Log In

Gastronomia

O Natal da família Walsh

Pin it
Aprenda a fazer o Peru de Natal e relembre, ao mesmo tempo, de um episódio antológico de Beverly Hills, 90210.

Beverly Hills, 90210 - A Walsh Family Christmas
Kelly:

Sabe aquele grande jantar que minha mãe estava preparando para David e o pai dele?

Brenda:

Sua mãe esqueceu de descongelar o peru?

Cindy Walsh tem um problema: ela está com saudade do antigo lar e com calor – tanto calor que ela está vestindo bermudas no meio de dezembro. É o primeiro Natal da família na Califórnia – no ano anterior visitaram os parentes que ficaram em Minnesota mas Jim, seu marido, quer ficar em Beverly Hills desta vez e estabelecer novas tradições familiares.

Para começar, no próximo ano terá de comprar a árvore mais cedo. Em Minneapolis ele comprava dois dias antes do Natal, pois naquele clima gelado isso lhe garantia árvores mais frescas. No calor da Califórnia, porém, esse hábito rendeu-lhe apenas sobras de plantas esturricadas pelo sol. Nada que um pouco de tinta verde e muita boa vontade não resolvam.

Cindy:

No ano que vem vamos comprar uma falsa.

Brenda:

Aquela era Cindy Walsh ou Ebenezer Scrooge?

Outro problema doméstico aparece quando Jim e Cindy convidam os amigos dos seus filhos gêmeos Brandon e Brenda para a ceia: um a um, os amigos declinam. Donna Martin vai esquiar com a família em Mammoth; Kelly Taylor passará a data com a mãe Jackie, o namorado da mãe e o filho dele, David Silver.

Steve Sanders está no Novo México à procura da mãe biológica, que o entregou para adoção quando ele nasceu; Dylan vai visitar o pai que foi preso por evasão fiscal; Andrea Zuckerman é filha de pai judeu e mãe católica – para evitarem briga, não comemoram “nem o Natal, nem a Chanucá”.

Obs.: se fosse Titia Batata comemoraria tudo. Festa é festa!

Beverly Hills, 90210 - A Walsh Family Christmas

Mesmo assim Cindy não desanima e prepara uma ceia com tudo a que tem direito, o que inclui um gordo peru.

Cindy Walsh:

Espero que gostem de peru, haverá sobras por meses.

O peru doméstico descende dos perus selvagens nativos das florestas da América do Norte. O nome turkey é um diminutivo de Turkey fowl, uma ave nativa da Europa Central até a Turquia que os colonizadores europeus confundiram com a que encontraram na América. Já a palavra peru também vem de um país – no caso, o sul-americano Peru. Segundo o dicionário Houaiss:

Etimologia
prov. do top. Peru, por acreditar-se no sXVI que era dali que se exportava a ave para Portugal; além do mais, no Portugal do s. XVI, segundo relata JM, a fama do Peru era tal que, metonimicamente, entre os portugueses, passa a significar a América espanhola.

A receita – Peru ao vinho branco

Ingredientes para 15 pessoas
1 peru inteiro de 9 kg
300 g de manteiga gelada em cubos
450 g de cenoura, as mais novinhas que conseguir, em rodelas grossas [ou baby carrots, se achar]
2 cebola grandes em rodelas grossas
3 talos de salsão em rodelas grossas
1 cabeça inteira de alho, cortada na transversal
3 colheres [sopa] de tomilho fresco picado
3 colheres [sopa] de salva fresca picada
2 folhas de louro
1 garrafa [750 ml] de vinho Chardonnay gelado
sal e pimenta do reino a gosto

Mode de fazer
Na véspera: descongele a ave.

No dia: Preaqueça o forno a 150º C. Retire o pescoço e o pacote de miúdos de dentro do peru e lave-o bem sob a água corrente, por dentro e por fora. Seque-o com toalhas de papel e coloque-o na assadeira. Usando os seus dedos, descole a pele do peito da ave, puxando a partir do pescoço com cuidado para não rasgar. Coloque a manteiga entre a pele e a carne, distribuindo uniformemente, e prenda no pescoço com alguns palitos de dente para a manteiga não vazar quando aquecer.

Numa tigela grande misture as cenouras, cebolas, salsão, as duas metades da cabeça de alho [sim, não precisa descascar dente por dente, não é uma marravilha?], tomilho, salva, louro, sal e pimenta a gosto. Coloque dentro do peru, se não couber tudo distribua o que sobrou na assadeira – é melhor usar uma grande e funda, tem umas que vêm com uma grelha para encaixar, se tiver uma dessas é melhor ainda.

Coloque o peru de pé na assadeira – talvez você precise de uma mão aqui. Errr, quero dizer… Segure a ave com o lado onde estaria a cabeça para cima e despeje o vinho dentro da abertura, deixando-o vazar para a assadeira. Deite o peru e costure a abertura do pescoço com palitos. Cubra com papel alumínio e asse por cerca de sete horas, até que a carne dos ossos esteja cozida.

Retire o papel alumínio e asse por mais 25 a 30 minutos para corar. Retire todos os palitos e, com uma colher, retire o recheio e coloque-o ao lado do peru. Deixe descansando durante 10 minutos antes de cortar – tadinho, ele passou o dia inteiro no forno.

Você pode usar um peru menor ou substituir por outra ave; neste caso ajuste tempos e medidas.

Molho
O molho que acompanha o peru assado tem três utilidades: aproveita o pacote de miúdos que vem dentro dele; retira a crosta da assadeira, facilitando a limpeza; é gostoso!

Lave bem o pescoço e os miúdos e coloque-os numa panela grande com um litro de água. Adicione uma cenoura fatiada, uma cebola fatiada com casca, salsão, salsinha, sal e pimenta. Cozinhe em fogo brando por uma hora, desligue o fogo e coe. Se quiser, retire a pele do pescoço e um pouco de carne dos miúdos, pique bem picadinho e junte ao caldo. Descarte o resto.

Depois que o peru estiver assado, retire-o da assadeira. Retire o vegetais que porventura tenham ficado do lado de fora da ave. Despeje a gordura e o molho que ficou no fundo da assadeira numa vasilha e espere assentar. A gordura vai se separar e boiar: separe-a em outra tigela com a ajuda de uma colher.

Coloque a assadeira no fogão [provavelmente terá de usar duas bocas] em fogo baixo. Junte 6 colheres [sopa] da gordura que separou e 6 de farinha. Misture bem com um fouet ou colher de pau até ficar marrom clarinho, raspando a crosta do fundo no processo e cuidando para não empelotar. Meça o molho que tinha ficado na assadeira [aquele que você tirou a gordura] e complete com o caldo quente dos miúdos até completar 1 litro, na proporção 1:3 [1 xícara de molho para 3 de caldo]. Coloque na assadeira e deixe apurar por 2 ou 3 minutos, mexendo sempre.

Se ficou muito ralo, deixe no fogo mais um pouco; se ficou grosso adicione caldo de miúdos. Se empelotar lembre-se de O Diário de Bridget Jones: você pode peneirar ou usar um mixer manual. Você pode congelar o caldo de miúdos para usar em sopas.

Sirva em molheiras.

Cindy ainda serviu sidra de maçãs gelada e pudim de ameixas, além da mousse de chocolate de Jackie e alguma coisa que Andrea trouxe e não consegui identificar. O pudim de ameixas mencionado é oplum pudding, também conhecido por Christmas pudding. Eu ia acrescentar a receita aqui, mas a coluna ficaria [ainda mais] gigantesca. Além disso, ele precisa ser preparado com bastante antecedência um mês ou mais]. O pudim de Natal é um elemento importante também no episódio O Roubo do Rubi Real [de Poirot, s03e09].

Beverly Hills, 90210 - A Walsh Family Christmas
O episódio

O especial de Natal de Beverly Hills, 90210 (Barrados no Baile), intitulado A Walsh Family Christmas e exibido em 19 de dezembro de 1991 com uma hora e meia de duração, teve a participação de todos os personagens da série. Até Emily Valentine apareceu, mesmo ainda internada no hospital psiquiátrico após o episódio em que perseguiu Brandon e tentou botar fogo no trabalho da turma. Brandon lhe deu a sua camisa favorita, mas o melhor presente foi o perdão dos amigos.

Um detalhe interessante desse episódio é que os presentes são um detalhe pouco importante, considerando-se o meio social em que se passa. Dylan levou para o pai algum alimento e distração para passar o tempo na prisão; Kelly chegou a cogitar um presente extra para a mãe não ficar deprimida com a “furada” de Mel ao jantar e para evitar que ela recaísse no alcoolismo, mas Brenda ofereceu uma alternativa melhor ao convidá-las para a ceia.

Beverly Hills, 90210 - A Walsh Family Christmas
[Dylan oferece um candy cane para Brenda.]

Dylan:

Um Papai Noel doidão estava distribuindo lá fora. Provavelmente está envenenado.

Brenda:

Oh, este é o espírito do Natal.

Dylan:

Diga-me, Bren, o que é o espírito do Natal, de qualquer forma? Vá ali fora. As pessoas se empurram umas às outras na calçada, estão brigando por um lugar pra estacionar, vão gastar um dinheiro que não têm. Pra quê? Todo mundo esqueceu do que se trata. Eles nem mesmo sabem, pra começar.

Brenda:

Bom, eu não esqueci.

Dylan:

Não… Aposto que não.

A ênfase do roteiro se concentra na generosidade, na amizade e na família e mostra alguns momentos bem sentimentais como a reconciliação entre Dylan e o pai; o encontro de Steve com o avô e o reconhecimento que o jovem tem para com a mãe verdadeira, isto é, a que o adotou; o reencontro de Brandon e Emily; a declaração de amor de Mel; o aniversário de Donna, etc.

Para mim, porém, os momentos mais emocionantes foram protagonizados por Nat e por Brenda. Eles demonstraram uma generosidade e uma fé na humanidade que é difícil de ver por aí, a generosidade para com estranhos. Mais ainda, uma generosidade sem orgulho, sem esperar reconhecimento, sem soberba. Mostrou que generosidade não se faz apenas com coisas materiais caras, às vezes basta um café e um sanduíche, ou cantar para alguém, ou confiar num desconhecido, ou ser gentil.

Esse é o espírito dessa época do ano, espalhá-lo vai de cada um.

E Cindy conseguiu afinal o seu Natal com a casa cheia de gente e até neve!

Séries citadas:

10 Comments

  1. Paulo Serpa Antunes

    Rarará, clássico!

    Lembro que quando eu era garoto eu achava Barrados no Baile o máximo da rebeldia – triângulos amorosos, garotos quebrando as regras, Dylan quebrando tudo, waal. Minha mãe, psicóloga, via aquilo e comentava que a série era totalmente moralista. E eu não entendia, rarará! Ela estava certa era totalmente careta, especialmente na fase Brenda, e este episódio é o resumo perfeito disto.

    O que é a Donna no colo do Papai Noel misterioso, rarará!

    O meu episódio favorito de Natal de Barrados, no entanto, é o da terceira temporada, do acidente de ônibus. Até escrevi sobre ele num Top 10 episódios de Natal que fizemos pro TeleSéries há alguns anos.

    Sobre o peru, no ano passado eu aproveitei os miúdos. O treco é nojento, mas realmente dá gosto ao molho!

    Obrigado pelas lembranças Naomi, feliz Natal!

  2. Claire

    Esse texto qse me fez chorar.. damn it! que saudades que sinto dos natais dos Walsh :/.. e de tudo naquela época, eu era tão guria ai ai…

  3. Pingback: Tweets that mention O Natal da família Walsh -- Topsy.com

  4. Tati Leite

    Moralista³, né?! Sua mãe tinha razão e nós achando que era ‘super rebelde’.

    Eu lembro que era ‘a estranha’ porque eu achava a Brenda chata e não queria fazer parte da família o Walsh. Adorava a série mas meus prediletos sempre foram Kelly (até a fase que era vira a Brenda), Steve, Andrea e David.

    Imagina hoje uma cena com a Donna no colo do Papai Noel misterioso?! Ainda mais com esse micro vestido. Ia ter muita reclamação das Sarahs Palin da vida. (risos)

  5. Pingback: Relembre o episódio de Natal de "Barrados no Baile" | Notícias na Web

  6. Pingback: Domingueiras « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  7. Pingback: O sanduíche de turducken que deixou Dean Winchester chapado em Supernatural

  8. Pingback: Seinfeld e o Kenny Roger’s Roaster Chicken

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account