Log In

Reviews

Review: ER – There are no Angels Here (episódio 265)

Pin it

cena de There are no Angels HereSérie: ER
Episódio: There are no Angels Here
Temporada: 12ª
Número do Episódio: 265
Data de Exibição nos EUA: 4/5/2006
Data de Exibição no Brasil: 25/5/2006
Emissora no Brasil: Warner

No fim da 9ª e início da 10ª temporada, ER atingiu algo próximo da perfeição ao colocar Carter e Luka no Congo, sendo voluntários pela Aliança de Medicina Internacional. Na busca de atingir o mesmo feito, por várias vezes Carter ia ou citava a África e cenas de Gallant no Iraque pareciam batidas. Deu que o assunto acabou saturando pra grande parte da audiência que não entende os motivos de um show chamado ER insistir tanto em mostrar seus personagens ajudando o terceiro mundo. Darfur, um episódio que de tão ruim me causou uma epifania, não ajudou em nada à vender a idéia de que ir à África faz parte da função social que o seriado tenta fazer. Mas alguém tem que fazer.

Aposto que aqui muitos nunca tinham ouvido falar de Darfur, região noroeste do Sudão, que faz fronteiras com a Líbia e a República do Chade. Eu nunca tinha ouvido falar… nem ao menos sabia do genocídio que a região está passando. Por motivos que apenas uma longa aula de história sobre a colonização européia na África subsaariana explicaria, a população árabe se revoltou de vez com a população negra. Patrocinada pelo governo (que nega veementemente) um grupo paramilitar chamado Janjaweed, formado por árabes da região, tem a função de expulsar a população não-árabe da região de Darfur. É o primeiro caso declarado de segregação racial do século XXI. O problema, iniciando em 2003, já provocou a remoção de mais de 2 milhões de pessoas, 200 mil refugiados no Chade e mais de 300 mil mortes, em sua maioria, de fome.

Como no local a cor negra é predominante, inclusive na população árabe, os Janjaweed parecem não ter uma lógica em seus ataques: virou uma terra de ninguém. Estupros sistemáticos, assassinatos… tudo que há de ruim no pior dos homens é praticado pelos Janja. Mas porque ninguém faz nada contra isso? Porque os Estados Unidos e membros do Conselho da Segurança da ONU, formado pelos americanos, russos, chineses, ingleses e franceses não fazem nada? Bem… não há petroleo lá. A máquina da guerra não funcionaria como “funciona” no Iraque ou outros locais que não merecem uma intervenção tão forte quanto o Sudão.

Era prioridade da ONU uma ajuda urgente no local, onde Koffi Anan, presidente da ONU, já chegou até a falar que Darfur é um pedaço do inferno na terra, mas as tsnumis da Oceania e suas vítimas europeias mudaram o foco. E como é tudo uma questão de política, sendo a população negra não tão importante quanto o ouro negro (petróleo), o governo Bush já minimizou os acontecimentos no Sudão: “Não é genocídio, é uma situação complicada.” Como dito pela sudanesa na conversa com Pratt episódio passado, a demora em caracterizar o problema em “situação” ou “genocídio” é uma paralisia… sem cura. Mesmo que o Secratário de Estado americano tenha dito que “não há anjos lá”.

A ala hollywoodiana está fazendo sua parte pra lembrar a situaçao. Uma semana antes da exibição de Darfur nos EUA, o melhor amigo que Noah Wyle fez no set de ER, George Clooney, sobrevoou os campos de realocados em Darfur e sentiu-se mal, pedindo uma ação urgerntemente. Alguém tem que dar um alerta pra fazer a diferença: e mesmo que parte da audiência não mais aguente a África, o show vem fazendo sua função social.

Ao longo de todo mês de abril, os quatro grandes canais americanos exibiram em seus telejornais apenas 15 minutos sobre Darfur… em tempo somado! Com os dois episódios de ER que passaram nessa temporada, mas esse 100% na África, o genocído do Sudão consegue uma exposição que nunca teria se dependesse, entre outras, da CNN. Mesmo que o episódio tenha seus clichês de filme de ação, pois o episódio foi uma aventura cinematográfica.

Com um ego super inflado, Pratt foi coagido por Kovac pra ir ao Sudão ajudar Carter com os pacientes. Pena que muitas pessoas preferiram ignorar esse episódio, que não teve um grande início e estava pendendo à ser mais um Darfur da vida, mas foi muito melhor. A perseguição da polícia contra o ativista e sua mulher grávida deram gás à uma verdadeira aventura vivida pelos quatro voluntários. Ter que trocar o pneu do carro com uma mulher exsanguenando, com rapidez pra não ser pego pelos Janja que vinham logo atrás à cavalo, e surprendidos por uma solitário com metralhadora… Greg matou um homem com um tiro de fuzil. Isso deve mudar alguém.

cena de There are no Angels HereCarter mudou bastante. Ele sempre foi altruísta, mas a África o deixou mais decisivo, arrojado e a maneira de resgatar o homem na cadeia foi experta. Assim com fez Greg em várias partes no episódio – tomara que ele mude de pespectiva quando voltar pra Chicago. Cheia de situaçãoes inusitadas e tensas, o episódio foi mais um mini-filme, coisa que vem acontecendo muito na série. Orçada em 7 milhões de doláres, todos os seguimentos das cenas africanas foram realizadas na África do Sul e no deserto do Kalahari, tornando-se a produção off-USA mais bem produzida do seriado. O garotinho empolgado com as figuras do cinema americano ou Pratt carregando a maca da mulher como o personagem de Will Smith são provas evidentes disso.

Mas nada é tão na cara quanto o final infeliz do episódio. Dakarai, com barriga d’água, cruzou o deserto escapando dos Janjaweed e chegou inteiro ao acampamento, junto com as crianças e acompanhado de uma canção deliciosa de ser ouvida. Risos e satisfação encerraram o episódio, e Greg, mesmo com coronhadas, assassinatos e experiências de quase morte, confidencia à Carter de que ele não faria questão de saber sobre todo esse sofrimento. Eu também não. Mas assim como ele, fiquei.. feliz em tomar parte disso. No Congo, ER ajudou a lembrar do caso das patentes de remédio contra AIDS. Seria bom imaginar que esses episódios façam diferença politicamente.

Pelo menos esse teve final feliz! Os próximos dois episódios da série prometem deixar a pessoas mais feliz do mundo em um depressivo crônico. O papel social de ER não ajudou muito na audiência… mas a tragédia que eu vinha anunciando ajudou a subir o ibope do drama médico. Faltam só dois episódios. Até a semana que vem.

Séries citadas:

16 Comments

  1. Carlos

    O episódio foi bem bacana, com boas cenas em Darfur, muito melhor que o episódio Darfur. Mas os creditos iniciais me deixaram na expectativa de que alguem mais fosse aparecer para além de Pratt. Claro que já houve episódios em que só um ou poucos mais apareceriam, como quando Peter viaja para o meio dos EUA, ou quando Mark e Doug viajam por alguma razão e encontram-se com Carol depois. Mas , por incrivel que pareça, só se senta a falta das personagens no inicio do episódio, porque o episódio é tão bom que nós nem reparamos que só Pratt é que aparece.

  2. Thiago

    Não pude confirmar no texto, então vai no comentário:
    Os próximos dois episódios de ER serão às 21:00 horas!

  3. Laís

    Eu adorei o epi.. muito mesmo.. e sempre q tem algum episodio “na África”.. eu assisto de qlqr jeito.. adoro..

  4. Camila

    Quando eu li aqui no Teleséries que o episódio se passaria todo na África, não me empolguei muito, em geral não gosto muito desses episódios. Mas realmente esse foi excelente.
    Ótima rewiew também; ajudou bastante a entender a situação de Darfur.
    Alguem sabe como vai ficar Everwood nas próximas semanas com a exibição de ER às 21 horas?

  5. Douglas

    Na minha opinião, foi um dos melhores episódios da temporada com a participação do Pratt como personagem principal. Tá certo que a participação de Carter foi fundamental, espero que ele apareça mais na próxima temporada.

  6. thá carter

    epi muito bom. pode não ter sido um espetáculo de audiência, mas foi muito bom, teve o carter matando nossas saudades, o pratt aprendendo a ser um médico de verdade e a ver o mundo de outra maneira, e mostrando um pouco mais da barbárie que ocorre em pleno século 21 em darfur. depois de assistir o george clooney na oprah, achei o epi ainda melhor. bom imaginar que programas assim farão diferença na mente das pessoas.

    ps:”barriga d’água”, não né???? ascite fica melhor. mas nem sei se era isso que ele tinha, eu sei é que ele tava com dor.

  7. Morgana

    hahahahahah…
    desse episodiooo eu gostei!!!
    como vc falou Thiago!!!o Carter mudou e muitxo!!!
    naum maix akele de chicago!!q faz otimas tiradas!!!q age maix pela emoção!!!é uma pessoa maix centrada!!!maix racional!!!hhihihiih…me assustei de iniciooo…maix td mudoo neh!!!kaba a noix aceitar!!!aiaiaiai…agora com essa mudança dde horarioo…vou ter q assistir a reprise no domingo…q drogaaaaaaa!!!!
    maix…
    vamo q vamo…

    bjuxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    otimo texto!!!!
    esclarecendo muitxas coisas!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account