Log In

Audiência Colunas e Seções

Nova versão de ‘A Noviça Rebelde’, com Carrie Underwood, é “morna” em termos de audiência (audiência na TV americana 1 a 6 de dezembro)

Pin it

The Sound of  Music 

Na semana que passou The Sound of Music, exibido pela NBC, monopolizou comentários, críticas e reviews junto à crítica especializada em TV e, adicionalmente, foi o segundo tópico de conversação no Twitter, superado somente pela morte de Nelson Mandela.

Depois de um investimento de nove milhões de dólares na produção do show e semanas de propaganda adicional, a nova versão de A Noviça Rebelde ficou, também, com o segundo posto na demo 18-49 anos no horário nobre da quinta-feira, 5 de dezembro, com 4.6 pontos junto ao público alvo. O primeiro posto ficou com The Big Bang Theory, com um índice de audiência de 4.8 pontos junto a esse mesmo público. Embora não sirva de consolo, o público total de The Sound of Music foi de 18,62 milhões de pessoas, fazendo do programa o show mais visto da semana neste quesito.

Embora a NBC, em público, deva comemorar estes números, é certo que, nos bastidores, o desempenho do programa não deve merecer tanta festa assim. A audiência, junto ao público qualificado, ficou aquém do esperado.

Talvez os índices de audiência do programa digam muito mais sobre o perfil deste público tão desejado pelas redes de TV e seus anunciantes, do que sobre o show em si. E sobre isso talvez bastasse citar não um, mas vários comentários, expressando a incredulidade diante da opção feita pelo personagem de Moyer entre a condessa Elza  e a noviça Maria; ou ainda a desconfiança em que alguns estariam caso o pai resolvesse se casar com uma babá que mal conhecia. Quando romantismo e amor à primeira vista não são possíveis nem mais em histórias de TV, que se dirá do que vem por aí? Mas, de qualquer forma, diz muito sobre o público que se quer atingir.

Esse exercício, de se pensar o perfil do público qualificado que assistiu ao show, ficaria mais estimulante ainda se pudéssemos descontar, desta audiência, os números agregados pela simples presença de Carrie Underwood ou a expectativa quanto ao seu desempenho como atriz. Afinal, entre fãs declarados e abutres de plantão, o cabo de guerra correu solto nos comentários sobre esta nova versão do filme de 1965.  E, neste tocante, dois aspectos saltam aos olhos: primeiro a coragem da moça em aceitar interpretar um papel vivido pela (perdoem-me o lugar comum) magnífica Julie Andrews, e, segundo, sua sinceridade ao afirmar que não tinha a pretensão de ser Julie Andrews, pois sabia o seu lugar.

Por outro lado, o show talvez tenha sido conceitual demais para o público médio. Uma história, ainda que verídica, vivida há mais de cinqüenta anos, contada em forma de musical, ao vivo,  talvez seja próprio para a Broadway, não para a TV, na sua programação semanal. O destino de Smash poderia ter aceso a luz vermelha.

É lógico que a Academia e os prováveis Emmys podem amenizar o impacto da audiência e abrandar egos feridos.

Melhores desempenhos junto à audiência, na semana de 1 a 6 de dezembro

Próximo às festas natalinas, a programação da TV, sofre algumas alterações. Por isso algumas ausências na tabela de audiência.

Nesta semana não foram exibidos episódios inéditos de:

  • pela rede  ABC: Revenge, Betrayl, Marvel Agent´s of S.H.I.E.L.D. e Castle;
  • pela rede CBS: NCIS, NCIS: LA, Person of Interest, Criminal Minds, CSI, Undercover Boss, Hawaii 5-0 e Blue Bloods;
  • pela rede FOX Sleepy Hollow, pela FOX;
  • pela rede CW: Beauty and the Beast e Hart of Dixie;
  • pela rede NBC: Revolution, Law and Order:SVU, Parks and Recreation, Sean Saves the World e Parenthood.

A ausência de Undercover Boss, Hawaii 5-0 e Blue Bloods da grade de programação da CBS, nesta sexta-feira, beneficiou Bones que subiu mais 0.1 ponto junto ao público qualificado, obtendo 1.6 pontos na demo; Grimm com 0.3 pontos a mais na demo, ficando com 1.6 pontos junto ao público alvo e Drácula que somou 0.2 pontos a mais na demo 18-49 anos.

Vale ressaltar também que, apesar de terem episódios reapresentados, NCIS, NCIS: LA, Person of Interest, Criminal Minds e CSI, aparecem na tabela de audiência total, pois conseguiram um público superior aos seis milhões de telespectadores, índice de corte da tabela.

Audiência na demo 18-49 anos

week 11 demoAudiência em milhões de telespectadores

week 11 totalAudiência das séries da rede CW

week 11 cwDesempenho das redes junto à audiência (média semanal)

week 11 grafico redesCom a ausência de episódios inéditos de algumas séries, como especificado acima, e a exibição de The Sound of  Music, a NBC ficou em primeiro lugar junto ao público alvo. Seus índices de audiência são ainda maiores com os números da programação esportiva de domingo (3.16 na demo 18-49 anos e 11,21 milhões de telespectadores totais).

Fonte dos dados: tvbythenumbers, tvseriesfinale, Buddytv, Agencia Reuters, Hollywood Reporter

Historiadora e professora não praticante. Adora uma boa história, seja ela escrita ou encenada. Atualmente, em seu coração, dividem espaço Person of Interest e Once Upon a Time. A Guerra dos Tronos? Prefere o livro.

5 Comments

  1. Sidney

    wtf! a audiencia foi considerada otima, o empreendimento foi um sucesso, esta em todos os sites americanos. onde foi considerada morna?

  2. Regina Monteiro

    Sidney, eu desconfio de unanimidades, por isso costumo olhar relativamente. Relativamente aos gastos com a produção, gastos com a propaganda, apelo na escala de atores etc, a audiência foi morna. É isso que tentei esclarecer no texto. Inclusive, por muito menos, somente para citar o programa concorrente, TBBT obteve índices melhores de audiência, inclusive com 14 de share, enquanto The Sound of Music obteve 13. Poderia citar aqui outros programas que por muito menos renderam muito mais. Mas, como eu também disse no texto, a NBC vai comemorar, e a maioria da mídia olhando somente os números também vai dizer que foi um sucesso. Mas eu não compartilho desta opinião, porque, simplesmente, costumo ir além dos números em si.

  3. Regina Monteiro

    Paulo o 60 minutes transmitiu uma entrevista com Jeff Bezos, CEO da Amazon.com e os planos para o futuro da empresa, que incluem entregas com drones. Mas o interessante sobre o 60 minutes é que, pelo menos nesta fall season, quando é transmitido às 7:30 ou às 8:00 sua audiência sobe, não é a primeira vez que faz essa marca. É que dessa vez foi transmitido às 8:00 que é o horário que utilizo para fazer o corte na programação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Log In or Create an account