Log In

Reviews

Review: Brothers & Sisters – Patriarchy

Pin it

Cena de PatriarchySérie: Brothers & Sisters
Episódio: Patriarcado (Patriarchy)
Temporada:
Número do Episódio: 1
Data de Exibição nos EUA: 24/9/2007
Data de Exibição no Brasil: 3/10/2007
Emissora no Brasil: Universal

Muita gente comentou no tópico do preview de Brothers & Sisters que este primeiro episódio não é muito empolgante. Mas, achei justamente o contrário. Deu para conhecer todos os personagens e perceber o papel de cada um na história. E com o cliffchanger do infarto de William ficou mais emocionante.

Eu assisti este episódio há quase um ano, após vasculhar na Internet um bom piloto. Quando vi que no elenco tinha Calista Flockhart e Ron Rifkin achei bastante interessante. Afinal, assisto as reprises diárias de Ally McBeal e tinha acabado de assistir ao final de Alias. Resultado: Calista está perfeita, não tem nada de Ally. Mas, o Sloan, quer dizer, o Ron, não sei. Ainda vejo o vilão. Não confio nele. Não que ele não seja um bom ator, ele é ótimo, por isso que ainda vejo o Sloan.

Por ainda ver o vilão, acredito que o Tio Saul tem alguma culpa nos problemas financeiros da Ojai Foods. Afinal de contas ele é o responsável. E o William não ajudou em nada, indicando que a culpa é dele. Mas, teremos que esperar para ver como isso se desenrola. Esse é uma ótima história para este início de temporada.

No começo do episódio percebemos a ligação entre os irmãos. Ter uma família grande é bom, pois tem sempre alguém para conversar, para ligar e para brigar. E esta cena também nos apresenta um pouco da Kitty: péssima na cozinha, mas com um namorado gostoso.

Não tenho um “irmão” favorito na série, adoro todos, mas me diverti com o Kevin. Ele zombando dos clichês é divertido.

Como havia mencionado, temas polêmicos serão abordados, e já temos exemplos neste episódio: homossexualismo, drogas, guerras e brigas em família.

Vamos analisar os personagens:

• O casamento de Sarah e Joe está por um fio. Percebe-se na cena do quarto, o distanciamento existente entre eles. Ela largou a carreira para poder ajudar a família na empresa e ser uma mãe com mais tempo para os filhos e o marido, e parece que não deu resultado. E quando ela se encontra com o antigo colega de trabalho, percebemos a atração existente entre eles. Foi uma cena bem emotiva, houve sentimento reprimido e ações contidas. Os atores estavam perfeitos.

• Justin é um veterano da guerra no Afeganistão. E que ainda está lidando com o que aconteceu com ele. Percebemos que a única pessoa que ele respeita é o pai. Vamos ver como ele vai lidar como infarto do pai, se vai ceder ou não.

• Kevin é o que a mãe perturba porque não tem um relacionamento sério há algum tempo. Advogado e solteiro, pontos fortes num homem.
Tommy não apareceu muito, por enquanto, pelo menos é o que espero. Eu o acho maravilhoso!!!!

• A que achei mais controversa foi que a menos apareceu, que é a Holly. Vimos que rola algo mais com o William. Tanto no telefonema quanto no encontro deles na empresa. Será que sou como o Justin, imaginando coisas? Ela disse que precisava de dinheiro, que tinha contas a pagar. Só que Tommy descartou para o Justin, e para a gente, dela ser a amante do pai. Mas, só entre nós, aquela ligação foi muito suspeita. William com certeza está escondendo algo, o comportamento dele foi bem suspeito.

• As grandes estrelas foram Sally e Calista, Nora e Kitty. A tensão existente entre elas é evidente desde inicio. E na primeira cena juntas, percebemos, que a briga é séria e complicada. Não há oportunidade de conversa, principalmente pela Nora. Ela não quer tocar no assunto. E, quando finalmente estoura a tensão entre elas, percebemos o motivo da separação: a opinião política de Kitty e sua influência na ida do irmão mais novo para a guerra. Mas será que é só isso? Nas palavras de Kitty, não é. Pena que não ocorreu a reconciliação entre as duas, pois se percebe nas ações delas que a separação é sentida. Contudo temos mais 21 episódios nesta temporada para que elas se acertem.

Cena de PatriarchyKitty foi a LA para participar de um programa de televisão e uma entrevista de emprego. A princípio estava receosa, afinal, voltar para casa pode ser mais assustador do que ir embora. E com a ida de Jonathan para visitá-la no dia de seu aniversário não ajudou em nada, foi bem oportunista. Eu não gosto dele. Ainda mais depois das observações de Kevin. Tudo bem, ela é antiquada e conservadora, mas ninguém deve se anular por causa de um homem. E o pedido dele de casamento foi lindo, romântico e com segundas intenções. Ele não pensou nela e nem no que ela quer. Ele não quer perdê-la, mas do modo que agiu, no final das contas, não terá volta. E a opinião de Nora, a respeito do casamento, foi a mais adequada, ela não criticou o namorado, mas sim, o que a filha deseja.

Que ótimas cenas, as do jantar. O brinde do pai, da irmã mais velha, do Kevin, Justin e o melhor, o da mãe. As histórias sendo contadas, foi emocionante. Lembrando os anos que passaram. Terá muito mais disto, o que é bom, vamos ficar sabendo do passado vivendo no presente da família. Depois do cancelamento de Everwood, eu estava precisando de uma série simples sobre famílias.

Paige e o avô. Sarah e as finanças da empresa. Dois cliffchangers fantásticos.

E eu chorei da discussão entre Kitty e Nora até o final do episódio. E vocês?

Séries citadas:

34 Comments

  1. Eduardo

    Eu assisti o primeiro capítulo na Universal e já baixei outros cinco.
    A série é muito boa e a Sally Field dá um show. Os diálogos com os conflitos entre Nora e os filhos e entre os irmãos nos outros episódios são bem escritos, verossímeis e emocionantes.
    Uma série exclente sobre famílias.

  2. Rodrigo

    Concordo com tudo e principalmente com o final. Eu lembro que quando “Everwood” acabou, eu pensei: “é, nunca vão fazer uma série tão gostosa de assistir como essa”. E agora surge uma “Everwood” pra gente grande.
    É tudo tão delicado…emociona qualquer um!

    Alguém sabe se a audiência lá nas EUA foi boa com a estréia da segunda temporada??

  3. Everton

    Eu também achei o primeiro epiódio muito bom… a única coisa que eu acho (sem querer ser preconceituoso) é que sempre o gay é muito bem tratado e fala abertamente das coisas…

    É dificil um seriado onde isso gera stress (exceto em Minha vida de Cachorro)… não preciva humilhar o cara, mas poderia deixar o tema mais conflitante….

  4. crisguilhon

    Everton,
    Vai haver conflitos nesse sentido. Ele está longe d ser um gay politicamente correto. Continue assistindo.
    Já assisti o 1º da segunda temporada e pelo q li a audiência foi boa.

  5. Mary

    Eu tbm descobri essa série certa vez que eu não tinha absolutamente nada pra ver, comecei a procura séries mais calmas, drama familiar sabe?
    Baixei o piloto dessa e, na semana seguinte ja estava no meio da temporada!
    Essa série é simplesmente fantástica, o roteiro é inteligentissmo, sentimental³ sem se tornar dramalhão mexicano.
    Os personagens te cativam rapidinho (eu amo todos, mas Norah e Sarah são minhas preferidas :D)
    A série é cheia de reviravoltas, coisas imprevistas, mas que fazem sentido, não é aquele tipo de coisa criado só pra dar uma mexida na série! Parece que tudo realmente é feito com algum propósito, tudo é explicado e nem um arco termina sem fim, ou com aqueles finais duvidosos que parece que o roteirista inventou depois de usar crack!
    Eu estou apaixonada pela Família Walker!

  6. Juliana

    Eu adorei o episódio também. Sinceramente, eu já ouvir falar muito que o piloto é talvez o pior episódio da temporada. Ótimo pra mim então, se eu já gostei do piloto, imagina os outros episódios.

    Rodrigo, pelo que vi no orkut, a série foi muito bem na estréia da segunda temporada sim com audiência de 13,3 milhões de pessoas.

  7. André M.

    qnd eu soube dessa série ano passado, já desconfiava que ia ser boa, além da presença da Sally e da Ally, ops, Calista… =p

    qnd a Sally ganhou o Emmy, então tive certeza… tinha que ver a série… e não deu outra… ela tá demais nas cenas… principal e justamente nas cenas da discurso da Nora e da Kitty… claro que me lembrou as cenas de discursão do Ephram com o pai dele em Everwood.

    a trilha da cena final estava demais…

    e como vc disse, Bárbara, temos outros 21 episódios de brigas, reconciliações, segredos e principalmente revelações…

    até pq não é qualquer série que tem a Sally Field nela…

  8. André M.

    aliás, nãosei se eu viajei nessa, mas acho que rolou uma homenagem ao Joss Whedon, feita pela Marti Noxon, que é uma das produtoras executiva do show e de Buffy…

    o nome do marido da Sara é Joe Whedon…

  9. André M.

    aliás, não sei se eu viajei nessa, mas acho que rolou uma homenagem ao Joss Whedon, feita pela Marti Noxon, que é uma das produtoras executiva do show e de Buffy…

    o nome do marido da Sara é Joe Whedon…

  10. Paulo Fiaes

    barbara,
    otima review
    agora sinceramente, brothers and sisters é boa, mas na minha humilde opinião, está longe de everwood.

    abraços!

  11. Mônica

    Bárbara, parabéns pelo review. Ficou ótimo!
    Eu amei a série. Os atores são excelentes e a Sally Field é excepcional. Estou louca pra ver o que vai acontecer.

  12. Bárbara o review está ótimo, mas tenho alguns comentários:

    Quanto a Sarah, fiquei em dúvida se ela realmente saiu pra ajudar a familia e ser uma mãe melhor ou se saiu pra fugir de um relacionamento que poderia acontecer. (opinião particular – acho que ela tá fugindo)

    Gostei da forma como os personagens foram apresentados, deu mesmo pra perceber o papel e a opinião de cada um… quanto a briga de mãe e filha, achei o motivo apresentado na discussão muito pequeno pra afastar tanto mãe e filha, tem que haver mais, e imagino algo muito grave.

    A cena da morte do pai, foi perfeita…

    Gostei muito de fazerem uma série onde é feita a discussão sobre política, preconceito e problemas reais no geral… espero que as opiniões políticas principalmente não sejam mostradas apenas um lado (o conservador).

    Efim, gostei muito.

  13. Eric Fernandes

    Básbara, no dia que lançou seu preview comecei a ver a série. Hoje, já estou junto a exibição americana e estou gostando muito. Não to nem aí se a história chega a ser clichê. O mais bacana é ver a interação desse elenco. Vale a pena por eles. Quando a Flockhart solta um “oh, mother” fico com um sorriso no rosto. Você se apega aos personagens fácil demais. Na minha opinição, os MVPs da temporada foram a Kitty (Calista Flockhart) e o Kevin (Matthew Rhys). Aliás, o Matthew Rhys é o único que chega ao pés do trio Flockhart-Field-Griffiths.

  14. Thiago FLS

    No começo, essa série teve tantos problemas nos bastidores (Marti Noxon se desentendeu com o criador Jon Robin Baitz e foi substituída por Greg Berlanti) que ninguém botava fé nela, mas ela acabou tendo uma audiência respeitável e boas críticas.

    Berlanti é um verdadeiro especialista em dramas familiares, e por isso mesmo eu gostaria de comparar a versão original do piloto com a final, que teve várias cenas refeitas a fim de deixar o tom mais leve. E foi isso que eu mais curti no piloto: ele é bastante dramático sem ser deprimente.

  15. Alvaro

    Bom, eu goste bastante de B&S, e pretendo continuar assistindo pela TV, já que essa é uma série tão bacana de assistir, que é até bom ficar uma semana digerindo o episódio…
    Obs: Eu to baixando só pra ter em casa quando quiser ver de novo!

  16. Raphaela

    adorei , muito bom tanto elenco quanto produção, passou pra lista das minhas preferidas.

  17. Mary

    O Mathhew Rhys me faz rir muuito!
    As caras que o Kevin faz são espetaculares! hahahaha

  18. Giselle Bauer

    Bárbara concordo com tudo o que você escreveu.
    Gostei muito do primeiro episódio.Gosto de séries assim de dramas familiares.Pasadena que infelizmente foi cancelada também era sobre uma família que escondia vários segredos.O elenco de Brothers and Sisters também é muito bom.Gostei muito da personagem Sarah e pude rever o Doc de Thirth Watch.E A Sally e a Calista deram um show.E
    também me emocionei com discussão da Nora e Kitty.
    Deu um nó na garganta.

  19. solange

    Eu, como sou muito detalhista (rsrsrsrs)só prestei atenção na quantidade de homens lindos, nossa! onde encontraram tantos? Que bom que muita gente já baixou e gostou, só faz aumentar as espectativas de quem não viu. Calista está de parabéns, já no inicio deu pra perceber que deixou de lado as caras e bocas de ALLY.

  20. Lucas "Gandalf" Leal

    é essa descrição da série agora pelos seus olhos me lembrou Everwood, mas pelo comentário do Fiaes está longe…mas se tiver um pouco de Everwood já deve ser boa…
    mas conclusão e que me deu mta vonta de ver a série…antes disso sempre olhei Brother & Sisters com uma dramalhão e não tinha mta vonta de ver…mas se tem esse debate de temas polemicos me atrai pra ver a série…
    tirando pela eterna “Ally” de quem eu sou fã…
    mas acho que depois desse texto belissimo vou ver se dou uma olhada na série…

  21. Skinner

    Me pareceu novela da Globo. Dizem que nos próximos dois episódios a série melhora, mas se não fosse pelas atuações de Calista e da “Dona Norma Rae” eu dava sinal pro motorista parar no próximo ponto.

    O fantasma de Ally pode até não assombrar, mas Calista continua com aquela cara de “me dá um beijo se tem dó de mim”.

    É tudo meio Deja-Vu, portanto, nota 6.

    Abraços.

    ps: Gostei bastante da trilha sonora. Uma abordagem sobre as trilhas das séries seria bacana.

  22. Daniel

    Pra quem perguntou
    Essa serie quando ela estreiou lah nos EUA ela foi a serie nova mais assistida no piloto, com impressionates 16 milhoes de pessoas ficando em 5 lugar no ranking.Que foi mais q merecido! serie 10!
    abraços

  23. Daniel

    E corrgindo q o outro falou, o 13,3 milhoes foi do segundo episodio ok?
    abraço

  24. Juliana

    Na verdade eu falei do primeiro episódio da segunda temporada, que foi o que ele perguntou…não da primeira :)

  25. eudes antonio

    Gente, só para Lembrar: Greg Berlanti, que é o criador de Brothers and Sisters é o mesmo que criou Everwood, foi produtor de Dawson’s Creek, por isso algumas semelhanças com Everwood.Adorei a série

  26. Paulinha

    Um drama tava faltando na programação.

    Mas alguém tinha que avisar pra Calista que ela exagerou no botox. Pelo amor de Deus, ela tá sem expressão facial. Que horror!

  27. Pingback: O que anda acontecendo nos blogs da Sociedade « Sociedade dos Blogs de Séries

  28. Rafaelly

    “O fantasma de Ally pode até não assombrar, mas Calista continua com aquela cara de “me dá um beijo se tem dó de mim”. ”

    “Mas alguém tinha que avisar pra Calista que ela exagerou no botox”

    Concordo, galera…hehehe

    Gostei bastante da série e em especial da Sarah.Foi a personagem que mais me chamou a atenção.Até pq a Calista e a Sally já era o esperado.
    Rachel arrasou com a personagem dela!!!

    Não poderia esperar oitra coisa de Greg Berlanti.O cara sabe tudo de drama!!!

  29. Someone

    Vocês deveriam revisar as reviews antes de publicarem. Neste texto, notei vários erros de português, de concordância, vírgulas indevidas… uma vergonha.
    Prestem mais atenção nisso.

  30. Géssica

    Calista , Ron, Sally… como essa serie pode não ser boa?? Otimas atuações grande roteiro

  31. Paula

    Gostaria de saber o nome da música que tocou no início do 2º episódio…..

  32. Priscila

    olá pessoal gostaria de uma ajuda não sei se vou conseguir se alguém souber por favor o nome da musica q toca no primeiro episodia da primeira tempprada em q a sarah esta falando com noah e a cena e a musica terminam qdo ela vai pro carro
    por favor se puderem me ajudar
    bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account