Log In

Reviews Spoilers

Review: Glee – Hell-O

Pin it

Glee - Hell-O

Série: Glee
Episódio: Hell-O
Temporada:
Número do Episódio: 14
Data de Exibição nos EUA: 13/4/2010

Com Glee, não há porquê olhar para trás. Retrospectiva para quê? Como inteligentemente diz a narração ao início do episódio, ‘aqui vai o que aconteceu em Glee, em caso de você viver numa caverna ou de ter acabado de sair de uma prisão”. Para além da diversão, é bem isso mesmo. Houve um hiato de cinco meses, meramente formal. A espetacularização em torno da série só aumentou. Eram os caras em programas de TV, em ações promocionais e até na Casa Branca.

Hell-O foi um episódio fraco. Porém, necessário e encaixado no lugar certo. Era o momento de desconstruir tudo o que o final da primeira parte pareceu ter encerrado. Logo de cara: todo o amor e companheirismo surgido da vitória da Sectionals entre os integrantes do Glee Club foi para o espaço. Sue Sylvester volta ao colégio e às Cherrios por meios, por assim dizer, escusos, o pseudo-relacionamento de Rachel e Finn se desfaz e até o o que parecia ser um conto de fadas entre Will Schuester e a professora Emma, que passaram por alguns obstáculos para ficarem juntos, acaba encontrando um caminho diferente.

Com o cenário posto, a história poderia acontecer novamente. E a primeira trama ‘limpa’ a ser adicionada foi a aproximação do New Directions com o Vocal Adrenaline. É uma sacada interessante que aponta diretrizes para o desenvolvimento de um roteiro que pode parecer muito segmentado e esgotável, em certos aspectos. Os números musicais também não ficaram para trás, seguindo a proposta de Schuester de canções que falassem sobre o ‘oi’, ‘hello’. Além de ‘Gives You Hell’, cantado por todo o grupo, os destaques ficam com a performance de ‘Hello Goodbye’, dos Beatles, e ‘Hello’, de Lionel Ritchie, cantada ao piano por Rachel e pelo principal vocalista do Vocal Adrenaline.

Aqui, a série já passa a contar com mais duas presenças que agregam à história e que devem se tornar constantes. Idina Menzel, como a professora Shelby Corcoran do coral adversário, e justamente o galã muito simpático Jonathan Groff, como o Jesse St. James, que deve dar alguma dor de cabeça para a inocência de Rachel. Aliás, este embate de forças entre os dois corais, com um pouquinho de drama, paixão, traição, cinismo e enganação novelescos é que deve dar o sabor nesta segunda parte da primeira temporada.

Glee - Hell-O

Glee quer olhar para frente. E, neste caso, é literalmente para frente. Hell-O foi um episódio sem grandes erupções, bem do jeito que deveria ser realmente. Ele existe por uma questão burocrática: descontruir os enredos e reabrir as histórias para que, daqui para frente, elas possam fluir novamente de uma maneira não truncada.

É o próximo e aguardadíssimo The Power of Madonna que deve dar a real noção de a que Glee veio e o que a série, seus produtores e os executivos da Fox estão dispostos a fazer com este material. A estreia em horário nobre do clipe de “Vogue”, da Madonna, na versão Sue Sylvester, em uma produção impecável e da mesma altura da original, é nada mais do que sensacional. Este fato, que parece simples, brinca com o discurso próprio da televisão, com a maneira como se constrói uma narrativa seriada, com a linguagem do vídeoclipe e ainda, com toda a propriedade do mundo, coloca um pezinho em um dos maiores ícones da história da música mundial. É assim, olhando sempre para frente, que Glee vai conseguindo seu espacinho na Cultura Pop.

Séries citadas:

23 Comments

  1. Bruno Piola

    Também achei o episódio fraco, principalmente o que deveria ter sido a coisa mais empolgante: a música Hello Goodbye,dos Beatles. O novo arranjo ficou simplesmente estranho. Sem contar que achei o novo par Rachel/Jesse e Will/Shelby muito fogo de palha. Parece que o romance dos quatro é só para preencher alguns episódios, espaço que poderia ser usado para realmente introduzir alguns conflitos mais importantes para a trama. Por exemplo, tá na hora de dar algum probleminha que seja pára aqueles dois meninos do grupo que nunca falam nada! O asiático só disse uma fala no último episódio, e o negro NUNCA disse nada, pelo que eu me lembre (bom, exceto pra cantar, né, mas aí não conta).
    Faltou falar que tanto Idina Menzel quanto Jonathan Groff são astros da Broadway. Ela fez a bruxa má em Wicked e ele foi par romântico com a própria Lea Michele em Spring Awekening (O Despertar da Primavera).

  2. caio arroyo

    De todos os milhares de blogueiros e opiniões que li a sua definição de glee foi realmente a melhor:
    “É assim, olhando sempre para frente” Exatamente isso que eu escrevo e penso que Glee é uma série que olha para o presente e para o futuro

  3. Leonardo Toma

    Achei o episódio meio morno. Mas deve ser a (gigantesca) expectativa de episódios novos depois de tanto tempo de hiato.

    Mas como sou um adorador de teatro musical, esse “mid-season opener” já valeu só pelas participações ilustres de Idina Menzel (Rent, Wicked) e Jonathan Groff (Spring Awakening). Muitos fãs fervorosos de Spring Awakening (inclusive moi) esperavam ansiosamente o reecontro de Melchior e Wendla (Lea Michele e Groff).

  4. anderson

    Também achei o episódio meio morno, mas como foi dito, era o episódio destinado a pavimentar o resto da temporada, função burocrática mesmo.
    Semana que vem sim, Glee vai ou racha.

  5. Thais Afonso

    Eu não achei o episódio morno, mas achei ele apressado. Jogou milhares de coisas ao mesmo tempo, e não ficou muito crível, mas é o que você colocou muito bem Rafael, é o episódio para pavimentar o resto do caminho.

    E eu sou louca por Spring Awakening e fiquei feliz da vida com o Groff. Apesar do romance falso parecer, a princípio, bobo, pode se tornar uma ótima estória mais pra frente. Eu torço para que a intenção não seja o Vocal Adrenaline espionar o New Direstions para roubar informações importantes (de novo), mas que eles estejam é querendo roubar a própria Rachel.

  6. Alessandra

    Achei o episódio fraco. Esperava mais dos números musicais – para mim, o forte de Glee. Porque o roteiro das histórias, com raríssima exceções (1×9 Whells)é uma coisa sem pé nem cabeça mesmo. Dúvida: onde Rachel e Jesse St James estavam qdo se encontraram pela primeira vez no episódio? Aquilo era uma biblioteca, ou o quê? Se era biblioteca, para quê o piano? Se era uma sala de música, para quê as praleteiras com n livros e as pessoas consultando as obras? E de onde surgiram aqueles três músicos que acompanharam os dois na música “Hello”? (a súbita aparição deles me lembrou a cena do trem de Help dos Beatles..).
    Que venha o da Madonna. O promo com a Sue é realmente espetacular e deixou todo mundo curioso. Acho que o próximo episódio vai ser o máximo!

  7. Leonardo Toma

    Alessandra, acredito que aquilo era uma biblioteca musical. Eles mostram Jesse mexendo em várias partituras em uma prateleira. E os músicos aparecem no início da cena, se você reparar bem. E como é uma biblioteca musical, é crível que músicos estariam lá. Mas eles começarem a tocar do nada juntos aí realmente é meio forçado.

  8. Gui Barranco

    Realmente não foi lá essas coisas, mas o que importa é que eles estão de volta e isso faz a nossa vida mais feliz!!!! heheheheheheheheheh Que venha Madonna!!!

  9. Luciano Rodrigo

    Ryan Murphy é um gênio
    como todo bom gênio acaba as vezes sendo incompreendido por alguns
    ele me fez apaixonar pelo 1° seriado teen Populars
    depois Nip Tuck e agora vem mostrando que está no ápice de sua carreira com Glee
    Glee ta se tornando uma referencia ao mundo pop, o seriado em si parece banal mas Murphy satiriza de forma amável os clichês desse mundo ainda faz isso utilizandose da casta principal desse mundo pop e esse é o segredo do sucesso da série
    Excelente texto
    to louco pelo episódio da próxima terça

  10. Olegas

    Se tem uma coisa que eu não gosto em Glee [e nos seus respectivos fãs, que tem a pachorra de chamar o Ryan Murphy de gênio] é a uber semelhança com Popularidade que, ao meu ver, era infinitamente superior.

    Esse número de Vogue já foi mostrado em POPular e alguns plots estão sendo reaproveitados. Mas como ninguém assistiu a série da WB, pode auto copiar que todo mundo faz vista grossa e acha lindo.

  11. Paullo kidmann

    Q texto hein?!
    adoorei
    o episódio é fraco, assim tão fraco q eu não gostei, achei q por tanto buzz q a série ta fazendo ia haver algo mais…
    mas ao ler seu texto vc me deu uma nova pespectiva que eu não havia pensado e concordo.
    gente o que é isso eu adooorei o video da Sue…
    Arrazou uhuuuuuuuu

    xoxo

  12. Paullo kidmann

    sou louco p ver Spring Awakening alguém sabe onde eu encontro o download? heehehe

  13. jan

    Eu assisti Popular quando passava na Sony…
    O Ryan Murphy sempre se referencia em Glee, mas ele pega referências tanto de Popular quanto de Nip/Tuck.

    Achei que o episódio foi apenas um aquecimento para o proximo. No entanto eh nesses episodios considerados ‘fillers’ que os coadjuvantes podem ser mais trabalhados e se sobressair, algo que o Ryan Murphy ‘quase’ chegou a fazer quando deu mais destaque a Santana e a Britanny. Aliás…

    Tem como não amar a Britanny?!

    ^^

  14. Leonardo Toma

    Paulo, se você quer ver a peça da Broadway tem alguns vídeos no YouTube. Tem até a peça inteira filmada do balcão, mas tá beeem escondido.

    Mas se você quiser ver a peça em português (O Despertar da Primavera), ela tá em cartaz em São Paulo, no Teatro Sérgio Cardoso.

  15. Leonardo Toma

    Ah sim, esqueci de dizer. Se você quiser baixar a gravação do elenco original é só procurar que é facinho de achar.

  16. Paullo kidmann

    Leonardo, obrigado heheh
    então eu já vi mesmo alguns videos no youtube eu vou procurar p ver se eu acho o donwnload.
    Obrigado.

  17. Mica

    Sim, o episódio foi morno e eu não gostei das músicas. Para ser sincera, a única coisa que realmente me empolgou no episódio foi o novo romance de Rachel com Jesse. O rapaz me deixou de coração na mão, morrendo de medo do que irá acontecer com a Rachel.
    O único número musical que eu gostei também foi o dos dois. De resto…bom, até quando não é tudo aquilo, Glee me deixa empolgada. Estou super ansiosa pelo desenrolar da temporada.

  18. Glee Amooo

    O MELHOR EPISÓDEO ATÉ AGORA! Eu amei! As músicas estavam ótimas e os acontecimentos principalmente!
    Todas as vezes que eu via a Rachel e o Jessie juntos me dava vontade de chorar!
    Glee me deixa animada, penso na série o dia inteiro! Na escola, minhas amigas só falam disso!
    GLEE 4 EVER!
    GLEE = ALEGRIA
    Sabiam que Glee superou a audiencia de The Simpsons?

  19. Taty Plummer

    @Alessandra…

    Desculpe mas seu conceito de biblioteca é muito arcaico e limitado! Mesmo o de uma sala de música também é!!!

    Glee is epic!

    E eu gostei mais de R&J do que de R&F.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account