Log In

Reviews

Review: ER – The Family Man

Pin it

ER - The Family ManSérie: ER
Episódio: The Family Man
Temporada: 15ª
Número do Episódio: 323 (15×15)
Data de Exibição nos EUA: 12/2/2009
Data de Exibição no Brasil: 16/9/2009
Emissora no Brasil: Warner

Fica muito difícil, se não imposível, assistir um episódio com legendas como a de The Family Man na Warner. Chega a ser criminoso! Numa batalha crescente contra a “pirataria”, os canais iniciaram verdadeiras guerras contra os sites de legendas, que são feitas gratuitamente, e depois usadas por fãs que baixam os episódios de suas séries preferidas. Pois bem, comentarei algo particular aqui: fiz sozinho as legendas das duas últimas temporadas de ER, um trabalho enorme (eu traduzia no ouvido e levava cerca de oito horas por episódio) mas muito prazeroso, pois amo a série e queria que as pessoas pudessem ver o que eu via.

Aí a Warner atrasa o seriado em mais de um ano, e pela segunda vez na temporada, apresenta uma legenda sem sincronia. E essa foi sem precedentes: eram quase cinco segundos de delay. E pensar que teve gente que recebeu pra fazer isso, em um seriado que além de atrasado, passou por uma troca de dia e não possui um horário de reprise. E agora?!

Bem, revendo o episódio, dessa vez com minhas legendas (pela segunda vez no ano, posso afirmar que as minhas foram melhores que as originais), vamos ver se a revisão sai adequada.

Dirigindo ER, pela primeira e última vez, temos Eriq La Salle, o (insira o adjetivo que achar mais apropriado) Peter Benton, no comando de The Family Man. Com histórias limitadas apenas a três núcleos (diferindo do estilo clássico de ER, que narrava dezenas de histórias num só episódio), o trabalho do roteirista Andrew Fash, também estreante, se casou muito bem com a direção de La Salle pelo trabalho de três pessoas: o vencedor do Oscar Lou Gosset Jr. (pelo filme A Força do Destino, de 1982;, David Lyons, gradativamente melhor como Simon Brenner; e Ariel Winter, provavelmente a coisa mais fofa que já passou pelos sets de ER, no papel da pequena Lucy.

Brenner continua ainda muito apaixonado por Neela e isso sim pode ser visto como uma falha. Não fosse o bastante, a falta de reciprocidade dela provoca nele reações adolescentes (a indiana viajará pra Carolina do Norte, então realmente foi entrevistada por Elizabeth Corday), mas essa sua nova fachada, a de um simpático romântico, tem bem mais apelo que a anterior, a de um bad boy sexista. Além do mais, as glórias de Brenner como personagem não estão em sua vida pessoal, mas na profissional: ele está se saindo um grande médico.

O australiano interveio positivamente quando, em uma coincidência pra lá de infeliz, mãe e filha dão entrada de maneira literal no County, depois que o carro delas bate a toda velocidade em uma ambulância estacionada na frente do PS. Não fosse o suficiente, quis o destino que os médicos descobrissem na mãe, Joanie, uma grande falha cardíaca passível de melhoras apenas com um transplante cardíaco e…

e…

Que se foda.

Me perdoem, mas não vai dar. Sempre tenho na minha cabeça um roteiro prévio a seguir, pra cada episódio, quando escrevo uma review no TeleSéries. Só que dessa vez tudo foi arruinado. Eu iria falar do tom de voz adequado de Brenner, de Sam defendendo os interesses de Joanie, de Lou Gosset Jr num papel talvez longo demais, mas oferecendo bons momentos, e principalmente da jovem Ariel Winter, que me deixou boquiaberto no papel de Lucy. Mas não dá.

ER - The Family ManAs longas cenas de direção feitas por La Salle, com micro detalhes como Zadro sendo boa gente e se preocupando com quem bateu nele, o esforço de Morris em querer uma avaliação para o paciente com problemas na coluna e até uma análise mais elaborada sobre a forçada de barra com ele vestido de Super Hero Gary (depois de um encontro micado, o herói sempre ficou com a mocinha no final), fica pra segundo plano. La Salle falando bem de Scott Grimes? Não me importo, assim como não quero mais comentar que aquele coadjuvante, que parece o Papai Noel, finalmente teve uma fala. Estou nervoso. Estou mais nervoso do que quando Ray perdeu as pernas (leia aqui).

Estou desanimado demais para comentar sobre esse episódio, que merecia e muito uma boa revisão. Eu tinha tanta coisa pra falar… Mas é inútil, pois muitos foram privados com essa exibição estúpida da Warner. Vi a ótima promo do retorno de Wyle, já na semana que vem, mas… Porra. E hoje? Como fica? E quem não conseguiu ver o episódio por causa dessa legenda anticlimática?

O editor do site está em processo de confirmar uma notícia, já escrita por mim, e que deverá ser postada em breve caso seja verdade: a de que a Warner vai antecipar sua nova grade para outubro, estreando novas séries e temporadas no fim do mês que vem. E pra isso, a Warner correrá com as exibições de Chuck, Old Christine e ER, esse atrasado um ano e que sairá fugido do canal, com exibições de dois episódios por semana, a partir do dia 21 de outubro. Eu não tenho ânimo nem pra comentar isso…

Sério, não é invenção não: estou nervoso mesmo. Se na semana passada eu senti uma boa e saudosa tristeza, dessa vez tenho uma nervosa frustração, que me impede de escrever algo mais “apropriado”. Caramba, escrevi até palavrão aqui, coisa que não aconteceu nem no review do finale do 13º ano. Por favor, me perdoem por isso, mas… a Warner estragou feio dessa vez. E eu tinha tanto a comentar sobre The Family Man

Séries citadas:

58 Comments

  1. Thayse

    Thiago, pois foi justamente por isso que eu disse que vou esperar o episódio pra dar a minha opinião, porque não tem como analisar uma cena que foi jogada solta numa promo, né! Falei mais de implicância com a Chefa, porque eu não gosto dela, hehe. Com certeza o contexto deve ser bem outro. É que na hora que eu vi a promo, a primeira coisa que veio na cabeça foi isso.

    Sobre a “Trauma”, tem bem jeitão de porcaria. Assim como a “Mercy”. Talvez um dia surja uma nova série médica de qualidade. Porque viver à base de Grey´s ninguém merece.

  2. claudia

    Olha o melhor a fazer é reclamar nosite da Warner infelizmente da trabalho, é o jeito ou entao montar um site de repudio a este canal.
    Realmente qdo tento assistir (eu gravei)….que raiva!!!

  3. Flávia

    E depois alguns amigos meus dizem que ninguém mais vê ER, só eu. Nem Lost suscita tantos comentários neste site!

  4. Carlos T.

    Flávia (53) a média de comentários de ER é muito grande aqui no Teleséries, vários reviews com mais de 40 comentários e acho que com a volta do Carter vai cada vez mais aumentar a resposta do pessoal. Em um outro blog de séries muito conhecido, a autora fez um post com o título “alguém ainda vê ER?” Bem, o post “só” teve 94 respostas. Precisa dizer mais alguma coisa?

    Ah, Thiago eu também me irrito quando vejo os episódios na primeira temporada e o La Salle gritando “Let’s Move!”, mas diriginado o episódio foi bem legal ver a energia e a empolgação dele no set. E mais um que parece que depois de uma saída não muito amistosa (é o único a não aparecer nos extras da primeira tmeporada que tem o Clooney e o Spielberg!) parece que foi passada uma borracha no passado…

  5. Thiago Sampaio

    Thayse (51) Fica tranquila que entendi a situação =) É que… eu não quero mesmo falar, mas o motivo da pergunta é uma das coisas mais legais do episódio. Quanto a Trauma, é por aí mesmo. Vou ver o piloto apenas pela pirotecnia mas parece ser algo bem descerebrado. Espero estar errado…

    Claudia (52) Mandei três mensagens pro site e o fórum do canal é morto. Infelizmente, não há o que fazer =/

    Flávia e Carlos (53&54) Não tenho um amigo se quer que assista essa série. É frustrante! Mas o retorno que a gente encontra na internet… e aqui, tá sendo massa! Nem sempre foi assim. Antes, o Teleseries não tinha sistemas de comentários e o pouco feedback que recebíamos era por e-mail. Aí o site foi atualizado e… as reviews conseguiam ótimos números. Mas nada acima de 40 ou mesmo 30. Só em episódios eventos, como morte de alguém ou saída de um personagem. E season finales. Nessa temporada, aliás, eu achei que ia estar tudo às moscas, pelo fato da Warner ter atrasado a transmissão e a comunidade com 30mil membros no orkut onde eu linkava meus textos ter sido roubada. Mas não sei o que que deu, os números fizeram é crescer. A primeira chegou quase a 50, mesmo número do de Abby, o de Mark beirou os 70… Meu “pití” com a saída de Ray segue líder com uns 97 mas esse retorno, e exemplos como o do Blog Legendado mostram que a Warner deveria tratar ER com muito mais respeito. O retorno é garantido.

    Carlos (54) Complementando: La Salle era o mais fraquinho do elenco no início da série. Pra mim, até mais do que o Clooney – apesar do sonso ler as falas durante as cenas – mas melhorou e muito com o tempo. E esse “let’s move” acabou, ainda bem. E borracha no passado? Tô achando isso ótimo! Achei uma besteira ele ficar de fora do DVD dos primeiros anos, Kingston ter saído daquele jeito, assim como a Sherry… Ainda bem que ER teve 15 anos pra resolver seus problemas.

  6. Luciana

    Olha foi realmente a gota d’água da Warner Chanel este delay,meu inglês é bom,mas nem tanto,ainda mais porque no ER as falas são rápidas pra caramba sem falar dos termos médicos e,puxa,eu pago pra ter um canal com legendas decentes ,não tenho obrigação de ficar tentando entender o que eles falam.O que mais me irrita nisto tudo é que daqui a uns 8 epísódios a Warner não vai mais precisar se preocupar com as legendas ou o horário de reprise de um inédito de ER.Por motivo de força maior tive de sair por volta das 10:15 min e tive de assistir à 1:00 da manhã ,dormir menos de 6 horas e ficar morta-viva na quinta-feira,lógico,pra ver ER eu até passaria a noite sem dormir,mas é absurdo isso.Mas por que ER mereceria um horário decente de reprise do inédito não é mesmo? Só é uma série que durou 3 vezes mais do que a média,pioneira no drama médico dos tempos modernos,que revelou vários astros da TV e que possui o maior numero de indicações ao Emmy na história,só isso.Depois vem mandar email pra mim sobre as estréias em outubro,eu lá quero saber de estréias quando assisti a um episódio inédito da última temporada da série de que mais gosto nas piores condições possíveis?!

    Bom,agora que eu desabafei,vou falar do episódio dirigido pelo mal-humorado Peter Benton.Brenner,está cada vez melhor,realmente um médico novo nesta temporada,a sensibilidade com a qual conversava com Lucy foi algo cativante.Aliás,quando aconteceu a batida,pensei ”novidade,uma ambulância destruída” aí lembrei do Zadro lá e me preocupei.Só achei meio besta o Morris vestido de super-herói,lembrou o Morrisdos tempos antigos,e eu não sei o que acontece que não consigo gostar de nenhuma cena da Neela .Não é de toda criança no ER que eu gosto ,mas Lucy realmente é uma graça(vai ver é de nome)e não merecia depender daquele pai ausente.Mal posso esperar pra ver a participação do Carter

  7. claude silva lima

    No final do capítulo A family man, na subida dos letreiros há uma canção. Alguém sabe o nome da canção e seu cantor?

  8. Leandrosilva259

    boa noite Thiago, cara acabei de assistir esse epsodio na warner e gostei muito da musica que toca no final, agora fazendo uma pesquisa na internet, encontrei sua pagina, li algumas coisas e me agradaram muito seus comentarios sobre os epsodios, mas enfim se souber o nome da musica e o artista, por favor responde ai!!! abraço, parabéns pela pagina!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account