Log In

Opinião Reviews

Review: Fringe – The Equation

Pin it

Fringe - The EquationSérie: Fringe
Episódio: The Equation
Temporada:
Número do Episódio: 8
Data de Exibição nos EUA: 18/11/2008
Data de Exibição no Brasil: 5/5/2009
Emissora no Brasil: Warner

No início de abril, o Vinícius Silva publicou uma review da finale de Eleventh Hour na coluna A Semana lá Fora (a íntegra está aqui). Ele escreveu o seguinte sobre a série:

Não constituir uma trama, às vezes pode até dar certo, mas nunca me agrada. Acredito que toda série teve possuir algo maior por trás do caso da semana. (…) Eleventh Hour não o fez e procurou se sustentar no carisma da dupla Rachel Young e Jacob Hood. Os dois possuem uma química muito boa, isso é inegável. Mas nem sempre os casos foram tão interessantes assim.

Eu editei e publiquei o texto, mas dei umas bufadas. A verdade é que não concordo com a declaração. E a verdade é que gosto muito mais de Eleventh Hour do que de Fringe.

Eu sinto em Eleventh Hour a falta de alguns elementos necessários para se tornar um grande sucesso. É preciso algum elenco de apoio, a série só foi ficar realmente bacana quando passou a exibir um poquinho da vida privada dos personagens, e até acho que a série poderia se beneficiar se tivesse um arco para capturar o telespectador (teve o da Gepeto, mas que acabou sendo curto). Mas não acho que ela precisaria de uma grande trama costurando a série (no máximo um arco de uma temporada, ou menos).

O que mais valorizo em Eleventh Hour é o que falta me Fringe: roteiros bem resolvidos e personagens carismáticos.

Mas eis que The Equation foi o primeiro episódio de Fringe que considerei plenamente satisfatório.

Fringe - The EquationComo procedural drama o episódio funcionou muito bem. Broyles vem com o briefing correto; mostrando que as abduções de um garotinho tem um mesmo modus operandi de outras; Olivia descobre que o menino é um prodígio no piano; Walter e Peter tem um insight de que a música do garoto é uma fórmula matemática; Peter define o local provável do cativeiro; Walter lembra que conheceu uma vítima de abdução que o FBI desconhece; vai visitá-la; e por fim consegue uma informação, que aparentemente não é útil, mas acaba indicando para Olivia onde o garoto estava preso. Não é só o garoto que é bom em música, a solução da trama flui como música e faz sentido.

O episódio também explora bastante Walter Bishop – que acaba retornando ao hospício, é internado e tem umas visões bem assustadoras. E quem não tem Rachel Young e Jacob Hood, ataca de Walter Bishop.

O episódio também abre uma nova trama para a série, mostrando que a tal música-fórmula completa pode fazer uma pessoa atravessar paredes. Mas nem precisava desenvolver a grande trama da série, Fringe finalmente trouxe uma história fechada de qualidade. Que nem as de Eleventh Hour.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

13 Comments

  1. Vinícius

    Vale mesmo a pena ver Fringe, não é só mais um hype?Um X-files wannabe?Sem dizer que não tem reprise, fica mais dificil ainda
    Eleventh hour foi cancelado pela cbs, não foi?

    Resposta do Editor Não, Eleventh Hour ainda não foi cancelada. Segundo o TV by the Numbers as chances da série são pequenas. Eu aposto que a série volta, provavelmente nas noites de domingo.

  2. Luiz

    Boa tarde, esta é a 1a série que eu assisto e, confesso, já estou gostando muito (não perdi nenhum episódio) mas tenho uma dúvida: histórias deveriam ter início, meio e fim, certo? Como é que se resolve isto em uma série se eles vão ganhando temporadas de acordo com a audiência e, aparentemente, não sabem quando a série irá acabar? Em Fringe já existem vários mistérios abertos (e muitos outros deverão aparecer ainda). Quando é que eles começarão a ser esclarecidos? É como em uma novela onde tudo se resolve somente no último capítulo? Ou nada será explicado? Abs

    Resposta do Editor: Bom Luiz, pelo mundo afora você vai encontrar milhões de fãs decepcionados com algum seriado de TV que foi interrompido pela metade e ficou sem final e sem respostas. É o risco do gênero. Fringe tem a vantagem de ter um grupo de produtores inteligentes (que acredito que não perderão o controle da obra) e tem o apóio da emissora (e não são muitas as séries que neste ponto em que estão já tem garantida a produção de no mínimo 44 episódios). Mas tudo pode acontecer e sim, podemos ficar sem respostas ou termos respostas insatisfatórias. Mas ainda acho que vale o risco.

  3. Silvia

    Eu aindo estou assistindo Fringe, porque muita gente diz que melhora mais pra frente…Mas ela não é aquela série, que te deixa ansiosa pra que chegue logo a próxima semana.
    Eu também prefiro Eleventh Hour.

  4. Natalia

    Caro Paulo Antunes, eu torço para que sua aposta seja uma “Jack Pot” (risos). Adoraria ver EH renovada!!!! Mas o Michael Ausiello torce contra você (mais risos)!!!! Veja o que ele postou no Fall TV cheat sheet: What’s in? What’s out? Eleventh Hour: Now a long shot. Hearing the crew is looking for other work. Sniff…

    Resposta do Editor: Eu tô achando que a imprensa americana está sendo muito pessimista com a Eleventh Hour. Existe o risco da série ser cara, já que envolve pagar direitos aos produtores ingleses mas, na teoria, ela seria muito mais barata que Cold Case e Without a Trace e The Unit e até Numb3rs que estão há muito tempo no ar e devem estar com os custos inflacionados. Pra mim Eleventh Hour seria uma aposta segura da CBS, entraria tranquilamente no lugar de The Unit nas noites de domingo, ou nas de sexta depois de Ghost Whisperer. Estou contando com isto.

  5. bia mafra

    gente, ate que to gostando de fringe, acho que so ta faltando episodios onde o walter nao descubra o que esta sendo usado, algo com que ele nao tenha feito experiencia, algo que demore mais do que um episodio para ser resolvido. nao vejo eleventh hour, nem sei por que, mas admito que gosto mais de outras series, mas nao vejo nada abominavel em fringe, nao.

  6. Tati Siqueira

    Eu tbém prefiro EH do que Fringe, as historias são mais “lucidas”, vamos assim dizer; O que me deixa “P” da vida com Fringe são os poderes “mulher maravilha” da Olivia, ela pode tudo e resolve tudo;

    Gostei bastante deste episodio, pois deixou de ser focado em Olivia e voltou-se para outros personagens importantes da série;

    Espero sinceramente que não cancelem EH, serie muito boa – já basta perder Life,Er e talvez Cold Case;

  7. Davi Garcia

    Tati Siqueira, sobre os supostos poderes “mulher maravilha” da Olivia (aliás, adorei a definição), só digo que a paciência é uma virtude e que de certa forma isso será bem explorado (e até explicado) ao longo da temporada.

    Com relação à comparação entre Fringe e EH, particularmente fico com a primeira, embora admita que tenha encarado sérias restrições à ela até metade da temporada /-. O que me segurou? O carisma sobretudo de Walter Bishop (John Noble) e os eventos bizarros ligados ao padrão. Para quem está assistindo pela Warner, a dica é tomar fôlego e esperar um pouquinho só pois a recompensa virá. Ainda sobre EH ser cancelada ou não eu nem ligo. Vi os primeiros episódios da série e não encontrei nada que me atraisse, o que me fez abandoná-la.

    Abraço a todos!

  8. Leila

    Eu também gosto mais de EH que Fringe, e acho que a série evolui muito, valeria dar mais uma chance.

  9. Cláudio G. Schon

    Ok, vamos lá de novo. Eu não gosto da versão americana de EH (assisto por falta de opção), talvez a razão para isto seja que eu assisti a versão britânica (depois da americana), que, mesmo com menos episódios, teve uma qualidade infinitamente superior. Só para dar um exemplo, a cena do primeiro episódio em que o Dr. Hood toca inadvertidamente o botão do pânico SÓ faz sentido na versão britânica. Não me lembro se na versão americana a transa da Rachel foi censurada ou não, mas me lembro que aquilo ficou terrivelmente sem nexo no contexto do episódio (e olha que a atriz americana é muito mais bonita que a britânica). Já Fringe, mesmo com todos os defeitos, tem o mérito de ser original e de ter personagens carismáticos (OK, eles estão crescendo de episódio para episódio). Outra coisa que me atrai em Fringe é a constante dúvida sobre quem está traindo quem. Para uma série sobre conspiração isto é fundamental.

  10. Tatiane D. Nascimento

    Entrei aqui para falar sobre Fringe, mas não resisti em comentar sobre EH, eu tb vi alguns episódio da versão inglesa e por conta disso a versão americana não me prendeu, parece que falta algo. Mas voltando a Fringe, realmente o inicio da série não prende, insisti pela curiosidade mas quando puxei o 10º episódio e assisti eu alucinei (no bom sentido ), claro que não vou contar o que acontece por ter muita gente acompanhando pela Warner, mas por conta disso estou desesperada aguardando o 20º episódio e já pensando em como serão longos os próximos meses aguardando a próxima temporada.

  11. Tati Siqueira

    É David, vou esperar então…..todos dizem que a serie melhora e muito; Então como vc mesmo diz PACIÊNCIA; rsrsrsrs

  12. marcia

    Eu até que tentei acompanhar EH,mas como foi comentado,acho qe faltou alguma coisa para essa série me cativar.
    Eu gosto de assistir séries em que você fica esperando ansiosamente o próximo episódio.

  13. Bruno

    Falhas da semana: o Doutor faz um esforço danado para ludibriar Pacey e trancafiar novamente Walter mas deixa-o conversar sozinho tranquilamente com o japinha na manhã seguinte. Qualé???

    E o que Olivia estava fazendo exatamente na Rua do Castelo Vermelho? Pelo menos desta vez ela não entrou sem backup!

    Era o Agente Leob quem pegou a maçã? Ou só alguém parecido com ele?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account