Log In

Spoilers

Reality Time: A finale de The Amazing Race e as eliminações de American Idol e Survivor

Pin it

The Amazing Race 16 - Huger Than Huge

A coluna Reality Time atrasou mais uma vez e atrasou tanto, tanto, que até quem assiste American Idol pela Sony pode ler a review da semana sem riscos! Mas a semana tem ainda resenhas de outros dois shows que estão sumidos da TV brasileira: o antepenúltimo episódio de Survivor – Heroes Versus Villains e a grande final da edição 16 do The Amazing Race. Confira e deixe seu comentário!

The Amazing Race 16: Huger Than Huge (16×12)
Data de exibição: 9/5/2010
MVP: Dan e Jordan
LVP: Brent e Caite e Carol

E chegamos à final dessa 16ª temporada do The Amazing Race com um episódio excelente, reflexo dos últimos episódios mas não da temporada como um todo. No entanto, vamos primeiro comentar esse último capítulo da corrida para depois analisá-la por inteiro.

Foi uma final bastante empolgante. Não tivemos um Desvio (que parece ter sido abolido das finais desde o TAR 14) que com certeza teria deixado a disputa mais acirrada. Mas se havia uma etapa em que o Desvio pudesse ser retirado, era essa.

A produção vem acertando nos últimos tempos ao fazer os times voar diretamente para o destino final da corrida, em vez de fazê-los completar umas provas no Havaí ou Alasca e deixar apenas um Bloqueio ou Desvio final para serem feitos nos Estados Unidos. Isso era ruim porque o time que conseguia um bom táxi no país de origem geralmente ganhava o programa, não importava a tarefa em questão. Aqui, pelo menos, todas as tarefas foram em San Francisco e os times tiveram que suar (e andar a pé) para completá-las.

Tivemos várias pistas em formas de charadas (incluindo a pista final, que os times mataram de cara, mas se fosse eu estava lá até hoje), um Bloqueio radical (subir em uma torre – mas já houve uma prova semelhante na final do TAR 15), a tradicional prova-resumo da temporada (se ela foi fácil, pelo menos ficou muito bonita – os quadros representando times eliminados emulavam discos psicodélicos dos anos 60), e claro, o prato principal, a tarefa da realidade virtual na Industrial Light & Magic, a empresa responsável pelos efeitos da saga Star Wars. Foi diferente, divertida e difícil, e esse tipo de prova quase nunca aparece no reality. Espero que tenhamos desafios como este no futuro.

No final, ganharam os irmãos. Não eram minha torcida, mas fizeram por merecer. Pelo menos não foi o casal QI, não? Falando neles, adorei o barraco na linha de chegada – o primeiro da história – entre Carol e Caite, aquela ainda rancorosa por ter saído graças à miss. Apesar de ter sido hilário, confesso que a lésbica saiu perdendo. Enquanto ela se comportou de modo infantil, Caite discutiu com muito mais classe e saiu por cima dessa história.

Agora, vamos comentar, pela última vez, os times da corrida:

1 – Dan e Jordan: Sempre muito educados na corrida inteira, nesta etapa deram para jogar agressivamente. Cortaram a fila para pegar o último vôo e tiveram a brilhante ideia de passar para a primeira classe durante a viagem. O tempo que eles ganharam com a troca fez-nos vencer a corrida. Pena que não foram assim a corrida inteira, ou teriam sido considerados um dos melhores times. Ao invés disso, foram uma dupla irregular, que muitas vezes passou próxima da eliminação. Pelo menos com essa estratégia eles não foram alvo dos U-Turn. Mesmo não querendo uma vitória deles, admito que não são, nem de longe, os piores ganhadores.

2 – Jet e Cord: Correram muito bem, como sempre, o problema foi que Dan e Jordan tiveram aquele ideia genial que os deixaram muito na frente. A situação deles piorou quando demoraram a descobrir como ler a pista da realidade virtual. Mesmo assim, eram o melhor time da final e uma vitória dos dois seria mais do que merecida. Espero vê-los em um segundo All Stars.

3 – Brent e Caite: Não acredito que essa duplinha chegou na final. Mas já que chegou, pelo menos não ganhou, né? Não perderam por burradas, incrivelmente, mas sim por um taxista perdido que não falava inglês (como eles conseguiram esse feito heróico em San Franscico?). Ok, a culpa é um pouco deles por terem escolhido o tal taxista. O problema é que foi só o cara se perder pros dois começarem a brigar e insultar o pobre motorista. Gente mal educada. Adeus para nunca mais, casal QI!

Bom, mais uma temporada terminada. Não considero das melhores, mas também não foi um desastre. The Amazing Race apresenta sinais de desgaste, infelizmente. O problema é que as provas de um tempo pra cá tem perdido muito de sua qualidade e originalidade. Elas simplesmente não empolgam mais. Se a produção cuidasse do preparo da corrida com mais esmero, talvez visitando países mais desconhecidos (chega de China e Índia, né?), o programa poderia se reerguer. Mas o que se viu, pelo menos nos dois primeiros terços dessa temporada, foi decepcionante. Felizmente, ainda há esperança: os últimos episódios mostraram toda a força do reality de antigamente e foram divertidíssimos! Por que isso não aconteceu no resto da temporada? Não sei, o que sei é que ainda não desisti de The Amazing Race, e o público americano também não. O show é quase sempre o mais assistido do horário, e está entre os mais populares da noite. Ou seja, pelo menos por enquanto, o reality não vai a lugar algum. Os produtores deviam usar esse tempo para reformular o programa (como Survivor fez com sucesso) ou organizar uma temporada decente de fora a fora. Eles poderiam, por exemplo, tirar o Retorno (U-Turn) do jogo, pois nunca um time retornado conseguiu permanecer na disputa. Por outro lado, deveriam manter algumas bem-vindas mudanças, como dois Bloqueios numa etapa só. Com o TAR17 provavelmente estreando em setembro, as expectativas (e as cobranças) serão altas. Resta saber o que vamos assistir quando a hora chegar. É isso aí… Até o TAR17! (Bruno Piola)

Vencedores:
The Amazing Race 16 - Huger Than Huge

Survivor – Heroes Versus Villains: A Sinking Ship (20×12)
Data de exibição: 6/5/2010
MVP: Sandra e Jerri
LVP: Russell

Survivor - Heroes Versus Villains - A Sinking Ship

Com o final do jogo se aproximando, Survivor fica a cada dia mais emocionante. Este episódio, apesar de apresentar algumas pisadas de bola da produção, surpreendeu-nos com jogadas e resultados bastante atípicos.

Em A Sinking Ship, dois participantes foram eliminados em dias diferentes. É a primeira vez que isso acontece (se não me falha a memória), e não acho que foi uma boa escolha. O episódio pareceu corrido e detalhes importantes que apareceriam num episódio normal foram omitidos neste. Espero que isso não aconteça mais.

A primeira prova de Imunidade do episódio foi de resistência, a terceira seguida. Embora eu goste deste desafio (que alguns leitores bem apontaram – ele apareceu em África, All Stars e Micronésia, e não China e All Stars, como eu escrevi), ter tantas provas parecidas assim deixa o show previsível. O pior de tudo é que nesta prova houve as tradicionais tentações de comida para forçar participantes a desistir, e o objetivo foi alcançado: seis preferiram comer, deixando apenas Rupert e Parvati na disputa! Tirou toda a emoção. No final ganhou Parvati, que já havia vencido tal prova em Micronésia. E se a empolgação já não estava tão grande, imagina quando vi Jeff contando para todos a próxima pista do Ídolo! Outra bola fora! Afinal, as pistas são adquiridas, merecidamente, depois que alguém vence uma prova, ou acha em algum lugar. Falar para todos é forçar a barra para haver uma corrida pelo objeto.

Pelo menos a partir daí as coisas melhoraram. Sandra achou o Ídolo, e Rupert fingiu ter um. No acampamento, as coisas tomaram um rumo inesperado: Candice se tornou o alvo, pois as Vilãs acharam que ela podia se aliar novamente com os Heróis. Votar em Candice foi um erro a meu ver, pois havia dois inimigos jurados dos Vilões ali ainda, Rupert e Colby. Deviam se livrar dos dois o mais rápido possível, mas não foi o que ocorreu. Com isso, adiós, Candice!

Depois, na segunda parte do episódio, tivemos finalmente uma Imunidade individual que fosse mais física. Russell venceu a prova, e foi aí que começou sua derrapada no jogo. Provavelmente por se sentir seguro com a Imunidade no pescoço, decidiu tomar algumas decisões bastante estranhas. Por sentir que Parvati e Danielle, suas aliadas, estavam próximas demais, decidiu ELIMINAR Danielle (o que ele, eventualmente, conseguiu)!! Foi uma escolha pra lá de errada porque a) ele fez isso apenas para tentar retomar o controle do jogo (ele não queria Candice eliminada), e não com um viés estratégico que possa ajuda-lo no jogo; b) fez com que suas próprias aliadas se voltassem contra ele e c) ele poderia ter feito a mesma coisa no Top 5, com a ajuda de Sandra e Jerri, de uma maneira mais natural. Muitos fãs afirmaram que o jogo social de Russell é péssimo e por isso ele nunca ganhará. Concordo, mas acrescento que depois deste episódio, percebi que seu jogo estratégico também não é dos melhores. Além de ter tirado Danielle, seus dois inimigos, Rupert e Colby, continuam no jogo. Acho difícil agora Russell chegar na final, e se conseguir isso, não creio que ganhe o jogo.

Para mim, nessa reta final, apenas Sandra e Jerri tem chances de vencer, pois jogaram bem (algo que será valorizado por um júri pouco rancoroso), além de não terem irritado a maioria dos jurados. Parvati também não é tão querida assim pelos eliminados e acho que Rupert e Colby vão pro vinagre nas próximas semanas.

Vamos ver o que Survivor nos reserva para esse final, que promete ser danado de bom! A temporada pode estar acabando, mas muita coisa ainda pode acontecer! (Bruno Piola)

Eliminadas:
Survivor - Heroes Versus Villains - A Sinking Ship

American Idol: Top Five Perform (9×36) e Top Five Results (9×37)
Data de exibição nos EUA: 4 e 5/5/2010
Data de exibição no Brasil: 11/5/2010
MVP: Lee DeWyze
LVP: Casey James

American Idol - Top Five Results

Há menos de um mês do final do programa, American Idol se mostra a cada semana menos empolgante. Neste episódio, com músicas do cantor Frank Sinatra, a história não foi diferente.

Surprendentemente, o mentor da semana foi Harry Connick Jr., mas conhecido por seu trabalho na televisão do que por sua expressão musical. A escolha, que foi inusitada, resultou em um bom trabalho com os candidatos. O cara se esforçou em dar dicar realmente relevantes. Mas o resultado, em cima dos palcos, foi pífio.

Desde a saída de Siobhan na semana passada, a minha torcida se voltou para o Lee. No entanto, foi descabida a quantidade de elogios recebidos dos jurados, o que pareceu consequência da falta de bons cantores no programa. Casey James fez uma performance medíocre, assim como Big Mike, cuja presença no Idol já se tornou dispensável. Crystal ofereceu, mais uma vez, uma apresentação razoável, mas o eliminado da semana foi o caçula Aaron Kelly.

Nos Results, um dos momentos mais aguardados da semana também acabou sendo um fiasco. Lady Gaga, que poderia ser uma inspiração para os candidatos, fez uma performance sem vida e pouco contagiante. Como já comentado em oportunidades anteriores, esta semanaconfirmou o que vem acontecendo em toda a atual temporada. Com raros momentos, e cantores, mais interessantes, Idol vem respirando a duras penas. Concorrentes, jurados, apresentador e produção parecem cansados e sem vontade. Resta, agora, esperar pelo novo projeto de Simon Cowell nos Estados Unidos, X Factor, previsto para o ano que vem. (Ivan Guevara)

Eliminado:
American Idol - Top Five Results

Legenda:
MVP é a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio e, aqui, os concorrentes de atuação destacada nos reality shows. De brincadeira, os colunistas da Reality Time passaram a indicar ainda o LVP, sigla que aponta o pior participante da semana dos realities.

Séries citadas:

Os textos assinados pela Redaçao TeleSéries são textos de autoria coletiva ou notícias escritas por um redator anônimo, mas sempre revisadas com a máxima precisão jornalística.

3 Comments

  1. kreuba

    A eliminação dupla ocorreu na temporada passada também, quando Dave e Monica foram eliminados.

  2. Rosa

    Odeio essa Lady Gaga! Mulherzinha vulgar!

    Fiquei triste pele Aaron.. mas ele é um fofo e tem muito talento, com certeza vai fazer muito sucesso !!

  3. Gabriel de Lisboa

    A eliminação dupla acontece frequentemente ,porém geralmente antes da fusão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account