Log In

Opinião Preview

Primeiras Impressões – Pan Am

Pin it
0
0

A Pan American World Airways (ou Pan Am, como é mais conhecida) é uma empresa aérea norte-americana fundada em março de 1927 e que reinou absoluta nos céus nacionais e internacionais durante décadas, ou mais precisamente, até a explosão terrorista em um clipper 747 na cidade de Lockerbie.

Até então, símbolo da majestade e glamour das viagens aéreas e detentora das maiores inovações tecnológicas do ramo, a Pan Am acabou sucumbindo diante da agressividade do atentado de Lockerbie, o qual matou mais de 270 pessoas na explosão. E não foram poucos os incomodados com a criação de uma série de TV que retrata com grandiosidade e beleza uma empresa aérea envolvida em um ataque terrorista de tamanho porte (mesmo sendo ela a vítima).

Mas a verdade é que não tem como se falar em aviação, especialmente na década de 60, sem falar da Pan Am. Nenhuma outra imagem está tão associada em nossas mentes com o glamour das viagens aéreas como a dela. A escolha da empresa para protagonizar a série da ABC, que estreou no último domingo nos EUA, não foi aleatória, e com certeza nenhuma outra transmitiria tão perfeitamente o que a série tenta apresentar.

Eu admito que Pan Am era uma das estréias mais aguardadas por mim para esta fall season e fico feliz por não ter me decepcionado. O episódio piloto foi primoroso, apresentando com mão segura os personagens e a estrutura narrativa da série, sem falar do figurino e de todo o clima romanceado de uma época cujo glamour só guardamos na memória (e muitas vezes memória dos outros).

Em seu episódio de estréia, tivemos a oportunidade de conhecer um pouco do trabalho das comissárias de bordo e a interação da tripulação dentro do avião. Mas o que realmente gostei foi de como conseguiram mesclar a vida de cada um em terra ao mesmo tempo em que nos mostravam o que acontecia durante o vôo.

Os personagens parecem bastante ricos de possibilidades para serem exploradas e o envolvimento de algumas comissárias com a espionagem em plena Guerra Fria dá um toque a mais que instiga o espectador. Ou não. Para esse primeiro episódio o recrutamento de Kate e a dificuldade em passar no seu primeiro teste (eu mesma ficaria apavorada se estivesse em seu lugar) foi bastante interessante, mas me pergunto quais as situações que criarão com a comissária daqui para a frente. Ou com outros personagens, porque só vimos Kate, mas espionagem sempre trás subterfúgios por trás de outros subterfúgios.

O piloto do novo Clipper Majestic é interpretado por Mike Vogel e não apresentou grandes emoções. Foi talvez o elo fraco do episódio e lhe faltou carisma. Não consegui mesmo ser envolvida por sua história com Bridget seguida do abandono (mas para ser bem sincera, nem sequer consegui simpatizar com Bridget, então talvez o problema seja eu e não a dupla).

Não há dúvidas de que a presença que mais chama a atenção é a de Christina Ricci. Com seus olhos arregalados, a atriz demonstra competência no que faz e traz para si a atenção do público quando interage com outros personagens. Mesmo tendo aparecido pouco nesse episódio piloto, foi a personagem que mais me cativou. Tem uma rebeldia insinuada, mas seriedade com o trabalho que de fato importa. Não sei nem ao menos se é a sua vida em terra o que desperta interesse. Creio que é muito mais a forma como se desempenha embarcada e como a tripulação a vê que é o diferencial da personagem.

Laura Cameron, embora tenha sido a personagem mais explorada (e é a capa da revista Life), mostrou-se um pouco apagada. Mas acho que é a natureza da personagem, que sempre aquiesceu às vontades familiares e pela primeira vez dita o rumo da própria vida. Então ela tem aquela timidez característica, mas a promessa de uma força de vontade que ainda pode levar a personagem longe.

O engraçado é que a atriz tem esse rosto incrivelmente conhecido, mas fui pesquisar e absolutamente nada do que ela fez até agora eu vi.

E é claro que não dá para esquecer de Colette, a comissária que se envolveu com um homem casado e que se portou com uma elegância invejável. Verdade seja dita, Colette é a imagem que eu tenho de uma comissária de bordo (seja ela verdadeira ou não). A mulher independente, que se lançou no mundo porque crê que o mundo tem mais a lhe mostrar do que a experiência do dia a dia que as pessoas costumam aceitar como definitivas, e principalmente, que sabe lidar com as surpresas que a vida apresenta sem perder a classe e a educação. Fiquei encantada com a personagem e espero que os próximos episódios não demonstrem um erro de avaliação da minha parte.

De mais a mais, se Pan Am mantiver a qualidade do episódio piloto, pode ter certeza que terá em mim uma espectadora fiel. A série tem o charme necessário para capturar o público e nos deixar satisfeitos com aquela hora passada diante da TV. O que mais podemos pedir?

Séries citadas:

Michele Reis Martins, a Mica, é advogada e mantém o blog Esperando o Esperado. Fã de Arquivo X, Highlander, Buffy, Doctor Who e sci fi em geral.

6 Comments

  1. Anônimo

    cabei e indicar sua preview para um “aeromoço” amigo meu.
    ;o)

  2. Cleide Pereira

    toda vez que vejo essa segunda imagem com a Cristina Ricci eu acho que é a Erica Durance com ela heheheh
    torcendo pra essa série dar certo

  3. Maria Regina

    Também gostei do primeiro episódio. De fato o piloto é muito apagado e a história dele com a Bridget sem graça por enquanto. Vamos ver o que acontece a partir daí pois os episódios piloto nem sempre mostram o que será a série.

  4. Lara Lima

    Eu demorei pra ver o piloto e só ontem conferi. Amei do início ao fim, muito gostoso de assistir. Gostei de tudo, mas fiquei intrigada com a pequena aparição da Christina Ricci…

  5. Spharionales Zefes Finisa

    A década de 60,foi a mais efevercente época da cultura mundial e a série Pan Am, cumpre o seu papel em nos mostrar como era o mundo e a sociedade,no momento mais turbulento da história.acredito que quando uma série desperta no espectador,a curiosidade e aguça o seu interesse para várias questões com,política,história e principalmente para os relacionamentos entre as pessoas de uma época ,devemos olha-la com outros olhos,pois além do entretenimento, a série possui conteúdo,diferentemente de outras produções em vigência. confesso que inicialmente o meu maior interesse era pela aviação que é uma das minhas maiores paixões e a Pan Am é um ícone na aviação comercial, e meu interesse inicial era a Pam Am como empresa aérea,porem brilhantemente a série me conquistou,com outras questões do meu interesse como por exemplo a espionagem,a guerra fria, e porque não dizer pelo amor.após a decepção com a série Lost que até então fora a única série que conseguiu me prender em frente a tv eu havia decidido nunca mais acompanhar uma série,da veio o Dr house e agora a Pam Am que novamente me resgataram a este mundo mágico das séries.porem a angustia e a decepção são as mesmas pois o sentimento de abandono e frustração são as mesmas,pois o executivos que só se baseiam em números,principalmente os numeros de audiência dos EUA,descidem da noite para o dia cancelar a série. a minha maior tristeza e que a culpa não é apenas dos executivos,mais sim do público que não conseguem apreciar a verdadeira arte quando se deparam com ela,e hoje infelizmente vivemos na era da industria do lixo comercial e descartável…quanto pior melhor. quanto for mais barato,fútil e sem conteúdo maior e a audiência, e os fins justificam os meios pois o objetivo final,séra sempre de alienar,massificar e entreter.
    Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account