Log In

Reviews

Review: ER – Gravity

Pin it

ER - Gravity
Série: ER
Episódio: Gravity
Temporada: 14ª
Número do Episódio: 294 (14×04)
Data de Exibição nos EUA: 18/10/2007
Data de Exibição no Brasil: 29/11/2007
Emissora no Brasil: Warner

Eu não sou de me impressionar com bebês. Pra mim, todos têm cara de joelho e enquanto assisto cenas com um, fico observando a reação dos atores que tentam fazer seu papel enquanto são atrapalhados pelos colegas bebês. Isso não aconteceu em Gravity. Pelo contrário: fiquei embasbacado com a atuação da dupla de gêmeos que fazem o bebê Joe. As crianças deram um toque a mais neste que foi mais um bom episódio do 14ª ano de ER.

Stephen Cragg chega ao seu 10ª trabalho dirigindo a série, mas ainda tem seus defeitos. O diretor de Bloodline, premiere do ano passado, ainda tem uma mania irritante de agitar a câmera em momentos de tensão, mas apenas Christopher Chulack sabe fazer isso. O atendimento na sala de trauma faria detratores de Friday Night Lights sentirem saudades de seus jogos de câmera, mas no geral ele foi perfeito com a dupla de bebês. Sou só eu, ou os miseráveis sabiam quando chorar na hora certa? Pensei que ver o livro de fotos do pai, na tomografia, seria seu momento máximo, mas a batida de carro foi simplesmente perfeita. Dêem um Emmy pra estes guris, que conseguiram camuflar as simpáticas participações de Sam, Chunny (guenta aí, Haleh não é a melhor pra injeção?) e claro, Abby.

Perigando me tornar repetitivo, “protagonista em ER tem que sofrer mais do que o normal”, e Abby finalmente sucumbiu às saudades que sente do marido. Eu, de novo, não sinto nenhuma falta do croata, que vem fazendo um bem danado à série com sua saída. Sem ele, não há necessidades de momentos fofos entre o casal e a rotina médica ganha mais destaque. Pena que isso custe à Lockhart seus anos sem beber um gole de álcool. Pena mesmo. Perigamos retornar àquela fase chata das temporadas 7 e 9, quando a família bipolar atazanava tanto a paciência dela, quanto a nossa.

Paciência já esgotada há tempos com Gates. O que foram as cenas dele, com Josh, no jogo de beisebol mesmo? Completamente descartáveis. Desculpem-me, mas soou tão distante da proposta do episódio, que até quem gosta dele há de concordar que Tony, hoje, foi “muito nada a ver”. E isso porque ele entra no seriado com status de salvador, okay?

Neela não é uma personagem perfeita – ela oscila demais entre as temporadas – mas parte de seu declínio tem Gates como responsável. Eu não tinha nada contra Neela na época de Gallant e Ray… até o novato chegar e estragar tudo. O romance que estava reservado para Barnett, ficou com Gates, e pro outro coitado foram-se as pernas. Naturalmente, houve um escapismo por parte dos fãs pra se julgar quem fora o culpado pelo ocorrido com Ray. Lógico que a produção é culpada nessas horas, mas um personagem tem que ser o bode espiatório, certo? A indiana pagou pra cristo diante do público (eu tô no meio) e é tida como maior responsável pelo acidente.

Mas há os poréns: Tony e ela já haviam terminado; foi Pratt quem expulsou o amigo bêbado da festa; Gates, sóbrio, foi quem resolveu comprar briga; e Ray, perdedor, resolveu encher a cara… A participação de Katey, estagiária sem papas na língua, foi o cala boca da produção pra quem vem se sentido revoltado com Neela, e torceu pra que ela tivesse morrido no protesto. Bem, bola pra frente. Rasgotra e Gates, pelo jeito, “nunca mais”, e provavelmente dias mais lights pra ela virão. A citação cômica de O Poderoso Chefão e seu afastamento no caso de Joe mostram que as tragédias pra Neela, por hora, terminaram.

Viver no universo da série não é uma garantia de marasmo. O perigo de vida é constante, mas há seus bons momentos. A ítalo-americana que providenciou o horrível cabelo Pantera de Abby e umas mudanças no staff serviram de bom alívio cômico pro episódio, que talvez tenha forçado um pouco a barra com o Bicho-Papão Morris. Mas vá lá. Se a intenção foi nos fazer rir, acho que conseguiram.

ER - GravityO que ainda não conseguiram foi, infelizmente, encontrar um propósito pra Pratt. Okay, continuam mantendo o arco de seu irmão gay, mas sua participação no PS está sendo nula. Era pra ser ele com o filho de Abby, não Morris, que inclusive salvou a pele de Lockhart num diagnóstico errado. Way to go, Archie! Ao invés disso, ficou só o senhor Archibald, numa daquelas tramas que, aparentemente, já vi um milhão de vezes na série, e prejudicada pela péssima atuação do ator que fazia o ex-jogador de futebol. Sam, por exemplo, que ainda não fez muito nessa temporada, teve apenas uma pequena participaçao neste episódio, mas já saiu na frentre de Pratt, que prometia uma interação mais promissora com Abby, como quando disse que “ela não está sozinha”. Ehr… não sei. Esperava mais de Moretti, que voltou no fim do episódio, pegando no pé de Gregg, como nos foi prometido no fim da temporada passada.

Mas é Maura Tierney que continua sendo o nome forte da série, e a produção não se envergonha de usá-la até o último momento. Acredito que se eles pretendem fazer uma 15ª temporada, precisam é reforçar o restante do elenco, pois por melhor que sejam os episódios, a audiência não cresce mais. Este, por exemplo, foi até agora o mais visto do ano – pateticamente, único com audiência superior a 10 milhões. E isso porque foi num dia sem Without a Trace.

No próximo episódio temos uma rápida participação de… Luka Kovac. Isso mesmo. Vamos ver se quem sente falta dele, consegue matar as saudades. Eu, por hora, estou satisfeito.

Séries citadas:

42 Comments

  1. Fernanda C.

    Tb gostei muito dos gêmeos! Tendo a odiar crianças atuando, mas eles foram muito bem, super fofos.
    Tb gostei muito da atuação da Maura. Adoro ela, mas tem horas que ela força muito na carga dramática, principalmente na 9° temporada. Tá certo que aquela história chata não ajudava, mas… nossa, como ela forçava. Aqui ela foi mais soft, menos exagerada.

    E podem falar o que quiserem, mas eu adoro um drama. E a razão desse epi ter sido tão bom foi por causa disso. Tá na cara que os dois ficarão juntos no final, mas um draminha é sempre bom. Mostrar o casal fofo, alegrinho como na temporada passada é bacana, mas enjoa. E, poxa, a Maura tá saindo, a (agora) protagonista da série, deixa ela brilhar pela última vez, melhor do que passar em brancas nuvens, como alguns (Susan?).

    Odiava o Pratt com todas as minhas forças. O cara entrou se fazendo de o ‘bom’ para cima do Dr. Greene enquanto ele tava morrendo… dava vontade de jogar um helicóptero para cima dele. Mas estou gostando desse novo Pratt, principalmente essa história com o irmão dele.

    E que desperdício de Stanley Tucci…
    Bom review, Thiago.

  2. Este foi o eps mais visto até agora!!! imagino os demais.

    Não que este eps foi ruim, mais foi comum… o gêmeos estávam bons, mas francamente achei meio exagerado o drama que a Abby fez porquê ele caiu no parquinho… não sei se é porque não sou mãe… ou se foi culpa da promo da Warner que passou a batida de carro e depois ela chegando no PS… então fiquei esperando mais motivos… mas enfim.

    Não sou como vocês, nunca gostei tanto assim da Neela, e o Gates concordo foi totalmente descatável. Não sei que mania que esse pessoal tem de colocar os médicos dando uma de melhor amigo de paciente… Achei que o Gates na UTI iria crescer e ao invés disso fica amiguinho do paciente, a propósito este foi o único paciente dele. Quem dera todos que são internados numa UTI tivesse tanta excluisividade.

    No mais concordo com vc Thiago, sober Pratt e Cia.

  3. Mica

    Foi um episódio sem acontecimentos notáveis (digo, grandes e barulhentos acidentes), o que sempre é muito bom. Mesmo assim eu me senti meio morna assistindo. Nâo consegui sentir empatia pela Abby com o Joe nesse episódio, e isso nunca é legal. Mas fiquei curiosa em saber pq o Kovac não respondeu a ligação e confesso que estou com uma dor horrível no estômago de puro medo que a Abby embarque no álcool mais uma vez. Ela não pode se jogar na bebida agora que tem um filho para cuidar e está sozinha. (não que antes pudesse, mas…)

    Gostei das participações da Neela no episódio e embora eu não a culpe inteiramente pelo acidente do Ray (ninguém o mandou encher a cara) eu sempre a culparei por ter brincado com os sentimentos dele daquela forma, o que culminou na destruição da vida que ele conhecia até ali.

    Stanley Tucci não foi desperdiçado…foi uma das cenas que eu mais gostei do episódio todo!

    Pratt poderia sair que não faria a menor falta.

  4. Carla

    Realmente, pensei a mesma coisa ontem. Os gêmeos são bons, parecem saber a hora certa de chorar e de parar.

    E aquele final… ela vai voltar a beber. Bom, ela é forte, sei que vai superar isso. E é como o Pratt disse: “Vc não está sozinha”.

    Sam foi ótima também, apoiando a Abby. Isso me lembrou um pouquinho de antes, lembram, a amizade entre os personagens. E isso é bom.

  5. Fernanda C.

    E nota 0 para a Warner por soltar o spoiler mais esperado na promo logo depois do episódio. =P

  6. Leonardo Toma

    Em relação aos três anteriores esse foi o melhor pra mim. Balancearam histórias non-sense com a séria de Abby. Teve cenas onde todo o elenco apareceu junto. Isso há muito muito tempo não acontecia na história de ER.

    As histórias vão ficando mais interessantes. Consequentemente os epis também. Espero que isso se mantenha na temporada inteira.

  7. Juliana Oliveira

    Eu gosto desse episódio, na verdade pra mim até então foi o melhor dos que já passaram na Warner dessa 14ª temporada.
    Antes de tudo eu tenho que dizer que mais uma vez fiquei impressionada com a atuação dos gêmeos, eu sempre gostei dos bebês de ER (a Ella era uma fofa), mas esses meninos que fazem o Joe já são atores! Choravam e paravam de chorar na hora certa.
    Eu gostei da interação da Sam com a Abby, apoiando ela e tal. Mas eu achei meio forçado o Pratt no fim falando com ela, não sei o porquê.
    Concordo plenamente com você, Thiago, na parte do Gates ter sido desnecessária. Quando eu tinha baixado o epi tinha pensado nisso, mas como falam que eu fico implicando com ele eu deixei de lado. Mas ontem até a minha mãe falou que foi totalmente solto no episódio aquilo.
    Como aqui em casa estamos fazendo maratonas das temporadas antigas minha mãe ficou falando: “Lembra de quando o Doug falou que ia levar o menino no jogo?” Pois é, foi a mesma coisa. Só que ele não consegue ter o carisma. E isso faz falta.
    Eu gostei do Morris consertando o erro da Abby e de qualquer forma foi “bonitinho” ver ele meio que apoiando ela. Quanto a parte do bicho-papão foi forçada mas foi engraçada, hahaa!
    Semana que vem tem o Luka, que eu tenho que admitir, não tá fazendo taaanta falta, mas é sempre bom vê-lo de novo! XD
    E pra finalizar eu tenho um sério comentário a fazer, eu adoraaava as Farrah! Hahahahaha!

  8. Cris

    Gostei muito do epi, e dos gêmeos nem se fala, uns fofos e muito talentosos, pra ter dado tão certo assim nas cenas acho que um deles é o chorão e o outro mais calminho…
    Aquela babá era uma “monga” sinceramente eu não deixaria um bebê com aquela moça, ela nem sabia como ele tinha caído, é demissão na certa…
    Aquela senhora cabelereira foi o toque especial do epi, a Abby “Pantera” e todos rindo dela, sem ver a promo ninguém imaginaria que o epi seria tão dramático…
    O Tony e o Pratt foram um desperdício total, se pudesse passaria as cenas deles direto…A história que a Sam contou pra consolar a Abby também foi fraca, dava pra ver na cara dela que não convenceu nem um pouco…
    Ninguém falou do recepsionista novo, Javier, achei ele bem bacana, mais um personagem cômico pra alegrar os plantões de ER, adorei ele conversando em espanhol com a Chunny e o Pratt não entendeu nada…hahaha
    Muito chato o Luka não atender nenhuma ligação da Abby, deve ser mesmo uma sensação horrível ter que aguentar essas coisas sozinha, mas no fundo também não senti tanta empatia da Maura com os Bebês, a Linda se mostrou mais fofa nas cenas com o Joe. Deve ser porque a Maura não têm filhos e nem quis ter, vai ver ela não gosta muito de crianças… Quanto a Abby voltando a beber, estou preocupada…cenas chocantes virão…

  9. Juliana Oliveira

    OMG! Eu cometi um sério erro ortográfico no meu outro post, eu quis dizer:
    “Eu adorava a Farrah”

  10. Thiago Sampaio

    Fernanda (1) Justo que Abby tenha destaque em seus últimos dias, mas se a produção quer planejar um bom final de seriado, ou mesmo uma boa temporada, tem que pensar nos outros. Mark Greene quase não aparecia no 8ª ano. Apenas na reta final. Com isso, plantou-se muita coisa pra Abby, Carter, Luka e Susan.

    Na saída de Carter, ele era praticamente um coadjvante. Digo o mesmo com Doug, Lizzie, Carol… Não é por “estar saindo” que tem que usar o personagem até dizer chegar. Tem-se que encontrar um balanço e dar destaque “ao outros”. Pratt, por exemplo, até agora nada.

    Fê (2) O guri chegou ensanguentado e desmaiado. Era pra ela ter ficado daquele jeito, né? =p Tbm nunca morri de amores pela Neela, mas a tolerava. Hoje, ela e Gates são é perda de tempo de tela. Perderam muito o rumo.

    Mica (3) se Pratt sai, o elenco ficaria com 5 personagens… o menor número da história. Hoje, nem Gates pode sair. A coisa tá braba.

    Carla (4) Exato. Com o número reduzido de personagens, fica mais fácil entrosá-los. Antes, eram vários episódios sem Weaver e Ray. Hoje tá tendo espaço pra todos… pq são poucos, é verdade, mas tão tendo seu momento.

    Leonardo (6) A boa fase meio que se mantém =)

    Juliane (7) Hey you =) Farah não era minha preferida. Tinha uma de cabelos escuros… acho que a líder, não sei… Mas Farah não era a minha preferiada =p Quanto ao Gates no jogo, até Luka já fez isso com Alex no 11×03 Try Carter, acontece. O porém é que Gates é um fanfarrão!

    E Pratt conversando com Abby teve sentido, vai. Ele tá na série há bastante tempo, é o padrinho do casamento dela… Hoje, é o médico mais experiente entre os protagonistas (Deus…)

    Cris (8) Já vi cenas de Maura com a dupla de bebês, e ela parece ser uma simpatia. Se sai muito bem com Goran. Talvez fosse sua “atuação de desesperada”, mas pelo que já vi, ela se entrosa muito bem com as crianças. E verdade, esqueci do Javier. Mas.. ele não é nenhum Jerry ou Randy…

    Enfim… obrigado pelos posts!

  11. Mica

    Só mais um comentário antes de ir viajar. Não achei a babá uma monga. Ninguém consegue ficar de olho em uma criança o tempo todo. Ela deixou o Joe brincando e pode muito bem ter olhado para o lado ou conversado por alguns segundos com alguma pessoa do parquinho. Isso acontece, e, sinceramente, é sempre nessas horas que os acidentes ocorrem. Lei de Murphy, hehehe
    Lembro de uma vez que deixaram um bebê comigo em casa (iam só descer na portaria e já voltariam) e disseram “se ele fizer barulho é pq ele acordou, aí vc vai lá vê-lo, ok?”. Ok, sem problemas. O problema é que o primeiro barulho que ele fez foi o TUC dele caindo no chão de cabeça (aiaiai).

  12. maria cecilia

    Não gostei o episódio,todos estão de saco cheio inclusive a Abby,que para variar vai voltar a beber e com certesa Luka vai tirar o filho dela.Que saudade dos anos anteriores,está faltando os atores ótimos que foram embora,espero que melhore porque ER merecia um fim glorioso não patético.

  13. Cesar

    Mais um episódio da categoria “simpático”.

    Além dos gêmeos, detaque para Maura Tierney, de fato ótima. O cabelo estava sensacional. Ah, e o Morris como “bicho-papão” foi impagável.

  14. Juliana Oliveira

    Thiago, a de cabelo curtinho (a única que eu não gostava XD) ou a outra com o cabelo parecido com o da Farrah?
    Então, eu até entendo que teve sentido a cena dela com o Pratt… Mas sei lá, não gostei muito, sabe!?

  15. Giselle Bauer

    Thiago você não vai acreditar mas eu concordo com você as cenas do Gates no jogo de baseball realmente foram descartáveis. Sei lá ficou estranho aquele jogo no meio do episódio e a Fê tem razão este negócio de ficar amiguinho do paciente não dá. Outra coisa tava na cara que a mãe do guri ia fazer aquilo né? bem clichê.
    Também não sou muito chegada em crianças atuando mas os bebês se sairam bem.E tadinha da Abby! Como sofre não. E vou te contar que marido é este que não retorna as ligações da esposa.E ainda continuo sentindo a falta do Luka.O Pratt tá apagadinho mas eu curto ele. E a chata da Neela voltou .Nunca achei que ela fosse culpada pelo o que aconteceu com o Ray mas continuo odiando ela aliás desde que ela entrou em ER.Ela é sem graça e sem expressão. Gates fanfarrão isto é coisa do Capitão Nascimento se depender de você Thiago tem que pegar o saco e a vassoura pro Gates ehehehe.
    Muito bom o seu review.

  16. Luciana

    Sabem,eu esperava um pouco mais de Gravity,eu devo ter sido a única besta a pensar que talvez seria como um Damage is Done sem Mark e Rachel :/

    Eu acho que,a Neela é a mais culpada do acidente do Ray,na teoria e na prática: ele se embebedou e ficou desolado por causa dela e ela ligou pra ele na hora em que ele estava atravessando a rua

    Duvidazinha: a garrafa de vinho era ”de:Neela” ou ”para:Neela”?Porque a Abby não iria comprar

    Espetacular os atores mirins,a hora da batida do carro,simplesmente incrível(e olha que eu chego a ser chata de tanto criticar crianças em séries)

    Quando eu vi a maquiadora eu só pensei uma coisa:”se a Weaver tivesse por lá…”

    No fim,eu acho que Er tem q acabar quando sair a Maura,eu gostaria muito,muito mesmo se fosse viável uma boa temporada sem ela,mas,é impossível

    Queria que o Gates fosse embora,seria um presente para nós se ele morresse por exemplo( e,ao contrário dos outros finados,não daria a minima tristeza,com ele podia acontecer o seguinte:ele é diagnosticado com cancer terminal,aí,quando ele sai da quimioterapia,um helicoptero cai em cima dele,ele sobrevive,porém,pois vaso ruim não quebra,e chega uma ambulancia no local que o socorre,então,um paciente vingativo esquizofrênico metralha a ambulância ao maior estilo Third Watch,na hora em que ele tem parada,o paramédico é aquele que foi prejudicado por causa daquele lance do protocolo que ele quebrou e,então,ele dá varios choques no ar,como o Mark em Rampage)

    Valorizem a Sam,pessoal do Er,quando ela for embora voces verão o quanto a desperdiçaram…

    Pra não dizer que só critico:belíssima promo da Warner(para Gravity,não o próximo),é assim que se faz uma promo

  17. Luciana

    Mica (11)e eu não sei? a minha sobrinha não pára quieta quando eestá deitada,pra cair é uma fração de segundo.

    Esqueci de falar do Javier,na minha franca opinião,parou um pouco os med students abobalhados com a chegada do Grady,agora são os recepcionistas abobalhados?Pra mim,se o Frank não ficar com o Jerry,deveria ser o Andrew então(alguem lembra do Andrew?)

  18. Eduardo

    Realmente concordo que parte do elenco fica pra escanteio quando se coloca alguém no centro da trama. Abby vem ganhando espaço demais pro meu gosto.

    Como você falou, tanto o Mark quanto o Carter quase não apareceram até a reta final, pro bem do resto do elenco. Mas acho que David Zabel tem algum fetiche por usar Abby nos roteiros. Nem mesmo Jack Orman abusava tanto de um único personagem.

    Minha única satisfação é que não são mais cenas fofas do casal, e sim Abby caindo de volta no lado negro da força. Acho ela muito mais interessante desse modo.

    Nunca fui muito fã do Gates, mas acho que ele tem sido bastante aceitável no seu novo papel na UTI. As cenas dele com o garoto me convencem. Por mais que se critique, Stamos sempre se sai bem quando contracena com crianças.

    Imagino que filmar aquele estádio de baseball deva ter custado uma fortuna. Fico preocupado quando estouram o orçamento numa cena tão trivial. Prefiriria que guardassem a grana pra uma cena de desastre. Já faz 2 anos que não vemos uma.

    Detalhe interessante: o ator que faz o novo recepcionista gay era também um ator de 24 horas, que fazia o agente Gael Ortega. Gael contracenava com a Michelle Dessler de Reiko Aylesworth, também destinada a aparecer em ER, assim como Kari Matchett, que vem dentro de 2 semanas no episódio The Test.

  19. Luciana

    Concordo inteiramente com voce,eduardo.Finalmente uma pessoa também acha que a Abby fica melhor no lado negro da força,é um dos motivos que faz a nona temporada ser a segunda de que mais gosto,no fim,a Abby é melhor com drama

  20. Tatiana

    Gostei do Episodio, só achei que o “pai” Luka, foi bem desnaturado……deve ser horrivel num momento tenso com uma pessoa intima sua vc se ver sozinha……..De resto normal…..Continuo a Detestar o Gates, Pratt “apagou” geral, morris continua excelente, Sam?(realmente estou tentando entender essa nova fase dela).
    Até o próximo epi. :)

  21. Thiago Sampaio

    Comentários com “cara” de review:

    Mica (11) Boa viagem =)

    Maria Cecilia (12) Compreendo você, mas minha nova filosofia me impede de comparar o passado da série com o presente. Mas essa temporada tá legal, vai…

    Cesar (13) Eu fiquei com medo de gostar demais do bicho-papão, pq foi muito forçado, mas… foi legal sim =p E antes “episódios simpáticos” do que alguns do 13ª ano.

    Juliana (14) Não sei o nome das panteras XD Mas geralmente é a que fica no centro das fotos. Quanto ao Pratt, “pior sem ele”. Vai por mim.

    Giselle (15) Yes! Concordou comigo num aspecto negativo sobre o Gates. Olha, mais a frente, talvez ele fique menos irritante, mas até agora, I hate him with all my guts.

    Luciana (16) Querendo comparar um drama de Mark e Elizabeth com Abby? Não é a toa que se desapontou =p Mas vá lá, não podia ser tão grave à ponto de colocar a criança em coma, pois Goran não está disponível e Kovac ausente nesse caso, seria tão frustrante quanto o sumiço de Doug durante a gravidez de Carol.

    E ER realmente não tem mais reservas. Sem Maura, acaba o apelo. Foram exatas 18 saídas de protagonistas, sendo alguns BEM relevantes e diretamente responsáveis na queda de audiência. A perda de telespectadores pós-Abby vai deixar o seriado com uma audiência mais patética ainda, pois os outros não seguram o rojão.

    E até eu senti dó do Gates com o que você desejou pra ele! huahuahuahauhau Mas não pode ser uma rajada de metralhadora de um bandido de Third Watch. Eles geralmente erram os protagonistas =p

    E o Andrew… ele é o hippie new-age?

    Eduardo (18) Jack Orman criou Luka e Abby, aí quando virou show runner no 7ª ano, colocou ambos em bastante evidência. David Zabel, que veio da série JAG convidado por Orman, seguiu essa idéia… e colocou Abby em mais evidência ainda. Tanto que Sherry Stringfield (Susan) se mandou depois de ter dezenas de cenas deletadas na ediçaõ final (acredita que há uma longa conversa entre ela e Carter no último dele?).

    No começo, eu me incomodava MUITO. Eu preferia ver Mark, Carter, Susan e Weaver à Abby. Bem, ainda prefiro, mas como ela é a veterana da vez… que seja ela. E está dando bem mais conta do recado, do que Goran.

    Já o Gates na UTI, discordo de você. O personagem pode ter mudado, mas ele só passou tempo com um paciente e… não sei. Foi meio furado. E se preocupa com o orçamento não =p Provavelmente, não teremos mais episódios gráficos e de grande custo como Freefall (morte de Romano) e Two Ships (choque de avioes) mas eles pelo menos compensam com bons roteiros.

    E SABIA que já tinha visto em Javier em algun canto XD

    Luciana (19) Odeio com todas as minhas força a Abby da 9ª temporada. Além de ela ter cenas demais num ano com bons personagens, era um verdadeiro porre! O irmão e a mãe? Não, não não. Fora que ele deixou Carter queimada com muitas fãs e… decididamente, há melhores momentos de Abby, do que os do lado negro. Gosto dela mais relaxada, como no 12ª ano =)

  22. Giselle Bauer

    Verdade Eduardo muito bem lembrado o recepcionista
    era o Gael de 24 Horas. Aliás a galera de 24 tá baixando em ER quem iria cair bem em ER seria o Tony Almeida acho que ficaria legal .E Luciana o que você deseja pro Gates é exatamente o que eu quero que aconteça com a Neela.

  23. Eduardo

    É verdade que Jack Orman foi instrumental ao colocar Abby e Luka no palco central na 7ª temporada. Naquela época era necessário, pois não se sabia quase nada sobre eles até então.

    Mesmo assim, eles não dominaram as histórias em detrimento dos outros personagens. Mark teve seu tumor. Elizabeth teve seu caso de paralisia. Kerry virou lésbica, e a história de Carter era ligada a Abby. Hoje, Abby domina enquanto que Sam e Pratt ficam sem espaço.

    Num elenco de 12 personagens principais, Jack Orman sabia dar espaço partilhado pra todos os personagens, exceto a Chen e o Malucci. Com só 6 protagonistas, Zabel não se cansa da Maura.

    Não sei se Jack Orman conhecia David Zabel a partir de JAG. Tanto Orman quanto R Scott Gemmill deixaram JAG antes de Zabel entrar na equipe, em 1999.

    Acho que foi Patrick Harbinson que recomendou Zabel pra ER. Harbinson tinha trabalhado no 6º ano da série, antes de se juntar a equipe de Dark Angel, onde Zabel também trabalhou, antes de ir pra ER.

    Será que a saída da Sherry saiu foi mesmo por causa dessas cenas deletadas? Isso explicaria a falta de resolução dela com o Carter em no último episódio dele.

    O engraçado é que a Abby não tava abafando o resto do elenco durante a 10ª e 11ª temporada. John Wells e Dee Johnson sabiam dar tempo pra cada protagonista naquela época.

  24. Vanessa VM

    Ótima review, Thiago.
    Odeio Gates, mas até que estava tolerando ele no episódio até que ele voltou a si, e beijou a mãe do seu paciente, mesmo falando prá Neela, minutos antes, que ela era sua preferida. Tá difícil mudar de opinião sobre ele. Tentei.
    Acho que Abby aparece mais do que os outros nos episódios(merecidamente, na minha opinião). Em compensação, todos têm sua história no episódio, ninguém fica de fora. Parece até que não há mais plantão noturno em ER, também pudera, com tão poucos personagens no momento seria impossível dividí-los em 2 turnos.
    Embora eu adore o croata, Luka não faz tanta falta nos episódios, como Abby faria. É triste vê-la sozinha – ainda bem que posso matar a saudade da 12ªtemporada nos sábados, na Warner -, mas a personagem dela cresceu muito com a saída de Goran.

  25. nadya king

    Alguém pode me dizer quando repetem os episódios da temporada nova de e.r.?
    Agradeço muito a quem me informar.

  26. Luciana

    Eu queria que o ultimo ano da Abby não fosse como o ultimo do Carter,aquele dramalhão c/ Makemba foi a pior coisa da temporada,porém que também não seja como as coitadas da Susan e da Jing-Mei que Voltaram e não foram valorizadas,tanto que, em You are Here parece mais a Sherry Stringfield falando na hora da briga com a Weaver que a própria Susan…

    De fato,saídas boas foram a da Weaver e do Peter Benton,que saíram deixando-nos as lembranças dos excelentes médicos que eram,não gosto do Peter Benton,mas aquele seu ultimo salvamento no Ps foi um belo momento

    Tiago,cada um tem seu gosto,eu so não gostei da Abby na 13 temporada,depois de Bloodline e Graduation Day,claro

    Sabe qual é o pior sobre a entrada do John Stamos? é que a mídia acha que ele é a nova cara do Er,aí,tome comerciais,Inside the series,etc,com ele,mas que bando de mongos!

    PS- (re)vendo The Human Shield ontem,eu percebi que gostava do Gates quando ele era paramédico

  27. Luciana

    Nadya(25),segundo o que entendi,a partir do dia 27 de dezembro,o que pra mim é excelente,já que viajarei em janeiro e lá nao tem tv a cabo (olha o vício)

    Tiago,sim,ele é o Andrew.Eu gostaria que o ultimo ano da Abby não fosse como o ultimo do Carter,aquele dramalhão mexicano com a Makemba foi a pior coisa da temporada.Mas que também nao seja como as coitadas da Susan e da Jing-Mei,que foram esquecidas até seu uktimo episodio,de fato,parece que é a Sherry Stringfield,não a Susan que fala em You Are Here na briga com a Weaver.

    Boas saídas foram as de Weaver e Peter Benton,que nos deixaram como lembrança os excelentes médicos que eram.Eu nem gosto do Peter Benton,mas aquele ultimo salvamento dele foi um belo momento

    Sabe o pior da entrada do Stamos?é que a mídia acha que ele é a nova cara do Er,então tome comerciais,Inside the series,etc com ele,bando de mongos!

    Ps-(re)vendo The human Shield ontem,percebi que gostava do Gates quando ele era paramédico

  28. Luciana

    Desculpe o comentário duplicado,fiz um teste pq essa lata velha não tinha publicado outra vez..

  29. Luciana

    Para me desculpar: tenho um livro de séries que mostra todas as formações das panteras.A Farrah é a Jill, a Kate Jackson( a que fica à esquerda) é a Sabrina e a Jaclyn Smith ( a da direita) é a Kelly.

    Nunca assisti as Panteras,mas tenho minha propria serie nostálgica para ver: Mulher Maravilha

    Vou falar agora sobre o horário de Er. é simplesmente injusto,nem se eu estudasse de manhã daria pra assistir,nesses ultimos tres dias assisiti Great Expectations,The peace of wild things e Family Matters por estar em circunstancias extraordinárias,de férias e trabalhando mais tarde.Qual é a lógica de fazerem isso,é Er uma serie cancelada( e vc tem muitas,warner) ou que tem baixa audiencia?

    Não! Está na sua 14 temporada e mesmo com o êxodo de personagens é a 6 serie mais vista do Brasil.
    E o que fazem? tiram as reprises e nem sequer fazem um comercial avisando como a Sony para passar o que? series que passaram a duas horas atrás e ainda incluem na programação ”grandes sucessos” como Moonlight.

    Se não houvesse reprises diárias à noite,eu não assistiria Er e nenhuma outra serie,porque foi Er que me fez ver quão bom é assisti-las.Não pense a Warner que um episodio na semana é suficiente,está na essência de nós,fãs de er,compararmos episodios,estávamos acostumados a ver 7 vezes er na semana ver uma vez só é uma penúria.

    Eu aposto que se fosse o Universal Channel passando ER ,eles valorizariam,como fazem c/House.Comerciais bem-feitos,reprises diárias,horários alternativos no domingo,detalhe: eles fazem isso passando filme todos os dias.

    Então,tento passar a minha abstinencia de serie medica com Strong Medicine dublado e na hora de Smallville…A Warner é simplesmente ilógica e desrespeitosa com quem assiste Er e sofremos por isso

  30. Fernanda C.

    Thiago, venho lendo seus reviews e tenho uma pergunta: tem algum personagem que vc não suporta, odeie na história da série? Só vi seu ódio direcionado ao Gates até agora (aliás, minha total solidariedade. Ao personagem e ao ator). Mas ele é um personagem recente.

    Concordo que as vezes exageram na overdose de Abby. O problema é que estou com a saída de Susan entalada na garganta até hoje, se tivesse uma overdose de Susan naquela época, não ligaria. :-D

    E, infelizmente, sejamos realistas. Os outros personagens não têm tanto apelo assim. Se eu preferiria menos Abby e mais outras histórias? Claro! O problema é as outras histórias não serem tão interessantes. Se a Abby saisse hoje e ainda tivesse Carter e Weaver eu não daria muita importância. E isso pq não sou uma Abby fanática. Adoraria me interessar pelas histórias da Sam. E até mesmo do Gates. Mas não rola.

  31. Rafaelly

    Mica: o garoto caiu de um brinquedo de 2 metros de altura…Que babá doida é essa que não fica segurando o menino???Aliás, q brinquedo é esse que ela colocou um garotinho de sei lá…1 ano de idade???hehehe
    Mó louca essa babá!!!

    Abby tava muito legal com o lance do cabelo e os gêmeos são fofíssimos.Eles até lembram a Maura…hehehe

    Aliás, eu amo aquele menino que fez o garotinho com medo do bicho papão(eu o conheci em Ghost Whisperer num episódio que simplesmente me fez chorar muito…).Pena que nesse episódio eu não gostei muito dele não.

    E sobre o acidente do Ray, o culpado foi única e exclusivamente dele!!!Ninguém mando ele beber e sair por aí(se for botar a culpa em algúem tem que ser no Pratt que mandou o cara ie embora bêbado daquele jeito…muito sem noção!).Aliás, foi ridícula a cena do acidente dele.Só não foi pior q a morte do Romano.

    Cara…simplesmente adoro a Abby.Foi a melhor adição depois do elenco original…Personagem construída aos poucos é o que há!
    O problema é que não tem ninguém no elenco atual com carisma suficiente pra convencer naquele hospital.Então eles tem que ficar em cima dela mesmo…Não tem jeito.Pq sinceramente: não tenho o menor interesse em histórias com o Pratt, Sam, Morris, Gates ou Neela…Infelizmente é isso!

    Agora: saindo a Maura, pelo amor de Deus acabem com ER, senão vai ser constrangedor.

  32. Rafaelly

    Mica:
    Pelo o que eu vi no outro tópico vc gosta de Arquivo X, né?Vc por acaso frequentava o fórum do Shipper x???

  33. Thiago Sampaio

    Vanessa (24) Eu ia mesmo falar disso no próximo review. O county deixou de funcionar 24 hora por dia? Ou o staff da madrugada é completamente fora da panelinha do pessoal da tarde? =p

    Nadia (25) Se tiver falando do horário…
    01:00 de quinta pra sexta, e 14:00 no domingo

    Luciana (30) Ninguém odiou mais que eu, o rebaixamento de ER apenas pro horário da manhã. Há episódios das primeiras temporadas inéditos pra muita gente, e, como dito por você, é das séries mais vistas do país. Não tem sentido em parar de exibir ER, justo no que seria sua última temporada.

    Fernanda (31) Se deram jeito pro Morris, tem-se como dar pros outros. Não me cabe a idéia de que a produção não consiga fazer alguma história que preste pro resto do elenco, e só priorize Abby. Isso não faz bem pro seriado.

    E eu odeio Malucci. Nunca me importei com a Cleo. Jeanie não me faz falta. Tem alguns ou outrso que também não sou muito fã, mas Gates tem um lugar especial na minha lista negra =p

    Rafaelly (32) Se ainda tivesse na série Carter, Susan, Weaver… que continuasse. Mas como não tem mais ninguém mesmo, saindo a Abby, tem que acabar. Com ela, temos menos de 9 milhões. Sem ela…

  34. alessandra

    gente, não vi o episódio,e só consegui intuir o que aconteceu. o filho da abby caiu do parquinho? mas ele tá bem agora? e ela voltou a beber, no final do episódio, é isso?

  35. alinne

    Tenho sentido muita falta da “velha guarda” de E.R.: Lewis, Benton, Haley.Bons tempos que não voltam mais, literalmente, porque nem as reprises( neste horário ingrato das 10 da manhã)consigo mais assistir. A propósito : devolvam minha paz de espírito e me digam como foi o final da queridíssima dra. Chen. Eu não assisti!!!!!!!!!!

  36. Isadora Cabral

    Sejamos sinceros…ER não é mais ER e eu não canso de dizer isso.A Abby me irrita profundamente com esse jeito vítima de ser…Acho desnecessário ela voltar a beber e concordo q o Luka não anda fazendo muita falta.A Neela ta merecendo um pouco mais de destaque,apesar q pra mim não tem muito história pra ela sem o Ray.A Sam e Morris são os q me fazem assistir ainda a série…São os poucos personagens q ainda me interessam.
    Tenho q confessar q a Maura realmente esta com uma grande atuação,mas acho q se o resto do elenco tbm aparecesse is ser mais interessante ver ER.
    Tony Gates me recuso a falar muito.Pra mim é um carinha q enfiaram na série pra estragar o pouco de coisas boas q ainda tinham.Tanto o ator,quanto o personagem pra mim são intragáveis!
    Parabéns pela Review!

  37. Eduardo

    Alinne,

    “Spoilers pro final da Chen”

    Não posso garantir paz de espírito. O final da Chen foi um dos mais deprimentes que eu já vi, mas sem a carga dramática que teve as saídas do Mark e do Gallant. Foi no mínimo frustrante.

    Ela saiu no natal de 2004 (11ª temporada). Depois de meses com o pai dela morrendo aos poucos na cama, ela e o Pratt passaram a noite de natal em casa, decidindo se fariam eutanásia nele. A Chen já não dormia há meses, e roubava remédios do ER pra dar pro pai (que era um velho ingrato e rabugento, ainda por cima). Só o Pratt sabia disso.

    No fim das contas, o pai da Chen morreu, e ela decidiu voltar pra China pra enterrar ele e repensar a vida um pouco. Pratt foi o único a se despedir dela, já que a história terminou na casa dela.

    Aquele foi o segundo pior episódio de natal que eu já vi, depois do natal da temporada passada com as crianças abandonadas.

  38. Rafaelly

    Gente…tá passando as primeiras temporadas de ER de manhã???

    Enem me fala dessas séries que a warner botou de madrugada…Até agora não acredito que tiraram minha amada The West Wing ao invés de passar as temporadas que não tinham reprisado ainda e que eu não vi.

  39. Eduardo

    All in the Family, a morte de Lucy. Esse episódio fica entre os meus 5 preferidos em toda a série, além de ser uma das melhores horas de televisão que eu já assisti. Nenhuma cena de novela brasileira passada em hospital chegou aos pés desse episódio.

    Lucy nunca foi uma das minhas personagens preferidas, mas a morte dela foi um dos momentos mais agonizantes que ER já produziu. A série só chegou perto desse patamar de novo com as mortes de Mark e Gallant.

  40. Emilio

    E mais uma vez a Mauren (Abby) não foi indicada para melhor atriz drama pelo Golden Globe. Uma pena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account