Log In

Reviews

Review: ER – The War Comes Home

Pin it

Cena de The War Comes Home
Série: ER
Episódio: The War Comes Home
Temporada: 14ª
Número do Episódio: 291 (14×01)
Data de Exibição nos EUA: 27/9/2007
Data de Exibição no Brasil: 8/11/2007
Emissora no Brasil: Warner

Sem hipocrisia, é com grande prazer que retomo os reviews de ER aqui no TeleSéries. Preciso dizer que é sem “hipocrisia”, exatamente por causa da análise violenta que fiz no final de temporada passada. Escrevo no site desde o começo do 11ª ano e, pra minha frustração, exatamente num ponto em que a série procurava encontrar um rumo… Mas já estou são agora. Desisti de minha idéia utópica de que ER voltará a ser o que era antes. Isso não importa mais. De agora em diante, verei o seriado apenas pra me divertir.

Às vezes me pego pensando na quantidade absurda de temporadas que essa série tem. Já está no 14ª ano, e John Wells está falando em um 15ª. Parece ser difícil dizer chega, mesmo num ano com audiência inferior a 10 milhões, com incêndios na Califórnia, greve de roteiristas e a saída de praticamente todos do elenco. E quem ficou pra cuidar do forte foi Abby Lochart.

A veterena agora é Maura Tierney, enfim protagonista de direito do seriado. Sem Goran Visnjic (que retorna pra algumas participações), Maura toma o posto de primeiro nome nos créditos, merecidamente. Minha maior preocupação com sua personagem seria ela sofrer uma derrocada semelhante à de Carol, que sem Doug, decaiu muito. Mas isso não está acontecendo com Abby.

Não estou tão surpreso, mas Goran realmente não faz muita falta ao seriado. Talvez pras Lubys de plantão, que ficarão sem seus momentos fofos (me desculpem, mas “amém”) por alguns episódios. Sem um casal como protagonista, agora o foco é no que mais aprecio: o PS, a medicina e a carreira dos funcionários. E devemos um pouco disso à Moretti.

Stanley Tucci foi uma excelente aquisição. Infelizmente, não será um personagem fixo e já parece ter uma saída programada, mas a minha filosofia de agora é viver o momento. Enquanto ele estiver no seriado, vou apreciar. E criticar também, claro. Já vimos várias lotações no PS e esta da passeata foi fichinha perto de outras. Não vou nem muito longe, e já vou exemplificando o episódio 200 ou o da morte de Romano. Durante The War comes Home eu me pegava imaginando: Moretti ia se dar muito mal nestas situações.

O personagem é bom, mas seu forte é o intelecto. Talvez ele não sobrevivesse nos bunkers. A rotina não-agitada da UTI pode ter acostumado mal ele, mas com o tempo pode pegar no tranco e já admitiu isso pra Abby. Mas o bom dele não são suas conversas “intelectuais”, de pensamento longe. Gosto dele é pegando no pé dos funcionários. O melhor do fim da temporada passada foi sua briga com os funcionários. Dessa vez… foi com Gates.

Eu posso ter mudado minha filosofia (assistir apenas pra me divertir) mas ainda assim odeio esse personagem. No gancho, ele estava vendo Neela ser pisoteada e… do nada, resolveu ficar com outro ferido? Foi mal-escrito, pra não dizer outra coisa. E pra um personagem tão afastado do elenco, tão distante dos outros personagens, colocá-lo na UTI só o afastará mais ainda do núcleo central. Isso foi bem evidente na cena final, onde todos estão unidos, exceto Gates, enquanto esperavam notícias de Neela.

Entre os anos 12 e 13, houve muita apreensão pelas vidas de Jerry, Sam, Alex, Abby e o bebê Joe. Dessa vez, nada disso aconteceu. Provavelmente, ninguém temeu pela vida de Neela por nenhum momento, mesmo quando ela perdeu cerca de 52 litros de sangue durante a cirurgia. A preocupação de Dubenko foi algo simpático, mas eu não sei… Faltou algo. Faltou Ray. Quando Neela o viu sem pernas, foi imediatamente pra uma passeata. Não falou pra ninguém sobre Barnet, que, supõe-se, está sumido desde o casamento. Seria lógico que alguém tentasse ligar pra ele pra falar que Neela encontrava-se em estado grave. Morris prefiriu pedir uma pizza.

Eu não sou o senhor da razão. Cada um tem sua ideologia e interpreta as coisas à sua visão. Mas eu errei demais, demais com Morris. Certo, inicialmente, seu personagem era horrível, além de ter sido um dos elementos que matou Romano. Mas hoje ele é outro. Agradável, cômico e bom de ver. Seu humor talvez seja exagerado demais pra ER (ele é quase um personagem de Scrubs) mas é o que a série está precisando agora. Agradar. E confiem em mim: ele e Pratt farão uma dupla neste começo de temporada que vai agradar muita gente.

Teve também a Sam. O policial Litchman fez uma rápida participação e promete pra enfermeira loirinha bons momentos. Bem, loirinha só por hoje. Seu visual muda semana que vem.

Mas e o episódio, afinal? Não costumo colocar nos textos uma conclusão direta, como uma nota ou classificação ente “péssimo” e “excelente”. Isso fica subentendido. As conseqüências do tumulto foram irreais. Gates abandonar Neela não teve sentido. E a hemorragia de Neela foi um exagero descomunal. O bom disso tudo foram alguns momentos de Moretti mais um trio gostoso de amizade: Abby, Pratt e Morris.

Cena de The War Comes HomeNão teve Kovac. Ninguém falou de Ray. Gates continua não me agradando. George Clooney (Doug Ross) disse “não” e o maluco do John Wells (produtor executivo) quer mais uma temporada. E com a greve, nada de previsão pro retorno de Noah Wyle (John Carter). Apenas Gloria Reuben (Jeanie Boulet), que inclusive já filmou seu episódio. Mas é também o ano do episódio 300. Com mais humor de Morris, além de um desenvolvimento sério pro seu personagem. Crescimento de Pratt, melhoramento de Neela, e porque não, de Gates.

Abby agora capitaneia o elenco reduzido. Apenas seis protagonistas. É um número pequeno, mas é a mesma quantidade da primeira temporada. Claro que o sexteto anterior era melhor, mas… eu estou me convencendo. Está sendo um bom início de temporada. E estou me divertindo.

Séries citadas:

40 Comments

  1. Lenon Fernandes

    Apesar da história da Neela não ter me empolgado muito, e de eu também detestar tudo que o Gates faz, a não serr talvez com a Sarah, eu achei um bom episódio, principalmente o Moretti perturbando todos os funcionários. Ele é um saco, mas é bom no que faz, e está apenas se preocupando em melhorar, já que ele tem uma visão, pra mim, meio irreal do ER.

  2. Cristiano (Highlander_Master)

    Eu gostei do episódio… Mais vamos ser franco, essa tem que ser a última temporada. Uma décima quinta não faz sentido nenhum.

    Tuas frases tão geniais, aquela parte dos 52 litros de sangue, eu fiquei imaginando é possível? Alguém perder tanto sangue daquele jeito e provavelmente não sofrer nenhuma sequela? Ah, a parte do Morris pedir a pizza também foi boa…

    Morris é realmente um baita personagem, e realmente parece que vai dar certo ao lado do Pratt.

    Fico na torcida pra que seja uma grande temporada, e que seja a última, pra pelo menos terminar um pouco por cima ainda.

  3. Paulo Antunes

    Thiago, Thiago, quanto tempo!

    Concordo com você, parecia um bom episódio, mas estava frio demais, não deu pra ficar apreensivo com a Neela um segundo sequer.

    A cena final do episódio pra mim é emblemática – agora todo o elenco de ER cabe em uma sala (e ainda é preciso a Chuny e aquele velho chato pra parecer que tem mais gente). Que deprê, que deprê.

  4. walter

    Otima review Thiago… eu devo concordar quando vc questiona o pq ninguem conta a falta do Ray, ou mesmo a Neela apos ter visto ele daquele jeito ter ido par uma passeata, sem falar nos 52 litros de sangue ahahha, mas foi um bom ep, nao amelhor season premiere, mas vlw apena assisti-lo principalmente pq o começa dessa temp tah bem legal!
    Sobre o Morris há muito ele se tornou um dos meus favoritos se não “O” favorito ( junto com a Abby, rs),na irregular 13 temp os melhores ep tiveram ele como destaque, como “JigSaw” e ate mesmo na season finale, as cenas dele com o soldado relatando as torturas no Iraque, foram otimas…

  5. Ricardo S

    Também não vi nada demais nesse season premiere, no dois melhora um pouco. Mas é totalmente insana essa coisa de 15º temporada. John Wells quer matar a série aos poucos, em doses pequenas, pra enlouquecer nós fãs. Fiquei tão otimista com os boatos q ER iria ter ano final digno, com grandes personagens voltando pra última e definitiva participação.

    O pior é que isso está cada vez mais possivel. A NBC não conseguiu se livrar da maré de azar e não tem nada melhor em audiência, tirando Law&Order SVU e Deal or not Deal.

    Die John Wells!

  6. VanessaVM

    Gostei do episódio, embora alguns fatos (Ray, Gates/Neela), como o Thiago já escreveu, tenham passado mais uma vez em branco em ER.
    Foi bom ver Abby de protagonista, principalmente “batendo de frente” com Moretti prá ficar ao lado de Neela. Ela cuidou dos pacientes do PS com simpatia e certeza do que estava fazendo (o que pareceu muito complicado para o chefe), e foi ficar com a (esquecida por alguns epis) amiga.
    Adoro o Luka. Vou sentir falta dos dois juntos, mas Abby com ou sem ele dá show. Ela e Lucy juntas teria sido muito bom.
    No início não gostei de Pratt e Morris, mas já há algum tempo os dois juntos garantem boas cenas na certa. Faltou Hope para completar, com certeza ficaria desesperada.
    Gates como sempre é um chato. Às vezes, ele até acerta alguma coisa (como o autor da bomba), mas estraga tudo no mesmo instante. Ele continua egoísta.
    Enfim, gostei do espisódio mesmo com falhas, mesmo sem a emoção de Neela podendo morrer. A temporada promete…

  7. Cesar

    Concordo contigo!

    Mas, essencialmente, porque série (qualquer uma!), pra mim, é mera diversão! E “ER” garantiu boa diversão no episódio de ontem!

    Abraço!
    Cesar

  8. Vania

    Thiago,
    Não sou médica mas fico pensando, o coração suporta bombear tanto sangue naquela velocidade?
    Faltou aquele desespero que moviam Doug, Benton, Mark e Carter e até o Romano. Só o Dubenko passou esse suave desespero.
    Outra coisa que não entendi foi a morte da garota, afinal, ela não estava com as costelas quebradas? Tudo bem, entendi que foi o gancho para transformar o avô da paz para a justiça com as próprias mãos, mesmo assim, achei a morte em si mal explicada.
    Concordo com você, o Morris e o Pratt estiveram muito bem.
    A Abby? Não me convenceu ainda como principal protagonista.

  9. Flavinha

    Não posso dizer que gostei do episódio… nem que não gostei.
    Não consigo me convencer de que ER não está no limbo. Mas enfim, ainda faz parte da minha agenda televisiva de quinta-feira e acho que daí só sairá quendo o aguardado último episódio vier à tona.
    Tenho que dizer que o que me chamou mais atenção neste episódio foram os “52 litros de sangue” da Neela.
    E olha que nem essa (exagerada) cena conseguiu nos fazer ranger os dentes de forma mais emocionada.
    Enfim… não consegui ficar muito empolgada.

  10. Aninha

    Sinceramente, esse epi foi apático. Acho que o fato de eu ODIAR a Neela com todas as minhas forças resulta nesse sentimento.
    A parte do sangue foi irreal. Pelo amor de Deus, eles queria apelar para que os telespectadores ficassem: Oh, meu Deus, quanto sangue? A minha mãe que é médica e assistiu comigo só ficava: Cara, isso não acontece mesmo.
    A Abby como protagonista é algo que eu desejo desde o ano passado, então, a minha felicidade de ver que o primeiro nome é dela… é gigante.
    Espero que esse segundo epi de E.R melhore.

  11. Giselle Bauer

    Eu gostei do episódio.Achei muito bom.Bem movimentado como nos velhos tempos.Sobre a Neela por mim se ela morresse não iria sentir falta e realmente foi um exagero a parte do sangue.Discordo e acho que o Luka faz muita falta sim.Stanley Tucci é um ótimo ator e estou gostando da participação dele.E é óbvio que o Thiago iria detonar o Gates.Mas eu entendo porque eu odeio a Neela então nunca vou elogiar ela.Voltando ao Gates no final do episódio da 13a temporada ele vê a Neela daí começa a confusão.Ela caí e começa ser pisoteada ele tenta chegar até ela mas tem um monte de gente na frente dele portanto é totalmente lógico ele ter chegado sem ela no P.S. com toda aquela confusão ele deve ter se perdido ela. E outra não acho que o Gates esteja afastado do elenco porque vai pra UTI o cara brigou com um paciente e foi mandado pra lá.E só porque o cara não tá sentado junto com os outros preferiu ficar em pé não quer dizer
    o que você escreveu. “Que ficou evidente na cena final que ele está distante dos outros.” Se fosse o Pratt ali vôcê não iria achar isto.Mas cada um acha o quer afinal seria muito chato se todo mundo
    pensasse igual. E como você mesmo escreveu nem você e nem ninguém é o senhor da razão.E pra fechar quase ia me esquecendo de comentar que a Abby segurou muito bem a peteca como protagonista.
    A Maura merece ela é muito boa atriz.

  12. Daniel

    O George Clooney está cuspindo no prato que comeu.Sem ER ele ainda estaria em “filmaços” como “A volta dos tomates asassinos”.Ele deve aos produtores do seriado uma participação sim.

  13. Marília

    Eu até gostei do episódio!
    Entretanto, também achei que a história de Gates abandonar Neela de repente, mesmo vendo ela ser pisoteada, foi mal escrita.
    O que gostei no episódio foi o trio Abby/Morris/Pratt. Foi agradável ver os três juntos. Aliás, eu passei a gostar bastante de Morris! Desde a 12a temporada.
    E uma pequena observação quanto ao que você escreveu (“Não estou tão surpreso, mas Goran realmente não faz muita falta ao seriado. Talvez pras Lubys de plantão, que ficarão sem seus momentos fofos (me desculpem, mas “amém”) por alguns episódios. Sem um casal como protagonista, agora o foco é no que mais aprecio: o PS, a medicina e a carreira dos funcionários. E devemos um pouco disso à Moretti.”): Na verdade, eu acho que Goran faz falta à série.

  14. Leonardo Toma

    Não gostei da premiere. Mas da temporada em geral to gostando pra caramba. Justamente pela falta de elenco (e dinheiro) os produtores são obrigados a compensar com bons plots e interação entre os personagens. Posso dizer que o hospital e a medicina voltaram a ser destaque.

    Maura como lead role faz um papel beeeem melhor do que Goran nas duas últimas temporadas. O ator croata não tem expressão nenhuma… Ter uma protagonista mulher em ER é algo inédito e divertido. 14 anos tendo sempre um attending como primeiro nome acostuma o público. Agora, a residente do terceiro ano, ex-enfermeira comanda o cast.

    Espero profundamente que a greve não afete o final (ou não, segundo Wells) de ER. E espero também que criem bons roteiros para os epis com Wyle, Ruben, Innes e West.

  15. Thiago Sampaio

    Vlw pelos coments. E o sangue foi mesmo ridículo
    Giselle (11), vai ver tô levando pro pessoal, mas juro que tô tentando gostar do Gates. Mas não dá. E sobre o distanciamento do resto dos personagens, eu não quis dizer que o ator e o restante do elenco estão brigados.

    A idéia é que, depois do que aconteceu com Ray, não tem mais clima pra ele e Neela. Gates não tem e entrosamento com nenhum outro personagem e… colocá-lo alguns episódios trabalhando fora do PS é um erro estratégico. Ele tem que passar o máximo de tempo possível lá embaixo pra se integrar com o resto.

    Ainda vejo Gates como alguém que não é personagem de ER…

  16. Mica

    O engraçado, Thiago, é que eu achei muito boa a idéia do Gates ir para a UTI. Não sei o que será feito disso, mas na minha mente, eu vi o personagem crescendo, amadurecendo e deixando um pouco a arrogância e impaciência de lado. E isso faria muito pelo personagem. Integração com o restante se consegue aos poucos, salvando principalmente a personalidade ruim dele.
    Eu até estava simpatizando um pouquinho com ele no início do episódio, mas o caso do homem da bomba destruiu de vez o cara para mim. Foi bem merecido o sabão do Moretti. Aliás, o Moretti foi

  17. Mica

    Enviei sem terminar de escrever, arf!
    Bom, o Moretti foi O cara no episódio. Demonstrou claramente que é um médico super capaz e um chefe competente…e principalmente, que não sabe exatamente como lidar com o PS. A UTI e o PS são duas coisas bem diferentes (apesar de eu achar o PS de ER meio movimentado demais) e até ele pegar no tranco vai demorar um pouco.
    E gostei da atenção que ele deu para o novo interno (estagiário? sei lá o que era o cara!). Acho que foi o médico menos arrogante com alguém que está chegando. E finalmente colocou Gates no seu lugar. Isso foi espetacular.
    Também adorei a Abby. Eu sou fã de Abby/Luka, admito. Fiquei radiante com o primeiro beijo (ou novo primeiro beijo,já que os dois já foram um casal antes) e todo o resto, mas também é bom vê-la sozinha. Dá espaço para a Abby crescer e criar histórias sem serem amorosas.
    Mas o que eu mais gostei do episódio mesmo, foi o final. Sentia tanta falta de ver um sexteto…Tudo bem que esse não é o sexteto dos meus sonhos (fora os atendentes, enfermeiros, sei lá, entrarão a Neela e o Gates, imagino), mas acho bom quando estão todos os personagens na tela interagindo de forma amistosa e não tola.
    Entretanto estou um pouco cansada de episódios com catástrofes.
    No geral, gostei do episódio, mas não mexeu comigo lá dentro. Não sei ainda se sou eu que fiquei fria ou se a série é que não traz mais a mesma emoção.

  18. Tatiana

    Que bom que voltou os Review/Comentários/Brigas enfim….ER voltou.

    Gostei do Episodio, e vou admitir – amei o que o “Chato” do Gates fez com o cara da Bomba, tudo bem não foi etico, mais garanto que se outras pessoas descobrissem a tramoia tbém iriam querer acabar com o cara.

    O leque da Final da Temporada e começo dessa, não funcionou, muitos lapsos e coisas que ficaram no ar. Mais esse é ER.

    Abby deu show, mostrando que conhece ER como ninguém.

    Moretti, é um sonhador, que acha que o PS é um mundo de Sofia, onde tudo dara certo e que logo as coisas entrarão nos eixos…….santa inocência, ou sei lá o que. Hospital Publico é igual em qualquer parte do Mundo(muda alguns detalhes);

    Morris, está se mostrando cada vez mais engraçado e inteligente, o Morris de antigamente, nunca iria pensar em tirar sangue, para provar que estava apto a trabalhar.

    Thiago, ótimo Review como sempre :)

  19. Vanessa VM

    No epi, Gates disse que viu Neela sendo pisoteada, mas achou que o outro estava mais grave. Teria ficado melhor se ele tivesse dito, como a Giselle falou, que no tumulto ele não conseguiu chegar até ela. Mas não, o amor dele por Neela é tão grande que foi procurar por ela quando já estava dentro da ambulância com outro ferido e um paramédico. Se fosse a Sarah ali, pisoteada, ele teria enfrentado tudo para chegar até ela. E Ray teria feito o mesmo por Neela, afinal ele ajudou os amigos no final da 11ª, quando o prédio estava desabando. Gates continua sim, egoísta e arrogante. E Neela era ótima até a chegada de Gates estragá-la. Virou novela mexicana o romance dos dois e as boas cenas de Neela como médica foram ficando cada vez raras.

  20. Vanessa VM

    Ah, Thiago, você viu que já tem a 8ª temporada de ER? Mas só nos EUA, por enquanto…
    Estava com saudade das tuas rewiews… e de ER!!!

  21. Vanessa VM

    Nota: Já pode encomendá-lo por lá, mas o lançamento é em 22/01/08.

  22. Patrícia

    Estava com saudades das reviews de ER também! Como sempre, muito boa review, disse muito do que eu pensei também…
    Como muitos já disseram aqui, eu também não senti aquela apreensão pela Neela, e eu até gosto dela, mas sei lá, não foi como o final da 12a. temporada, faltou emoção mesmo…
    Adorei a Abby como protagonista, também acho que é merecido, e gostei da interação dela com Morris/Pratt, esses dois eu não suportava até umas temporadas atrás, principalmente Morris, mas agora esses caras me conquistaram…

  23. Mica

    Acho que esse foi um dos pouquíssimo episódios que eu não odiei o Pratt. Não que eu tenha amado, mas consegui não odiá-lo o tempo todo, o que é um avanço.
    Eu gosto da Neela, mas era tão óbvio que ela não iria sair da série que não deu para sentir apreensão. Espero que ela melhore nessa 14ª temporada.

  24. Rafaelly

    Achei o trio Abby, Pratt e Morris bonitinho, achei a hemorragia da Neela hilária(ri muito quando vi aquele sangue borbulhando e o Dubenko pedindo pra sei lá quem pegar uma troço pra ele tentar conter o sangue), e simplesmente amo o Moretti!!!Acho q o Stanley Tucci foi a melhor aquisição da série em muitos anos.Tem cara de médico sério e liderança necessária pra ficar no ER( o problema, como ele memso disse, é q a UTI o desacelerou).
    Mas no geral, foi um bom episódio…Bastante medicina e ER lotado.Isso geralmente garante um bom episódio.
    Mas q deu saudades de momentos Lubby deu…Quero ver o Joe tb!Nem q seja um pouquinho…

  25. Morgana

    ÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ…
    de voltaa!!
    se vc estava com saudades daqui!imagina a gente!!??
    sempre adorei seus textos!!e esse tá muito bom!
    ngm melhor do que vc pra falar de ER,por tamanho conhecimento dessa série q tanto amamos!sou sua fã!já disse.risssss…
    sobre ER:
    NOSSA!falando de Gates.num intendi foi nada!ele tava com neela quando ela foi pisoteada e depois aparece ele já no hospital,quando ela chega?to beba?ou foi isso mesmo!eu hein?q doidice!risss..
    eu continuo odiando Gates e ao contrário de vc, nem tento gostar dle!acho q minha antipatia é pelo ator q acaba refletindo no personagem ou vice versa!nem sei mais!risss…por fim!eu acho os dois muito chato!
    eu sou uma fã Lubby!mas confesso q até gostei da abby sozinha!
    eu sempre achei o morris engraçado!ele é sem noção!risss…e o amadurecimento dele sem perder o bom humor!eu to adorando!acho q ele e Prat vai ser divertidoo!falando em Prat!eu nunca cheguei a odiar ele!ao contrário de muita gente!no começo,tá certo q não me simpatizava muito por causa da arrogância!mas depois,até q comecei a gostar!e oq aconteceu com a neela nem me deixou apreensiva!apesar de até gostar dela!e eu fiquei me perguntando quando o Moretti tava achando aquilo td(da quantidade dos pacientes,da correria,enfim)demais!se ele tivesse em outros tempos de ER!e…eu gostei da cena final!td mundo junto!mas,Thiago o Gates num tava na salinha com eles tbm?ele fica em pé com a cabeça encostada no vidro da porta!num é não?
    ah!e pelo amor de deus,manda esse John Weels ter um pouco de bom censo.ER Já ta na hora de dizer adeus!(por mais q eu seja fã!isso é fato)por td a sua historia e pelos os bons tempos!tá na hora de acabar!mas,acho q ele ta querendo entrar pro guinnes,com a série mais duradora da tv!risss…aff! e é uma pena o George cloney num ter aceitado participar!
    pena mesmo!ele devia ir pelo menos por consideração!foi ER q projetou ele!mas,fazer oq?cada um é cada um!

    =)

  26. Géssica

    Ei Thiago!!! ER volta e com ela suas colunas!!Sempre é bom ter vc por aqui pra ler. Concordo com o q. vc escreveu a falta do assunto Ray me incomodou, aquele sangue todo da Neela tbém, Gates não ter vindo com ela idem mas não ter Gates na emergência parece bom pra mim. Na epoca da contratação de Stamos discordei de vc juramdo q. seria uma ótima adição ao elenco mas como eu estava errada…quem sabe Stamos em doises suaves seja mais tragável a todos nós…
    Qto ao seu otimismo assistir ER só como um “divertimento…passatempo” sem julgar demais, bom não sei qto tempo vc vai aguentar.
    Agora qto a George não querer voltar, não vou critica-lo. ER é passado pra ele e ele já voltou qdo Carol se foi mostrando consideração a série. Uma participação agora não teria nexo no conteúdo do programa somente alavancar a audiência. Quem tem q. ter consideração com o programa e comn seus fãs é John Wells!!!! 15ºseason??? O cara é louco?? Até onde se pode levar ER. O correto é se acabar agora com participações de Weaver, Carter e só.

  27. Luciana

    Ah que maravilha de review pra uma maravilha de episódio,estava receosa de ter gostado do episodio e entrar aqui e só ver críticas.Eu gosto do casal Abby e Luka,acho que são simplesmente os melhores,mas realmente,com a saída do Goran o foco na medicina será maior e sairemos no lucro.
    Gosto muito do dr.Moretti,o considero um personagem parecido com o dr.Romano,mas não uma xerox borrada dele como o John Stamos tenta imitar o Doug Ross.Achei ridículo aquele momento ”detetive estourado do Law&Order”com o cara que fez a bomba,aliás,posso estar enganada,mas aquele ator já não fez um med student obsessivo compulsivo na 11 temporada chamado Howard?
    Outra observação:belo momento na cirurgia,ninguém falava dos namoros de ninguém,o velho OR de sempre com a diferença de que era a Lana do Er sendo operada
    O episódio parecia calmo demais,mas na verdade foi feito sem pressa,os traumas levavam o tempo necessário e o fato do episodio focar o dia de Morris,Abby e Pratt me lembrou de Four Corners,premiére da oitava temporada

    Só uma reclamação e não é do episódio:por que ninguém fala nada nos comerciais do próximo episódio?issoé simplesmente ridículo,não peço a promo caprichada da Nbc,mas uma promo sem pé nem cabeça como essa foi inaceitável,ainda bem que terá a Busy Phillips,quando aparece o Guest Star eu olho pra ver se tem o meu trio de ouro:Stanley Tucci,Leland Orser e Busy Phillips,sem falar da Shirley,uma enfermeira da cirurgia que está lá no Or não importa a temporada

    É só

  28. Paula

    Rafaelly, Joe é o que não vai faltar nessa temporada!
    Pode esperara que vc vai matar a saudade dele…

  29. ana claudia

    galeraaaaaaa, q absurdo a warner so colocar as reprises das temporadas passadas d er as 10h =/ como assim? ninguem trabalha nem estuda n e?!!!!
    horrivel…

    tiago adorooooooooooooooo suas colunas =) =)

    bjinhos

  30. ri

    sempre adorei ER mas vamos admitir que apesar de ser apenas um episódio por enquanto tá muiiiiiiito chato. como tenho saudade dos personagens da primeira temporada os de agora tirando a Abby não tem carisma nenhum.vou torcer pra que melhore pelo menos um pouquinho esta serie que era tão gostosa de assistir e que agora assisto mais por costume do que por qualquer outra coisa.

  31. Thiago Sampaio

    Vanessa(20) parei na 4. Preciso completar a coleção XD

    Luciana(27) mesmo que eu tivesse malhado o episódio, vc poderia sim continuar gostando dele. Não tem problemas =) Sobre a promo, eu não a vi. Estou fazendo faculdade à noite e não tive oportunidade de entregar o texto acompanhando pela Warner =/
    E o ator não era o Howard

    Ana Claudia(29) infelizmente um ódio foi tomado contra ER (até qm não assiste torce pelo seu fim, e os longos anos de reprise incomodaram). Mas é uma pena mesmo. Se passasse desde o começo, seria legal manter o horário das 23:00.

    E vlw de novo à todo mundo =)

  32. Diogo

    Pois eh,apesar de nâo ter sido um retorno triunfal ER estar de volta.que é 14 º seja agradavel divertida e cheia de surpresas

  33. Thá

    Bah super exageradas as lesões da Neela… aquilo não ia acontecer na vida real, mas convenhamos, a série tá aí pra entreter. O House também é cheio de erros na parte de medicina, mas a gente gosta mesmo assim.
    No caso da menina que quebrou as costelas (chama-se tórax instável), suponho, pelo o que entendi, que ela teve hemotórax bilateral e entrou em insuficiência respiratória. Só isso pra explicar a morte dela. Mas também achei meio forçado.

  34. Isadora Cabral

    Olha,

    A Abby realmente merece onde está!Mas ER não é a mesma coisa a anos!!!!Pra mim não tem mais ER de verdade,a série mudou muito e pra pior!
    Assito por consideração e porque ainda tem coisas que me interessam.A saída de Ray me deixou p* da vida e acho q Neela anda meio esquecedinha nessa temporada.

    EU NÃO SUPORTO O GATES!!!!

    A Sam pra mim é uma das melhores!O Morris ta recebendo o reconhecimento merecido…

    O Pratt tbm ta aprecendo mais e até paraece que os 6 protagonistas estão mais unidos que nas outras temporadas…

    Apesar que NADA vai ser igual como o elenco de 1ª a 5ª temporada!Depois começou a mudar muito…

    Abraço!

  35. Thiago,

    Sabe o que mais gosto dos seus reviews, além é claro da qualidade, é você voltar e comentar nossos comentários. Valeu mesmo!!!

    Antes de ver este início de tamporada eu assisti a um eps antigo, da época do George Cloney, e me chamou atenção uma coisa que vc comentou no seu review do final da temporada passada. No eps que eu tava assistindo eles recebem a notícia de um acidente e que iriam chegar 10 pacientes, e eles se preparam, preparam sangue colocam roupas prósprias, efim se preparam para a crise.

    Me lembrei do seu review, porque vc perguntava se alguém sentiria mesmo seguro em dar vida nas mãos daqueles médicos… No eps que eu tava assistindo era um desses que te deixa confiante nos médicos… e o problema da Neela deixa bem claro isso, todos foram muito mais amigos do que médicos dela, e por incrível que pareça, a única que agiu como médica foi a Abby, que decidiu quem fazia a cirurgia.

    Sei que muitos vão discordar mas acho que esse foi o erro de ER, trabalhar tanto o lado pessoal dos persogens… talvez por causa de Greys, não sei… mas qdo os médicos eram mais médicos… a série era muito melhor.

    Ah! tbm acho que o George Cloney tá cuspindo no prato que comeu. E tbm acho ridículo um 15º temporada…. a menos que as coisas mudem muuuuiiiiiiito neste PS.

  36. Thiago Sampaio

    Fê, eu adoro essa série =)
    Poder falar dela com gente que também gosta, é raro pra mim pq nenhum de meus amigos assiste mais ER. Faço questão de ler todos os comentários

    Me contento aqui, virtualmente

  37. Rita Proença

    Quero deixar aqui meu repudio pelo o horário do ER ter mudado, agora que começaram a passar desde a primeira temporada, e só está passando as dez da manhã e o tradicional horário das vinte três horas para onde foi? estou simplesmente indignada. Quando mudaram para meia noite achei um absurdo mas ainda era viável, agora sem horário noturno como é que nós que amamos este seriado especialmente até a décima e décima primeira temporada ficamos? Eu particularmente assino a net somente para poder assitir os melhores momentos dessa série onde têm o Dr. Green, Dr. Carter, Abby, Dr. Benton, etc. Pela manha estou trabalhando e não posso assistir, então porque mudar o horário? Realmente é revoltante. Rita

  38. Patrícia

    Nossa, começaram a passar ER a partir da primeira temporada??? Não acredito!!! A Warner é bem idiota mesmo, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account