Log In

Colunas e Seções Estilo

O estilo “apaixonado”

Pin it

Para quem não tem namorado, junho é o mês das festas juninas, tempo de enfiar o pé na jaca – digo, no pé de moleque, quentão, pipoca, bolo de fubá, chocolate quente… – e aproveitar as guloseimas do mês mais  gostoso do ano. Para quem namora, entretanto, esse mês tem um gostinho ainda mais especial: no próximo dia 12, é Dia dos Namorados. Aaaaaaah! E como não dá para deixar a data passar em branco vermelho é a cor da paixão, a coluna Estilo desse mês está toda… sentimental.

Nessa edição, a gente não só quer agradar o coração dos shippers de plantão – existe coisa mais emocionante do que shippar um casal da telinha? -, como também quer mostrar que, quando se ama alguém, nada mais importa. Quem ama de verdade não não liga para cor, tipo de tecido, preço de grife… e muito menos para idade, raça, religião ou opção sexual. Como diria Mario Quintana, “Tão bom morrer de amor! E continuar vivendo…”

Blair e Chuck – Gossip Girl

blair e chuck

Não adianta! A série Gossip Girl é uma constante nas edições dessa coluna, mas não dá para evitar. O seriado da CW foi um dos mais fashionistas de todos os tempos e ditou tendências que sobrevivem até hoje, depois do cancelamento da atração. No Upper East Side de nova Iorque, onde a série se passava, o casal Chuck e Blair sempre foi um dos preferidos do público. O casalzinho, de início, era bem improvável, já que eles começaram a primeira temporada fazendo mais uma parceria de vilanias do que de amor, propriamente dito. Mas, ao longo dos anos, os dois tiveram idas e vindas e o amor acabou prevalecendo, no final de tudo.

Além de terem personalidades cool, eles também eram os mais estilosos dentre os personagens da série! Blair não tinha um estilo definido – ela ia desde o visual romântico, passava pelo “lolita” e aparecia até em looks com pegada rock ‘n’ roll – e era a maior inspiradora de tendências do programa. Os vestidos florais prevaleciam, assim como as meias-calças (quem não se lembra da moda das meias-calças coloridas?). Chuck fazia o mesmo estilo da namorada – moderno, sem perder a linha. Era comum ver o personagem em camisas com estampa xadrez e suspensórios, já que, embora ele fosse jovem e usasse visuais divertidos, ele também era herdeiro de uma das famílias mais importantes da Big Apple, não podendo, portanto, perder o equilíbrio.

Rachel e Finn – Glee

rachel finn

Outro casal improvável foi Rachel e Finn. Ela, menina romântica e sonhadora que queria ser uma diva da música, suspirava pelo esportista Finn, o bonitão popular da escola. E foi no palco do teatro do colégio que o amor deles cantou e encantou espectadores do mundo inteiro na aclamada série da Fox – mesmos espectadores que ficaram emudecidos com a morte prematura e inesperada do ator Cory Monteith, que interpretava o Finn, aos 31 anos. O amor de Rachel e Finn era tão especial que transcendeu as telinhas e foi parar no mundo real. Lea Michele e Monteith formavam um dos casais mais queridos e talentosos de Hollywood.

Na série, a Rachel, como eu disse antes, era uma jovem romântica e cheia de sonhos. Isso se refletia no figurino da personagem, que usava estampa de poá (ou bolinhas), babados, aconchegantes cardigãs e cabelos escovados. Finn parecia um verdadeiro príncipe encantado: era alto, tinha o cabelo bem cortado e alinhado e usava suéteres que caiam com perfeição em seu corpo atlético. Era impossível não suspirar por esse casal!

 

Ned e Chuck – Pushing Daisies

ned chuck

Está para existir casal mais chameguinho do que Ned e Chuck, de Pushing Daisies. E se tem um amor que pode ser chamado de “improvável” é o deles! Na série cult criada por Bryan Fuller (Hannibal, Dead Like Me), Ned era um confeiteiro que tinha dedos mágicos. Não, não estou dizendo que ele tinha um talento único para preparar as tortas vendidas no Pie Hole. É que o personagem interpretado por Lee Pace tinha um talento especial: ao tocar uma coisa morta, ela viveria novamente. Se ele a tocasse mais uma vez, então, essa “coisa” (que poderia ser desde uma pessoa até uma planta) morreria para sempre. No primeiro episódio, Chuck – o amor de infância de Ned – é assassinada e ele decide trazê-la de volta à vida. A partir de então, eles nunca mais devem se tocar – ainda que sejam apaixonados e vivam sob o mesmo teto. Dizem que o amor tem desses sacrifícios…

Ned fazia a linha “certinho e tímido”, por isso, suas roupas nunca chamavam muita atenção. Ele usava camisas e casacos em tom neutro, cabelo desgrenhado – como quem não liga para isso – e, claro, o tradicional avental branco, de confeiteiro. Chuck também era uma moça romântica, apaixonada por abelhas. O figurino dela tinha tons pastéis – como o próprio amarelo -, e vermelho, mostrando que, apesar da meiguice, Chuck sabia muito bem o que queria da vida – afinal, ela já havia a perdido uma vez.

pd1

Alana Bloom e Hannibal Lecter – Hannibal

alana hannibal

Apesar de exercerem a mesma profissão – a Psiquiatria -, não dá para dizer que a Dra. Alana Bloom e o Dr. Hannibal Lecter são exatamente um casal com grandes probabilidades. Desde o começo da série, Alana deixava claro que não concordava com a metodologia de tratamento adotada por Hannibal e se preocupava com a influência que ele exercia sobre Will Graham, o agente especial do FBI por quem ela arrastava um bonde inteiro! Mas como Will se tornou, cada vez mais, um homem problemático e cuja sanidade mental era mais do que questionada, a Dra. Bloom, arrasada, foi buscar consolo logo nos braços do “melhor amigo” dele. É de se compreender: apesar de o personagem ser ultra engomadinho, Mads Mikkelsen, que interpreta o famoso serial killer, é um dos atores mais charmosos da atualidade.

Alana é uma mulher bem-sucedida de trinta e poucos anos, trabalha para o FBI e tem sempre um semblante sério. O figurino dela, portanto, é composto majoritariamente por cores sóbrias – verde e azul escuro, por exemplo. Como a série é gravada no Canadá, uma região bastante fria do planeta, a personagem está sempre vestindo um trench coat, que garante toda a seriedade e elegância que uma agente federal precisa ter. Hannibal não fica distante disso. O personagem criado pelo escritor Thomas Harris é um homem refinado, conhecedor da cultura erudita, e não tem um fio de cabelo fora do lugar. O Dr. Lecter da série tem uma coleção de ternos (e gravatas) de fazer inveja a qualquer homem e o de estampa xadrez é um must have.

Mas, se na série da NBC, Hannibal é todo alinhadinho, o mesmo a gente não pode dizer sobre os bastidores…

hannibal alana

Ned e Felix – The Normal Heart

ned felix

Nos anos 80, período em que o telefilme The Normal Heart se passa, a história de amor entre Ned (Mark Ruffalo) e Felix (Matt Bomer) era bastante improvável – e eles tiveram que não só lutar pelos direitos dos homossexuais, como pela própria vida, já que o filme conta a história do surgimento da AIDS. Hoje, mais de trinta anos depois, felizmente, essa história parece bem mais provável (embora haja, sim, muito o que se conquistar pelos direitos dos homossexuais). O telefilme da HBO, dirigido por RYan Murphy (criador de Glee) e que estreou no mês passado na grade da emissora, vem recebendo a aclamação crítica que merece e, também, vem comovendo audiências no mundo inteiro. Taylor Kistch, Jonathan Gross, Jim Parsons e Julia Roberts completam o elenco.

Na trama, Ruffalo dá vida ao polêmico escritor Ned Weeks, inspirado no ativista Larry Kramer. Ned não tem vergonha nenhuma de sair gritando por aí que é gay e luta, com todas as forças, para salvar homens e mulheres do vírus da AIDS, que já matou centenas de milhares. Ele não liga para a aparência, não tem corpo atlético e ostenta um estilo de se vestir bastante básico. Nada disso impede que ele se apaixone – e seja intensamente correspondido – pelo jornalista Felix Turner, um homem lindo e bem vestido, que trabalho no prestigiado The New York Times.

O telefilme é inspirado na peça da Broadway que já havia comovido os nova-iorquinos alguns anos atrás. Se você ainda não viu, fica a dica: é um filme lindo para ver com o namorado ou a namorada.

 

E muito amor para todo mundo! =]

Séries citadas:

É jornalista formada pela Unesp e pós-graduanda em Gestão Cultural. No TeleSéries, escreve mensalmente a coluna Estilo. Aficionada pelas histórias de terror, sobrenaturais e de mistério, também não dispensa aquela comediazinha romântica... Pushing Daisies, Jeannie é um Gênio, A Feiticeira, Riget, Lost in Austen, Wonderfalls, Samantha Who?, Copper, Harper's Island e Hannibal estão entre suas séries preferidas de todos os tempos! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account