Log In

Reviews Spoilers

Review: Glee – Home

Pin it

Glee - Home

Série: Glee
Episódio: Home
Temporada:
Número do Episódio: 16
Data de Exibição nos EUA: 27/4/2010

Finalmente Glee em sua plena forma, com o elenco afinado e músicas que casavam perfeitamente com o desenvolvimento da história. Esta é a série que eu amo.

Embora não tenha trazido músicas poderosas como em The Power of Madonna, Home foi muito mais eficaz na execução de suas obras. Aqui a história não foi simples pretexto para os números musicais, muito pelo contrario. O enfoque foi no desenvolvimento dos personagens e as músicas (belíssimas e muito bem executadas) foram a cereja do bolo, o toque especial que a série sempre nos traz para nos deixar completamente rendidos a ela.

Nessa semana curiosamente o enfoque não foi nos protagonistas, mas sim nos excluídos. Bom, e em Finn, mas ele fez a escada para o Kurt brilhar nesse episódio, e não o inverso. E como Kurt brilhou. Pela primeira vez a série o mostra como um ser humano tridimensional. O garoto foi egoísta e apaixonado, o que o levou a tentar unir o seu pai à mãe de Finn. Mas pelo visto ele não pensou nas consequências. Esse relacionamento não seria apenas a desculpa perfeita para os dois estudantes virem a morar sob o mesmo teto (sim, Kurt sabe que Finn é heterossexual, mas isso não o impede de lutar pelo que quer, não é? Quem diz que o amor entende de lógica?), mas principalmente, a união de Hudson e Hummel significava que Kurt teria que dividir a atenção, o respeito e a admiração do pai com outro rapaz muito mais próximo do que o pai considerava um filho perfeito. Kurt não contava com o seu próprio ciúme quando armou para a Sra. Hudson e o Sr. Hummel se encontrarem.

E se Kurt se mostrou apaixonado e ciumento (da admiração paterna), Finn se mostrou incrivelmente egoísta. Eu aplaudi quando sua mãe surtou e o convidou a sentar ao lado da urna com as cinzas do pai e assistirem juntos à TV. Meu Deus, ela era viúva à quase 16 anos, que tipo de filho é Finn se não pode entender que a mãe é acima de tudo mulher e tem o direito de amar e ser feliz? Embora, bem no fundo, eu entenda a reação do garoto, já que é a primeira vez que vê a mãe procurando ocupar o lugar que antes era exclusivo do pai.

Home sem dúvida alguma explorou a humanidade dos personagens melhor do que qualquer outro episódio. E, depois da facada nas costas que foi Kurt e Mercedes anunciarem no episódio passado que entrariam para as Cheerios, em Home tivemos a oportunidade de nos sensibilizar com o drama desses dois. Enquanto Kurt estava disposto a tudo para ser aceito, Mercedes se sujeitou a um sacrifício que pessoa alguma tem o direito de pedir de outra, muito menos a professora de uma escola. Se bem que a tal professora é Sue Sylvester e dela pode se esperar tudo (e para ser bem sincera, Sue estava anormalmente plácida e gentil no decorrer da coisa toda).

Quinn apareceu muito pouco, mas suas palavras foram incrivelmente sábias e por incrível que pareça Quinn tem se mostrado uma das personagens mais humanas e reais da série. A cena em que a loura consola Mercedes foi muito tocante e suas palavras motivaram a colega de uma forma que ninguém mais tinha conseguido. Por isso o desabafo de Mercedes ao final foi tão especial….e Sue saiu por cima mais uma vez.

Glee - Home

Já o drama da falta de espaço e do reencontro de Will com April foi um show à parte. Embora o motivo principal da busca do professor por um lugar para o New Directions tenha sido basicamente criar uma oportunidade para Kristin Chenoweth dar o seu show (e que show!!), a história foi conduzida de forma tão brilhante que tudo pareceu perfeitamente crível e adequado ao que acontecia no restante do episódio.

Personagens de carne e osso, dramas plausíveis, história bem escrita… tudo bem diferente dos dois episódios anteriores. As músicas até podem não terem sido as mais bombásticas, mas o episódio foi irretocável.

E alguém percebeu que Rachel não teve nem um único solo para contar história? Normalmente eu reclamaria (a voz dela é fantástica), mas a verdade é que o episódio foi tão redondinho que sinceramente Rachel e seus dramas não se encaixariam. Ela estava muito bem ali, agarradinha com Jesse no plano de fundo. Só sinto por ser o terceiro episódio com Jonathan Groff e só tê-lo ouvido cantar lá na sua primeira aparição.

* * *

Texto publicado originalmente no weblog Esperando o Esperado.

Séries citadas:

Michele Reis Martins, a Mica, é advogada e mantém o blog Esperando o Esperado. Fã de Arquivo X, Highlander, Buffy, Doctor Who e sci fi em geral.

22 Comments

  1. Daniele

    Mica,

    Adorei sua review!!!
    Eu comecei a assistir a semana passada de tanto q duas amigas falavam na série e já cheguei neste episódio. Estou adorando!!
    Também gostei mto da cena da Quinn com a Mercedes.
    Achei tanto o Kurt qto o Finn mto imaturos, cada um com o seu motivo claro.
    E a Sue saiu por cima, incrível…rsrsrs

  2. Bernardo SA

    Vi muita gente falando que sentiu falta da Rachel – bom, a série é mais do que ela e uma boa série sabe equilibrar o tempo de tela de seus personagens: temos diversos exemplos de séries que trazem coadjuvantes poderosos que cativam o público e merecem lugar de destaque de vez em quando.

    Como vc disse, o eps foi redondo e se temos que tirar alguma coisa p/ a trama principal (o New Directions vs Vocal Adrenaline) é que neste momento o Jesse tá conseguindo encantar/enrolar a Rachel, conquistando a confiança dela.

  3. Jefferson

    O dueto do Will com a April em One Less Bell To Answer/A House Is Not A Home foi genial, assim como Mercedez cantando Beautiful, que é uma de minhas músicas preferidas.
    Eu prefiro o The Power Of Madonna, mas esse episódio foi realmente ótimo. O único episódio da temporada que eu não gostei foi o 1×3 Acafellas.
    Estou ansioso pra ver/ouvir Total Eclipse Of The Heart no próximo episódio *-*

  4. anderson

    Só eu nao vi tudo isso no episódio? Ta certo q depois do episódio da Madonna o episódio imediatamente posterior iria passar a impressão de não ser tão bom. Mas precisavam exagerar na pasmacera?

  5. Lenon Fernandes

    Gostei de terem dado um descanso a Rachel, por mai que adore a personagem, tem horas q eu quero saber mais dos outros.

    E tb fiquei com raiva do Finn, o que ele queria? Preferia que a mãe morresse sozinha a dar uma chance a outra pessoa.

  6. marquinho

    otima review mica. parabens. eu adorei esse episopdio, nao pelas musicas que foram chatas se for ver, mas pelo contexto e por finalmente tirar o foco de rachel e finn. ja estava cansado dakela novela entre emma e will e rachel e finn. e mais cansado ainda de solos musicais de rachel. quero ver os outros cantando.

    mas como vc disse as musicas se encaixaram perfeitamente no episodio, e eu acho que mesmo glee sendo comedia debochada e escrachada quando ela pende pro drama um pouco, ela se destaca mais e chama a atencao, ao menos a minha.

    esse episodio me lembrou aotima sequencia de episodios do 7 ao 12 e me animou mais com a serie, pq os eps 14 e 15 achei bem fraco e chato.

    no ep passado will se atracou com a professora do adrenalina ne? e nesse ficou fazendo fita com a april. va entender.

    mas enfim, otima review, eu gosto de eps assim de glee e nao os chatos 14 e 15. espero q mantenha essa tendencia e de historias aos outros, rachel é otima, canta bem, mas suas tramas sao fracas e chatas. já mercedes, queen, kurt, artie têm muito mais a oferecer na questao história.

    abraçoe novamente, adorei sua review

  7. Carol Figueira

    mesmo adorando a Rachel eu acho ótimo dar um espaço maior pros outros personagens, pq no dia q ela ficar doente quem vai fazer o solo? (tomara q seja a Mercedes, ela merece), e por alguma razão inexplicável eu não gosto muito do Kurt

  8. Lara Lima

    Eu só não gostei do descanso que deram pra Rachel e Jessie. Além de cantarem maravilhosamente bem, os dois fazem muita falta.

    Sobre Quinn, olha, não sei o que é, mas não me desce de jeito nenhum aquela carinha de sonsa dela. Acho que é porque não simpatizo com a estória dela, pra começo, e depois a atriz ainda é cheia caras e bocas pra se fazer de sofrida…. Não é que eu não goste da Quinn, a voz dela é linda (pelo pouco que apareceu), mas não sou fã.

  9. richie

    o melhor do episodio foi a rachel nao cantar…
    adoro a voz dela, mas ja tava abusando….
    so falta o finn dar um tempo tbm….
    e beautiful, so nao foi mais perfeito pq nao teve mais….
    pq cada segundo foi fantastico…..
    melhor episodio…
    finalmente um episodio que nao parece ser so pra mostrar as musicas….
    finalmente glee pareceu um musical desde que voltou

  10. Rafael B.

    Também gostei muito desse episódio, senti como se fosse um episódio de Glee como os de antes. E depois desse episódio quero mais ainda um Emmy de Guest Actress para a Kristin Chenoweth.

    “A cena em que a LOURA consola”, dispensável hein.

  11. Mica

    @Rafael B. O ‘loura’ não foi proposital, foi apenas um adjetivo para substituir ‘Quinn’ que eu já tinha usado no mesmo parágrafo e me incomoda quando tenho que repetir milhares de vezes o nome da pessoa em frases muito próximas (embora nem sempre consiga evitar). Só qdo vc mencionou é que reli e me dei conta que poderia parecer algo racial e tal. Mas não foi, acredite. Geralmente os meus textos usam o ‘loura’, ‘morena’, a ‘estudante’, a ‘soprano’ e outras formas de caracterização para não repetir um mesmo nome.

    @Carol realmente é uma razão inexplicável vc não gostar do Kurt, hohoho. Ele é meu personagem preferido. (bom, ele e o Jesse, mas deixemos o Jesse para comentar mais tarde).

    @marquinho Acho que o Will usou sua própria situação mais como desculpa. Ele se preocupa com a April e quer vê-la cuidando da própria vida, sendo alguém, e por isso não se permite ceder. É claro que ele também está em um momento delicado e se conhecendo novamente, mas eu acredito que seja mais a vontade de ajudá-la que o fez agir como agiu do que sua separação em si.

    Quanto ao Finn…eu gosto dele, de verdade, mas ele cantando é uma vergonha. Senhor!!!!

  12. marquinho

    mica
    bem pensado. nao tinha me tocado disso com relacao a april e will. com certeza tem esse fator mesmo e é esse fator.

    mas como disse adorei o episodio me lembrou muito os episodios anterioes desde akele onde cantaram keep holding on ate o que toca smile no final do episódio, pra mim os melhores.

    o retorno de glee foi num episodio fraco, assim como o anterior a esse, sem historia, só pra fazer rir mesmo e tals. e eu confesso a voce,que nao aguento mais só ver rachel e finn cantando. like a prayer pra mim era o tipo de musica só pra mercedes e kurt. ah e eu quero quinn cantando mais.. hehee

    mica vc sabe me dizer onde quinn ta morando? pq ela tava na casa de finn ne? foi expulsa da casa dos pais e agora foi pra onde? esse tipo de coisa que incomoda em glee, ou qdo tiram a barriga dela pra ela poder dançar nas musicas. kkkk

    ok mica eu sou chato mesmo kkkkkkkkkkkk

  13. Mica

    @marquinho Ninguém sabe onde a Quinn está morando. É um dos maiores mistérios de Glee, hohoho. Mas acho que cedo ou tarde acabarão mencionando.
    Eu gostei de Like a Prayer como foi feito. Mas acho que não é apenas a Mercedes que merece mais destaque…nossa, depois de ver Like a Virgin fiquei encantada com a voz da Santana. Todos eles deveriam ter sua change de solo. Talvez não em uma das músicas passíveis de ser selecionados para o regional, mas durante o episódio. Se bem que acredito que isso acontecerá mais tarde, a medida que as histórias dos personagens secundários começarem a evoluir e eles a criarem vida além do Glee Club.
    Se bem que, sinceramente, quase morri quando o Finn disse que era bom ter o Jesse (no episódio passado) pois não aguentava mais levar o Glee sozinho nas costas. Please!!! O Finn só leva sozinho pq eles querem assim. Ele nem de longe é a melhor voz ali. Poderiam dar vários solos ao Kurt, ao Puck, ao Artie e quem sabe até os dois componentes até então mudos (o outro asiático e o rapaz negro).

  14. markinho

    mica
    bem isso q eu penso. tipo nada contra a rachel, adoro a voz dela (embora ache muito fina e de menininha) mas eu ja to de saco cheio de todo ep só ela cantar ou finn. quero ouvir os outros. puck tem uma belissima voz e o ator é musica mesmo, artie é outro q tem um vozerao, ambos melhores q finn. entao kero q com o tempo glee aposte nos coadjuvantes mais, pq ja enjoei de só rachel e finn. e qdo a serie retornou, 2 eps repletos de finn, rachel e will e como nao curto muito os 3, me enjoou hehehee
    e santana é uma q amigos meus destacaram a voz, espero q a serie de oportunidades pra ela cantar e tbem keria ouvir a voz dos 2 dançarinos mudos hehee
    eu so nao quero q glee retorne aos erros do passado, carregando os episodios com apenas rachel cantando e finn de apoio. (tipo mas isso é questao de gosto pessoal ne, para uns isso nem é erro, ja q curtem os 2 cantando)
    heheee
    to adorando esse bate bola com vc hahaha
    bj

  15. markinho

    ah mica
    pode me xingar horrores. mas eu adoro a quinn sou fã disparado dela. é desde o piloto minha favorita. entao queria mais quinn nos episodios, mas entendo ela estar meio apagada, ja que mais pra frente ela tera o destaque do nascimento do bebe..

    se puder passa no meu blog
    bj

  16. Gui Barranco

    Mica, eu também adorei o episódio. Achei que ele foi super sensível, e como você disse, dramas plausíveis, personagens de carne e osso. E durante a exibição duas coisas não saíam da minha cabeça: a ausência dos solos da Rachel (achei ótimo, dando mais espaço merecido aos outros), e o aumento na quantidade de número musicais. Antes do break tinhamos sempre 3 números musicais por episódio, e agora temos muuuuito mais, nesse foram 5 números musicais. E o melhor de tudo é que é tudo tão encaixado e bem construído na trama que não fica parecendo demais, nem exagerado. Acho que a série voltou com tudo do hiato, melhor a cada episódio!!!

  17. Tom

    Tou vendo que não é só eu que não acho a voz do Finn a melhor… sinceramente não sei pq ele tem tanto destaque…

    Agora… aquele asiático e o negro podiam falar de vez em quando né, me incomoda ter integrantes do Glee que servem só de decoração…

  18. Carol Figueira

    eu já tava me perguntando onde a Quinn tava morando desde o ep 14 mas eu pensei q eles fossem varre pra de baixo do tapete, e eu também queria mais espaço pro Artie e o Puck adorei eles cantando Dancing with myself e Sweet Caroline, bom e o Finn pra um cantor e ele é um ótimo QB

  19. maria

    não assiti o episodio mas amei seu review,vou esperar pela fox,sabe-se lá qdo vai passar no brasil!!!

  20. natalia

    esse epi meio q abriu meus olhos, minha mae faleceu 3 meses atras e meu pai jah tah namorando de novo (conheceu a dita cuja 1 mes depois) e eu meio q reagi como o finn, entendo ele totalmente, mas acho q se meu pai esperasse mais um tempo eu aceitaria melhor. pra mim a melhor estoria do epi foi essa.

    a quinn consolando a mercedez ffoi legal tambem, queria a quinn cantando mais. a voz dela eh melhor q a da rachel.

    falando na rachel, adorei ela nao falar o epi inteiro, deviam fazer mais epis assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account