Log In

Notícias

Review: Fringe – Inner Child

Pin it

Fringe - Inner ChildSérie: Fringe
Episódio: Inner Child
Temporada:
Número do Episódio: 15
Data de Exibição nos EUA: 7/4/2009
Data de Exibição no Brasil: 23/6/2009
Emissora no Brasil: Warner

Alguém mais teve uma sensação de “está faltando algo” ao fim deste episódio? Acho que todos os defeitos apontados por todos que assistem a série fica explicito neste episódio, vamos listar alguns:

• Olivia, a heroína solitária. Na review passada já havia dito que não gosto de filmes, séries, animes, onde apenas um personagem sempre é o responsável por salvar a tudo e todos, e este episódio chegou a me irritar em alguns momentos. Veja, que neste episódio, além de Olivia ser a única a criar um laço com o observador-mirim, é ela que prende o assassino do crime da semana. Sim, ela cobra o escanteio e ainda consegue ir para a área cabecear e fazer o gol. Mais do que isto: ela dominou no peito, banhou um zagueiro, driblou o goleiro, e fez o gol de bunda.

Exageros a parte, ou será que estou realmente exagerando? Lembro de uma review de Thais Afonso no Séries Addict, era sobre o episódio Bound (leia aqui), e ela dizia que havia ficado desapontada porque o seqüestro de Olivia poderia ter sido utilizado para os outros personagens (o FBI mais Walter e Peter) interagirem entre eles. E é a pura verdade, seria no mínimo cômico ver Charlie ou Broyles tendo que lidar com Walter e Peter. E agora, neste episódio, me pergunto a mesma coisa, pra que serve Charlie e o restante do FBI? É sempre necessário que Olivia conclua o crime da semana? E Walter e Peter, a série tem nos mostrado que a infância de Peter afetou muito a ele e a Walter, será que os dois não teriam mais motivos pra criarem este laço com o observador-mirim? Além de, no caso de Peter, isto daria a ele uma participação maior do que as piadinhas (sem graça) ao qual se resume a participação do personagem em vários episódios.

• Outro erro é que Fringe insiste em repetir a solução fácil (e com isso digo forçada) para a historia fluir. Veja bem, a gente sempre fala das entradas da série, que são o ponto alto de todos os episódios. Mas no começo este episódio vemos dois especialistas em demolição conversando e de repente um deles para e…. percebe que tem algo errado? Sério, tira a credibilidade do resto do episódio, e talvez por isto eu tenha gostado muito pouco deste, apesar de envolver um dos personagens mais interessante da série até agora.

• E Peter, sabe qual o grande problema envolvendo Peter? Está sendo criado um grande mistério a respeito do passado dele – e com isto a série corre o grande risco de, quando este mistério for respondido, ele não corresponder as expectativas. Dessa vez Walter falou sobre Peter ser bem calado quando criança, e não podemos esquecer que no episódio que Peter ficou cara a cara com o Observador, os dois falaram as mesmas coisas. Então a mais nova teoria sobre o personagem é: seria ele um quase-Observador? É meio complicado imaginar isto porque neste episódio dá a entender que esta não foi a primeira criança que sobreviveu sem contato com a sociedade e com isto ganhou estes poderes, por assim dizer. Então se Peter também passou por isto quando criança, então ele não era filho do Walter? Se eu estiver perto da verdade, então seria mais um motivo pra Walter se aproximar mais da criança do que Olivia, e um motivo pra trabalharem mais o passado de Peter.

Fringe - Inner ChildAlguem já deve está dizendo “que cara chato este que fica escrevendo as reviews de Fringe, sempre tem um parágrafo falando apenas de Peter”, e sim, sou chato mesmo. Olha só, a série é sobre Olivia, já entendi isto, mas desde o piloto se fala do caráter de Peter, do passado dele, do “dom” que ele não desenvolveu, enfim, se faz muito mistério e, pôxa, estamos no 15º episódio e o que podemos falar de concreto sobre o personagem? Que ele é filho de Walter? Não, nem isto podemos afirmar. É aí que está o erro, se ele for realmente importante para o desenrolar da trama, o excesso de expectativa criado pode não corresponder. Pensem no “Chinese Democracy”, o excelente CD do Guns N’ Roses. Vocês sabem que ele levou mais de 10 anos pra ser lançado e, sim, o CD é excelente, mas ficou muito abaixo das expectativa nas vendas, e até criticas recebeu porque, apesar de ser bom, por ter levado tanto tempo se esperava algo a mais, que não veio.

O interessante deste episódio foi um caso policial onde a “equipe estranha” acabou usando as ferramentas estranhas pra resolver o crime. Isso, por mais despercebido que tenha passado por muitos, mostra que eles já estão se acostumando com essa nova fase da vida deles. Veja que não houve cara feia de Charlie tentando descobrir como o garoto sabia os passos do criminoso. Nem Olivia fazendo interrogatório a Broyles por ter mais uma unidade no governo escondendo “o padrão”. Sim, depois de 15 episódios, já virou rotina ter algo bizarro na vida destes personagens, e eles já estão utilizando o bizarro a favor dele.

Séries citadas:

10 Comments

  1. Paulo Serpa Antunes

    Fiaes,

    Só você mesmo pra conseguir encontrar um elo de ligação entre Fringe e o Guns N’ Roses!!!!

    Olha só, a foto que abre a coluna é super relevante, porque esqueceram um detalhe no quadro clínico do garoto: além de ser empata, não ter pelos e ter sido criado em isolamento ele também não tem genitais, rarará!!!

    Eu vou te dizer que achei este um bom episódio. Não me importei muito com a cena inicial dos caras revisando as plantas. É estranho, mas entre as coisas estranhas de Fringe eu acho até que dá pra engolir. Mas isto obviamente podia ter sido resolvido de “N” outras formas.

  2. Camila

    Frige deveria ser o super sucesso da temporada e até agora é um emaranhado de teorias sem sentido somado a um conjunto de erros de roteiro.

    A serie é da Olivia e ainda assim ela não consegui ter o carisma necessario.
    Quem sabe na reta final fique um pouco melhor e a segunda temporada corrija os erros dessa temporada. Por que eu já tô deixando de ter esperança nessa temporada

  3. Matheus Lins

    Eu tive a impressão que a súbita preocupação do demolidor era oriunda da própria criança, mas posso estar enganado, faz bastante tmepo que vi o episódio.

  4. Tati Siqueira

    Paulo, esse detalhe que vc comenta sobre a Olivia, é o que comento com a Simone do So Seriados de TV; Me irrita profundamente esses poderes de Mulher Maravilha da Olivia;

  5. francisco koller

    Fringe é um passatempo legal. É bizarro e sem credibilidade. Seus maiores problemas, são dois: Olivia e Peter. Maus atores em maus papéis. De resto, desperdício de talentos: Walter, Broyles, Charlie e a Massive Dinamic, poderiam ter participação maior. Com a Olívia investida de superpoderes ou super-poderes, beira a intragabilidade. E Terminator foi cancelada…

  6. Luiz

    Gente, o ep foi ótimo! Mesmo tendo seguido com seus defeitos de sempre (os super-poderes da Olivia e as coisas sendo resolvidas de maneira sempre favoráveis – como a do cara do FBI ter aceitado tão facilmente a desculpa do Broyles para o sumiço do “mini-me”!) este ep deu a primeira dica da origem e de quem pode ser (ou podem ser) o(s) Observador(es), personagem fundamental da série. Como lembrou o Matheus Lins, quem chama o demolidor de volta ao prédio é o menino-Observador. Com seu poder de empatia ainda em desenvolvimento não foi tão fácil conectar-se com o demolidor, mas ele acaba conseguindo antes que tudo se exploda. Depois, com a Olivia (que também já tem os seus poderes), ele foi mostrando progresso. No ep “The Arrival”, quando o Observador-adulto se encontra com o Peter, este poder já é total e ele, sabendo o que o Peter está pensando-sentindo, começa a repetir suas palavras antes mesmo que o Peter possa dizê-las. Muito bom!

  7. Carlos Alberto

    Sensacional observação,que assino embaixo,a respeito da tal Olívia,a heroina faz tudo,a fodona,”a infalível como Bruce Lee”. Um saco,personagem metida a besta,solitária,mal amada,que só pensa no tal Scott.Péssima atriz e série pretensiosa,que não vai passar da primeira temporada,a não ser que mude radicalmente a trama.Os verdadeiros agentes do FBI,se assistirem à série,devem morrer de rir ou de raiva,pois não são tão caricatos como mostrado nos episódios. Comparar esse Fringe ao Arquivo X é piada,de mau gosto.Neste,Molder e Scully apanhavam,levavam tiros,choravam,eram cheios de conflitos,muitas das vezes não solucionavam nada,erravam,se estranhavam,enfim, era emoção à flor da pele.E a Gillian Anderson era sensualíssima e frágil ao mesmo tempo…e muito mais carismática(como atriz) que essa tal de Anna Torv…É isso,e obrigado pela atenção.

  8. Julio Cesar

    Gente afinal o que aconteceu com a Warner para não dar continuidade nos episódios??? Há duas semanas este canal vem passando episódios antigos…salvo engano a série estava no 15º episodio…alguém tem alguma informação precisa de quando volta a ser normalizada a grade de programação com novos episódios??? Grato!

  9. Ninja Observador

    Mas o guri encontrado no poço não foi o responsável pela “descoberta” acidental dos operários? Ele tem uma especie de “telepatia”, lembra? Você não assisitiu o episódio?!? E ainda se considera apto pra fazer um review de Fringe? Minha nossa…

  10. Bruno

    Assassino que emboneca as vitimas? Qualé???! Eu já vi isto em CSI.

    Um monte de policiais numa blitz e Olivia corre sozinha atrás do suspeito? Já tava na hora dela ter aprendido sobre backup.

    O cara da CIA (e não FBI como escreveram) aceitou muito fácil mesmo. E o Broyle realmente não tem o carisma de um Skinner.

    E o “mini-me” sentiu o outro Observador? Será ele mesmo vindo do futuro? De outra realidade? E o Walter é louco mesmo, pois não notou as semelhanças com o careca amigo dele.

    Fraco fraco fraco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account