca vi – é MUITO canastrão!

  20. Alfredo

    Eliane,
    com todo o respeito as suas opiniões Medical Detectives não é ficção. SVU é apenas uma série e como em todas, as situações são fictícias. Se levadas ao pé da letra, rigorosamente verdadeiras, não funcionariam.Mas voce não me respondeu: onde estão os furos de SVU neste episódios? voce poderia cita-los.

  21. Eliane Moura

    Como assim? Se a série é policial, a parte de Ciência forense tem que ser precisa, senão a história fica absurda. Por exemplo, já vi em 2 filmes ingleses – e os ingleses não escrevem mais nada que preste em histórias policiais – o caso de gêmeos idênticos com impressões digitais diferentes. Hello! Gêmeos idênticos, DNA idêntico, logo, as impressões digitais DEVEM ser idênticas. Esse erro grotesco derrubou a história toda do filme.

    No caso do SVU, o 1º acusado não deveria ser condenado apenas pq a vítima o identificou e pq encontraram fibras do carro. Encontrar fibras é bom, MAS deve-se encontrar mais provas que incriminem o suspeito. Senão, o advogado de defesa leva no tribunal o tapete de 300 mil carros com fibras iguais e o juiz tem que soltar o cara. Ademais, o 1º estupro foi cometido há 10 anos, ou seja, em 1999, quando já se fazia exame de DNA.
    Não encontraram DNA, cabelo, pelo púbico, impressão digital, nada? Nada, só fibras. E só com fibras, o caso cai. Se cai o caso, cai o resto da história.

    I rest my case.

  22. imperador

    welmort alem de canastrao é viado.
    mas eu gostei ta postura sinica dele.

  23. Denise

    Já assisti até o sétimo episódio desta temporada e posso adiantar que esta temporada vai ser sensasional! A nova promotora participa dos 4 primeiros episódios. Sua despedida é chocante! A Alex volta no 5º episódio e partipará de 10 episódios. O 6º episódio ( Spooked ) é maravilhoso e tem a participação do ator Vincent Spano ( Dean Porter ) Uau!!!!!!!! Vocês terão muitas surpresas !! O slogan este ano é Elliot e Olívia contra o mundo! Só pelo título dá pra notar não é? A parceria entre o El e a Liv será colocada à prova incisivamente. Elliot terá grandes problemas familiares e a Liv será praticamente massacrada no 9º episódio pois será acusada de um crime e quem a defenderá é o advogado interpretado por seu marido na vida real!
    Bem depois eu conto mais! Adoro essa série e adoro principalmente o Chris e a Mariska! Eles são maravilhosos!!

  24. Luan

    Não encontraram DNA, cabelo, pelo púbico, impressão digital, nada? Nada, só fibras. E só com fibras, o caso cai. Se cai o caso, cai o resto da história.

    Talvez , o advogado de defesa tenha estudado em uma Comunity Colege :D

  25. Leonardo Toma

    Não achei o episódio tudo isso. O que mais me incomodou foi o perfil policial-bad-ass-canastrão do Wentworth. A voz rouca dela me fez lembrar do Horatio não sei porque… Mas pra compensar, adorei a Christine como Paxton. Colocar ela e a Michaela-who numa mesma sala é injustiça.

  26. Fernando dos Santos

    Gostei do episódio.Embora não tenha sido excelente, pelo menos foi um pouco melhor que os ultimos da temporada passada.

    O roteiro deu mais destaque para o Stabler e mostrou que o Meloni voltou um pouco mais entusiasmado para essa temporada.Na temporada anterior os dois(Christopher e Mariska) por vezes pareciam desmotivados, entregando atuações burocráticas.Resta saber como ela vai se sair quando tivermos um episódio colocando a Olivia em destaque.

    Quanto a atuação do Wenthworth Miller, eu também achei que ele continua um tanto canastrão, no máximo esforçado em algumas cenas.Assisti as quatro temporadas de Prison Break e continuo não vendo evolução nas suas performances.Agora o Nate Kendall eu achei um personagem interessante, com muitas nuances(merecia um interprete melhor).

    Os roteiristas precisam perder a mania de introduzir as novas promotoras como arrogantes e antipáticas,já está ficando repetitivo.Achei uma injustiça o que fizeram com a Christine Lahti pois aprecio o trabalho dela.

  27. João da Silva

    Fernando dos Santos escreveu em 08/11/2009

    “Os roteiristas precisam perder a mania de introduzir as novas promotoras como arrogantes e antipáticas,já está ficando repetitivo.Achei uma injustiça o que fizeram com a Christine Lahti pois aprecio o trabalho dela.”

    Concordo. Os roteiristas queimam as novas promotoras assim que elas são introduzidas na série, e depois se livram delas, sem dar oportunidade a elas de se desenvolverem.

    As promotoras novas ficam reduzidas a uns poucos episódios, enquanto que as promotoras antigas tiveram diversas temporadas para serem desenvolvidas pelos roteiristas.

  28. Alfredo

    Volto a escrever aqui para questionar os furos nesse episódio de SVU, indicados pela Eliane.Revi calmamente o episódio e quero destacar o seguinte:

    1º)Não foi feito exame de DNA porque na época não tinha,e, mesmo se tivesse não seria possível, pois o suspeito na hora H brochou;
    2º)O suspeito foi condenado porque ALÉM das fibras do tapete foi encontrado sangue no dorso de suas mãos,e ele foi IDENTIFICADO pela vítima através de fotos e pelo reconhecimento ao vivo.
    Então porque ele foi considerado inocente? Erro dos sistema. Isso existe lá e em todo lugar.Quantas pessoas não fora presas injustamente? Alías o tema do episódio foi esse mesmo.Mostrar que os detetives e o sistema como um todo erram e que é preciso estar atento a esta questão. A nova promotora chegou ali exatamente para questionar a atuação dos detetives e da Unidade.SVU mostrou realísticamente esta situação, e de forma competente e atrativa.Não ví furos nenhum no enredo e no desenrolar da trama. Qualquer um pode não gostar da série, é um direito do ser humano. Mas vamos ser justos e racionais.

  29. Barbara

    Quero reiterar meu desejo de ver a Alex de volta. Promotoria é feita de coragem e impostação de voz e isso ela tem demais. Gostei da Novak também, mas ainda assim a Alex é a atriz pefeita pra esse papel, onde pra mim o mais importante é a parte onde surgem os debates no tribunal. Estou torcendo pela volta da March

  30. vera lima

    Desde da saida da promotora Alex Cabot o seriado ficou um tanto incompleto. Ela tem uma postura firme e uma joga inteligente frente os casos. E o enteresse pela justuça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account