Log In

Especiais Reviews

‘Private Practice’ – um balanço da temporada

Pin it

Addison Montgomery está em terapia. E nós somos o terapeuta. E deveríamos? Bem, quando Private Practice finalizou sua quarta temporada eu estava com a ideia de que abandonaria a série. Não porque o show apresentava histórias ruins, pelo contrário. Ela já vinha apresentando um crescimento considerável. Mas eu simplesmente não suportava ver a protagonista namorar Sam. Isso porque eles formam o casal mais sem graça da TV. Não apresentam absolutamente química nenhuma. E aí veio a surpresa: o ator Benjamin Bratt, nomeado ao Emmy e protagonista de vários longas metragens, havia sido confirmado como fixo para a quinta temporada. Foi quando meu interesse em continuar vendo o show se despertou.

Neste momento havia ainda uma esperança de que nesta quinta temporada Addison pudesse se separar de Sam e viver um novo amor com Jake Reilly (Bratt). Mas logo um balde de água fria foi jogado. Por que o médico estava ali para fazer Addison conseguir ter seu filho. E o relacionamento deles não passou daquilo nos primeiros episódios. Enquanto isso, Sam assumia o papel de personagem mais chato da atualidade, sendo contra o procedimento de fertilização em Addison, e não a apoiando em momento algum. Até o casal se separar, foi esta ladainha. Eu não sei o que acontece com Shonda Rhimes, ela tem o dom de unir casais sem sal. O que ela sabe escrever de drama, sabe juntar casais sem graça. E convenhamos, ela parece ter tirado este casal do nada. Tudo bem que na história Sam tinha uma queda por Addie na faculdade e tal. Mas não consigo entender de onde Shonda achou que este casal daria certo. Quanto a Jake, conhecemos um pouco de seu passado conturbado com a esposa morta por overdose de drogas, a enteada que ele cuida, entre outras coisas. Mas o principal, vimos ele se tornar parte da família Oceanside e era como ele já estivesse lá desde o início. Talvez ele tenha entrado para suprir a vaga de Naome, deixada na temporada passada. Mas convenhamos, ela não fez falta nenhuma.

Falando em casal chato, outro que continua dando as caras na série é Violet e Pete. E nesta altura do texto, eu me pergunto, como assistir uma série com dois casais chatos? Como faz? Acho que o que pesou menos é que ambos os casais passaram grande parte da quinta temporada separados. Pete e Violet entraram em crise novamente. Aliás, é o que os dois mais sabem fazer. E os dois separados começaram a ter aventuras sexuais. Sinceramente, foram diversas cenas entediantes protagonizadas por estes dois. E a amizade “forçada” dela com Addison (para suprir as faltas de confidencia com Naome) eram mais chatas ainda. Até as histórias finais com Pete sendo preso por causa da eutanásia que ele realizou achei extremamente chatas.

Mas então, porque a continuar assistindo uma série com casais e histórias chatas? Bom, porque pelo menos há personagens e histórias que salvam a série. E concordem comigo,salvaram muito bem. A começar por Cooper e Charlotte, que tiveram suas vidas totalmente modificadas a se depararem com Mason, o filho de Cooper. Filho de um caso de Cooper há anos atrás, o garoto entrou na vida deles e modificou completamente o rumo dos dois. Charlotte não gostou de início, mas acabou se apegando ao garoto. Principalmente quando descobriram que a mãe do garoto, Erica, tinha câncer no cérebro. O caso rendeu até um interessante cross-over com Grey’s Anatomy e me emocionou muito. A cena do garoto se despedindo da mãe foi de arrepiar. Claro que ele não aceitou facilmente e uma das interessantes histórias abordadas na temporada foi como eles tiveram de lidar com esta situação. E imagino o quanto seja difícil para Charlotte ter de se assumir “mãe” de uma hora para outra. Mas ela demonstrou muito amor pela criança e só me fez confirmar ainda mais o porquê acho ela e Cooper o melhor casal de Private Practice.

Mas esta temporada não teve para ninguém. Amelia Shepherd roubou a série e deu um show. Primeiramente com seus problemas com as drogas. Ela acabou se tornando uma viciada e levou a sua vida ao extremo. Conheceu outro viciado – Ryan, com quem teve um caso até o rapaz morrer de overdose. E é aí que ela resolve se tratar. O episódio, que foi um especial de duas horas, voltado para a intervenção da personagem foi extremamente emocionante! Um dos melhores da série. Amelia se mostrou uma das melhores personagens atuais aí. Mas seus problemas estavam apenas começando. Depois de se tratar e voltar a exercer a medicina, ela descobre que estava grávida de Ryan. E o pior, seu filho era anencéfalo. A médica teve de lidar com a situação e, claro, não foi nada fácil. Ela acabou se afastando de todos – incluindo Addison. E o final da temporada foi outro episódio emocionante com o parto da personagem e a tomada de decisão do transplante de órgãos do bebê. Inclusive achei muito bom a série abordar casos delicados como este, mostrando os médicos em diversas posições muitas vezes contrárias entre eles mesmos. Foi ótima esta abordagem.

E quem recebeu o devido destaque na temporada foi a própria dona do show, Addison Montgomery. A personagem, que andava bem apagadinha, cresceu novamente ao passar pelo processo de fertilização, a frustração de não conseguir engravidar, até conseguir adotar um bebê rejeitado pela mãe. Tudo isso intercalado com as sessões de terapia que a personagem realizava, sendo praticamente uma narrativa em todo inicio e final dos episódios desta temporada. Shonda talvez tenha feito isso para confirmar que o show se trata, sim, de Addison, e ele deve girar ao seu redor. Addison conseguiu ter seu filho, o que a fez se afastar de Sam – que não queria assumir o compromisso da paternidade – e se aproximar de Jake- que foi todo carinhoso com ela, do inicio ao fim. No fim da temporada, Sam resolveu voltar atrás e pedir a mão da médica em casamento, enquanto que Addison iniciava um romance com Jake. Sério Shonda? Insistir no erro?

Mesmo apresentando alguns personagens fora do eixo, Private Practice amadureceu suas histórias, e apresentou os melhores casos da série, ironicamente no ano em que o show caiu na audiência – fazendo-o até mudar de dia de exibição. A série foi renovada para a sexta temporada, mas o que se fala é que serão apenas treze episódios finais. Bom, apesar dos pesares, por mim, Private poderia continuar até o fim de Grey’s Anatomy. Mas sério, não reclamaria se a série da nossa Addison terminasse mais cedo, e ela fizesse uma visitinha permanente pelos arredores do Seattle Grace Mercy West. É praticamente impossível, afinal Kate Walsh diz que já não quer continuar fazendo a personagem, mas quem sabe acontece? Não custa nada torcer!

Séries citadas:

Mineiro, professor e aficionado por séries. No TeleSéries resenha as séries Hawaii Five-0 e Saving Hope. Mas também é apaixonado por Grey's Anatomy,'CSI, Rookie Blue, The Vampire Diaries, The Good Wife, Homeland, The Walking Dead e muuuitas outras...

11 Comments

  1. Rodolfo Costa

    Concordo com tudo. Sam e o casal Violet e Pete derrubam Private Practice. Isso é fato. Eu até gosto da Violet, mas só quando está sozinha. Seu marido é uma das pessoas mais insuportáveis que eu já vi na tv. Ele está sempre brigando, sempre discutindo, sempre atrapalhando.

    Em compensação, Charlotte continua incrível. Ela é maravilhosa. Cooper ainda tem seus momentos infantis, mas ok, nada que ofusque o brilho da esposa. Foi lindíssima a cena em que Mason diz que vai chamá-la de ‘mama’. 

    E a Addison… Bom, a Addison rendeu mais neste ano, isso é verdade. Adorei a fase pré-Henry. Sempr torci para que ela fosse mãe. Porém, enquanto Sam estiver por perto, não tem jeito da personagem ir adiante. A Shonda ama o Sam, o público o odeia. Ela ouve o público? Não… Do mesmo jeito que ela amava o Burke de Grey’s e ama a Olivia de Scandal mesmo que o público não goste (gostasse) deles. Enfim, deixa a Shonda se estrepar sozinha. Depois a audiência cai (e de fato caiu) e a culpa será todinha dela.

  2. Gilberto Dutra

    Realmente Adisson e Sam nada a ver.
    Gosto muito do Mason, apesar dele ter ficado chatinho após a morte da mãe, o que é compreensível.
    Mas o que realmente salva essa série são os seus dramas, dramas e dramas do pacientes, sempre nos fazendo pensar com seus dilemas morais.

  3. Klaus Roger

    Concordo com tudinho tudinho! To tão ansioso pra próxima temporada porém com medo da shonda vaca imunda fazer a escolha errada. Addisam é o pior erro que PP poderia ter em toda sua história. Agora quem diz que consigo abandonar PP tendo Amelia linda desse jeito e Charlotte e Cooper pra eu shippar pra sempre sendo lindos? Acho que dava pra eliminar todos os outros plots e deixarem tudo focado somente na Charlotte e na Amelia que ia funcionar perfeito porque putz… duas personagens incríveis! 

  4. Anderson Narciso

    Oi Rodolfo! Verdade, Charlotte as vezes carrega muitas cenas de Cooper, mas gosto que eles funcionam como casal… E o Mason chegou para completar isso!

    A Addison, ela precisa largar do Sam … ontem mandei um tweet para a Shonda, dizendo que a razão pelos números de PP cairem é ela insistir em Sam e Addison! hahahaha, pelo menos ela vai ler! 

    Obrigado pelo comentario!

  5. Anderson Narciso

    Eu gostei muito dos casos desta temporada! Principalmente que muitos, fizeram abordar a ética na medicina, como aquele da imigração … curti mesmo!

  6. Anderson Narciso

    Obrigado Klaus! Olha, não digo que estou ansioso! Mas quero descobrir a que fios será conduzido a história! E se Shonda insistir em Addison e Sam, mesmo com o Jake a caminho, eu largo de vez ! hahaha. 

  7. Bruno

    Concordo da chatice de Sam + Addison. E um pouco de Violet + Pete (que por sinal largou toda a medicina alternativa, notaram?). Mas Charlotte simplesmente salva esse seriado. A Doutora Dona Da Verdade tem coração!!! Impossivel não se emocionar pelo que ela passou e como se comportou. Até o menino chato se abrir com ela e não com o pai, ser chamada de “mama”, todo o processo pelo qual o Cooper passou com a morte de Erika, e ela lá, firme e forte. Sei que é de mentirinha mas foi admiravel e, pra mim, Charlotte é simplesmente A PERSONAGEM DESSE SERIADO.

    Me desculpe quem gosta da Addison mas aquele estica encolhe dela enche o saco.

    O recurso do terapeuta já tinha sido usado na finada série ONCE AND AGAIN, com Sella Ward, muito boa série por sinal.

  8. Anderson Narciso

    Boa sacada Bruno. Pete agora é totalmente cirurgião adepto das tecnologias e não mais de suas ervas curandeiras haha… E verdade, Charlotte está lá para salvar muitas vezes PP. Vamos ver qual será a decisão de Addison quando voltarmos, mas se ela escolher o Sam eu largo esta série haha

  9. Klaus Roger

    Addisam juntos não tem Charlotte e Amélia que me façam suportar. Se ela disser sim eu largo a série e cumpro a promessa de não ver nada que a Shonda escreva. 

  10. sheila

    concordo com o bruno pois poderia continuar só que modificando a serie e chegou a hora da charlotte ir a um terapeuta.

  11. Beatriz Mello

    Concordo! Addison e Sam formam um casal sem graça, preferia ela com o Pete e a Violet sozinha :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account