Log In

Reviews

One Tree Hill – One Tree Hill (Series Finale)

Pin it
Série: One Tree Hill
Episódio: One Tree Hill
Número do episódio: 09×13 - Series Finale
Exibição nos EUA: 04/04/12
79.516129032258
3.9
31

É chegado a hora. Todo início tem o seu fim. E ele se deu hoje, quarta feira 04 de abril de 2012. Hoje foi ao ar o último episódio de One Tree Hill. E junto dele, uma legião de fãs chora com este final. Mas o bom de ressaltar é que a série terminou muito bem, e de quebra, em uma noite super especial. Foram duas horas de especial One Tree Hill na CW, e valeu a pena cada minuto. Este post está dividido em duas partes, com a review do especial que lembrou os melhores momentos da série, e do episódio final em si. Aproveitem.

Review – Especial “Always and Forever”.

Primeiramente, tivemos um especial intitulado “Always and Forever” (“Para sempre e sempre”, para bom fã de One Tree Hill não precisa nem explicar né?). E o que era para ser um filme se tornou uma série amada. Mark Schawhn explicou as razões de fazer One Tree Hill e todo o processo que se deu, de um projeto cinematográfico para uma série de tv (alguma semelhança com o livro do Lucas na última temporada?). Os atores contaram a experiências que viveram no primeiro episódio, assim como as inexperiências e as expectativas. Ainda explicou-se o amor da Carolina do Norte pelos esportes e o basquete, e ainda vimos alguns pedacinhos de Wilmington, local que serviu para nossa Tree Hill durante nove anos.

Neste especial, algumas peças que se tornaram características de One Tree Hill foram lembradas bloco por bloco. A música foi a primeira. O criador Mark Schawhn explicou seu amor por esta arte, e como ele transformou isso em um ponto central para a série, com a abertura da Tric na segunda temporada. Bethany Joy Lenz e Kate Vogoele foram duas atrizes que segundo Mark foram essenciais para que seus objetivos funcionassem. O criador lembrou bastante da segunda temporada, em que Haley entra em turnê com Chris Keller. Tyler Hilton lembrou como foi emocionante fazer parte daquela história.

Digno de lembrança também foram os psicopatas, os acidentes de carros, e os finais de temporadas que só One Tree Hill sabia fazer. Em especial, lembraram do episódio 8.11 – Darkness on the Edge of Town, com o acidente da Brooke. Eles ressaltaram a atuação de Jackson Brundage (Jamie) que enfatiza o quanto foi difícil, mas também excitante fazer as cenas de baixo d´agua. O acidente de Lucas e Haley na quarta temporada foi lembrado com muita emoção, sendo um importante ponto na série, exibido em um feriado nos EUA. Mas nada foi impactante como o famoso “episódio do tiroteiro” 3.16 – With Tired Eyes, Tired Minds, Tired Souls, We Slept. A equipe lembra como foi difícil fazê-lo e matar Keith Scott. Mas Mark ressalta que foi por causa de episódios como esse que One Tree Hill chegou a uma nona temporada.

Em praticamente todos os depoimentos, eles deixaram bem claro o carinho que eles tem pelos fãs, e o agradecimento por esta dedicação. O mais legal é que todos eles reconhecem isso. Mark destacou que sempre fez o show pensando no que os fãs pensavam, e lhe proporcionavam mais interesse. Os fãs ainda tiveram oportunidade de matar as saudades de Peyton e Lucas, que estiveram em várias cenas do especial, relembrando a trajetória deles com direito a “É você Peyton”.

Por fim esta primeira parte mostra a jornada dos personagens. Como que em nove temporadas, a série deixou de ser uma história de filhos e pais, mas sim de pais e filhos. Mostrou cenas exclusivas dos bastidores do episódio final, com os atores comentando de como foi difícil estar pela ultima vez em determinados lugares, como a Rivercout, Karen’s Café entre outros. É claro que foi um especial de se emocionar sem dúvidas nenhuma e deu presságio para um episódio final incrível.

Review do Episódio Final.

É a história mais antiga do mundo. Um dia você tem 17 anos, e está planejando o futuro. E então sem perceber, o futuro é hoje. E então, o futuro foi ontem. E essa é a sua vida. Se tivesse um amigo que nunca mais fosse ver, o que você diria? Se pudesse fazer uma última coisa para alguém que ama… o que seria? Diga. Faça. Não espere. Não dura para sempre.

É com estas palavras que o criador Mark Schawhn, na voz de Nathan Scott e Brooke Davis, começa o último episódio de One Tree Hill. É assim que começamos a nossa despedida destes amigos que acompanhamos desde 2003. Em um último sussurro chegamos ao fim da jornada. Em um episódio que foi simplesmente magnífico nossa amada série conseguiu se despedir muito bem, dando um tapa na cara de quem desacreditava na realização deste feito.

Começar o episódio com imagens das primeiras temporadas dos nossos protagonistas Nathan, Brooke e Haley foi no mínimo emocionante. E a choradeira já começou nos minutos iniciais. O episódio girou entorno do significado do tempo e do seu impacto na vida de todas as pessoas. Sob o fundo, os dez anos da Tric faziam jus a um local que abrigou tantos momentos na série. E foi em cada fala, cada gesto, que Mark conversava conosco. E assim, os atores também se emocionavam a cada ato: “O tempo que passamos juntos significou muito e sem vocês, nós não estaríamos aqui” diz Haley, emocionada, ao público do Tric. O bacana disso tudo, é que todos eles têm ciência de como os fãs de One Tree Hill levaram a série até onde ela chegou. Sendo as madrugadas no Twitter implorando por uma renovação, ou o movimento em petições como “Save One Tree Hill” no final da sétima temporada. Eu tenho muito orgulho de fazer parte destas pessoas que lutaram pela sobrevivência da série, e que tiveram uma resposta orgulhosa de onde a série chegou.

E o que apontar deste episódio final? O primeiro ponto que tenho de falar é que até no último episódio One Tree Hill nos apresentou músicas e bandas formidáveis, assim como ao longo de seus quase dez anos. A música Half Moon que abriu o episódio, por exemplo, da banda Blind Pilot, não sai da minha playlist. E assim como tantas outras, reconheço que muito do meu gosto musical, veio de bandas que se apresentaram em One Tree Hill. Além de Blind Pilot, quem também se apresentou na noite foram Haley James Scott e Chris Keller. Todo mundo esperava um “When Stars go Blue”, mas mesmo assim, os dois arrasam individualmente. Mas a atração mais esperada da noite, não tinha jeito: Gavin DeGraw. Quando começou a tocar Belief meu coração já disparou. A série nos apresentou ao cantor, responsável pelo tema de abertura, e desde lá muita musica boa veio. E claro, “I don’t wanna be” não poderia ficar de fora do repertório. O elenco todo cantando, de frente para o palco, representou a legião de fãs que cantou junto com o coro o refrão do melhor tema de abertura da década. Inesquecível, emocionante e único.

E em um episódio em que lágrimas eram garantidas, até o humor da série esteve presente, com Chris Keller e Chase. Ambos terminaram mulherengos, atrás das gêmeas robôs. Chase que foi um personagem bem coadjuvante e que ganhou um destaque maior na ultima temporada, esteve bem, e passou longe de Alex Dupre e Mia Catalano. Acho que ele pensará duas vezes antes de namorar uma cantora. Chris, que voltou na última temporada, não fez nada que preste na gravadora. Haley teve que o demitir apenas para o contratar como artista. Era hora de Keller brilhar novamente nos palcos, e sem dúvida nenhuma fazer o sucesso que faz. O ator Tyler Hilton é um excelente cantor, e deveria ser feito justiça sobre isso. O cara fez um tremendo show na despedida do Tric. “Chris Keller diz ‘de nada’”, é claro, nós agradecemos.

Mouth foi outro personagem que encontrou o seu lugar na série. O personagem que desde o piloto esteve presente, é muito querido pelos fãs, e ao que tudo indica será feliz por muito tempo. Primeiro, ele ganhou parte da herança de Dan Scott. “O que você faz importa”. One Tree Hill sempre passou esta mensagem, desde os desenhos de Peyton. Com o dinheiro, Mouth investiu em bolsas para faculdade de esportes. E Marvin McFadden viu seu sonho tornar-se verdade, sendo novamente âncora de esportes. Com direito a bordão e tudo, usado pelo seu eterno amigo, Jimmy Edwards. No final, Millie ainda termina grávida, para a surpresa de todos. Fiquei bastante feliz pelo final dos dois.

Em um episódio no qual tudo era lágrimas, até Clay e Quinn me fizeram chorar. O casal, que agora cria Logan, teve um final mais do que legal. Os dois finalmente iam ter um casamento todo chique, com torta de banana e tudo, mas um simples gesto é bem melhor do que aparências. E os dois resolvem casar no mesmo dia em que adotam a criança. Logan me emocionou duas vezes neste episódio – quando ele diz para Clay: “Você já é meu pai, papai”, e quando ele chama Quinn de “mãe”. Foi de fato, muito emocionante. Lá nas primeiras reviews desta temporada eu disse que Clay tinha poucos episódios para me conquistar, e que achava isso meio impossível. Bem, depois destes episódios e deste final digo que Clay conseguiu me cativar, e fico feliz que ele tenha encontrado também a felicidade. Não posso deixar de falar, também, da participação da atrapalhada Bevin, que virou assistente do cartório. Dei boas risadas quando a vi.

Agora, por favor, voltem suas atenções a Brooke Davis. Nossa amada personagem finalmente conseguiu ter seu final feliz. A Baker Man conseguiu se consolidar, assim como a série de Julian baseada no livro de Lucas. Brooke, durante o episódio, transitava entre um cenário e outro, e foi emocionante rever o quarto da Peyton, a porta com os nomes dos pretendentes, os corredores do Tree Hill High. Sophia Bush esteve bastante emocionada no episódio. Em uma das últimas cenas Brooke disse “Parece que foi ontem. Mas eu ainda aguardo essas recordações no meu coração”. Sophia sempre soube passar sua emoção, e aquela ali dizendo não era a Brooke, era Sophia. Foi emocionante dar nosso último adeus à Brooke Davis.

A cena de Brooke com Haley no Karen’s Café também ficará marcada. Primeiro porque Haley, assim como Karen, começa a colocar livros nas mesas para os clientes. Porém, depois, Brooke e Haley têm a sua última cena, em que ambas enfatizam a amizade que as duas tiveram. Brooke alugou a loja de frente para o Karen’s Café, e junto com Haley, tem a esquina da rua “Grace” somente para elas. Nada de concorrente, nada de brigas. Somente a graça da amizade que reinou e reinará por muito tempo em Tree Hill. Para completar, Julian realizou um sonho para Brooke. Ele comprou a casa em que ela morava com os pais, lá nas temporadas iniciais. “A garota por trás da porta vermelha” como dizia Lucas. Boa noite Brooke Davis, e obrigado por nos ensinar tanta coisa.

Haley e Nathan obviamente também tiveram seu final feliz. E era o final mais esperado da noite, sem dúvida nenhuma. Nathan foi uma das almas que moveu o show desde o início. James Lafferty cresceu muito como ator, e durante estes nove anos teve cenas incríveis na série. No último episódio me emocionei com ele aconselhando Jamie sobre sua trajetória nos esportes. “Você não deve nada para ninguém. Apenas para si mesmo. Você tem que achar o que te faz feliz”. Jamie, claro se tornaria um bom jogador de basquete, mas ele deixou claro que a influencia que o pai e o avô tiveram para ele foram essenciais. Ver os nomes deles escrito na parede do ginásio do colégio foi emocionante. Nostalgia pura.

Nostalgia também foi a cena em que Haley teve com Jamie no alto do prédio do Karens Café. Lá, ela abriu o tijolo que servia de esconderijo para o “pote dos desejos” dela e do Lucas. Apenas um estojo de lata, em que eles depositavam os seus desejos, e escondiam para que ninguém soubesse. Haley afirma que quase todos se realizaram, em meio a muitos obstáculos, é claro. Mas que agora, aquele era o segredo de Jamie. Ele deveria depositar os seus desejos ali, e não contar para ninguém (“apenas para sua mãe, é claro”, disse Haley rindo). E o primeiro de Jamie é “quebrar os recordes do papai”. Grande criança. Parabéns para Jackson Brundage, que cresceu nas telinhas, e desde a quinta temporada fez a alegria dos fãs de One Tree Hill como o filho de Haley e Nathan. E em uma das grandes cenas do episódio, Haley e Jamie observam o por do sol de Tree Hill: “Só existe uma Tree Hill Jamie Scott, e ela é seu lar”. Como não chorar com esta frase, dita por Karen lá no final da primeira temporada? Foi muito bom mesmo.

O casal em si teve uma cena bem emocionante para os fãs. Nathan preparou um jantar para a senhora James-Scott, com direito a Macarrão com Queijo, a “comida dos Deuses”. E de sobremesa, uma caixinha de Cracker Jack com uma surpresinha: uma pulseira. “Nunca diga eu não lhe dei nada”. Exatamente como no terceiro episódio lá da primeira temporada. E para completar, os dois tem uma cena romântica debaixo da chuva, simbolizando vários momentos de um dos casais mais favoritos de One Tree Hill. Uma bonita despedida para os eternos “Naley”.

Ao som de One Tree Hill,  do U2 (música que inspirou Mark Schawhn), a série se despediu de seus fãs. Em cenas simples que tocaram o coração durante os nove anos de show. Houve uma passagem de tempo, e vemos as crianças um pouco maiores, e todo o elenco reunido na quadra do Tree Hill High, onde tudo começou, esperando o jogo de Jamie começar. Foi a última cena. Do mesmo jeito que começou o episódio, nosso trio principal se vê mais jovem, e completando a narração com uma das melhores citações da série, usada no episódio 5.13 – Echoes, Silencie, Patience and Grace.

Faça um pedido e coloque no coração. Qualquer coisa que você quiser. Tudo o que você quiser. Você fez? Ótimo. Agora acredite que pode se tornar realidade. Você nunca sabe de onde sairá o próximo milagre, a próxima memória. O próximo sorriso. O próximo desejo que se tornará realidade. Mas se acreditar que está logo adiante, e abrir seu coração e mente para a possibilidade, para a certeza… pode ser que consiga o que queria. O mundo está cheio de mágica. É só acreditar nela. Então faça um pedido. Fez? Bom. Agora acredite nele. Com todo o seu coração.

Emociono-me ao lembrar isso. Foi o último ato. E a série se despede com a camisa de Jamie em tela. O legado dos Scott continuou.

One Tree Hill me ensinou muitas coisas. Eu não tenho palavras para expressar  quanto esta serie me tocou durante os nove anos que assisti esta série. Quando fui convocado para resenhar esta ultima temporada no Teleséries, foi um misto de felicidade junto com um desafio. Porque eu sabia que ia ser dificil fazer isso. Durante todos estes anos, a mensagem que Mark tentou passar, é muito simples: Acredite no seu sonho. Há magia em qualquer filamento de ar que você possa respirar e imaginar. Eu aprendi muito com esta série, e será uma perda irreparável com certeza. Ela entrou no hall de melhores séries, com certeza. Eu só tenho a agradecer a Mark Schawhn por nos dar este presente que foi esta série, e este series finale que foi incrivelmente emocionante. E agradecer também a todos vocês que me acompanharam, comentando aqui no Teleséries, pelo Twitter ou pelo Facebook. Foi incrível a participação de vocês. Os fãs de One Tree Hill são os melhores, não canso de repetir isso. Essa última review é dedicada a todos vocês, principalmente os companheiros do grupo One Tree Hill no facebook, o pessoal da comunidade oficial no Orkut entre outros. Nos encontramos em alguma review no Teleseries. Abraços e um sincero OBRIGADO bastante emocionado.

Séries citadas:

Mineiro, professor e aficionado por séries. No TeleSéries resenha as séries Hawaii Five-0 e Saving Hope. Mas também é apaixonado por Grey's Anatomy,'CSI, Rookie Blue, The Vampire Diaries, The Good Wife, Homeland, The Walking Dead e muuuitas outras...

62 Comments

  1. Anderson Narciso

    Que bom Raquel. Esta série é incrivel. Uma das melhores, se não a melhor série da minha vida. Bom saber que ela te tocou … vai deixar mta saudade, mas vao ter belas recordações!

  2. eliane

    parei de assisti quando lucas e peython sairam da serie eles muito lindos juntos assim com a haley e o nathan

  3. Ana

    Pessoal, me ajudem!
    Tem um episodio em que o Mouth faz uma cita;cão sobre esporte.
    Um tempo atrás até achei na internet mas não consegui mais.
    Alguém lembra mais ou menos em que episodio que foi ou onde eu posso encontrar?
    Obrigada desde já

  4. Vânia Rodrigues

    Definitivamente OTH foi a melhor de todas as series q eu assisti, além de ser uma história emocionante é tb uma lição de vida… eu não senti a menor falta de Leyton (eu nunca me conformei com fim de Brucas hehe’ se fosse p ele ficar cm a Peyton q ficasse bem longe mesmo), mas apesar disso eh muito impressionante uma serie sobreviver sem dois de seus protagonistas e continuar fazendo sucesso… tiro meu chapéu para o Mark!!!

  5. Estela Minas

    Adorei o texto! Parabéns Anderson! Soube descrever perfeitamente o
    sentimento que todos sentimos com o fim de One Three Hill! Realmente,
    essa série vai ficar marcada em minha vida, preciso comprar os boxes com
    todas as temporadas! rs O que eu queria mesmo era que este seriado me
    acompanhasse por toda a minha vida! Cada episódio é uma veradeira lição
    de vida, seja através dos erros dos personagens ou dos acertos. Sem
    futilidade, modismo ou ficção super exagerada, One Three Hill terminou
    com força, graça, determinação, amor, amizade, redenção, coragem e
    felicidade. De verdade. Amei! A melhor série de todaaaas! =)

  6. Camila

    Amei a serie desde que assisti a primeira vez, e assim que Lucas e Peyton, fiquei um bom tempo sem assistir, e voltei a pouco tempo, amei mesmo ter voltado, nao ficou tao a desejar como eu imaginava, porem uma ressalva…achei mto falso o fato deles lembrarem dos que sairam como os 2 e a karen e nunca se falarem, pelo menos que fosse no tel e só dissesse eu tb to com saudade lucas, ou peyton, mas na verdade foi como se deixassem de existir, os amigos lembravam ate mais do keith do que deles, enfim, até no episodio que lucas voltou, achei que deixou mto a desejar, como assim??? a brooke que era tao amiga dos 2 nao foi no aeroporto tb para ve-lo ao menos, ao inves disso foi na prisao ver quem espancou ela…como assim???e nem ele perguntou por ela, e nem demonstrou qqr sentimento pelo irmao desaparecido, antes nao tivesse aparecido…podia ter sido um pouco mais emocionante essa volta dele, ja que foi uma participaçao rapida e especial….enfim….tirando isso, adorei o desfecho, os novos personagens que surgiram e passamos a prestar e torcer mais pelos outros personagens que antes mal aparecia…

  7. Rhayara

    Mesmo depois do término da série, há mais de um ano, ler isso, definitivamente, emociona todos os fãs! One Tree Hill foi mais que “uma série” e me sinto gratificada por fazer parte desta história desde o início. Não posso expressar com meras palavras o significado e aprendizado que tive durante os nove anos. Tudo que nos resta é agradecer…
    Tree Hill always be our home!

  8. Thatyane Costa

    Minha série preferida, amo de paixão queria que tivesse a 10º temporada! <3
    Tree Hill é a minha vida!

  9. Samara

    Acabei de fazer maratona de One Tree Hill, me bateu uma saudade tão grande, OTH foi a série que me acompanhou da infância para adolescência e o inicio da minha vida adulta e de certa forma ajudou muito moldar o meu caráter e engraçado sempre é tempo de OTH resolvi ver novamente agora já adulta e vi o quanto aprendi sobre perdão com o Jamies e dessa vez tenho que dizer que consegui entender que o Dan apesar de todos os erros é um personagem que merece ser amado, pois sempre é tempo de perdoar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account