Log In

Reviews

Person of Interest – Shadow Box, 2PiR e Prisioner’s Dilemma

Pin it
Série: Person of Interest
Episódios: Shadow Box, 2?R e Prisioner’s Dilemma
Número dos Episódios: 2x10, 2x11 e 2x12
Exibição nos EUA: 13/12/2012, 03/01 e 10/01/2013
94
4.7
1

Tirou meu ar. Não encontrei outro jeito de começar essa review de episódios com as melhores características de season finale e estamos apenas na metade dessa temporada que começou eletrizante, deu uma pequena estacionada e agora, voltou com tudo, no melhor estilo de Person of Interest.

Shadow Box foi um episódio meio filler, sem grandes desenvolvimentos sobre a trama da temporada. Mas como se sabe, é difícil episódio filler que seja inteiramente filler em PoI. O episódio teve um caso convincente, mas a grande jogada desse episódio foi o apego à parte emocional dos personagens. Começando por John, que declara estar feliz com a oportunidade que lhe foi dada por Finch. Confesso que nesse momento senti uma pequena pontada no estômago, sabe, aquele sentimento que algo grande vem por ai.

O caso da semana foi sobre Abby, que tinha tudo pra ser a “vilã” da história, até vídeo dela confessando seus crimes nós tivemos a oportunidade de assistir. É claro que com nosso PhD em séries sabíamos que ela acabaria por ser a mocinha, mas Finch, que não tem nossa experiência, foi crente na inocência da moça, mesmo que tudo indicasse o contrário. Harold tem ponto fraco por segundas chances. E falando nele, estou gostando muito que ele está tendo um maior envolvimento nos casos, que ele não fica mais somente atrás de um computador, estamos vendo ele cada vez mais em campo. Ainda lhe falta certa destreza, o que me deixa sempre muito nervosa, e eu realmente acreditei que ele seria capturado e tudo iria pelos ares nesse episódio, mas acabei, mais uma vez, surpresa, porque quem acabou com problemas foi Jonh, que foi capturado pelo agente Donnelly do FBI com a “ajuda” de Carter, que parecia tão desesperada quanto eu.

E essa oportunidade que foi dada a Carter para se unir ao FBI, acreditei que esse elemento seria um grande elemento a ser adicionado ao seriado, com ela no FBI e Fusco dentro da NYPD o campo de atuação da “Team Machine” poderia aumentar, mas não foi bem assim que as coisas aconteceram, e já chego nesse assunto.

Enquanto isso, não podia deixar de dar um destaque a Fusco, que finalmente está se impondo contra essa história toda de HR. Imagino se ele um dia vai perceber o que realmente presenciou quando resolveu seguir o novo affair de Carter?

Person of Interest voltou do hiatus com o episódio 2?R (Pierre, para os íntimos) com a incrível marca de 16 milhões de viewers e 3.6 de demo. Com Reese preso, Harold teve que assumir as rédeas em outro episódio que apelou muito pro emocional do telespectador (pelo menos para o meu).

Finch, disfarçado de professor, foi investigar o novo número apresentado pela Machine que pertencia a Caleb Phipps, interpretado por Luke Kleintank, um garoto a princípio parecia como qualquer outro, mas acabou se revelando uma espécie de gênio (por favor, ele é um dos internos da Brennan). Sabemos que seu irmão morreu de forma suspeita alguns anos antes e dava pra prever que isso teria a ver com o motivo de seu número ter sido apontado.

E Finch de professor foi um presente, a parte em que ele fala sobre o número Pi realmente me fez desejar que eu soubesse mais sobre matemática, e outra, e explicação dele sobre as casas decimais representarem sílabas esclareceu um monte sobre aquela cena do primeiro episódio da temporada de John e os livros descobrindo o novo nome apontado pela máquina, acredito que esse seja o método usado.

Enfim, vi Caleb como um futuro Finch, e acredito que este se viu naquele, tanto que pudemos presenciar as confissões de decisões que Harold fez em sua vida que ele se arrependeu.

O medo de colocar em risco a vida de sua noiva fez Finch realmente acreditar que desaparecer seria a melhor opção para manter Grace a salvo. Só que, como nós e Finch vimos que ela não seguiu sua vida, ela ainda ama, e ainda lamenta “morte” dele. Finch percebeu, da pior maneira, que não estar presente para mantê-la a salvo foi pior não só para ela, mas também para ele. Vocês lembram uns episódios atrás ele ainda a observa de longe.

Acreditei que esse episódio trataria muito sobre a prisão de Reese, mas o assunto ficou em segundo plano, quase que esquecido. Não posso deixar de falar de Carter que atravessou uma linha há algum tempo, mas agora ela está muito longe dessa, a ponto de roubar as impressões digitais de Reese, realmente não pensei que isso acabaria bem e nesse gancho que entro finalmente no último episódio exibido Prisioner’s Dilemma.

Esse episódio prometia com Carter tendo de interrogar Reese, a tensão dessa história de investigação, interrogação e Donnelly ali em cima de tudo o que acontecia era muita, foi o tipo de episódio que faz você esquecer tudo e se envolver diretamente na história.

Nunca duvidei que John se sairia muito bem no interrogatório, apesar de toda certeza que Donnelly tinha sobre ele ser o “Homem de Terno”. E a ajuda de Elias, que segue todo um código de conduta, foi primordial para o sucesso da absolvição de John, bem, a quase absolvição. Estava com um pressentimento sobre Carter, ela, por várias vezes, deixou transparecer sua preocupação em relação à verdadeira identidade de Jonh. E foi o aconteceu, a história de John foi convincente para Donnelly, mas ele foi capaz de ver através de Carter e a seguiu encontrando ela juntamente de Reese, e vou admitir que não fiquei nada contente com a cena a última coisa lógica a se fazer era se encontrarem, mas Reese e Carter o fizeram e obviamente foram pegos no flagra.

Outra coisa que fiquei me perguntando durante o episódio foi o porquê de tantos flashbacks com Kara, digo, ela nem estava presente na trama acontecendo em 2013. Então, em outra de suas atitudes nada modestas Kara dá as caras, de caminhão e tudo, interceptando o carro onde Donnelly levava John e Carter presos. Kara é uma personagem intrigante, não se sabe nada sobre o que ela realmente quer, já cheguei a imaginar que é por vingança a Reese, ou até que ela está a mando de Root como sua inforcer, mas não sei se este faz o perfil de Root. Vou dizer aqui de jeito grosseiro que “Só sei que nada sei”, a trama está cada vez mais complicada e todas as teorias que minha mente ousa pensar parecem demasiadamente absurdas e gosto disso parcialmente. Parcialmente porque, pelo lado bom quer dizer que a série tem grandes chances de surpreender e pelo lado ruim pode ser que a trama complicada vai ser difícil de entender e o destino de séries complicadas geralmente não é bom. Mas se o que é passado é prólogo, vale ficar otimista quanto a Person of Interest.

Antes que eu me esqueça, teve Karolina Kurkova no episódio como a dona do CPF da vez, já que a Máquina nunca para, Fusco assumiu o lugar de “Homem de Terno”, mas o caso da semana ficou tão apagado que só sei que teve uma cena muito clássica e engraçada entre Fusco e a moça, e ainda teve um beijo de agradecimento no final que deixou Fusco todo bobo.

Séries citadas:

Estudante universitária, equilibra seu tempo entre livros acadêmicos, seriados e a regência do mundo livre. Depois de muito procurar, encontrou uma dobra no tempo que a permitiu continuar sendo seriadora, e assim mantêm em dia Castle, Suits, Doctor Who e Game of Thrones, entre outros milhares de seriado. É a responsável pelas reviews de Homeland.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account