Log In

Reviews Spoilers

Reality Time: o Top 24 do American Idol, Survivor e The Amazing Race

Pin it

American Idol - Top 24

American Idol: Hollywood Round 3 (9×11) e Hollywood Round 4 (9×12)
Data de exibição nos EUA: 16 e 17/2/2010
Data de exibição no Brasil: 20/2/2010
MVP: Kara DioGuardi

Depois de quase dois meses de audição atrás de audição e de muita gente cortada, chegamos ao nosso Top 24. Agora os shows acontecem no palco, com plateia, e quem vota o Top 12 é o público. Daqui para frente a coisa só melhora. E isso vai muito mais além do que clichê pode querer dizer.

Eu estou especialmente animado com esta temporada de Idol por algumas questões específicas. Um mundo de incertezas rondavam a estreia da nona edição do programa. Mas o que descobrimos é que, na verdade, as mudanças foram boas e refrescantes. A entrada da Ellen foi um sopro de novidade num formato que já estava desgastado. E escolha de alguns candidatos, dessa vez, parece quase ‘alternativa’, se lembrarmos de alguns partipantes passados meio ‘mamão com açucar’, como Kris Allen, Melinda Doolittle e Carrie Underwood.

Não temos nesta seleção nenhuma Jennifer Hudson ou Leona Lewis, do britânico X Factor. Há, porém, nomes muito, muito bons, principalmente da parte feminina. Dos meninos, destaco Andrew Garcia e Alex Lambert. Das meninas, a doce Didi Benami, a portuguesinha Katie Stevens, a exótica Lilly Scott e a mais forte delas, Crystal Bowersox.

Pode-se perceber também uma Kara mais carismática, estranhamente agradável e, de alguma maneira, muito mais ‘dona’ do programa do que o mestre Simon, por exemplo, que, talvez de propósito, esteja mais apagadinho, quieto no seu canto e com menos espaço do que nas temporadas anteriores. No própio momento do anúncio dos 24 escolhidos, víamos Randy, Ellen e Kara juntos, enquanto Simon estava à parte, sozinho, separado por um balcão. Idol enxergou que precisava se renovar e, ainda bem, empreendeu mudanças. Pra nossa sorte, que curtimos mais do lado de cá da telinha. (Rafael Maia)

Survivor - Heroes Versus Villains - It’s Getting the Best of Me

Survivor – Heroes Versus Villains: It’s Getting the Best of Me (20×02)
Data de exibição: 18/2/2010
MVP: Rob, Cirie e Candice
LVP: James e JT

E Survivor continua! Depois da estreia excelente, meu palpite era que a temporada só tenderia a ficar mais emocionante. E estava certo. O segundo episódio confirmou que os jogadores estão mais preparados do que nunca e que estão ali para vencer. Pra melhorar, hoje tivemos os primeiros conflitos reais, que prometem esquentar nos próximos episódios.

Tivemos apenas um desafio, que valia tanto para recompensa e imunidade. Ainda bem, porque assim sobrou mais tempo para o que rolava no acampamento (e realmente, a edição teve muito material com o que trabalhar). A prova, se já apareceu em Survivor Tocantins, pelo menos é uma das mais memoráveis das temporadas mais atuais: as duas tribos deveriam trazer blocos para suas determinadas áreas e montar uma escada gigante, formando na lateral dela o nome da sua equipe (ou seja, também era um quebra-cabeça). A equipe que subisse primeiro ganhava. Os vilões, mais uma vez mostrando foco nas provas, conseguiram vencer com folga (Rob pareceu ser o que mais ajudava, mesmo em condições delicadas). Já os heróis continuaram desconjuntados, sem condições de trabalharem em conjunto. É, parece que o Sobrevivente será um vilão, do jeito que vão as coisas.

O engraçado é que os Vilões são uma total contradição: são ótimos nas provas, mas péssimos assim que pisam no acampamento. Boston Rob é o único que queria fazer uma cabana decente para sua tribo, que só está a fim de reclamar e ficar sem fazer nada. Por falar nele, que susto eu passei quando ele desmaiou! Aparentemente ele estava gripado, mas parecia muito pior! Ainda bem que ele se recuperou, prometendo que, se ser bonzinho não deu certo, tentará voltar às origens e ser um vilão / ditador de verdade! É esperar pra ver…

No acampamento dos Heróis, que parecia tão unido, ruiu de vez neste episódio, com a formação de duas alianças: uma contendo Tom, Steph e Colby, e outra formada por James, JT, Amanda e Rupert, com Cirie e Candice correndo por fora. Estas duas fizeram a melhor escolha (apesar de não ter gostado, pois esta escolha eliminou uma das minhas jogadoras preferidas – Steph) ao se unir ao último grupo, uma vez que os primeiros pareciam muito mais unidos. Além do mais, parece que Cirie e Amanda mais uma vez vão se unir, o que daria uma vantagem para as mulheres sobre James e JT se eles forem os últimos cinco no jogo. Elas pensaram a longo prazo…e até no momento Steph parecia ser uma escolha razoável, pois ela atrapalhou mesmo na prova de imunidade, ou seja, estava atrasando a equipe.

O jogo fica ainda mais interessante com a saída de Steph, porque vários conflitos ainda ficaram sem solução na tribo dos Heróis. Por exemplo, JT estava aliado com Tom, mas o traiu ao votar em Steph. E agora? JT, que agora se acha um jogador estratégico, cometeu um erro crasso ao se aliar com alguém sem pensar. Ele continua tão bobo quanto em Tocantins… E o que falar de James? Ele se comportou como um perfeito idiota hoje, arranjando problema sem precisar com Steph (já que ela ia sair mesmo) – afinal, seus aliados continuam no jogo. Depois de DUAS temporadas, ele ainda não sabe como lidar com a parte social de Survivor, e acho que nunca saberá. Ele sequer pensou que agora Colby e Tom querem sua caveira? E se eles ainda estiverem no jogo quando houver a fusão das tribos? Aposto que os dois vão se juntar aos Vilões e a cabeça de James será a primeira a rolar. Os erros estratégicos graves desses dois jogadores me deram a idéia de criar a categoria do Least Favourite Player (LVP) no começo da resenha. Afinal, se coroamos os melhores, temos que ser justos e condenar os que pisam na bola também, não é?

Survivor 20 continua uma excelente temporada, e promete muito mais acontecimentos a partir de agora. Mas aposto que vai pegar fogo mesmo é quando os vilões perderem a imunidade: que truques esses mestres da estratégia escondem na manga? Mal posso esperar para descobrir. (Bruno Piola)

Eliminada:
Survivor - Heroes Versus Villains - It’s Getting the Best of Me

The Amazing Race 16: When the Cow Kicked Me in the Head (16×02)
Data de exibição: 21/2/2010
MVP: Jet e Cord
LVP: Jodi e Shannon

Se eu pudesse resumir esse episódio em um palavra, seria decepção. Esse segundo episódio foi falho em tantos aspectos que quase não dá para acreditar que essa é a DÉCIMA SEXTA temporada! Não acredito que um reality de tanta bagagem como The Amazing Race possa estar tão mal das pernas.

Comecemos pelo começo. Essa etapa novamente se passou no Chile, na cidade de Puerto Varas. Como se já não bastasse o Chile já ter sido visitado (e ter sempre etapas ruinzinhas), dessa vez a produção chutou o balde e organizou provas às margens do rio Petrohué, que já havia sido locação da 11ª edição! Que falta de criatividade e esforço fazer as provas no mesmo lugar de antigamente! Porque não exploram outro lugar do Chile, pelo menos?

A maneira com que os times tinham que chegar até Puerto Varas foi o único pró do episódio: por ônibus. Faz muito tempo que não havia uma batalha por passagens desse tipo de transporte, e a inovação foi bem-vinda. Principalmente porque alguns times mais espertos (por incrível que pareça os que mais são tachados de burros: Jet e Cord, Brent e Caite e Jeff e Jordan) tiveram a idéia de fazer baldeação em outra cidade. Eles teriam sido os três primeiros a terminar a etapa se não fosse a burrice de dois dos times (Brent e Caite e Jeff e Jordan) terem retornado. Resultado: eles perderam o ônibus por não se informarem direito. Jet e Cord mostraram-se rápidos e conseguiram a melhor opção disponível. A vantagem garantiu a eles a primeira colocação.

O maior problema, no entanto, foram os desafios. Ridículos, por serem muito fáceis e não exigir qualquer habilidade dos participantes. Qual é a dificuldade em “vestir” uma lhama (!!!), pular de uma plataforma vestido de pássaro (!!!!) e nadar, ou procurar ingredientes para um bolo? Pois foram essas, senhoras e senhores, as provas desse episódio! A cada temporada, a partir da décima primeira, elas vem piorando e se tornando cada vez menos atrativas, e isso é um problema gravíssimo. O mundo é enorme, há inúmeras possibilidades de novas provas – poderiam inovar um pouco mais neste quesito.

E o que parecia a melhor característica dessa temporada – os times – já nesse episódio parece estar se desgastando. Jeff e Jordan e Brent e caite já cansaram como “casais-maravilha” – já tivemos muitos outros times iguais a eles e muito mais simpáticos. Acho que o problema são mesmo os casais – há muitos nessa edição, cinco. Se os times fossem mais diversificados, poderiam render mais. Steve e Allie também estão apagadérrimos. Mau sinal, porque ainda estamos no começo da temporada.

Me dói muito dizer isso, porque The Amazing Race é meu reality show preferido, mas a franquia já mostra claros sinais de desgaste. Há várias temporadas que não há mais aquele cuidado com as provas, locações, boa escolha de times…O programa se tornou arrastado e desinteressante. Tomara que essa temporada consiga melhorar. Caso contrário, não vejo muito futuro para TAR.

Sobre os times:

1 – Jet e Cord: Os caubóis mostraram que não se deve julgar um livro pela capa. Escolheram o melhor ônibus e, com a ajuda das provas xinfrins, venceram a etapa. Podem ir longe.

2 – Joe e Heidi: um dos poucos times que está rendendo, já que se aliou com Carol e Brandy. A aliança se mostrou bem sucedida neste episódio, mas até quando?

3 – Carol e Brandy: As lésbicas perderam pontos por uma delas já estar reclamando que preferiria estar em casa. Então, por que foi? Mas pelo menos tiveram a iniciativa de formar uma aliança para se manterem na corrida.

4 – Brent e Caite: Recuperaram-se bem depois da burrada que fizeram na hora de pegar os ônibus. O engraçado é que a Miss insiste que não é burra, mas até agora o time já cometeu dois graves erros. Um deles no futuro podem tirá-los da corrida.

5 – Monique e Shawne: Começaram as provas em oitavo e terminaram em quinto. Isso só mostra o quanto as advogadas tem raça e são um dos melhores times na corrida. Podem surpreender.

6 – Jordan e Jeff: O erro na baldeação quase custou a corrida para eles. Precisam tomar cuidado com isso, ou podem ser eliminados.

7 – Steve e Allie: Mal apareceram no episódio. Devem sair logo.

8 – Dan e Jordan: Deixaram de ser engraçados e passaram a discutir feio. Como dizem em inglês, “been there, done that”. Espero que saiam logo.

9 – Louie e Michael: tiverem muita sorte da avó e neta serem tão lentas. Ao não acharem o local do Bloqueio, quase saíram. Mostraram garra e continuaram, mas sempre estão na retaguarda. Não devem ter muito tempo.

10 – Jody e Shannon: É, sabia que elas sairiam cedo. O problema é que elas não eram competitivas, fazendo tudo da maneira mais demorada possível. Nem quando estiveram em nono lugar conseguiram segurar a posição. Farão falta, pois eram muito simpáticas. (Bruno Piola)

Eliminadas:
The Amazing Race 16 - When the Cow Kicked Me in the Head

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

7 Comments

  1. Bruno Piola

    Queria fazer uma correção na minha resenha do The Amazing Race, no trecho “a burrice dos dois times terem retornado”. Eles não retornaram para a cidade de origem, e sim, foram para outro terminal pegarem o ônibus tarde demais, perdendo assim, a melhor opção, que era o ônibus dos caubóis.

  2. Paulo Serpa Antunes

    Não sei se é a minha memória que é fraca, ou se é impossível mesmo relembrar de 120, 90, 71, 24 candidatos do American Idol. Acontece que eu geralmente me desconcentro e me confundo nos Hollywood Rounds e só volto a me interessar pelo show mais adiante.

    Mas fiz um esforço este sábado e assisti ao programa, a maior parte dele, pelo menos, e achei interessante perceber os critérios de seleção de Simon e cia. Eles nitidamente descartaram bons cantores em troca de outros nem tão bons, mas que sabidamente ofereceriam alguma diversidade ao programa. Aquela roqueira de cabelo descoloridos é fraca, mas é a roqueira. Aquela cantora folk com os dentes meio amarelados não tem nada a ver com o programa, mas ela tem um estilo que a diferencia. E tem um garoto que é bem fraquinho, mas parece protagonista do High School Musical e acho que foi isto que garantiu a permanência. Acho bacana, realmente bacana perceber estar coisas e parece que esta será uma boa temporada.

    E concordo contigo Rafael, a Kara está roubando a cena – adoro ver ela cantando junto, seguindo o ritmo da banda… E ficando mais gata a cada programa!

  3. Gui Barranco

    Concordo com o Paulo em gênero, número e grau. A seleção levou em conta outros critérios que não só a voz dos concorrentes para formar uma base mais diversa.
    Ficou interessante a escolha, mas deu dó de alguns concorrentes bons…

  4. Bárbara

    American Idol, NUNCA MAIS. Depois da palhaçada e do total roubalheira na final de 2009. Eu e muita gente que conheço estamos fora.

  5. Bruno Piola

    Luis, MVP é Most Valuable Player, ou seja, o participante ou dupla que mais se destacou no episódio. LVP é o contrário, Least Valuable Player, é o que teve o pior desempenho ou estratégia.

  6. Yury

    Comentando o 2º episodio do TAR:
    1º) Os caubóis mandaram muito bem nos ônibus e mereceram ter ganho a etapa.
    2º) Que provas ecrotas: muito facil!
    3º) Se a vó e a neta competissem elas poderiam ficar em nono e os detetives eliminados mas vieram a passeio (ah conheceram o Chile)
    4º) Espero desse TAR ..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account