Log In

Reviews

Review: Heroes – Hiros

Pin it

Cena de Hiros
Série: Heroes
Episódio: Hiros
Temporada:
Número do Episódio: 5
Data de Exibição nos EUA: 23/10/2006
Data de Exibição no Brasil: 30/3/2007
Emissora no Brasil: Universal

A literatura fantástica tem origem no século XVIII, mesmo período do Iluminismo. Ela surge a partir da rejeição do pensamento teológico medieval e da metafísica.

Segundo a estudiosa francesa Irène Bessière, o fantástico nasce daquilo que não pode ser explicado através da racionalidade e do pensamento crítico, como o complexo processo de formação dos indivíduos.

Não é raro encontrar nas obras fantásticas referências aos mitos gregos. Os mais velhos devem se lembrar de João Gibão, personagem de Juca de Oliveira da novela Saramandaia (Globo, 1976) inspirado na figura de Ícaro.

Mais recentemente, o episódio Cane & Able, de House, citou a Quimera, como contou meu colega Anderson Vidoni em seu review.

Quimera, ou Chimera, não é apenas o nome de um festival de música que apresentou nomes como Linkin Park, 50 Cent, Slipknot e Sepultura. A Quimera é uma figura mítica que surgiu na Grécia durante o século VII a.C.. A lenda conta que se trata do fruto da união entre Equidna, a mãe de todos os monstros – metade mulher, metade serpente -, e o gigantesco Tífon, o deus da seca. A Quimera é um ser associado ao mal com corpo de leão e três cabeças: uma de leão, uma de cabra e outra de serpente.

Na linguagem popular, quimera é uma alusão a qualquer composição fantástica, absurda ou monstruosa. O termo também pode significar utopia.

Mas, afinal, o que a literatura fantástica e a Quimera têm a ver com Heroes? Tudo.

Além de uma jornada épica, Heroes é uma narrativa fantástica. Isso fica evidente a partir de Hiros, episódio que marca uma nova etapa no seriado.

O quinto capítulo da saga de pessoas comuns que descobrem habilidades extraordinárias mostra que não há mais tempo para divagações. Isso fica claro desde o começo, com a narrativa em off de Mohinder Suresh:

Quando as mudanças chegam, algumas espécies sentem que devem migrar. Denominamos impulso como “zugunruhe”, um instinto da alma para se ir a um lugar distante. Seguir um aroma no vento, uma estrela no céu. Uma mensagem chega e convoca os indivíduos a seguirem unidos. Assim, esperam sobreviver à fria estação que está vindo.

Até aqui, Heroes lembrava Lost pelo grande número de personagens e a falta de um protagonista definido. A partir de Hiros, descobrimos que o enfermeiro Peter Petrelli é o condutor da jornada épica.

Dois acontecimentos fundamentais determinam isso. O primeiro ocorre logo no começo do episódio, quando o Hiro Nakamura do futuro aparece para Peter no metrô com uma enigmática mensagem.

Save the cheerleader, save the world.

Cena de HirosOutro fato importante acontece no encerramento do episódio. Quando Isaac Mendez não consegue terminar o quadro que revelará o assassino de Claire, Peter assume o pincel e entra em transe, finalizando a pintura.

Um novo super-poder? Será que ele é como Clark Kent: romântico e frágil em seu “disfarce”, mas um homem de aço em sua verdadeira identidade?

Séries citadas:

17 Comments

  1. Ana

    Ótimo review!!!
    E o episódio foi muito bom!!! Gosto de Heroes porque não é aquela série que você vê o episódio e depois nem fica tão interessado no que vai acontecer depois (é o que vem acontecendo comigo em Smallville XD).
    Agora espero o próximo epi (torcendo que continue nesse nível) e a sua próxima review.
    Save the cheerleader, save the world =]]

  2. Gui Barranco

    Definitivamente é uma série que cativa aos poucos.
    Vi o primeiro episódio e não me pareceu tão animador, porém, a coisa veio crescendo e agora estou louco pra ver o próximo episódio. A cada episódio que termina eu fico naquela ansiedade, pensando no que vai acontecer…
    Enfim, adorei esse apisódio, e tenho gostado das reviews, pois elas fogem do comum, não são nada óbvias, e nos mostram pontos, que por muitas vezes são obscuros. Enfim, vamos ver o que acontece com a cheerleader…

  3. Dani

    Review perfeita!
    Isso e Heroes, a cd episodio fica melhor.
    E Peter Petrelli e com ctz, nessa temporada, o fio condutor entre tds os personagens.

  4. Victor Hugo

    Excelente Review….e tbm foi um excelente episodio….
    Parabens epla sua critica.. pegou o de mais importante do episodio de sexta…

  5. Thais Afonso

    Review nota dez Ale. O bom é que agora eu estou gostando tanto da série quanto dos reviews. Espero que a tendência seja continuar melhorando. Save the cheerleader!!!

  6. sandra

    Repetindo: vc é ótimo naquilo que escreve, ótimo review. Confesso que quando ouvi falar de Heroes acreditava que era mais um filme originado do mundo dos quandrinhos, meio infantil, mas não, Heroes se baseia em teorias reais, mesmo que fantásticas, quem sabe o futuro? Os fãs de StarTrek devem lembrar que no começo muitos falaram ser um futuro impossível, em tudo. Hoje sabemos, com excessão do teletransporte, que já está em estudo pelos cientistas, e as viagens em dobra, muita coisa aconteceu, como portas abertas com sensor, celulares, computadores com monitor, e outros que não recordo, no momento. Então, como já disse, quem sabe o que o futuro da humanidade nos reserva. Por enquanto, vamos nos divertir.

  7. Lucas Barreto Gomes Leal

    Review perfeita![2]
    essa pra mim foi a melhor de todas!!!
    e esse episódio pra mim foi o ultimo realmente legal durante um tempo…depois fica mto intrincado, a história desenvolve um pouco dando um passo atrás…enfim algumas coisas que eu não gostei
    mas acho ainda sim Heroes uma ótima série…e depois quando voltam os episódios bons voltam ainda melhores!!!ah e…
    Parabéns por mais um ótimo review!

  8. Cesar

    Do mesmo jeito que o público começou a se prender a “Heroes”, começou a se interessar e entender seus posts, Ale! Parabéns, porque eles estão sempre ótimos!

  9. Claudio

    Só esqueceu de dizer que Hiro é o personagem mais legal que passou numa série! Sem ele Heroes perderia metade da graça!

  10. Rô Floripa

    Caramba! Vou ter que ver Heroes que não me atraia nem um pouco. Mas se o Ale consegue nestas excelentes reviwes juntar história da arte, mitologia e ciência, para analisar os episódios, a série deve ser muito interessante. Parabéns Ale, teu texto é ótimo.

  11. Carol S.

    Perfeito!!! Tanto o episódio quanto o Review! Só um detalhe… até onde consigo perceber, o poder do Peter é, quando em contato com alguém com algum poder, conseguir ter este mesmo poder! Se for isso mesmo, ótima sacada!

  12. Mica

    Eu falei isso no outro review, mas falo de novo… Fico pensando se o pai da Claire ama realmente a filha ou só se importa com ela por ser umas das mutações.

    Episódio maravilhoso. Estou doida de vontade de saber como tudo se desdobrará de agora para a frente. E, apesar do Hiro ser um sarna, ele de fato dá uma mexida no negócio todo, hehehe.

  13. Pingback: Heroes Review 01×05: Hiros · Poltrona.TV | O blog sobre televisão

  14. Francisco Leite do Nascimento

    Parabéns pelo review e série!Mas pelo o que percebi nos episódios, o poder de Peter é adquirir as habilidades das pessoas em que toca, no caso os mutantes(como eu gosto de chamar), que a Vampira do X-men.

    TCHAU

  15. Francisco Leite do Nascimento

    Parabéns pelo review e série!Mas pelo o que percebi nos episódios, o poder de Peter é adquirir as habilidades das pessoas em que toca, no caso os mutantes(como eu gosto de chamar), que nem a Vampira do X-men.

    TCHAU

  16. Pingback: ‘Heroes’ (S01E05): ‘Hiros’ | Poltrona.TV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account