Log In

Reviews

Review: CSI – Hog Heaven

Pin it

CSI - Hog HeavenSérie: CSI
Episódios: Hog Heaven
Temporada:
Número do Episódio: 205 (9×23)
Data de Exibição nos EUA: 7/5/2009
Data de Exibição no Brasil: 29/6/2009
Emissora no Brasil: AXN

A primeira vista o episódio Hog Heaven é ruim. É daqueles que não prende muito a sua atenção, em que as coisas correm em uma velocidade não muito adequada, em que você não cria muita empatia pela vítima – por mais que ele seja um policial apenas fazendo o seu serviço – e que você fica um pouco insatisfeito com o desfecho.

Na segunda vez em que você assiste ao episódio você começa a descobrir algumas coisas interessantes, vê uma ou outra cena que merece ir para a lista de preferidas do seriado – não porque são perfeitas ou empolgantes, mas por serem inteligentes – você presta mais atenção aos diálogos e grava frases boas como quando Brass diz que “quando ninguém sabe nada, alguém sabe alguma coisa” e não dá o episódio como perdido. Mesmo que ainda fique um pouco insatisfeito com seu desfecho.

Sabe porque eu fiquei insatisfeita? Porque Brass é aquele personagem que pode não aparecer muito, pode não ser perfeito, mas se tornou seu amigo e você torce por ele. Você fica torcendo para que a filha dele se acerte na vida, você fica torcendo para que ele encontre algum jeito de ser feliz em meio a tanto crime e a tanta desgraça que ele vê quando olha em volta – tudo meio que destacado por causa da quantidade de luzes de Las Vegas.

E é um saco ver que ele se interessou por alguém e esse alguém é uma mulher casada com outro policial, o Jack que se tornou Joey por causa do trabalho e que, de alguma maneira, se perdeu na vida, e é alguém também afetado pelo cenário que fica ao seu redor. A Rita de Ally Walker (que participou da 5ª temporada de Justiça sem Limites) sente um desespero quase palpável.

CSI - Hog HeavenMas, como eu disse, uma segunda visita ao episódio me fez gostar um pouco mais dele, me fez gostar de Langston dando uma de motoqueiro para encontrar a arma do crime – apesar de eu achar essa atitude mais adequada para o Nick ou para o Greg – depois gostar do grupo recriando o momento do crime dentro do bar de motoqueiros. Tornou mais divertido ver aquele absurdo do monte de motoqueiros dentro da delegacia passando pelos peritos.

De tudo fica a certeza de que o ser humano é afetado pelo meio em que vive – ou sobrevive; que, algumas vezes, o bandido pode acabar na cadeia – a gente sempre fica feliz quando, no final, os bonzinhos conseguem enganar os mauzinhos; e que um drink no final de um longo dia, ou noite, de trabalho, com um bom colega, pode pelo menos compensar algumas perdas.

Texto publicado originalmente no weblog Só Seriados de TV.

Séries citadas:

5 Comments

  1. bia mafra

    eu gostei do episodio justamente por ter esses dialogos sutis e inteligentes. so nao sei se concordo com outra pessoa dar uma de motoqueiro, ficou meio obvio um certo saudosismo ali, provavelmente de uma adolescencia rebelde. e concordo tambem, parece que nada da certo para o Brass. se ele acabar cometendo um suicidio no seriado, ninguem deveria estranhar…

  2. Tati Siqueira

    Gostei desse episodio motoqueiro, policial disfarçado, Langston de motoqueiro(ainda acho que ele tem cara de Mal)e Brass que não aparece muito, mas qdo resolve aparecer abala geral;

  3. Maria Regina

    Nao gostei desse episodio. Achei as coisas forcadas. Bem, so vi uma vez. Pode ser que vendo outra mude de opiniao. Mas como final de temporada, achei fraquissimo.

  4. Livia

    ESSE NÃO FOI O FINAL DE TEMPORADA, Maria Regina.
    O final de temporada foi o q veio depois desse, o ALL IN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account