Log In

Reviews

Review: Friday Night Lights – Black Eyes & Broken Hearts

Pin it

Cena de Black Eyes & Broken Hearts
Série: Friday Night Lights
Episódio: Black Eyes & Broken Hearts
Temporada:
Número do Episódio: 16
Data de Exibição nos EUA: 14/2/2007
Data de Exibição no Brasil: 28/10/2007
Emissora no Brasil: Sony

Sou gaúcho, gremista, acredito que a falta faz parte do jogo, o melhor time de futebol que vi jogar tinha Dinho e Goiano dando caneladas na frente da zaga e o Felipão gritando no banco de reservas. E acho que Seleção Brasileira com três atacantes é coisa de carioca que não sabe nada de futebol, que o quadrado mágico foi a invenção mais estúpida da década, que o Kerlon tinha que jogar bola no Sea World e, que, em resumo, futebol arte é coisa de boiola.

O parágrafo acima basicamente serve para explicar porque Black Eyes & Broken Hearts é pra mim um dos três melhores episódios da temporada de Friday Night Lights até aqui. É pura testosterona! Finalmente o campo de futebol americano voltou a ser o cenário da série e ainda em um jogo pegado, viril e, claro, violento. A câmera de Friday Night Lights andava mostrando muito rapidamente e com muita frieza e distância as jogadas e touchdowns nas últimas semanas. Aqui a câmera entra dentro no campo, capta a tensão e o nervosismo e nos mostra Matt errando passes na pressão, Smash sendo agarrado pela grade do capacete, coach Taylor xingando o árbitro e, por fim, Tim saindo na porrada pra defender um colega. Finalmente alguma emoção forte no meio desta nossa mid-season morna.

Coach Mac:

Listen, son.

Smash:

No, you listen. I’m here but that don’t change a thing. I know who you are.

Cena de Black Eyes & Broken HeartsToda a tensão e violência do jogo não é gratuita. Ela aqui desvia a atenção de todos o problemas provocados pelo comentário racista de Mac McGill e do motim de Smash, unindo os Panthers em torno de objetivos em comum (seja vencer, seja defender o time ou, melhor ainda, chegarem vivos de volta a Dillon). Convenhamos, é brilhante.

O temor aqui é que a questão do racismo fosse ser resolvida de forma moralista e maniqueísta. McGill sendo demitido seria politicamente correto demais. Se demitindo? Tá, ok, poderia ter sido desta forma, não seria de todo ruim, mas ainda assim seria trivial. Só o Smash colocando o rabo entre as pernas? Seria cruel.

A solução foi exata. Não é Friday Night Lights que vai resolver o problema do racismo na América. Eles estará sempre ali, entranhado, latente, inclusive dentro do time.

Pois um time não é só uma família. Ou melhor, um time é mesmo como uma família, mas uma destas famílias onde alguns dos parentes se odeiam.

MVP: Kyle Chandler (repare que Taylor vive outro momento Hamlet, passa o episódio inteiro imobilizado, incapaz de tomar uma decisão).

P.S.: O Landry no clube de strip tease e a Julie de castigo sozinha na prisão também foi demais.

Séries citadas:

É jornalista, pós-graduado em Jornalismo Digital pela Pucrs e trabalha com produção de conteúdo para Internet desde 1995. É editor de internet do Jornal do Comércio, de Porto Alegre. Fundou o TeleSéries em agosto de 2002. Na época, era fã de The West Wing, The Shield, Família Soprano e Ed. Atualmente é viciado em The Good Wife, NCIS, Game of Thrones e Parks and Recreation.

10 Comments

  1. Jordan Bruno

    pirmeira vez que uma série que trata os adolescentes como eles merecem …. com inteligência … melhor episodio até agora … ou será que vem coisa melhor?

  2. Darth Cesar

    Paulo quanto ao 1 paragrafo, tambem sou gremista e tenho uma saudade dos tempos do Dinho, mas espancar o foquinha não da né!? rss
    Pra mim foi o melhor episodio ate aqui, muito bom, vi todas as reprises que pude.

  3. Thomaz Jr

    O que aconteceu no finalzinho depois que a policia parou o ônibus do time. Por favor. Eu perdi essa parte.

  4. Thomaz Jr

    Finalmente, FNL se reergueu. Depois de 2 episódios mornos voltou com tudo.
    A racismo foi tratado da forma mais real possível. Gostei. O que o Smash falou ao Mac qdo entrou no ônibus tbm foi bom. To começando a me sintatizar pelo Smash.
    Adoro o Landry e ele foi demais nesse episódio. Ele se referindo a ele e Tyra como “nós”. Os quadro juntos foi demais – Tyra, Landry, Julie e Matt. Afinal, são o melhor da série.

  5. Gabriel Adam

    Pôxa, o Paulo Antunes, o cara de quem eu leio comentários bacanas, é gremista. Que decepção!
    Este começo é só uma brincadeira com a nossa eterna rivalidade. Como colorado, eu não tenho nenhuma saudade do Dinho e companhia.
    Sobre FNL. Acho que a saída para a situação criada sobre o racismo foi boa. Apenas não gostei da pequena redenção do assistente de treinador quando ele enfrentou a polícia. Ficaria mais legal sem esta tentativa de deixar o personagem menos canalha.
    E a indecisão do técnico, que ocupa um cargo no qual tem que decidir várias vezes em poucos segundos é genial.

  6. Fer Funchal

    tudo bem, Paulo. ninguém é perfeito. ter saúde e conseguir tocar o site adiante é o que importa.

  7. Ale Rocha

    Fico imaginando o Kerlon fazendo graça na frente do Dinho. Ele ia dar um bom uso àquela ambulância que sempre fica na beira do gramado…

  8. Skinner

    “que o Kerlon tinha que jogar bola no Sea World”

    100% de acordo. Por muito menos já vi neguinho sair mancando em uma mera pelada. Imagina então num clássico onde a rivalidade está à flor da pele!!

    Já sabia que esse episódio era muito bom e com esse belo review fiquei muito tentado a acompanhar Friday Night Lights.

    Se sobrar um tempinho não pensarei duas vezes.

    Abraços.

  9. Pingback: O que anda acontecendo nos blogs da Sociedade « Sociedade dos Blogs de Séries

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account