Log In

Especiais Opinião

Desperate Housewives – Kiss them goodbye

Pin it

Oito anos já se passaram desde o início de Desperate Housewives e eu nunca vou me esquecer daquele começo. A câmera no alto mostrando aquela vizinhança aparentemente perfeita, as pessoas levando suas vidas normalmente, a trilha sonora com uma pitada de fantasia a lá Tim Burton – cortesia de Danny Elfman -, e a apresentação de Mary Alice Young, que nos presenteia com um dos inícios mais melâncólicos da TV. A tristeza e a culpa (por algo que ainda vamos descobrir) que se escondem por trás daquela falsa alegria a conduz ao suicídio. E é a partir deste momento que ela se torna a nossa guia por Wisteria Lane e pela vida de suas amigas Susan, Lynette, Bree e Gabrielle. Elas não poderiam ser mais diferentes entre si, mas a vida fez delas amigas e isto fala mais forte que qualquer diferença.

Susan, a desastrada, começa Desperate Housewives como uma recém-divorciada que vive com sua filha pré-adolescente e sonha com um homem que a trate bem e respeite, ao contrário do seu ex-marido que a trocou pela secretária muito mais nova. Lynette é a mulher que deixou a carreira de sucesso e constante ascensão para tomar conta da casa e dos filhos, quatro “anjos”. Bree é a esposa e mãe perfeita, sabe fazer tudo que se propõe e muito bem, só que por trás de tudo isto existe uma família repleta de problemas, o que ela é perfeita também em esconder. Gabrielle é a fútil ex-modelo que vive um casamento infeliz baseado apenas nos valores materias conquistados por seu marido que a usa como troféu. Todas são mulheres de muitas nuances e possibilitam diversos caminhos para o desenvolvimento de suas histórias sem que elas se tornem previsíveis, algo que é um primor na criação de Marc Cherry.

No entanto, o caminho para sua criação não foi dos mais fáceis. Cherry não tinha muita credibilidade na época entre as emissoras, já que seus projetos anteriores não tinham sido de grande sucesso. Depois de apresentar sua ideia para diversos canais, apenas a ABC resolveu dar uma chance para a série cuja ideia surgiu quando Cherry viu na TV, junto com sua mãe, o caso da dona de casa norte-americana Andrea Yates que matou seus cinco filhos afogados na banheira por causa de uma depressão pós-parto. Com as dificuldades para trás, em outubro de 2003 e ABC anunciou a produção da série que faria parte de sua programação no ano seguinte. O sucesso foi tão grande quando ela estreou que, com apenas três episódios, Desperate Housewives ganhou temporada completa.

O episódio piloto de Desperate Housewives consegue equilibrar de forma incrível gêneros extremamente diversificados como comédia, suspense e drama e que dão o tom seguido pela série durante suas oito temporadas. Era impossível para os fãs (eu incluso) passar por um episódio sequer sem sentir um mix de emoções que iam da risada ao choro em questão de minutos. Este formato novelístico tornou Desperate Housewives uma atração que não restringia seu público. Além disso, Desperate Housewives não seria tudo que é sem seu time de protagonistas. Com uma competência acima de qualquer questionamento, Teri Hatcher, Felicity Huffman, Marcia Cross e Eva Longoria conseguiram balancear como ninguém todos os gêneros se provando capazes de fazerem qualquer coisa. O elenco de apoio também é de uma qualidade ímpar tornando inclusive os coadjuvantes queridos pelo público.

E com tantas qualidade (a meu ver, claro), momentos antológicos não faltam nestas oito temporadas. Como esquecer da cena já citada que abre a série com Mary Alice se suicidando? Forte, emocional e repleta de humor negro, como a reação de Martha Huber. Susan também teve sua parte de momentos históricos e, na maioria das vezes, constrangedores. Quem esquece da cena em que ela acaba se trancando para fora de casa nua? Mas Susan também teve sua parte de sofrimento. Na sétima temporada, depois de um motim, ela acaba perdendo seu rim o que a obriga a fazer diálise. Foi neste período que presenciamos Susan em um de seus momentos mais tristes. Mas seu pior momento viria nesta útlima temporada quando, numa reviravolta de cortar o coração, seu marido Mike Delfino foi assassinado na frente de sua casa. Tudo bem que a morte já era de conhecimento geral, já que vazou na rede, mas a força da cena e a tristeza por perder um personagem tão querido foi impressionante e fez deste momento, um dos mais inesquecíveis. E por falar em Mike, a descoberta de que ele era o verdadeiro pai de Zach, o filho de Mary Alice e Paul, foi chocante.

Gaby também teve sua parte de humor, afinal, a cena dela aparando a grama de vestido de festa só para poder encobrir seu caso com o jardineiro adolescente foi impagável. E o que dizer de tudo que ela já fez por dinheiro ou benefício próprio. Tem momentos em que não há limites para seu egoísmo. Inesquecível também foi o começo da quinta temporada quando, depois do salto no tempo, vemos uma Gabrielle sem sua vaidade e mãe de duas filhas. Sua vulnerabilidade foi abordada quando Gabrielle e Carlos descobrem que sua filha foi trocada no hospital. Este foi o momento de maior desafio para Eva Longoria como a personagem e foi totalmente compensado.

Bree sempre tentou ser a esposa e mãe perfeita, mas sua relação com sua família nunca foi das melhores. Quando ela descobre que seu filho Andrew é gay, seu conservadorismo fala mais alto e isso gera uma série de conflitos entre os dois que culmina em Andrew transando com o namorado viciado em sexo de Bree e ela abandonando-o no meio da estrada depois de atingir a exaustão. A situação é inesquecíval e ali vemos Bree em um dos seus principais momentos de fragilidade. Para completar sua tragédia familiar, sua filha Danielle acaba engravidando e, para esconder o acontecimento, Bree manda sua filha viajar e finge estar grávida para depois dizer que seu neto é na verdade seu filho. Bree também enfrentou o alcoolismo e não foi apenas uma vez. Depois de conseguir superar o vício na segunda temporada, Bree teve uma recaída agora na oitava diate dos problemas pelos quais ela estava passando.

Lynette teve sua cota de dramas durante as temporadas. Uns dos primeiros momentos foi quando ela descobriu que seu marido, Tom, tinha uma filha fora do casamento. Lidar com a antiga namorada dele e a afilhada que a detestava foi um desafio. Inesquecível, porém, foi quando Lynette foi diagnosticada com câncer na terceira temporada e sua luta contra a doença na quarta. E quando ela achava que tudo estava tranquilo, eis que uma nova gravidez muda sua vida. Ela precisa, mais uma vez, abandonar sua vida de executiva e voltar a ser dona de casa. Como se tudo isso já não fosse o suficiente, Lynette ainda entra em trabalho de parto na casa do assassino que assombrou a vizinhaça durante a sexta temporada e que era amigo de seus filhos. E o que dizer do momento em que Lynette e Tom, o casal perfeito de Wisteria Lane, decidem se separar. Não teve fã que não ficou chateado e torcendo por eles.

A série ainda nos proporcionou momentos de choque coletivo como o retorno de Paul Young na sétima temporada e a descoberta que sua nova esposa era na verdade filha de Felicia Tilman (irmã de Martha Huber, morta por Paul). O salto de cinco anos entre a quarta e quinta temporadas também foi um momento marcante para Desperate Housewives. Serviu para resolver alguns problemas que a série vinha enfrentando e dar um fôlego novo para que ela chegasse a sua oitava temporada com o mesmo pique de suas primeiras. Antes disso, claro, tivemos que enfrentar o tornado que atingiu Wisteria Lane e deixou um rastro de destruição nas casas e vidas dos que vivem ali. E a polêmica morte de Edie Britt? Além da tristeza de perder a personagems, a decisão dos criadores da série vem rendendo nos tribunais até hoje, já que a intérprete da personagem, Nicollette Sheridan, acusa Marc Cherry de ter batido nela e matado sua personagem por causa de um desentendimento pessoal deles.

Bom gente, acho que preciso para por aqui né. Se eu for falar de todos os momentos que me marcaram, este texto não vai terminar nunca. Esta é Desperate Housewives, uma série que já é histórica e que vai fazer muita falta. E você, tem algum momento que você considera inesquecível e que não está por aqui? Comente e nos ajude a relembrar.

Séries citadas:

Jornalista apaixonado por cinema, música e televisão. Buffy the Vampire Slayer foi o primeiro grande vício, mas antes já acompanhava Friends e Barrados no Baile. Ama Desperate Housewives, True Blood, Community, Game of Thrones, Glee, Happy Endings, Revenge, Shameless e The Good Wife, entre tantas outras. Não resiste a uma comédia, mas também não dispensa um bom drama.

Website: http://behindthescenes-takes.blogspot.com.br/

4 Comments

  1. Bruna

    Tem muitas coisas que eu lembro… o primeiro casamento da Susan com o Mike, a briga dela com a Katherine por ele, a Gaby namorando aquele político mais velho. Eu lembro de ter ficado muito apreensiva quando aquele menino fez a Lynette de refém e ela entrou em trabalho de parto na casa dele. Pena que ela perdeu um dos bebês ali. Teve muitas coisas que eu não gostei (como matarem o Mike na reta final da série, totalmente desnecessário), mas vou sentir muita falta de Desperate Housewives. Poderiam ter trazido o Andrew e a Danielle de volta pro final. E a volta da Katherine foi muito mal utilizada. Apesar de tudo, eu gostei do final.

  2. Lipapel

    Ate que eu gostava de DH embora não me considere uma seguidora fiel. O último episódio nos EUA , apesar da audiencia ter melhorado, foi decepcionante quanto aos números. 11 milhões ´e muito pouco para uma s´erie que já teve 30 milhões de espectadores.

  3. Paullo Kidmann

    Escolher um momento favorito é como por uma criança dentro de uma loja de doces e pedir para ela escolher apenas um, Desperate vai ficar quardadinho dentro do meu coração heheheh vai fazer muita falta mesmo! Espero embreve ver nossas atrizes queridas de volta para que de certa forma possamos matar um pouquinho o espaço deixado pela série!

  4. Flávia Carolina Brandão Dornel

    Minha housewife preferida sempre foi a Lynette, mas algumas das cenas que mais me marcaram na série foram da Gaby. Apesar de ser a mais cômica das donas de casa, na minha opinião (ri muito com ela e o Carlos), ela esteva nas cenas mais tristes da série, como na primeira temporada, quando a mãe biológica resolve pedir de volta o bebê que eles estavam adotando, e quando a Lynette teve câncer.

    Vou sentir falta dessa série.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account